Capítulo 7 estômago histologia



Baixar 17.61 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho17.61 Kb.

Capítulo 17

ESTÔMAGO
1) HISTOLOGIA
O estômago é um órgão exócrino e endócrino que digere os alimentos e secreta hormônios.

Distinguem-se no estômago três áreas com estruturas histológicas e funcionais diferentes:



1º) Região do Cárdia: zona de transição entre o esôfago e o estômago.

2º) Região Gástrica: Abrange regiões do fundo e corpo gástrico.

3º) Região Pilórica: zona do estômago que o delimita com o duodeno

A diferenciação histológia dessas três regiões do estômago é feita exclusivamente pelas características microscópicas de suas túnicas mucosas, uma vez que as demais túnicas apresentam idêntica constituição.

Para fazer tal diferenciação, deve-se analisar a profundidade das depressões (fovéolas ou fossetas gástricas) formadas por invaginações do epitélio de revestimento do estômago para dentro da lâmina própria, e o aspecto e os tipos celulares das glândulas que são encontradas na lâmina própria das 3 regiões.
Região cárdica...............fosseta e glândula apresentam aproximadamente a mesma proporção

Região gástrica..............fosseta curta e glândula longa

Região pilórica.............. fosseta longa e glândula curta.

1. Região cárdica


As glândulas cárdicas são encontradas ao redor da abertura do esôfago no estômago. São tubulosas compostas e secretam muco.
2. Região do corpo e do fundo

Apresentam lâmina própria completamente preenchida por glândulas gástricas ou fúndicas, ocupando os 80% proximais do estômago. Em cada fosseta gástrica desembocam três a sete glândulas fúndicas. Essas glândulas secretam ácido clorídrico, pepsinogênio, fator intrínseco e muco.


A glândula gástrica típica é composta por três tipos de células:


  1. células mucosas do colo, que secretam, principalmente, muco, bem como algum pepsinogênio;

  2. células principais, que secretam grandes quantidades de pepsinogênio

  3. células parietais, que secretam ácido clorídrico e fator intrínseco.

  4. Células argentafins, distribuídas por entre as células principais.



3. Região pilórica


As glândulas pilóricas localizam-se na porção antral do estômago, ocupando os 20% distais deste. São glândulas tubulosas simples ramificadas, altamente enoveladas.

Apresentam 3 tipos de células:

  • células mucigênicas

  • células argentafins

  • células produtoras de gastrina ( ou células “G”).

Secretam, principalmente, muco para a proteção da mucosa pilórica, bem como algum pepsinogênio e sobretudo, o hormônio gastrina. A gastrina estimula a secreção e o aumento do número das células parietais. Ela apresenta-se sob 2 formas polipeptídicas: G17 e G32 ( isto é, gastrinas com 17 e 32 resíduos de aminoácidos, respectivamente).
O estômago apresenta as seguintes camadas:


  • TÚNICA MUCOSA:


- Epitélio cilíndrico simples, mucoso, de secreção contínua. No orifício cárdico, esse epitélio muda abruptamente para para pavimentoso estratificado do esôfago, e no orifício pilórico continua-se com o epitélio cilíndrico do duodeno.

  • Lâmina própria de tecido conjuntivo frouxo, contendo glândulas cárdicas, gástricas e pilóricas, conforme a região considerada

  • Muscular da mucosa com fibras musculares lisas longitudinais externamente e circulares internamente



  • TÚNICA SUBMUCOSA







  • TÚNICA MUSCULAR

Apresenta 3 camadas de músculo liso:



  • Fibras longitudinais externas (concentradas ao longo das curvaturas)

  • Fibras circulares médias (circulam o corpo do estômago, e sua espessura aumenta bastante no piloro, onde forma o esfíncter pilórico)

  • Fibras oblíquas internas (formam uma camada incompleta)




  • TÚNICA SEROSA:

Está representado por um mesotélio, isto é, pelo folheto visceral do peritôneo (epitélio pavimentoso simples), assentado sobre um tecido conjuntivo frouxo.
2) PATOLOGIAS ASSOCIADAS:


  • A substância conhecida como fator intrínseco, que é essencial para que haja a absorção da vitamina B12 no íleo, é secretada pelas células parietais, juntamente com a secreção de HCl. Quando as células parietais produtoras de ácido do estômago são destruídas, o que ocorre, frequentemente na gastrite crônica, o indivíduo desenvolve não somente acloridria ( ausência de secreção gástrica ácida), mas também, quase sempre, anemia perniciosa, devido à falha na maturação dos eritrócitos na ausência da estimulação da medula óssea pela vitamina B12.



  • Úlcera Péptica (UP): É solução de continuidade que compromete a camada muscular da mucosa do trato digestivo exposta à secreção cloridopéptica. Ocorre principalmente no estômago ou duodeno. Usualmente ocorre lesão única, que mede menos de 2 cm de diâmetro. A maioria das úlceras gástricas (80-85%) e praticamente todas as úlceras duodenais (98%) estão relacionadas as Helicobacter pylori .Essa bactéria altera a barreira muco-bicarbonato que protege a mucosa gástrica, favorecendo o contato direto do ácido com as células epiteliais de revestimento do órgão. Na ausência da bactéria, os antiinflamatórios não-esteroidais estão associados à UP.


Sem ácido não há úlcera. A UP decorre da autodigestão, do desequilíbrio entre fatores agressivos e defensivos, ou excesso de ácido ou pepsina para o grau de resistência local da mucosa.






©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal