Catarata cbo 1997



Baixar 268.65 Kb.
Página1/4
Encontro05.03.2018
Tamanho268.65 Kb.
  1   2   3   4

Catarata
CBO 1997
1)A catarata lenticular em criança não ocorre na seguinte condição:


    1. Prematuridade

    2. Desnutrição materna

    3. Lenticone

    4. Doença metabólica




  • Lenticone

    • Posterior

      • Condição muito rara

      • Bulge redondo ou cônico da região axial posteiror para o vítreo

      • Afinamento ou ausência da capsula posterior

      • Pode estar associado a opacidade capsular posterior e restos hialoideos.

      • Pode com a idade opacificar o cortex

      • Maioria dos casos são unilateral, esporádicos e sem anormalidades sistêmicas.

    • Anterior

      • Projeção bilateral axial da superfície anterior do cristalino para a câmara anterior

      • 90% tem síndrome de Alport

      • Catarata, flecks retinianos, distrofia polimorfa posterior

  • Doenças metabólicas

    • Galactosemia

      • Deficiência na utilização da galactose

        • Ausência da enzima galactose-1-phosphato uridyl transferase (GPUT)

        • Herança AR

      • Características sistêmicas

        • Manifesta durante a infância, letargia, vômitos, diarréia e não desenvolve. Substância redutora na urina após beber leite. Se não remover galactose da dieta  hepatoesplenomegalia, doença renal, anemia, surdez, deficiência mental e morte.

      • Catarata

        • Opacidade em gota de óleo  desenvolve nos primeiros dias ou semanas de vida.

        • Retirada da galactose pode até reverter a catarata

    • Deficiência de Galactokinase

      • Primeira enzima no metabolismo da galactose

      • AR

      • Sem sinais sistêmicos

      • Catarata

        • Opacidades lamelares

        • Desenvolve no feto ou na infância precoce

        • Caratogênica indireta  redução do dulcitol no cristalino  acumula e aumenta a pressão osmótica intralenticular  aumenta o influxo de água  altera as fibras  opacificação.

    • Sindrome de Lowe (oculocerebrorenal)

      • Erro inato do metabolismo de amino ácidos

      • Afeta mais meninos

      • Ligada ao X

      • Sinais sistêmicos

        • Deficiencia mental, sindrome de Fanconi  tubulo renal proximal, hipotonia muscular, proeminência frontal e olhos afundados.

        • Catarata e glaucoma congênito

      • Catarata

        • Universal

        • Cristalino pequeno, fino e em forma de disco (microfacia)

        • Pode ter lentiglobus posterior

        • Catarata pode ser capsular, lamelar, nuclear ou total.

        • Female carriers  opacidades corticais micropuntatas sem impacto visual

    • Outras

      • Hipoparatireoidismo, pseudohipoparatireoidismo e mannosidosis

Resposta B


2)São complicações no pós-operatório imediato da cirurgia de catarata:
a)Aumento da PIO e epitelização da CA

b)Prolapso de íris e edema macular cistóide

c)Endoftalmite, opacificação de CP

d)Ceratopatia estriada e deiscência de sutura




  • Complicações cirurgia de catatara

    • Aumento da PIO

      • Comum após cirurgia

      • Leve e auto-limitado não necessitando de medicação por tempo prolongado.

      • Retenção de viscoelástico (hyaluronato)

      • Mistura de condroitina e hyaluronato diminui o risco do aumento da PIO

      • Aumento importante nos primeiros dias pode ser manejado com liberação de humor aquoso pressionando a incisão (paracentese)

      • Outras causas

        • Bloqueio pupilar, hifema, bloqueio ciliar, endoftalmite, retenção de materal cristaliniano (reação facolítica ou facoanafilática), liberação de pigmento iriano, glaucoma preexistente, uso de corticoesteróide, sinéquias periféricas anteriores  CA rasa nos pos-op inicial com olho inflamado  glaucoma 2º.

    • Opacidade capsula anterior

      • Fibrose capsular

      • É menos comum que OCP e ocorre mais precoce (1 mês)

      • Fibrose grave pode causar constrição da capsulorexis  capsulofimose

      • Maior incidência em LIO de silicone plate-haptic e a menor nas lentes 3 peças acrílicas com hápticos PMMA.

      • Capsulorexis pequena




    • Edema macular cistóide

      • Irvine-Gass syndrome

      • Aumento permeabilidade capilar perifoveolar

      • Inflamação com liberação de prostaglandinas, tração vitreomacular, exposição a UV, rotura capsula posterior, perda vítrea, prolapso iriano, hipotonia transitória ou prolongada.

      • EMC angiográfico ocorre em 40-70% após intracapsular e 1-19% de extra ou faco  maioria assintomáticos

      • EMC clínico

        • Perda visual pior que 20/40

        • 2-10% em intracapsular

        • 1-2% em extra com capsula posterior intacta, menor ainda na faco sem ruptura capsula posterior.

        • Pico de incidência 6-10 semanas após cirurgia

        • Resolução espontânea em 95%, normalmente em 6 meses.

        • Outros fatores de risco são inflamação pos op mal controlada, membrana epiretiniana pré-op, DM, história prévia de EMC.

      • LIO com fixação iriana, câmara anterior  uveite, EMC, glaucoma, hifema, descompensação corneana.

      • EMC com perda visual  complicações cirurgicas

        • Vítreo na incisão, íris ou LIO

        • Diminui o risco com uso pré e pós op de indometacina ou ketorolac

      • Cirurgia se não melhorar com medicações

        • YAG ou vitrectomia para retirar o vitreo aderido na incisão

        • Troca da LIO

  • Endoftalmite aguda pós-operatória

    • 1:1000

    • Staph coagulase negativo (staph epidermidis), outros gram-positivos (staph aureus) e gram-negativos (pseudomonas, proteus)

    • Tratamento pré-op de blefarite, conjuntivite, dacriocistite ou infecção do socket contralateral pós-enucleação.

    • Iodo povidona  solução 5%; draping;

    • Endoftalmite grave

      • Dor, BAV importante, edema palpebral, quemose, injeção conjuntival, secreção purulenta, infiltrados córnea e hipópio grande.

    • Moderada

      • Exsudato fibronoso na CA, hipópio menos, vitreite, ausencia de reflexo vermelho

    • Leve

      • Pouca dor, hipópio pequeno ou ausente, preserva pouco reflexo vermelho

    • Staph aureus e gram-negativo  2-4 dias pós-op com endof florida

    • Staph epidermidis (coagulase negativo)  5-7 dias com sinais mais brandos

    • Vitrectomia  PL

    • 55% dos olhos chegam a 20/200 ou menos

  • Opacidade capsular posterior

    • Complicação tardia mais comum de cirurgia de catarata não complicada

    • Lentes acrilicas tem menor incidencia do que PMMA e silicone.

    • Celulas epiteliais restam após remoção do núcleo e cortex

      • Proliferação pontas da cápsula anterior aderem na posterior  espaço fechado com células nucleares bladder (Wedl)  anel de Soemmerrring’s

      • Migram para fora e formam as pérolas de Elschnig

      • Metaplasia  convertem em miofibroblastos  matriz de membrana basal e fibrose  enrrugamento da cápsula.

    • Fatores que influenciam a incidência de OPC

      • Idade, história de inflamação intraocular, síndrome de exfoliação, tamanho da capsulorexis, qualidade da limpeza cortical, fixação capsular do implante, tipo de LIO (borda quadrada da optica), modificação da superficie da lio, tempo desde a cirurgia. óleo de silicone

      • 28% em 5 anos

      • 56% em LIO PMMA, 40% em silicone e 10% em acrilica.

Não sei o que é ceratite estriada, mas acredito que pode ser essa a resposta, porque deiscência ocorre precoce, e as outras questões todas tem alguma coisa tardia (epitelização da CA, edema macular cistóide e opacificação de CP)
Respota D
3)A rubéola congênita pode causar as seguintes alterações:
a)Catarata, DR, ceratite disciforme

b)Catarata, luxação de cristalino, fundo de olho em sal-pimenta

c)Catarata, DR, fundo de olho em sal-pimenta

d)Catarata, glaucoma congênito, fundo de olho em sal-pimenta





  • Rubeola congenita

    • Transmissão transplacentária do vírus pela mãe infectada  1º trimestre  infecção fetal crônica e malformações.

    • Maior risco nas primeiras 8 semanas de gestação

    • Complicações oculares (ordem de frequência)

      • Retinopatia  alteração em sal e pimenta (sem BAV), mais importante na mácula

        • Pode desenvolver CNV

      • Catarata nuclear perolada

        • Uni ou bilateral, pode ter uveite intratável após cirurgia

      • Microftalmo

        • Associado a catarata, neurite óptica e glaucoma

      • Glaucoma

        • Período neonatal resultando em buftalmos

        • Em microftalmo pode aumentar a córnea para um tamanho normal

        • Edema de cornea

      • Ceratopatia estromal, iritis, atrofia de íris, erros refracionais extremos, nistagmo pendular, estrabismo.

Resposta D
4)Sobre o cristalino é FALSO afirmar:
a)A inserção da zônula na cápsula anterior chega a 2 ou 3 mm e na cápsula posterior 1 mm

b)A transmissão e absorção de luz se modificam com a idade

c)A cápsula do cristalino é elástica, transparente e mais espessa no equador

d)O epitélio do cristalino é constituído de cels poliédricas com núcleo redondo no equador central e piramidais e alongadas na área central




  • Fibras zonulares

    • Suportam o cristalino

    • Originam da lâmina basal do epitélio não-pigmentado da pars plana e pars plicata do corpo ciliar

    • Inserem na capsula na região equatorial

      • Anterior 1,5mm e posterior 1,25 mm

    • Fibras tem 5-30 mcm de diametro

    • Estruturas eosinofílias PAS +

    • Ultraestruturalmente  feixes ou fibrilas de 8-10nm de diametro com 12-14 nm de faixa.

Resposta A


5)Manchas no cristalino subcapsulares anteriores denominadas “glaukomflecken” ocorrem:
a)No glaucoma congênito

b)No glaucoma primário de ângulo aberto

c)No glaucoma facolítico

d)No glaucoma primário de ângulo fechado




  • Glaucoma agudo angulo fechado

    • Glaukomflecken

      • Opaciedades anteriores capsulares ou subcapsulares cinza-branco

      • Infartos epitelial crise antiga

Resposta D
6)Contratilidade excessiva e dificuldade de relaxamento dos músculos esqueléticos, anomalias cardíacas, dissociação pupilar (luz-perto) e catarata SCP estrelada caracterizam:
a)Distrofia miotônica

b)Galactosemia

c)Doença de Wilson

d)Sind Alport




  • Distrofia miotônica

    • AD

    • Atraso no relaxamento de músculos contraídos

    • Ptose, fraqueza da musculatura facial, defeito de condução cardíaco, prominent frontal balding em homens.

    • 90% desenvolve opacidades iridescentes sem BAV na 3ª decada

    • Pode evoluir para catarata subcapsular posterior estrelada na 5ª década.

    • Pode ser antes da miotonia.

    • Cristais iridescentes policromáticos no cortex  após catarata subcapsular posterior estrelada  opacidade total

    • Cristais são formados por caracóis de plasmalemma das fibras cristalinianas

Resposta A


7)No cristalino encontramos epitélio:
a)Envolvendo todo o córtex

b)Sob a cápsula posterior

c)Sob a cápsula anterior

d)Sob o córtex posterior




  • Epitélio cristaliniano

    • Abaixo da capsula anterior e equatorial  ausente na capsula posterior

    • Cada célula contém núcleo grande, pouco citoplasma

    • Zona central representa população estável, declinam devagar com idade

    • Zona intermediaria tem células menores com poucas mitoses

    • Periferia coluna de células cuboides pre-equatoriais zona germinativa

      • Divisao mitótica, alongam anterior e posterior

Resposta C
8)As fibras zonulares:
a)Forma-se no primeiro mês de gestação

b)Estão bem formadas no estágio embrionário de 65 mm

c)Formam-se após o terceiro mês de gestação

d)Estão bem formadas no estágio embrionário de 80mm




  • Zônula  vítreo terciário

    • Células epiteliais ciliares  fibrilas de colágeno para as fibras zonulares

    • Unem com a cápsula posterior e anterior no 5 mês de gestação

Resposta C


CBO 1998
9)A catarata congênita ocorre após a transmissão transplacentária de microorganismos provenientes da mãe p o feto. A etilogia mais comum:


    1. Rubéola

    2. Herpes zoster

    3. CMV

    4. Tuberculose

Resposta A


10)A captura pupilar é uma complicação relacionada a:
a)Iridodonese

b)Complicação de LIO

c)Aumento da PIO

d)Descolamento vítreo




  • Captura pupilar

    • Sinequia entre a iris e a capsula posterior

    • Colocação imprópria dos hápticos da LIO

    • Câmara anterior rasa

    • Deslocamento da óptica da LIO posterior

      • Colocação de uma LIO não angulada no sulco ciliar, invertida na LIO angulada, pressão vítrea aumentada.

      • Colocação de LIO angulada posterior no saco capsular diminui chance de captura.

    • Cosmética

    • Pode causar glare, fotofobia, uveite crônica, diplopia monocular

    • Midriáticos podem liberar LIO

    • Cirurgia para reposicionar

Resposta B


11)Qual destas condições abaixo está associada com a ectopia lentis:
a)Homocistinúria

b)Microcórnea

c)Microftalmo

d)Ceratocone




  • Ectopia Lentis

    • Marfan

      • AD

      • Ectopia lentis bilateral 80% casos

      • Superotemporal

      • Acomodação persiste

      • Pode ser microesferofácico

      • Anomalia do ângulo 75%  processos irianos densos e trabeculado espesso  glaucoma

      • Descolamento de retina  degeneração lattice e alta miopia axial  complicação mais séria

      • Hipoplasia do dilatador da pupila, transiluminação iris periférica, estrabismo e córnea plana, esclera azul

    • Weill Marchesani

      • AD ou AR

      • Doença de tecido conectivo sistêmica

      • Contrário de Marfan: Baixa estatura, braquidactilia, articulações rigidas e deficiência mental

      • Ectopia lentis  bilateral e inferior 50% na adolescência

      • Microesferofacia é comum

      • Glaucoma de ângulo fechado secundário  bloqueio pupilar

      • Diametro axial assimétricos e liquefação vitrea presenil

    • Homocistinuria

      • AR

      • Atividade hepática de cistionina beta-sintetase diminuida  acúmulo sistêmico de homocisteina e metionina.

      • Anormalidades esqueléticas com habitus marfanoides, pouco cabelo e tendência a episódios trombóticos.

      • Ectopia lentis

      • Inferonasal

        • 10 anos de idade

        • Zônula que tem altos níveis de cisteina, desintegra  perda da acomodação

      • Glaucoma de angulo fechado secundário

        • Resultado de bloqueio pupilar por encarceramento lenticular na pupila ou deslocamento total para a CA.

Dieta para Homocistinuria:

-Restringe metionina

-suplementa cisteína

    • Outras causas

      • Hiperlisinemia

        • AR

        • Deficiencia de lisina alfa-cetoglutarato reductase

        • Ligamentos frouxos, musculos hipotônicos, epilepsia e defiência mental.

      • Deficiência de oxidase sulfito

        • AR

        • Rigidez muscular, postura descerebrada, deficiência mental, morte antes dos 5 anos

        • Ectopia lentis universal

      • Stickler syndrome

      • Ehlers-Danlos

    • Conduta

      • Complicações

        • Erro refracional (miopia lenticular)

        • Distorção optica devido astigmatismo

        • Glaucoma

        • Uveite induzida pelo cristalino

      • Óculos

      • Cirurgia

Respota A


12)O cristalino apresenta:
a)> espessura no idoso

b)> espessura na criança

c)< espessura no idoso

d)A espessura não se altera com a idade


letra A
13)A hidrodissecção e a hidrodelineação dentro da cirurgia de FACO visam separar, respectivamente:
a)Cápsula e córtex cristaliano; cápsula anterior e núcleo cristaliniano

b)Cápsula e córtex cristaliniano; córtex e núcleo cristaliniano

c)Córtex e núcleo cristaliniano; cápsula e córtex cristaliniano

d)Córtex cristaliniano e cápsula; núcleo e cápsula




  • Hidrodisseção

    • Separa cortex periférico da cápsula

  • Hidrodelineação

    • Separa o endonúcleo duro do epinúcleo externo mais mole

Resposta B


14)CAT - Na cirurgia de catarata, dentre os fatores mais importantes para o cálculo do poder dióptrico da LIO estão:
a)Constante da LIO e profundidade da CA

b)Ceratometria e diâmetro axial do olho

c)Diâmetro axial do olho e profundidade da CA

d)Constante da LIO e índice refracional




  • Biometria

    • SRK

    • P= A- 2,5L -0,9K

      • P= poder lente; A é constante 114 ou 119; L é o diâmetro axial em mm; K é a média ceratométrica em D

Resposta B
15)Assinale a alternativa + correta:


    1. As escleróticas azuladas são um sinal indicativo de osteogênese imperfeita

    2. Distância interpupilar é um importante parâmetro p avaliação e detecção de anomalias oculares

    3. Na galactosemia, doença metabólica grave, as cataratas podem acontecer já nos primeiros dias de vida

    4. No mongolismo a principal característica diagnóstica é a presença de fendas palpebrais com obliqüidades superiores




  • Galactosemia

    • Deficiencia na utilização da galactose

      • Ausência da enzima galactose-1-phosphato uridyl transferase (GPUT)

      • Herança AR

    • Características sistêmicas

      • Manifesta durante a infância, letargia, vomitos, diarreia e não desenvolve. Substancia redutora na urina após beber leite. Se não remover galactose da dieta  hepatoesplenomegalia, doença renal, anemia, surdez, deficiencia mental e morte.

    • Catarata

      • Opacidade em gota de óleo  desenvolve nos primeiros dias ou semanas de vida.

      • Retirada da galactose pode diminuir a progressão ou reverter a catarata

  • Deficiência de Galactokinase

    • Primeira enzima no metabolismo da galactose

    • AR

    • Sem sinais sistêmicos

    • Catarata

      • Opacidades lamelares

      • Desenvolve no feto ou na infância precoce

      • Caratogênica indireta  redução do dulcitol no cristalino  acumula e aumenta a pressão osmótica intralenticular  aumenta o influxo de agua  altera as fibras  opacificação.

Down Syndrome
Up-slanting palpebral fissures, bilateral epicanthal folds, Brushfield spots (speckled iris), refractive errors (50%), strabismus (44%), nystagmus (20%), blepharitis (33%), conjunctivitis, tearing from stenotic nasolacrimal ducts, congenital cataracts (3%), pseudopapilledema, spasm nutans, acquired lens opacity (30-60%), and keratoconus in adults are observed.
Resposta C

16)Nas etapas iniciais do desenvolvimento, as cels do cristalino com capacidade mitótica são encontradas:
a)Na área das fibras lenticulares

b)Somente na zona basal do epitélio posterior

c)Na zona equatorial e no epitélio anterior

d)Somente nas cels da zona equatorial e epitélio posterior


Resposta C
CBO 1999
17)Sabemos que a ectopia bilateral do cristalino é encontrada em várias síndromes. Em qual delas o desvio é usualmente inferior:

  1. Síndrome de Marfan

  2. Ectopia simples do cristalino

  3. Ectopia da lente e pupila

  4. Homocistinúria

Ectopia lentis adquirida: trauma, alta miopia, buftalmo, tumores, catarata hipermadura

Ectopia lentis hereditária:

Sem associação sistemica:

-Familial: bilateral, simétrica, temporal-superior, AD

-Ectopia Lentis et pupilae: bilateral, o cristalino fica descocado p uma direção e a pupila p a direção oposta. Associa-se c aumento do diâmetro corneano, glaucoma, catarata e microesferofaquia.

-Aniridia
Com alterações sistemicas

-Marfan: temporal superior, bilateral e simétrica, AD. A zônula tipicamente é mantida. Associa-se c glaucoma, DR, córnea plana, esclera azul, microesferofaquia.

-Weil Marquesani: AD ou AR, bilateral e inferior, microesferofaquia é frequente, glaucoma secundário de ângulo fechado.

-Homocistinúria: AR, erro inato do metabolismo da cistationina sintetase resultando em acumulo de homocisteina. Ectopia lentis infero-nasal, zônula se desintegra. Glaucoma secundário de ângulo fechado.

-Hiperlisinemia: AR, erro inato do metabolismo, deficiência da lisina alfa-cetoglutarato redutase.

-Deficiência de Sulfito-oxidase AR

-Stickler – associa-se a DR e ectopia lentis.

-Ehler-Danlos


18)As características de cataratas por uso prolongado de esteróides são, freqüentemente:

  1. Hipermaduras

  2. Nucleares

  3. Subcapsulares posteriores

  4. Subcapsulares anteriores centrais

Os esteroides sistemicos e topicos sao cataratogenicos. A opacidade é inicialmente subcapsular posterior e tardiamente acomente a região subcapsular anterior.


19)A mancha ou ponto Mittendorf no cristalino é devido à:

  1. Trauma contuso

  2. Glaucoma agudo

  3. Uveíte anterior

  4. Persistência de vítreo primário

RESP : D


O ponto de Mitendorf é um ponto branco localizado nasal inf posterior ao cristalino, sendo um remanescente da artéria hialóide.

Na quarta a quinta semana fibrilas, cels mesenquimais e elementos vasculares do sistema hialóideo começam a preencher o espaço entre a vesícula do cristalino e a camada interna da taça óptica formando vítreo primário que atinge máximo desenvolvomento na oitava semana. O vítreo secundário é avascular e composto de fibrilas de colágeno tipo II e hialócitos preenchendo espaço entre a retina e o vítreo primário. O seu crescimento esta relacionado com a regressão e retração do vítreo primário. Entre o terceiro e quarto mês de gestação as fibrilas de colágeno do vítreo secundário se condensam e se aderem a membrana limitante interna formando o vítreo terciário e o sistema zonular.


20)As chamadas linhas suturais encontradas no cristalino do feto são em número de 3. Elas divergem com formato de Y, em ângulos de:

  1. 80º

  2. 60º

  3. 120º

  4. 110º

Não encontrei essa infomação em nenhum texto, porém pela figura do Duane, seria +- 120º (letra C):



O Y fica entre o núcleo embrionário e o fetal. Núcleos: embrionário (ate 3 mês), fetal (ate 8 mês), infantil (nas últimas semanas antes de nascer até puberdade), adulto.


21-A presença de descolamento da membrana de descemet no pós-operatório de cirurgia de catarata por facoemulsificação é devido:

  1. Fechamento incorreto da incisão cirúrgica

  2. Escolha incorreta do tipo de LIO utilizada

  3. Ao rompimento da cápsula posterior

  4. Introdução incorreta da ponta do facoemulsificador

Letra D: Descolamento de descemet pode ocorrer no momento da introdução de intrumentos ou da LIO ou pela injeção de fluido entre o estroma e a descement (academia americana).


22)Ao realizar uma ecobiometria, observa-se que para cada milímetro de aumento do diâmetro antero-posterior, corresponderá uma alteração do valor da LIO de aproximadamente:

  1. -1,00

  2. -1,50

  3. -3,00

  4. -4,00

Kanski: A formula + usada para calcular a LIO é a SRK:


P = A – 2,5L – 0,9K
P: poder da LIO,

A: constante que varia de 114 a 119 a depender do tipo de lente

L: comprimento axial em mm

K: ceratometria média em dioptrias


Portanto, para uma mesma constante e ceratometria, cada mm de comprimento axial muda 2,5 no poder da LIO. Letra C
23)Em relação à acomodação, qual alternativa é mais completa?

  1. Tem origem nos músculos extrínsecos horizontais e está associado ao aumento da curvatura do cristalino

  2. Está extrinsecamente relacionada com a posição do cristalino

  3. Pode ser definida com um aumento na curvatura posterior do cristalino

  4. Tem origem central e a mesma quantidade de inervação acomodativa é enviada para cada olho de modo simultâneo

Letra A falsa: O musculo responsável pela acomodacao é o ciliar. Realmente esta associada ao aumento da curvatura do cristalino, especialmente da curvatura anterior.

Letra B falsa. A posicao do cristalino é mantida

Letra C: falsa a curvatura anterior é aumentada, a posterior altera pouco.

Letra D: correta: o musculo ciliar é inervado pelo oculomotor, fibras parassimpáticas, de forma bilateral e simultanea.
24)Qual a causa mais freqüente de cegueira reversível e irreversível no Brasil?


  1. Catarata – glaucoma

  2. Glaucoma – catarata

  3. Catarata – uveíte

  4. Glaucoma – uveíte

Cegueira no mundo: 1º catarata, 2º tracoma, 3º Glaucoma

Causa + freq de cegueira reversível: Catarata

Causa + frequente de cegueira irreversivel: glaucoma,

Principal causa de cegueira prevenível: tracoma
25)A catarata encontrada na distrofia miotônica é:
a)Nuclear

b)Subcapsular posterior

c)Cristalina policromática

d)Polar anterior




  1   2   3   4


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal