Chefe da casa Militar do governo Brizola relembra 40 anos da Legalidade



Baixar 6.76 Kb.
Encontro04.10.2019
Tamanho6.76 Kb.

Chefe da casa Militar do governo

Brizola relembra 40 anos da Legalidade




Por Por Janine Passini

A Assembléia gaúcha teve ontem a oportunidade de ouvir um dos protagonistas do movimento da legalidade, ex-chefe da Casa Militar, braço direito do então governador Leonel Brizola, coronel Emílio Neme, hoje com 76 anos. Em pronunciamento informal e descontraído, O cel. Neme rememorou dados históricos, mesclando-os a fatos inéditos e lembranças dos bastidores do poder da época.

O coronel destacou a importância da união do Poder Executivo e do Legislativo para o sucesso da legalidade. Para ele, "a Assembléia gaúcha sempre foi reconhecida como uma instituição idônea e criteriosa".

Segundo o palestrante, o presidente Jânio Quadros sempre tomou atitudes controversas, ora beneficiando a esquerda, ora a direita. "O ponto máximo foi quando ele condecorou Che Guevara. A classe conservadora não aceitou", lembrou o coronel. Em 1961, época da renúncia de Jânio Quadros, Brizola lutou pela posse do vice-presidente, João Goulart, que estava em visita à China Comunista.

Para o presidente da CCJ e idealizador do evento, deputado João Luiz Vargas, "a legalidade foi um dos maiores movimentos mundiais de resistência democrática e das garantias constitucionais".

A partir do depoimento do chefe da Casa Militar, o deputado Germano Bonow (PFL) contribuiu com seu testemunho, lembrando que esteve presente ao ato em frente ao Palácio Piratini - que estava ameaçado de bombardeio- ainda como estudante da escola Júlio de Castilho, com 19 anos, lutando pela legalidade, mesmo sem pertencer ao partido do governador, o PTB. O depoimento do deputado Bonow corroborou o discurso do cel. Neme, que exaltou "a presença conjunta de todos os partidos na execução do movimento e ainda a participação efetiva dos estudante e operários, que se alistaram em todas as partes do estado, para dar sua contribuição ao País".

O deputado José Ivo Sartori (PMDB) exaltou "a lição que se tira de um acontecimento como esse: o RS é maior do que as divergências políticas".

O deputado Manoel Maria (PTB), que nasceu em Santa Catarina e vive há 15 anos no RS, lembrou que na época da legalidade era um guri, que ouvia no rádio notícias envolvendo o cel. Neme, e por isso, sentiu-se muito emocionado por presenciar um relato "tão rico e tão singelo ao mesmo tempo".



Já o deputado Vieira da Cunha (PDT) salientou que "o cel. Neme é um dos expoentes do trabalhismo, que conquistou o respeito ao longo desses anos lutando pela democracia. A legalidade adiou o golpe, que só veio em 64, graças ao trabalhismo de pessoas como Neme e à grande mobilização popular".

O Fórum da Legalidade é uma promoção da Comissão de Constituição e Justiça e terá, ao longo deste ano, palestras com personalidades importantes, como o ex-governador Leonel Brizola e o ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Nelson Jobim, entre outros.
Catálogo: fotos -> 2001 -> diario -> junho


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande