Changes in the incidence of candidiasis in neonatal intensive care units



Baixar 45.73 Kb.
Encontro03.02.2018
Tamanho45.73 Kb.



Changes in the incidence of candidiasis in neonatal intensive care units.

Aliaga S, Clark RH, Laughon M, Walsh TJ, Hope WW, Benjamin DK, Kaufman D, Arrieta A, Benjamin DK Jr, Smith PB.

Pediatrics. 2014 Feb;133(2):236-42. Artigo Integral!
Coordenação: Fabiana Márcia de Alcântara Morais Ferreira, Jorge Eduardo Rocha Morais, Paulo R. Margotto
O se sabe sobre o assunto: A incidência de candidíase invasiva em crianças hospitalizadas está relacionada com exposições pós-natais, mas estudos em grande escala que relacionem a incidência de candidíase invasiva com mudanças na exposição ao longo do tempo não estão disponíveis.

resumo

OBJETIVO: A candidíase neonatal invasiva está associada com morbidade e mortalidade significativas. Nós descrevemos a associação entre candidíase invasiva e mudanças no uso da profilaxia antifúngica, terapia antifúngica empírica e antibióticos antibacterianos de amplo espectro ao longo do tempo.


MÉTODOS: Foram analisados ​​dados de 709.325 crianças em 322 UTIN geridas pelo Grupo Medical Pediatrix de 1997 a 2010. Nós determinamos por ano a incidência cumulativa de candidíase invasiva e uso de profilaxia antifúngica, de antibióticos antibacterianos de amplo espectro e terapia antifúngica empírica.
RESULTADOS: Foram identificadas 2063 (0,3%) crianças com 2101 episódios de candidíase invasiva. Ao longo do período de estudo, a incidência anual da doença diminuiu de 3,6 episódios por 1.000 pacientes a 1,4 episódios por 1.000 pacientes entre todos os recém-nascidos, de 24,2 para 11,6 episódios por 1.000 pacientes entre crianças com peso de ao nascer entre 750-999g, e de 82,7 para 23,8 episódios por 1.000 pacientes entre crianças com peso de nascimento <750 g. A profilaxia de uso do fluconazol aumentou entre todos os recém-nascidos com peso de nascimento<1000 g (ou <1,500 g), com os maiores efeitos sobre os nascidos com peso <750 g, aumentando de 3,8 por 1.000 pacientes em 1997 para 110,6 por 1000 pacientes em 2010. O uso de antibióticos de largo espectro antibacteriano diminuiu entre todas as crianças a partir dos 275,7 por 1.000 pacientes em 1997 para 48,5 por 1.000 pacientes em 2010. O uso de terapêutica antifúngica empírica aumentou ao longo do tempo 4.0 por 1.000 pacientes em 1997 para 11,5 por 1.000 pacientes em 2010.
CONCLUSÕES: A incidência de candidíase invasiva na UTI neonatal diminuiu ao longo do período de estudo de 14 anos. O aumento do uso da profilaxia com fluconazol e da terapia antifúngica empírica, junto com o menor uso de antibióticos de amplo espectro antibacteriano, pode ter contribuído para essa observação.

PALAVRAS-CHAVE

candidíase invasiva, profilaxia com fluconazol, prematuros
ABREVIATURAS

IC–intervalo de confiança

PEBN– pesoextremamente baixo ao nascer

OR – (odds ratio)razão de probabilidade

IQR: intervalo interquartil
A candidíase invasiva é uma importante causa de sepse na UTI. As infecções por Candida em recém-nascidos estão associadas com uma mortalidade e morbidade significativas, incluindo insuficiência do desenvolvimento neurológico entre os sobreviventes. A incidência de candidíase invasiva vai de 2.6% a 13,2% em recém-nascidos de muito baixo peso (<1500 g) e de 6,6% a 26,0% em crianças com extremo baixo peso (PEBN) (<1000 g).
Fatores de risco previamente identificados para candidíase invasiva na UTI incluem baixo peso ao nascer, prematuridade, presença de cateteres centrais, dias de ventilação mecânica, cirurgia abdominal, e exposição a antibióticos de amplo espectro antibacterianos (por exemplo, cefalosporinas de terceira geração). A incidência de candidíase invasiva varia significativamente de acordo com o centro de tratamento. A variação na incidência de candidíase invasiva e sua associação com resultados insatisfatórios deveriam levar à realização de avaliações rápidas de como mudanças ou diferenças nas práticas clínicas poderiam influenciar o risco de contrair essa doença.
A candidíase invasiva em crianças hospitalizadas parece estar diminuindo. Trabalhamos com a hipótese de que um aumento do uso de profilaxias antifúngicas e terapia antifúngica empírica, bem como ouso limitado de antibióticos antibacterianos de amplo espectro pode explicar a incidência decrescente. Aqui, nós usamos um grande estudo multicêntrico de coorte para descrever a incidência de candidíase na UTIN e mudanças paralelas no uso de profilaxiasantifúngicas, de antibióticos antibacterianos de amplo espectro e terapia antifúngica empírica ao longo de um período de 14 anos.

MÉTODOS
Examinamos uma coorte de todas as crianças que receberam alta de 322 UTIN geridas pelo grupo médico Pediatrix de 1997 a 2010. Os dados foram coletados prospectivamente a partir de notas de progresso diários geradas pelos médicos. Nós determinamos a incidência cumulativa de candidíase invasiva e o uso de profilaxias antifúngicas, antibióticos antibacterianos de amplo espectro e terapia antifúngica empírica por ano.


Definições
As avaliações para a infecção foram realizadas usando as práticas padrão de cuidados em cada UTIN..
Definimos a profilaxia antifúngica como uma combinação do seguinte: (1) a administração de antifúngico começou nos primeiros 5 dias pós-natal, (2) período de tratamento durando>7 dias, e (3) nenhuma cultura positiva para Candida começou antes ou no dia da profilaxia antifúngica. Definimos a terapia antifúngica empírica como uma combinação do seguinte: (1) presença de uma cultura obtida enquanto o paciente estava a receber terapia antifúngica, (2) ausência de culturas de Candida positivas dentro dos últimos 14 dias, e (3) exclusão de terapia definida como profilaxia antifúngica. Definimos a administração de um antibiótico bactericida de largo espectro, como a exposição a uma cefalosporina de terceira geração ou carbapenem a qualquer momento durante a internação UTIN.
Análise estatística
Nós organizamos os nossos dados de 3 formas distintas: em nível nacional, para cada ano, em nível local para cada ano, e em nível de cultura para cada paciente. Nos níveis nacional e local, para cada ano, calculamos a incidência (episódios por 1000 doentes) de candidíase invasiva. Também calculamos o uso (por 1000 doentes) da profilaxia antifúngica, antibióticos antibacterianos de largo espectro, e terapia antifúngica empírica. Tanto em nível nacional quanto local foram calculados a incidência anual de candidíase, o uso de profilaxia antifúngica, o uso de antibióticos antibacterianos de largo espectro e o uso de terapêutica antifúngica empírica para todas as crianças em nossa amostra, bem como para aqueles em cada um dos grupos de peso 4 de nascimento : ≥1500g, 1000-1499g, 750-999g, e <750g.
Para examinar a associação entre o uso de antibióticos de largo espectro antibacteriano e a incidência de candidíase invasiva, em nível local, nós contabilizamos 2 aspectos-chave dos dados. Em muitos casos, especialmente entre as crianças mais pesadas, a incidência de doença invasiva num local era 0. Além disso, o número de observações variou substancialmente em todos os locais ao longo do tempo. Usamos modelos Tobit para dar conta do exame dos dados em 0 e ponderar as observações pelo número de pacientes em cada local de cada ano para levar em consideração as diferenças de tamanho da amostra de local para local.
Utilizamos uma regressão logística multivariada para examinar a relação entre a exposição a antibióticos de amplo espectro antibacterianos nos 7 dias antes de uma cultura e do desenvolvimento de candidíase invasiva, controlando de acordo com a idade gestacional. A unidade de observação para esta análise foi a cultura. Porque as culturas foram obtidas em dias muito diferentes da vida em todas as crianças, usamos uma regressão logística condicional em que as crianças foram estratificadas de acordo com o dia pós-natal em que a cultura foi obtida. Todas as análises foram realizadas com o Stata 12.0 (StataCorp, College Station, TX) . O Conselho de Revisão Institucional da Universidade Duke e o Conselho de Revisão Institucional Ocidental aprovaram este estudo.
RESULTADOS
Foram incluídas 709 325 crianças na análise final. Um total de 2063 (0,3%) crianças tiveram 2101 episódios de candidíase invasiva. A idade gestacional mediana de crianças com candidíase invasiva foi de 26 semanas (intervalo interquartil: 24-29 semanas) em comparação com 35 semanas (intervalo interquartil:33-38 semanas) para aqueles sem candidíase invasiva (P <0,001) (Tabela 1).O peso ao nascer médio para crianças com candidíase invasiva foi 791 g (640-1193 g) em comparação com 2486 g (1825-3200 g) para aqueles sem candidíase invasiva (P <0,001). A mortalidade foi maior para crianças com candidíase invasiva (19,9% vs 2,1%; P <0,001). Durante o período de 14 anos, a incidência anual de doença invasiva diminuiu de 3,6 por 1000 crianças para 1,4 por 1000 crianças, com a maior queda entre as crianças com um peso de nascimento <750 g (82,7-23,8 por 1000 crianças) e crianças com um peso ao nascer de 750-999 g (24,2-11,6 por 1000 crianças) (Figura 1). A incidência de doença invasiva diminuiu começando em 2001 e continuou a diminuir durante o resto do período de estudo.
Foram identificadas 2831 (0,4%) crianças que receberam profilaxia antifúngica. Fluconazol foi o antifúngico mais utilizado para a profilaxia (n = 2.625, 92,7%). Observou-se aumento do uso da profilaxia antifúngica com fluconazol a partir de 2002 (Figura 2). Durante o período de estudo, o uso de fluconazol para profilaxia antifúngica aumentou entre todas as crianças de 0,1 por 1000 doentes para 7,4 por 1000 pacientes. O maior aumento foi observado entre as crianças com peso de nascimento <750 g, de 3,8 para 110,6 por 1000 pacientes.
Identificamos 7494 (1,1%) crianças que receberam ≥1 ciclos de tratamento antifúngico empírico, incluindo 1417 crianças que receberam ≥ 2 ciclos. A duração mediana dos ciclos empíricos foi de 8 dias (IQR:4 -14). O tratamento empírico incluiu 3959 ciclos de produtos anfotericina e 4209 ciclos de fluconazol. Entre as crianças que receberam a terapia antifúngica empírica, 599 (8,0%) desenvolveram candidíase invasiva durante a terapia. Durante o período do estudo, observou-se um aumento na terapia antifúngica empírica entre todos os recém-nascidos, de 4,0 por 1000 pacientes em 1997 para 11,5 por 1000 doentes em 2010.Observou-se o maior aumento entre os recém-nascidos com peso de nascimento <750g, de 67,7 para 206,0 por 1000 pacientes.
Durante o período de estudo, o uso de antibióticos de largo espectro diminuiu entre todas as crianças de 275,7 para 48,5 por 1000 pacientes (figura 3). A exposição aos antibióticos antibacterianos de largo espectro esteve associada com um risco aumentado da candidíase invasiva (razão de probabilidade ajustado [OR]: 1,88; 95% de intervalo de confiança [IC]: 1,72-2,07; P = 0,87). Esta descoberta foi amplamente espelhada, em diferentes locais.Entre os 3 grupos de peso menor (1000-1499 g, 750-999 g, e <750 g), cada redução de 10% no uso de antibióticos antibacterianos de largo espectro esteve associado com uma diminuição de 2,9% a 7,3% na incidência da candidíase invasiva (Tabela 2). Não houve associação significativa entre o uso de antibióticos antibacterianos de largo espectro e candidíase invasiva entre os recém-nascidos com um peso de nascimento ≥1500 g (P = 0,18).
DISCUSSÃO
Neste grande coorte de crianças hospitalizadas observou-se uma diminuição na incidência de candidíase invasiva durante o período de estudo. Observamos a maior queda entre as crianças com peso de nascimento <750 g e 750-999 g. Durante este mesmo período de tempo, observamos também um aumento da utilização de profilaxia antifúngica e terapia antifúngica empírica, bem como a diminuição da utilização de antibióticos antibacterianos de largo espectro. Essas mudanças na prática clínica podem ter contribuído para a diminuição da incidência de candidíase neonatal invasiva.
A incidência decrescente de candidíase invasiva encontrada neste estudo é semelhante aos dados anteriormente publicados a partir de 130 523 crianças internadas em 128 UTIN participantes do Sistema Nacional de Vigilância de Infecção Nosocomial. Os dados do sistema revelaram uma pequena diminuição na incidência de infecção por Candida na corrente sanguínea em crianças com um peso de nascimento <1000 g, de 6,6% em 1995-1999 para 5,1% no período de 2000-2004. Nossos dados revelam novas reduções na candidíase invasiva entre as crianças com <1000 g depois de 2004.Mudanças na prática clínica neonatal são pelo menos parcialmente responsáveis pela tendência de diminuição da candidíase invasiva. Essas mudanças na prática, incluindo o aumento do uso de profilaxia antifúngica e a diminuição do uso de antibióticos de amplo espectro antibacterianos, são compatíveis com resultados de ensaios clínicos randomizados e estudos observacionais. Uma meta-análise de 656 crianças de 5 ensaios clínicos randomizados constatou que a profilaxia antifúngica com fluconazol em crianças de alto risco reduz a incidência da candidíase invasiva em crianças de muito baixo peso em 52% (número necessário para tratar = 11; 95% CI: 7- 33).Os resultados dos primeiros ensaios clínicos randomizados da profilaxia com fluconazol publicado em 2001 e a primeira revisão Cochrane publicada em 2004 provavelmente influenciaram a prática na UTIN em nosso conjunto de dados. Nossos resultados sugerem que os prestadores estão administrando a profilaxia antifúngica de acordo com as recomendações mais comuns visando crianças com peso de nascimento <1000 g, embora a maioria dos recém-nascidos com peso de nascimento <1000 g não esteja exposta a profilaxia antifúngica.

Estudos anteriores apoiam uma associação entre infecções invasivas por Candida e exposição a antibióticos de largo espectro antibacterianos. A exposição a antibióticos de largo espectro antibacterianos em uma coorte de 3702 crianças de extremo baixo peso esteve associada a candidíase invasiva (OR: 2,16; IC 95%: 1,42-3,27). Da mesma forma, observou-se uma associação entre antibióticos antibacterianos de largo espectro e risco aumentado de candidíase invasiva, em nível de cultura (OR: 1,88; IC 95%: 1,72-2,07). Em nossa coorte, o uso de antibióticos de largo espectro antibacterianos diminuiu ao longo do tempo, refletindo a diminuição da candidíase invasiva. Com efeito, os resultados da regressão de Tobit implicam que, em média, os locais que mais reduziram o uso de antibióticos de largo espectro antibacterianos tiveram a maior diminuição na candidíase.


Muitas crianças de extremo baixo peso estão expostas a ciclos empíricos de agentes antifúngicos por suspeita de sepse fúngica. O aumento da utilização de terapia antifúngica empírica observado durante o período do estudo provavelmente reflete uma maior consciência da necessidade de intervenção terapêutica precoce para melhorar o resultado da sepse porCandida e da associação entre candidíase invasiva e mortalidade e do comprometimento do desenvolvimento neurológico nesta população de alto risco. O diagnóstico de candidíase invasiva é dificultado pela apresentação clínica não específica da doença e baixa sensibilidade das técnicas de diagnóstico microbiológico atuais. O uso generalizado da terapia antifúngica empírica pode potencialmente contribuir para a redução da incidência de candidíase invasiva, diminuindo ou eliminando a colonização fúngica. O efeito da terapia antifúngica empírica sobre os resultados provavelmente será mais significativo se os ciclos de tratamento mirarem crianças com maior risco de sepse fúngica.
Os autores reconhecem que outras mudanças de prática não medidas poderiam contribuir para a diminuição da candidíase invasiva. Um número crescente de iniciativas de melhoria da qualidade de NICU dirigidas a gestão do cateter central e concebidas para diminuir infecções da corrente sanguínea associadas ao cateter central pode ter contribuído para nossos achados. De 1999 a 2009, os dados do Sistema de Vigilância Nacional de Infecção Nosocomial e da Rede Nacional de Segurança e Cuidados de Saúde revelou que a incidência global de infecções da corrente sanguínea associada ao cateter central por Candida spp.diminuiu 0,92-0,2 por 1000 dias de cateter.A introdução de normas de gestão do cateter central e a observância de lavagem das mãos não foram mensuradas, mas podem ter contribuído para a redução da candidíase invasiva. No entanto, a incidência de bacteremia permaneceu estável em 30 por 1000 recém-nascidos nos anos de 1997-2001 versus 32 por cada 1000 recém-nascidos de 2006 a 2010. O tratamento antifúngico da candidíase neonatal também mudou ao longo dos últimos dez anos, com recomendações de dosagem mais elevadas para a terapia de fluconazol e a introdução de agentes antifúngicos mais recentes, tais como a classe das equinocandinas. Uma menor exposição a outros fatores de risco também poderia explicar a diminuição da incidência de candidíase. Por exemplo, o uso em geral de bloqueadores da histamina-2 diminuiu de 66 por 1000 recém-nascidos nos anos que antecederam a diminuição da candidíase (1997-2001) para 52 por 1000 crianças no final do período de estudo (2006-2010). Do mesmo modo, a exposição à ventilação mecânica diminuiu de 280 para 229 por 1000 crianças.
A diminuição na incidência de candidíase invasiva tem um efeito profundo sobre a dimensão da amostra necessária para testes bem desenhados para avaliar a eficácia de agentes antifúngicos, tanto para profilaxia quanto tratamento. Por exemplo, a profilaxia com fluconazol resulta em uma redução do risco relativo na incidência de candidíase invasiva de entre 50% e 80%.O tamanho da amostra necessária para observar essa diferença no contexto de um ensaio clínico é agora dramaticamente maior, dada a diminuição da incidência de candidíase neonatal. A diminuição na incidência de candidíase invasiva também terá um grande impacto sobre a inscrição de participantes em ensaios de eficácia antifúngicos. A maioria das UTIN de tamanho moderado admite ~500 crianças por ano. Nós estimamos, dadas as dificuldades em obter o consentimento dos pais, a exposição das crianças infectadas aagentes antifúngicos empíricos anteriormente e critérios de exclusão, que apenas um terço das crianças infectadas poderia ser listado em um ensaio de eficácia randomizado. Dada a incidência cumulativa de 1,4 infecções por 1000 crianças, um estudo de 250 crianças exigiria 10 anos e 100 UTIN para concluir a inscrição.
Os pontos fortes deste estudo incluem o grande número de crianças na análise, particularmente uma proporção significativa de crianças de extremo baixo peso internadas de todos os Estados Unidos. Dado que a maioria dos episódios de candidíase invasiva em bebês neonatais ocorreem crianças com peso extremamente baixo e no ambiente de UTI, os nossos resultados provavelmente são representativos do peso real da doença nessa população. Este estudo fornece evidências de uma tendência geral de queda de candidíase invasiva na população das UTIN por todo o país. Claro, nem todas as unidades individuais podem ter experimentado o mesmo grau de mudança. Dada a natureza retrospectiva desses dados, não é possível examinar as relações causais entre as mudanças em todas as práticas clínicas e a redução da incidência de candidíase invasiva. Também é possível que o uso posterior do fluconazol (após os primeiros 5 dias) tenha sido vista como profilaxia em bebês sendo tratadosprolongadamente com antibióticos ou que enterocolite necrosante tenha sido incluída na categoria antifúngica empírica. Reconhecemos também a possibilidade de que outras mudanças no atendimento clínico, tais como mudanças na gestão da ventilação, cuidados no cateter central, e as práticas de alimentação, possam ter influenciado o risco de adquirir candidíase invasiva. Por exemplo, embora a candidíase invasiva tenha começado a diminuir em 2001, o aumento da profilaxia antifúngica só começou em 2002.

CONCLUSÕES


Nossos resultados mostram uma diminuição substancial na incidência de candidíase invasiva no ambiente da UTIN. Essa diminuição foi provavelmente o resultado de mudanças progressivas na prática clínica neonatal. A diminuição da incidência de candidíase invasiva provavelmente não só irá reduzir os custos globais de cuidados de saúde, mas também melhorar os resultados neonatais. Cada UTIN deve acompanhar de perto a sua incidência de candidíase invasiva porque é possível alcançar taxas mais baixas. Semelhante à prevenção de infecções da corrente sanguínea associadas ao cateter central e Streptococcus do grupo B, queremos eliminar essas infecções. Ensaios clínicos suplementares que abordem a eficácia da profilaxia antifúngica e da terapia antifúngica empírica podem não ser viáveis dada a atual incidência da doença. Uma comparação das práticas entre UTIN com altas e baixas taxas de candidíase pode ser útil para fornecer mais evidências para as melhores práticas na prevenção dessa doença.
O que este estudo acrescenta: Este estudo descreve a associação entre a incidência de candidíase invasiva e mudanças no uso da profilaxia antifúngica, terapia antifúngica empírica e antibióticos antibacterianos de amplo espectro ao longo do tempo.

Resumo

OBJETIVO: A candidíase neonatal invasiva está associada com morbidade e mortalidade significativas. Nós descrevemos a associação entre candidíase invasiva e mudanças no uso da profilaxia antifúngica, terapia antifúngica empírica e antibióticos antibacterianos de amplo espectro ao longo do tempo.


MÉTODOS: Foram analisados ​​dados de 709.325 crianças em 322 UTIN geridas pelo Grupo Medical Pediatrix de 1997 a 2010. Nós determinamos por ano a incidência cumulativa de candidíase invasiva e uso de profilaxia antifúngica, de antibióticos antibacterianos de amplo espectro e terapia antifúngica empírica.
RESULTADOS: Foram identificadas 2063 (0,3%) crianças com 2101 episódios de candidíase invasiva. Ao longo do período de estudo, a incidência anual da doença diminuiu de 3,6 episódios por 1.000 pacientes a 1,4 episódios por 1.000 pacientes entre todos os recém-nascidos, de 24,2 para 11,6 episódios por 1.000 pacientes entre crianças com peso de ao nascer entre 750-999g, e de 82,7 para 23,8 episódios por 1.000 pacientes entre crianças com peso de nascimento <750 g. A profilaxia de uso do fluconazol aumentou entre todos os recém-nascidos com peso de nascimento<1000 g (ou <1,500 g), com os maiores efeitos sobre os nascidos com peso <750 g, aumentando de 3,8 por 1.000 pacientes em 1997 para 110,6 por 1000 pacientes em 2010. O uso de antibióticos de largo espectro antibacteriano diminuiu entre todas as crianças a partir dos 275,7 por 1.000 pacientes em 1997 para 48,5 por 1.000 pacientes em 2010. O uso de terapêutica antifúngica empírica aumentou ao longo do tempo 4.0 por 1.000 pacientes em 1997 para 11,5 por 1.000 pacientes em 2010.
CONCLUSÕES: A incidência de candidíase invasiva na UTI neonatal diminuiu ao longo do período de estudo de 14 anos. O aumento do uso da profilaxia com fluconazol e da terapia antifúngica empírica, junto com o menor uso de antibióticos de amplo espectro antibacteriano, pode ter contribuído para essa observação.

PALAVRAS-CHAVE



candidíase invasiva, profilaxia com fluconazol, prematuros

Brasília, 4 de agosto de 2016




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal