Como devem ser marido e mulher



Baixar 14.45 Kb.
Encontro02.07.2019
Tamanho14.45 Kb.

AGOSTO/2015

COMO DEVEM SER MARIDO E MULHER

Jesus disse, dirigindo-se aos fariseus:

“Não lestes que quem criou o homem no princípio, criou-os homem e mulher, e disse: ‘Por isso, deixará o homem pai e mãe, e juntar-se-á com sua mulher, e os dois serão uma só carne’? Por isso, não mais são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus juntou” (Mateus, 19, 4-6).

Marido e mulher constituem, pois, um só corpo, são a união da mesma alma, e, por isso, não corresponde à vontade divina o fato de marido e mulher manterem-se independentes, com pensamentos diferentes. Não corresponder à vontade divina, significa não expressar o reino de Deus, tal como ele é. Em outras palavras, trata-se de um aspecto falso. Como poderão ser realmente felizes mantendo um aspecto falso? O que devem fazer é obedecer à intenção divina, colocando em prática uma vida em que cada cônjuge ama e é amado, unido mentalmente ao marido ou à mulher.

O casal constitui um só corpo e, por isso, quando marido e mulher se reverenciam e agradecem um ao outro do fundo do coração, cura-se até a doença considerada incurável. E mais do que isso, o lar é envolto por uma atmosfera alegre e paradisíaca, proporcionando verdadeira felicidade de viver.

Temos o seguinte exemplo verídico, que comprova o quanto é importante o espírito de mútua reverência entre marido e mulher.

O sr. Sakayuki Nishimura é um jovem que esteve no alojamento de estudantes da Seicho-No-Ie em Tóquio, por volta de 1943. Devido às férias escolares, ele estava na sua terra natal, na aldeia Akae, província de Shimane, quando viu a sra. Mitsu Kaneda caminhando com bengala numa mão e apoiando-se no parapeito da ponte. Julgando tratar-se de pessoa muito enferma, ele perguntou-lhe sobre o problema e soube que ela sofria de mal de Pott em estado grave.

Na época, o sr. Nishimura tinha apenas 19 ou 20 anos de idade, mas criou coragem e foi até a residência da sra. Kaneda e transmitiu longamente os ensinamentos da Seicho-No-Ie a ela, que estava apenas pele e osso. Explicou que o homem é filho de Deus e que, mesmo que aparente estar doente, na realidade não sofre nunca de doença. Ao final ele disse:

– Tenho duas perguntas a lhe fazer: 1) A senhora e seu marido mantêm relacionamento harmonioso? 2) Oferecem orações aos antepassados?

A sra, Kaneda respondeu “sim” às duas perguntas. O jovem Nishimura ficou desapontado e foi obrigado a dizer:

– Nesse caso, nada mais tenho a lhe dizer. Como todo homem deve morrer um dia, vá primeiro a senhora para o outro mundo que um dia, eu também irei,

Assim, ele tentou se retirar, quando, de repente, a sra. Kaneda gritou “Espere!” e agarrou os pés do sr. Nishimura com seus braços esqueléticos. Este voltou a sentar-se e perguntou: “Que foi?”.

– É tudo mentira! É mentira que eu e meu marido vivemos em harmonia e que oramos pelos nossos antepassados!

E disse que o marido saía todas as noites, não voltando muitas vezes para casa.

Numa noite, quando a sra. Kaneda estava no galpão de bicho-da-seda trabalhando, ouviu os passos do marido saindo de casa. “Vai sair de novo!” pensou raivosamente. Nisso, ele retornou e, espiando pela porta do galpão, disse:

– Dê folhas de amoreira aos bichos!

A sra. Kaneda ficou enfurecida, pensando: “Tem coragem de me mandar trabalhar, enquanto ele vai se divertir! Não precisava me dizer nada, pois eu estava disposta a dar de comer aos bichos! Que raiva! Parece que ele está contando com o meu trabalho para poder se divertir lá fora”. Pensando em dar de comer aos bichos mais tarde, ela saiu do galpão e foi para a sala de estar. Ficou lendo revista e acabou adormecendo. Acordou de repente, quando o marido a chacoalhava, ralhando com ela aos berros;

– Que moleza é essa?

Já o céu se clareava. A sra. Mitsu Kaneda ficou mais enraivecida ainda, pensando: “Que é esquecer só um dia de dar comida aos bichos? E ele? Não se divertiu a noite toda? Tinha de gritar daquele jeito? Afinal, quem é mais importante, os bichos ou eu?”

Ressentida, a sra. Mitsu passou a odiar terrivelmente desde então. Quanto à sogra falecida, ela não conseguia esquecer que, certo dia, quando tentou acrescentar a segunda porção de arroz na sua tigela, a sogra tampou o recipiente de arroz e puxou para si, impedindo que a nora comesse mais. Isso deixou a sra. Mitsu furiosa, e, mesmo após a morte da sogra, nunca ela havia participado, de coração, das cerimônias religiosas realizadas em homenagem à falecida. Foi o que a sra. Mitsu contou, em lágrimas.

O sr. Nishimura explicou, então, que na verdade não existia marido que pernoitava fora de casa, nem sogra que parecia maldosa, e que tudo era sombra da ilusão mental. Era como se ela estivesse tendo um pesadelo. Se reverenciasse o marido, lesse fervorosamente a sutra Chuva de Néctar da Verdade diante do oratório, e se ela própria se tornasse uma esposa muito afetuosa, com certeza o seu ambiente e o seu corpo físico melhorariam muito. Após explicar tudo isso, ele se retirou.

Algum tempo depois, o sr. Nishimura recebeu a visita da sra. Mitsu Kaneda e, chorando, disse “Muito Obrigada”. Explicou que conseguira agradecer a todas as coisas do céu e da terra, bem como que passara a reverenciar o marido e os antepassados. E, então, pela primeira vez, conseguiu andar sem bengala e, hoje, sentia-se completamente recuperada.

Foi assim que ela recuperou completamente a saúde, desaparecendo a tuberculose vertebral. Por outro lado, seu marido também deixou de pernoitar fora de casa, uma vez que a esposa tornou-se muito afetuosa e dócil, e ele não se sente com coragem de ofendê-la. Dessa maneira, a sra. Mitsu foi salva, tanto dos problemas físicos como dos conflitos conjugais.

Se o casal, que é originariamente uma só alma, conseguir unir realmente seus sentimentos, tudo que aparenta ser mal e irracional neste mundo desaparecerá por completo, e surgirá um mundo de permanente felicidade, sem doenças, sofrimentos ou desgraças. Antes de reconhecer o mal ao seu redor e criticá-lo, é muito importante que cada cônjuge reflita e pergunte, a si mesmo, se tem sido uma esposa ou um marido realmente amorosa(o).



O Amor Tudo Cura, pp. 183-192
Dica do Departamento de Casais: Neste mês aprendemos que marido e mulher constituem uma só vida, apesar de estarem fisicamente separados, e que a infelicidade, a desarmonia e o aparente mal, desaparecem quando marido e mulher reconhecem essa Verdade. Para ser mais claro, basta que um de nós reconheça a Unidade original do casal e passe a praticar. Viver em harmonia com o cônjuge reverenciando sua Imagem Verdadeira e orar pela felicidade dos antepassados são os exemplos dados neste artigo. Queridos Casais, vamos colocar em prática a oração no nosso lar, vamos preenchê-lo de amor, sorrisos e reverências. Tornar nosso lar um Paraíso é a nossa maior missão e a nossa recompensa é o amor e a felicidade.

Dica aos coordenadores: Queridos Coordenadores, este mês, sugerimos que seja feita a Oração de Gratidão aos Antepassados.

Dicas aos orientadores: Sugerimos que seja orientado aos casais de maneira que eles entendam a importância da oração no lar, e que fazer da oração um hábito é o que nos dá a base para um cotidiano alegre e feliz.


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande