Capítulo 1 a divindade de Cristo



Baixar 59.91 Kb.
Encontro18.08.2019
Tamanho59.91 Kb.

A DIVINDADE DE CRISTO
Desde o início do movimento adventista, em 1844, a divindade de Jesus Cristo sempre foi uma de suas crenças fundamentais. Apresentada pela primeira vez em 1872, e muitas vezes desde então, foi especificada novamente nos seguintes termos, pela sessão da sessão da Associação Geral de 1980: “Deus, o Eterno Filho, encarnou-Se em Jesus Cristo. Através dEle todas as coisas foram criadas, o caráter de Deus revelado, a salvação da humanidade consumada e o mundo julgado. Desde a eternidade, sendo verdadeiramente Deus, Ele também Se tornou verdadeiramente homem, Jesus, o Cristo.” [Seventh-day Adventists Believe: A Biblical Exposition of 27 Fundamental Doctrines (Nisto Cremos – 27 Ensinos Bíblicos dos Adventistas do Sétimo Dia)- (Haggerstown, Md.; Review and Herald Pub. Assn., 1988), pág. 56.]
Isso não significa que no começo do movimento os crentes não tinham nuanças de opinião acerca da divindade de Jesus. Dos pastores que se uniram ao movimento adventista em 1844, 38 criam na Trindade, enquanto cinco eram semi-arianos , incluindo James (Tiago) White, Joseph Bates, Uriah Smith e, posteriormente, Joseph H. Waggoner – todos pilares da nova fé. Alguns deles vieram da Conexão Cristã, um movimento que negava a igualdade do Pai e do Filho [Ver LeRoy Edwin Froom, Movement of Destiny (O Movimento do Destino) (Washington, D.C. Review and Herald Pub. Assn., 1971), págs.148-182.]

Esses homens não negavam a divindade de Cristo ou que Ele não fosse o Criador dos céus e da Terra, o Filho de Deus, Senhor e Salvador, mas questionavam sobre o significado das palavras: “Filho” e “Pai”, afirmando que o Filho tivera um começo no infinito passado – uma posição semi-ariana.


Quando se tornaram adventistas do sétimo dia, esses pastores retiveram as crenças semi-arianas por um tempo. Isso é visto aqui e acolá em seus escritos. Seu desaparecimento foi marcado por pequena desavença. Esse litígio poderia ter posto em perigo a unidade do novo movimento, mas os pioneiros expressaram abertamente suas diferenças de opinião e as discutiram em espírito de oração, descobrindo soluções através de diligente estudo da Palavra de Deus.

James (Tiago ) Springer White (1821-1881) [Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia (Enciclopédia Adventista do Sétimo Dia) (Washington, D.C., Review and Herald Pub. Assn., 1976), págs. 1598-1604]

James White foi co-fundador da Igreja Adventista do Sétimo Dia, juntamente com Ellen G. White e Joseph Bates. Ele nasceu no dia 4 de agosto de 1821, em Palmyra, no Maine. Seu pai era descendente de um dos peregrinos do Mayflower. Após ouvir Guilherme Miller pregar sobre a segunda vinda de Cristo, James engajou-se no movimento milerita e passou pelo Grande Desapontamento de 1844. Enquanto muitos dos que haviam esperado a vinda de Jesus em glória no dia 22 de outubro de 1844, renunciaram à fé, James White formou o núcleo de um grupo que acabou sendo pioneiro do movimento adventista.

Ele era um brilhante pregador e escritor fecundo. Grandemente encorajado por Ellen Harmon, com quem se casou em 1846, James deu início a várias revistas: Present Truth (A Verdade Presente), em 1849, Advent Review and Sabbath Herald (Revista do Advento e Arauto do Sábado), em1850, Youth’s Instructor (Instrutor da Juventude), em 1852, e Signs of the Times (Sinais dos Tempos), em 1874. Entre 1853 e 1880, ele publicou quatro livros e muitos panfletos.

Em artigos publicados na Advent Review and Sabbath Herald, James White expressou seus pontos de vista acerca da divindade de Jesus. De início, ele rejeitou totalmente o que descrevia como “o velho despropósito trinitariano” , que favorecia a idéia de que “Jesus Cristo é verdadeiramente o Deus Eterno.” [James S. White, na Review and Herald (Revista e Arauto), 5 de agosto de 1852. Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia, págs. 286-288] Todavia, após 1853, ele afirmou sua crença na divindade de Cristo [James S. White, em Review and Herald, 8 de setembro de 1853].

Vinte e três anos depois, James escreveu que os adventistas do sétimo dia “crêem na divindade de Cristo da mesma forma que os trinitarianos” [Idem, 12 de outubro de 1876]. Em 1877, ele publicou um artigo intitulado “Cristo igual a Deus” [Idem, 29 de novembro de 1877]. Pouco tempo antes de sua morte, ele declarou mais uma vez que “o Filho era igual ao Pai na Criação, na instituição da lei e no governo das criaturas inteligentes.” [Idem, 5 de julho de 1880]. Enquanto a posição de James White era moderada, tal não se dava com Uriah Smith.

Uriah Smith (1832-1903) [Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia, págs. 1355, 1356]

Uriah Smith nasceu em New Hampshire, em 1832, pouco após Guilherme Miller iniciar sua pregação sobre o iminente retorno de Cristo. Ele tinha apenas 20 anos de idade quando se tornou adventista, em 1852. Já em 1855, ele foi indicado como editor-assistente da Review and Herald, onde esteve em estreita associação com James White. Logo se tornou editor-chefe, uma posição que manteve até quase o dia de sua morte.

Uriah Smith possuía uma personalidade dominante e mantinha vigorosamente suas posições. Seus livros e artigos exerciam forte influência sobre as convicções doutrinárias da igreja. Smith é bem conhecido principalmente em razão de seus livros sobre profecias bíblicas: Daniel and the Revelation (Daniel e Apocalipse), The United States in Prophecy (Os Estados Unidos na Profecia), e Looking Unto Jesus (Olhando Para Jesus).

Como James White, Joseph Bates e outros, Uriah Smith abandonou sua postura semi-ariana, mas não sem dificuldade. Em seu primeiro livro, Thoughts on the Revelation (Reflexões Sobre o Apocalipse) (1867), ele declarou abertamente seus pontos de vista antitrinitarianos [Ver Froom, págs. 158, 159]. Ele não apenas negava a existência do Espírito Santo, como também considerava que “a eternidade absoluta... só pode ser atribuída a Deus, o Pai.” [Uriah Smith, Thoughts on the Revelation (Reflexões Sobre o Apocalipse) (n.p., 1867), pág. 14]. Esse atributo, dizia ele, nunca pode ser aplicado a Cristo.

Em seu comentário sobre Apocalipse 3:14, Uriah Smith especifica que Cristo não é reconhecido como “o iniciador, mas como o início, da criação, e o primeiro ser criado” [Idem, pág. 59]. Pouco tempos após, ele moderou suas afirmações antitrinitarianas. No tempo da publicação de Daniel and the Revelation, em 1882, ele explicou que “Seu Filho unigênito”, de João 3:16, dificilmente poderia ser aplicado a “um ser criado no sentido comum” [Sal. 2:7; Atos 13:33; João 1:14; 3:16; Heb. 1:5; 5:5].

Em 1898, em seu último livro, Looking Unto Jesus, Uriah Smith abandonou a idéia de Cristo como “um ser criado”. Mas, sustentou que em algum ponto no tempo, Jesus “apareceu” e que, conseqüentemente, Ele teve um começo. “Unicamente Deus não tem princípio.” Na mais remota época, quando pôde haver um começo – um período tão longínquo que para mentes finitas é essencialmente eternidade – apareceu a Palavra. “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” (João 1:1) A Palavra incriada era o Ser que, na plenitude dos tempos, tornou-Se carne e habitou entre nós. Seu princípio não foi semelhante ao de muitas outras coisas no Universo.” [Looking Unto Jesus (Olhando Para Jesus) (Battle Creek, Mich.: Review and Herald Pub. Assn., 1898) (e reimpresso por Payson, Ariz.: Leaves of Autumn Books, 1986), pág. 10].

Considerando a posição de Cristo antes da encarnação, Smith afirmava que ela era “igual a do Pai”. No entanto, “nenhuma obra da criação foi realizada até Cristo ter-Se tornado um ativo agente em cena” [Idem, pág. 12]. Então, traz a público esta declaração estranha: “Com o Filho, a evolução da Deidade, como divindade, cessou.” [Idem, pág. 13]. Em outras palavras, Smith advogava o conceito de que Cristo não foi criado, mas “derivado de Deus” [Idem, pág. 17].
Esse ponto de vista também era defendido por Joseph H. Waggoner.

Joseph H. Waggoner (1820-1889) [Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia, pág. 1563].

Joseph H. Waggoner foi um zeloso defensor da posição semi-ariana, especialmente quanto à divindade de Cristo. Ele também se opunha à doutrina da Trindade e considerava o Espírito Santo como meramente uma influência impessoal [Ver Froom, págs. 167-175].

Waggoner parece não ter pertencido à Conexão Cristã, mas essa compreensão era partilhada por muitas denominações daquela época. Antes de unir-se ao crescente movimento adventista, ele era membro da igreja batista e trabalhava como editor-assistente de um jornal político de Wisconsin. Mui rapidamente ele firmou posição ao lado dos pioneiros adventistas e exerceu cargos de influência, como editor da Signs of the Times, sucedendo a James White. Posteriormente, Waggoner editou o American Sentinel (Sentinela Americana), e finalmente, Pacific Health Jornal (Jornal da Saúde do Pacífico). Foi autor de vários artigos e livros, inclusive o The Atonement (A Expiação) e, From Eden to Eden (Do Éden Para o Éden), em 1886.

Joseph H. Waggoner não pôde assistir à sessão da Conferência Geral de Mineápolis, em 1888, por causa de seu precário estado de saúde. Ele faleceu em 1889. A questão da divindade de Jesus estava na agenda da Conferência de 1888. Nessa ocasião, o filho de Joseph, Ellet J. Waggoner, refutou os últimos argumentos semi-arianos remanescentes na igreja, e definitivamente estabeleceu o fundamento bíblico necessário ao estabelecimento da plena e completa divindade de Jesus Cristo.



Ellet J. Waggoner (1855-1916) [Ver Eric Claude Webster, Crosscurrents in Adventist Christology (Contracorrentes na Cristologia Adventista) (New York: Peter Lang, 1984), págs.157-247]

Ellet J. Waggoner foi o primeiro teólogo adventista a apresentar a Cristologia sistemática referente à divindade e à humanidade de Jesus Cristo.


Nascido em Baraboo, Wisconsin, Ellet J. Waggoner estudou no Colégio de Battle Creek, Michigan. Prosseguiu seus estudos no Bellevue Medical College, New York, para a obtenção do grau em medicina. Iniciou sua carreira como médico no Sanatório de Battle Creek, mas descobriu que preferia pregar e assim entrou para o ministério evangélico.

Depois de revelar talento para escrever, foi ele chamado a trabalhar como editor-assistente da revista Signs of the Times [Inicialmente essa revista foi chamada de The Signs of the Times, mas posteriormente Signs of the Times], em 1884, sob a direção de seu pai. Dois anos mais tarde, tornou-se editor-chefe, cargo que manteve até 1891. De 1892 até 1902, Waggoner trabalhou na Inglaterra, primeiramente como editor da Present Truth, e depois como primeiro presidente da Associação do Sul da Inglaterra. Após retornar aos Estados Unidos por causa de seu divórcio e novo casamento, despendeu os anos restantes de sua carreira à parte da igreja, como professor de teologia no Colégio de Battle Creek, nessa época dirigido por John Harvey Kellogg [Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia, vol. 10, pág. 1563].

Waggoner era um teólogo muito fecundo. Escreveu vários e importantes livros [Os principais livros são: Fathers of the Catholic Faith (Pais da Fé Católica), (Oakland: Pacific Press Pub. Co., 1888); The Gospel in the Book of Galatians (O Evangelho na Epístola aos Gálatas) (Oakland: Pacific Press Pub. Co., 1890); The Gospel in Creation (O Evangelho na Criação),Battle Creek, Mich.: International Tract Society, 1895); The Glad Tidings (Felizes Novas) (Oakland: Pacific Press Pub. Co., 1900); The Everlasting Covenant (O Concerto Eterno) (Londres: International Tract Society, 1900).], numerosos panfletos e centenas de artigos para revistas. No entanto, ficou mais conhecido pelo papel que desempenhou na sessão da Conferência Geral de 1888, em Mineápolis, juntamente com seu colega Alonzo T. Jones. Juntos deixaram sua marca na história da igreja adventista, pelas apresentações sobre justificação pela fé. Para Waggoner, o assunto somente poderia ser compreendido através das lentes da Cristologia.

Já em 1884, Waggoner publicou uma série de artigos na Signs of the Times, nos quais afirmava sua fé na divindade de Cristo, Criador de todas as coisas, a quem os anjos adoram exatamente como fazem a Deus, o Pai. “Ele (Deus) deu Seu Filho Unigênito – por quem todas as coisas foram feitas e a quem os anjos adoram com reverência igual à rendida a Deus – para que o homem pudesse ter vida eterna.” [Ellet J. Waggoner , em Signs of the Times,28 de agosto de 1884].

Na sessão da Conferência Geral de Mineápolis, em 1888, Waggoner apresentou uma série de palestras sobre a divindade de Cristo, um assunto que estava na agenda da Conferência. Embora não tenha deixado versões escritas de suas apresentações, Waggoner publicou uma série de quatro artigos sobre o assunto, imediatamente após a sessão [Idem, 25 de março de 1889; 1, 8 e 15 de abril de 1889]. Isso sugere que eles foram relatos de suas palestras. Eles também foram vistos nas primeiras quatro seções do livro Christ and His Righteousness (Cristo e Sua Justiça), publicado em 1890. Esse livro contém a maioria das idéias prevalecentes na Cristologia de Waggoner [Ver Jean Zurcher, “Ellet J. Waggoner’s Teaching on Righteousness by Faith” (O Ensino de Ellet J. Waggoner Sobre a Justiça Pela Fé) (ensaio apresentado na reunião dos Depositários White, Washington, D.C., em janeiro de 1988)].

Nesse tempo, muitos líderes da igreja ainda acalentavam conceitos semi-arianos ou adocianistas, concernentes à natureza divina de Cristo, daí a importância da questão levantada por Waggoner: “Cristo é Deus?” [Waggoner, Christ and His Righteousness (Cristo e Sua Justiça), págs. 9-16].


Para provar que Ele realmente era Deus, Waggoner citou muitos versos nos quais Cristo era chamado Deus. Para benefício daqueles que ainda negavam isso, ele explicou que o nome de Deus “não foi dado a Cristo em conseqüência de alguma grande realização, mas é Seu por direito hereditário” [Idem, págs. 11 e 12]. “Cristo é a ‘expressa imagem’ da pessoa do Pai (Heb. 1:3)... Conquanto Filho do Deus auto-existente, Ele tinha por natureza todos os atributos da divindade” [Idem, pág. 12]. O próprio Cristo ensinou de maneira categórica que Ele era Deus (João 14:8 e 9; 10:33; 8:58) [Idem, pág. 13-15]. Waggoner enfatizava a importância da declaração de Paulo em Col. 1:19: “Porque aprouve a Deus que nEle habitasse toda a plenitude.” E 2:9: “Porque nEle habita corporalmente toda a plenitude da divindade.” Waggoner qualifica isso como “o mais absoluto e inequívoco testemunho” [Idem, pág. 16], noção que foi repetida quinze vezes em seu estudo.
Não basta simplesmente dizer: “Jesus Cristo é Deus.” Os apóstolos descrevem-nO também como “Criador”. Waggoner cita Colossenses 1:15-17, afirmando que “não há coisa alguma no Universo que deixou de ser criada por Cristo... Tudo depende dEle para existir ... Ele sustém todas as coisas pela palavra do Seu poder” [Idem, pág. 17]. Em Hebreus 1:10, o próprio Pai diz ao Filho: “Tu, ó Senhor, no princípio fundaste a Terra e os céus são obra das Tuas mãos.” [Idem, pág. 18].
Quem, então, pode se atrever a negar “a divindade de Cristo e o fato de que Ele é o Criador de todas as coisas” [Idem, pág. 19]. Insistir, como “muitas pessoas” fazem, que “Cristo é um ser criado”, baseando-se em um único verso, como Apocalipse 3:14, é simplesmente negar Sua divindade [Idem, págs. 19-21]. O mesmo é válido quando alguém se apóia na expressão de Paulo, declarando que Cristo era “o primogênito de toda a Criação” (Col. 1:15). O seguinte versículo, observa Waggoner, mostra claramente que Ele é “o Criador e não a criatura” [Idem, pág. 21].
Porém, mesmo Waggoner cria que “houve um tempo quando Cristo derivou e saiu de Deus, do seio do Pai (João 8:42; 1:18), mas que esse tempo vai tão distante nos dias da eternidade, que para a finita compreensão ele é praticamente sem princípio” [Idem, págs. 21-25]. Finalmente, Waggoner enfatizou que “uma vez que Ele é o Unigênito Filho de Deus, é da mesma substância e natureza de Deus, e possui, por nascimento, todos os atributos de Deus... Ele tem imortalidade por direito próprio, e pode conferi-la a outros” [Idem, pág. 22]. Isso porque, Waggoner conclui: “Ele é apropriadamente chamado Jeová, o Eu Sou” [Idem, pág. 23].

A insistência de Waggoner sobre o fato de ser Cristo da mesma substância de Deus e possuir vida em Si mesmo, não era, indubitavelmente, uma novidade aos olhos de muitos dos delegados na sessão de Mineápolis. Sua posição sobre a natureza divina de Cristo era, provavelmente, parte da razão para a oposição de muitos delegados à sua mensagem sobre a justificação pela fé. Ele, evidentemente, achou que era essencial afirmar a igualdade de Cristo com Deus, pois somente a vida de Deus em Cristo tinha o poder de salvar pecadores, justificando-os por Sua graça.

Sua contribuição nesse ponto, como também a respeito da natureza humana de Cristo, foi decisiva. Froom reconhece isso prontamente: “Em 1888, Waggoner estava sendo pioneiro, e sem os benefícios das muitas afirmações posteriores dela [Ellen White]”, “não apenas sobre a eterna preexistência de Cristo, como também de Sua existência individual e Sua infinitude, igualdade e onipotência” [Froom, pág. 296].

Ellen White assim se expressou após ouvir Waggoner: “A plenitude da divindade em Jesus Cristo foi-nos mostrada com beleza e encanto.” [Ellen G. White em Review and Herald, 27 de maio de 1890]. Para ela, isso demonstrava que Deus estava operando entre eles. A interpretação de Waggoner foi, mormente, uma prova teológica do que ela sempre creu e declarou em seus escritos para aquele tempo.



Ellen Gould White (1827-1915) [Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia, págs. 1584-1592; Webster, págs. 82-88]

Educada na fé metodista, Ellen White nunca teve problema em tratar da divindade de Cristo, Sua preexistência e igualdade com o Pai. É, em larga medida, graças a ela e a seus escritos que a doutrina da Trindade foi definitivamente estabelecida. Não iniciada nas complexidades da teologia, ela cuidadosamente evitava cair na armadilha das controvérsias cristológicas anteriores. Igualmente, ela nunca tomou parte em confrontações diretas com seus associados mais chegados que mantinham errôneas idéias sobre a pessoa de Cristo. Isso não impediu que sua influência fosse decisiva.

Nascida em 26 de novembro de 1827, em Gorham, Maine, Ellen cresceu no seio de uma família temente a Deus. Com a idade de 12 anos, ela foi batizada por imersão na Igreja Metodista. No encerramento de uma série de sermões de Guilherme Miller sobre a breve volta de Jesus, toda a família uniu-se ao movimento milerita e passou pelo Grande Desapontamento de 22 de outubro de 1844.

Em dezembro de 1844, ainda atordoada por aqueles acontecimentos, Ellen teve sua primeira visão durante uma reunião de oração. Com o passar do tempo, ficou evidente que o Senhor lhe havia concedido o dom de profecia, falando-lhe através de sonhos e visões. Como mensageira do Senhor, ela serviu de conselheira no próprio seio da igreja. Em agosto de 1846, Ellen Harmon casou-se com James White. Juntos se tornaram colunas do movimento adventista.

Não podemos enfatizar suficientemente como o Senhor usou Ellen White para guiar, desde seu início, a pequena comunidade adventista à Bíblia como a Palavra de Deus, e através dela, a Jesus Cristo. Se já houve um escritor ou escritora que honrou, adorou e exaltou a Cristo, Seu caráter, vida e obra, essa foi Ellen White. Para comprová-lo alguém só precisa ler os livros que ela escreveu com relação à Sua vida e ensinos [Os mais conhecidos: Steps to Christ (Caminho a Cristo) (New York: Fleming H. Revell, 1892); Thoughs From the Mount of Blessing ( O Maior Discurso de Cristo) (Battle Creek, Mich.: International Tract Society, 1896); Christ Our Saviour (Cristo, nosso Salvador) (Battle Creek, Mich.: International Tract Society, 1896); The Desire of Ages (O Desejado de Todas as Nações) (Mountain View, Calif.: Pacific Press Pub. Co., 1898); Christ’s Object Lessons (Parábolas de Jesus) (Battle Creek, Mich.: Review and Herald Pub. Assn., 1900)]. Com certeza, em todos os seus livros o Filho de Deus é o tema central.

Em Mineápolis, Ellen White sustentou o princípio da Sola Scriptura [Só a Escritura], promovido por Waggoner, para resolver o problema enfrentado pelos delegados sobre a divindade de Cristo, a justificação pela fé e a lei em Gálatas. Ellen não fora capaz de encontrar um manuscrito anterior que havia escrito para J. H. Waggoner sobre a matéria, e sugeriu que isso poderia ter sido providencial: “Deus tem um propósito nisso. Ele deseja que vamos à Bíblia e tomemos a evidência escriturística.” [Ellen G. White, Manuscrito 15, 1888. Citado em A. V. Olson, Through Crisis to Victory (Da Crise à Vitória) (Washington, D.C.: Review and Herald Pub. Assn., 1966), pág. 293]. Em sua palestra de encerramento, intitulada A Call to a Deeper Study of the Word (Um Chamado ao Estudo Mais Profundo da Palavra), Ellen White promoveu um exemplo do próprio método de Waggoner.

“O Dr. Waggoner”, ela disse, “apresentou seus pontos de vista de maneira clara e direta, como um cristão deve fazer. Se ele estiver em erro, vocês deveriam, de modo calmo, racional e cristão, buscar mostrar-lhe pela Palavra de Deus onde ele está em desarmonia com seus ensinos... Tomemos nossa Bíblia e com humilde oração e espírito suscetível de ensino, vamos ao grande Mestre do Mundo... A verdade precisa ser apresentada tal qual ela é em Jesus... Devemos pesquisar as Escrituras a fim de obter evidências da verdade... Todos os que reverenciam a Palavra de Deus tal qual ela se apresenta, todos que fazem Sua vontade segundo o melhor de suas capacidades, conhecerão se a doutrina procede de Deus.” [Idem, págs. 294-302].

Por ter seguido esse método desde o começo, Ellen White nunca teve problemas com a divindade de Jesus. Ela afirmava a igualdade de Cristo com Deus [Ver Seventh-day Adventist Encyclopedia, pág. 287]. Descrevia-O como “a Majestade do Céu... igual a Deus” [Ellen G. White, Manuscrito 4, 1863, citado em Selected Messages (Mensagens Escolhidas) (Washington, D.C..: Review and Herald Pub. Co., 1958), volume 1, pág. 69], “Soberano do Céu, um em poder e autoridade com o Pai” [Ellen G. White, The Great Controversy Between Christ and Satan (O Grande Conflito) (Moutain View, Calif.: Pacific Press Pub. Assn., 1888), pág. 459], “de uma só substância, possuindo os mesmos atributos” do Pai [em Signs of the Times, 27 de novembro de 1893] “o Unigênito Filho de Deus, que estava com o Pai desde as eras eternas” [Fundamentals of Christian Education (Fundamentos da Educação Cristã) (Nashville: Southern Pub. Assn., 1895), pág. 382], “O Senhor Deus... revestido das vestes da humanidade” [Idem, pág. 379], “Infinito e Onipotente; Eterno e auto-existente Filho” [Ellen G. White, Manuscrito 101, 1897, citado em EGW, Evangelim (Evangelismo) (Washington, D.C.: Review and Herald Pub. Assn, 1946), pág.


615].

Em sua maior obra, O Desejado de Todas as Nações, publicado primeiramente em 1898, Ellen White escreve nas linhas iniciais do livro: “Desde os dias da eternidade o Senhor Jesus Cristo era um com o Pai; era ‘a imagem de Deus’, a imagem de Sua grandeza e majestade, ‘o resplendor de Sua glória’. Foi para manifestar essa glória que Ele veio ao mundo... para ser ‘Deus conosco’” [Ellen G. White, The Desire of Ages (O Desejado de Todas as Nações) (Nashville: Southern Pub. Assn., 1964), pág. 19]. Escreveu mais: “Em Cristo há vida original, não emprestada, não derivada... A divindade de Cristo é para o crente a segurança da vida eterna.” [Idem, pág. 530].


Num artigo publicado em 1900, Ellen White insistiu: “Cristo é o preexistente, auto-existente Filho de Deus... Falando de Sua preexistência, Cristo conduz a mente para as eras sem fim do passado. Ele nos garante que nunca houve tempo em que não estivesse em íntimo companheirismo com o Deus Eterno. Aquele cuja voz os judeus então ouviam, havia estado com Deus como Alguém convivente com Ele.” [em Signs of the Times, 29 de agosto de 1900].

Semelhantemente, em outro artigo datado de 5 de abril de 1906, Ellen White afirmou pela última vez aquilo que se tornou a crença oficial da Igreja Adventista sobre o assunto da divindade de Cristo: “Cristo era essencialmente Deus, e no mais alto sentido. Ele estava com Deus desde toda a eternidade... uma Pessoa distinta, todavia um com o Pai.” [em Review and Herald, 5 de abril de 1906].


A influência de Ellen White foi decisiva para ajudar a dissipar as crenças semi-arianas que ainda remanesciam entre alguns membros da igreja. Ela foi apoiada por Ellet J. Waggoner e mais tarde por William W. Prescott [William W. Prescott (1855-1944), editor da Review and Herald (1902-1909) e vice-presidente da Associação Geral, publicou em 1920 The Doctrine of Christ (A Doutrina de Cristo), uma série de estudos bíblicos contendo 18 lições. Esse foi, realmente, o primeiro ensaio adventista em teologia sistemática sobre a pessoa de Cristo. Ver nosso capítulo 6] e Arthur G. Daniells [Arthur G. Daniells (1858-1935), presidente da Associação Geral de 1901 a 1922, publicou em 1926, Christ Our Righteousness (Cristo, Nossa Justiça) (Washington, D.C.: Review and Herald Pub. Assn.). Esse livro exerceu notável influência cristocêntrica sobre o corpo ministerial].
Fonte: Tocado por Nossos Sentimentos, do

Pr. Jean R. Zurcher, Ph. D., capítulo 1
Anexo 1: Mais Algumas Declarações de Ellen G. White
Jesus afirmou ter direitos iguais aos de Deus, ao fazer uma obra da mesma maneira sagrada, e do mesmo caráter daquela em que Se empenhava o Pai no Céu. ... Mas os fariseus ficaram ainda mais exasperados. Ele não somente quebrantara a lei, segundo seu modo de ver, mas dizendo que "Deus era Seu próprio Pai", declarara ser igual a Deus.
Toda a nação judaica chamava a Deus seu Pai, de maneira que se não deveriam ter assim enfurecido se Cristo Se colocara na mesma relação para com Ele. Mas acusaram-nO de blasfêmia, mostrando que compreendiam fazer Ele essa reivindicação no mais alto sentido. - O Desejado de Todas as Nações, 207 e 208
Nada menos que poder criador era necessário para restituir a saúde àquele decadente corpo. A mesma voz que comunicou vida ao homem criado do pó da terra, transmitiu-a ao moribundo paralítico. - Idem, 269 e 270
Com solene dignidade, respondeu Jesus: "Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse Eu Sou." João 8:58.
Fez-se silêncio na vasta assembléia. O nome de Deus, dado a Moisés para exprimir a idéia da presença eterna, fora reclamado como Seu pelo Rabi da Galiléia. Declarara-Se Aquele que tem existência própria, Aquele que fora prometido a Israel, "cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade". Miq. 5:2. - Idem, 469 e 470
Por mais que um pastor ame a suas ovelhas, ama ainda mais a seus próprios filhos e filhas. Jesus não é somente nosso pastor; é nosso "eterno Pai". - Idem, 483
Houvesse-o Ele restabelecido à saúde, e não se teria realizado o milagre que é a mais positiva prova de Seu caráter divino. Se Cristo Se achara no quarto do doente, este não teria morrido; pois Satanás nenhum poder sobre ele exerceria. A morte não alvejaria a Lázaro com seu dardo, em presença do Doador da vida. Portanto, Cristo Se conservou distante. - Idem, 528
Esse milagre, a coroa dos milagres do Salvador - a ressurreição de Lázaro - devia pôr o selo de Deus em Sua obra e em Sua reivindicação à divindade. - Idem, 529
Todavia, o Filho de Deus era o reconhecido Soberano do Céu, igual ao Pai em poder e autoridade. O Grande Conflito, 495
Desde a eternidade Cristo tem sido o Redentor do homem. - Testemunhos Para a Igreja, vol. IX, 220
Anexo 2: Alonzo T. Jones (1850-1923) Sobre a Divindade de Cristo [do livro El Camino consagrado a la perfección cristiana, capítulo 2]
Cristo: Dios
¿Cuál es, pues, la consideración con respecto a Cristo, en el primer capítulo de Hebreos?

Primeramente se presenta a "Dios" el Padre, como quien habla al hombre. Como Aquel que habló "en otro tiempo a los padres, por los profetas", y que "en estos postreros días nos ha hablado por el Hijo".


De esa manera se nos presenta a Cristo, el Hijo de Dios. Luego se dice de Cristo y del Padre: "al cual [el Padre] constituyó heredero de todo, por el cual [el Padre, por medio de Cristo] asimismo hizo el universo". Así, previamente a su presentación, y a nuestra consideración como sumo sacerdote, Cristo el Hijo de Dios se nos presenta siendo con Dios el creador, y como el Verbo o Palabra activa y vivificante: "por el cual, asimismo, hizo el universo".
A continuación, del propio Hijo de Dios, leemos: "el cual, siendo el resplandor de su gloria [la de Dios], y la misma imagen de su sustancia [la sustancia de Dios], y sustentando todas las cosas con la palabra de su potencia, habiendo hecho la purgación de nuestros pecados por sí mismo, se sentó a la diestra de la Majestad en las alturas".
La conclusión es que en el cielo, la naturaleza de Cristo era la naturaleza de Dios. Que él, en su persona, en su sustancia, es la misma imagen, el mismo carácter de la sustancia de Dios. Equivale a decir que en el cielo, de la forma en que existía antes de venir a este mundo, la naturaleza de Cristo era la naturaleza de Dios, en la misma sustancia.
Por tanto, se dice de él posteriormente que "hecho tanto más excelente que los ángeles, cuanto alcanzó por herencia más excelente nombre que ellos". Ese nombre más excelente es el nombre "Dios", que en el versículo octavo el Padre da al Hijo: "(mas al Hijo): tu trono, oh Dios, por el siglo de siglo".
Así, es tanto mas excelente que los ángeles, cuanto lo es Dios, en comparación con ellos. Y es por eso que él tiene más excelente nombre. Nombre que no expresa otra cosa que lo que él es, en su misma naturaleza.
Y ese nombre, lo tiene "por herencia". No es un nombre que le sea otorgado, sino que lo hereda.

Está en la naturaleza de las cosas, como verdad eterna, que el único nombre que una persona puede heredar es el nombre de su padre. Ese nombre de Cristo, ese que es más excelente que los ángeles, no es otro que el de su Padre, y el nombre de su Padre es Dios. El nombre del Hijo, por lo tanto, el que le pertenece por herencia, es Dios. Y ese nombre, que es más excelente que el de los ángeles, le es apropiado, ya que él es "tanto más excelente que los ángeles". Ese nombre es Dios, y es "tanto más excelente que los ángeles" como lo es Dios, con respecto a ellos.


A continuación se pasa a considerar su posición y naturaleza, tanto más excelente que la de los ángeles: "Porque ¿a cuál de los ángeles dijo Dios jamás: Mi Hijo eres tú, hoy yo te he engendrado? Y otra vez: Yo seré a él Padre, y él me será a mí Hijo?" Eso abunda en el concepto referido en el versículo anterior, de su nombre más excelente, ya que él, siendo el Hijo de Dios –siendo su Padre Dios mismo–, lleva "por herencia" el nombre de su Padre, el cual es Dios: y en cuanto que sea tanto más excelente que el nombre de los ángeles, lo es en la medida en que Dios lo es más que ellos.
Se insiste todavía más, en estos términos: "Y otra vez, cuando introduce al Primogénito en la tierra, dice: Y adórenle todos los ángeles de Dios". Así, es tanto más excelente que los ángeles cuanto que es adorado por ellos, y esto último, por expresa voluntad divina, debido a que en su naturaleza, él es Dios.
Nuevamente se abunda en el marcado contraste entre Cristo y los ángeles: "Y ciertamente de los ángeles dice: El que hace a sus ángeles espíritus, y a sus ministros llama de fuego. Mas al Hijo: Tu trono, oh Dios, por el siglo del siglo".
Y continúa: "Vara de equidad la vara de tu reino; has amado la justicia y aborrecido la maldad; por lo cual te ungió Dios, el Dios tuyo, con óleo de alegría más que a tus compañeros".

Dice el Padre, hablando del Hijo: "Tú, oh Señor, en el principio fundaste la tierra, y los cielos son obras de tus manos. Ellos perecerán, mas tú eres permanente; y todos ellos se envejecerán como una vestidura; y como un vestido los envolverás, y serán mudados; empero tú eres el mismo, y tus años no acabarán".


Nótense los contrastes, y en ellos, léase la naturaleza de Cristo. Los cielos perecerán, mas él permanece. Los cielos envejecerán, pero sus años no acabarán. Los cielos serán mudados, pero él es el mismo. Eso demuestra que él es Dios: de la naturaleza de Dios.
Aún más contrastes entre Cristo y los ángeles: "¿A cuál de los ángeles dijo jamás: Siéntate a mi diestra, hasta que ponga a tus enemigos por estrado de tus pies? ¿No son todos espíritus administradores, enviados para servicio a favor de los que serán herederos de salud?".
Así, en el primer capítulo de Hebreos, se revela a Cristo como más exaltado que los ángeles, como Dios. Y como tanto más exaltado que los ángeles como lo es Dios, por la razón de que él es Dios.
Es presentado como Dios, del nombre de Dios, porque es de la naturaleza de Dios. Y su naturaleza es tan enteramente la de Dios, que es la misma imagen de la sustancia de Dios.
Tal es Cristo el Salvador, espíritu de espíritu, y sustancia de sustancia de Dios.
Y es esencial reconocer eso en el primer capítulo de Hebreos, a fin de comprender cuál es su naturaleza como hombre, en el segundo capítulo.








©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal