Clareamento dental, riscos,verdades e mentiras



Baixar 7.47 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho7.47 Kb.


CLAREAMENTO DENTAL: Riscos, Verdades e Mentiras.
O clareamento dental, tratamento bastante difundido nos dias atuais, tem sido alvo de dúvidas e abusos, não somente por técnicas mal conduzidas, mas, também, por pessoas que, não sendo cirurgiões-dentistas, realizam este procedimento ilegalmente, em demonstrações para venda de aparelhos ou em clínicas de estética, como mais uma modalidade de tratamento embelezador.

O clareamento dental utiliza o peróxido de hidrogênio, uma substância encontrada naturalmente no nosso corpo, como na lágrima, saliva etc. Porém, quando utilizado inadequadamente, pode causar danos (às vezes irreversíveis) aos dentes e até lesões em tecidos moles, como língua, gengiva e lábios.

O peróxido de hidrogênio se decompõe, basicamente, em água e oxigênio, que penetra no dente e provoca uma reação química, quebrando as moléculas pigmentadas grandes em partículas menores, que refletem mais luz e tornam o dente mais claro.

O clareamento conhecido como “caseiro” (aquele realizado com moldeiras, em casa e sob supervisão) é a técnica mais eficaz e segura, devido à baixa concentração de peróxido e ao pH neutro da substância. Indubitavelmente, o paciente deve fazer uma consulta prévia com um cirurgião-dentista, com preparado para conduzir tal tratamento, que irá supervisionar todo o processo, do início ao fim, para a eventualidade de efeitos adversos. Os mais comuns são a sensibilidade e a substituição de restaurações (as quais não têm resposta alguma ao clareamento e geram disparidade de coloração).

Para aqueles pacientes que não se adequarem ao “clareamento caseiro”, seja por não se adaptarem às moldeiras, seja pelas manchas mais agressivas nos seus dentes e que não tiveram uma boa resposta ao tratamento, os profissionais podem lançar mão da chamada “técnica em consultório”. Esta deve ser usada apenas uma vez por semana e utiliza o peróxido de hidrogênio em alta concentração, mais agressivo e ácido. Neste caso, deve ser utilizado o isolamento absoluto, ou seja, o chamado lençol de borracha, que deixa somente os dentes expostos ao produto e protege os tecidos moles contra queimaduras e/ou irritações.

Com o intuito de acelerar o processo de decomposição do peróxido de hidrogênio, na consulta de clareamento, em consultório, podem ser usadas fontes de luz, ou seja, aparelhos que têm a função de aumentar a temperatura local e assim, agilizarem a liberação do oxigênio e sua penetração nos dentes. Porém, estudos científicos ressaltam que o aumento de temperatura, acima dos 5,5 graus centígrados, pode ser danoso à polpa dental. Um tratamento mal conduzido pode elevar o calor em até 16 graus centígrados, “matando” a polpa dentária (vasos e nervo, internos ao dente). Isso, sem dúvida, leva à necessidade de tratamento de canal, que pode escurecer o dente ainda mais, num efeito adverso ao esperado pelo cliente,



Enfim, para um bom clareamento dental devem ser consideradas inúmeras variáveis sobre a causa das manchas, qual técnica deve ser utilizada e como deve ser conduzido. Além disso, é fundamental o Cirurgião-dentista estar preparado para responder às dúvidas mais freqüentes do paciente tais como: tempo de tratamento, se os dentes voltam a escurecer, efeitos colaterais, riscos, associações com cigarro e corantes etc. Por estas razões e para que o tratamento tenha um resultado satisfatório, depender-se-á não somente do agente clareador mas, também, da disciplina do paciente e sobretudo, de um bom planejamento profissional pelo Cirurgião-dentista.

dR. Marcílio De Cássia MIRANDA. CRO-MG 20597

Mestre em Odontologia (área de concentração Dentística) e Especialista em Dentística. É Professor de cursos de aperfeiçoamento e Especialização em Dentística, área da Odontologia que se dedica à prevenção e restauração dos dentes, com o objetivo de se manter ou restabelecer a sua forma, função e estética.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal