Cadastrado: Adriana Fonseca Borges


- Tratamento estético de traumatismo dentário auxiliado por guia de silicona



Baixar 491.95 Kb.
Página11/11
Encontro21.10.2017
Tamanho491.95 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

207 - Tratamento estético de traumatismo dentário auxiliado por guia de silicona
Tatiana de Souza Pinheiro Chagas, Fábio Cesar Braga de Abreu-e-Lima, Érika Botelho Josgrilberg, Murilo de Sousa Guimarães
O sorriso é um componente importante para o estabelecimento das relações sociais do indivíduo. Quando a harmonia do sorriso é comprometida, a auto-estima pode diminuir, causando problemas intra e interpessoais, especialmente para a criança em desenvolvimento. Um paciente de 11 anos, sexo masculino, compareceu à Clínica Infantil da FOAr-UNESP, queixando-se da falta de estética nos dentes anteriores. No exame clínico observou-se fraturas coronárias verticais oblíquas envolvendo os ângulos incisais mesiais dos incisivos centrais superiores (11, 21), resultantes de um acidente ocorrido há mais de 2 anos no qual, após uma pedra ter atingido a face, não foi possível recuperar os fragmentos dentários. Os dentes apresentavam-se vitais e sem alteração de cor. Para o tratamento restaurador, optou-se pela obtenção de modelos das arcadas dentárias e de registro em cera. No modelo superior foi realizado o enceramento diagnóstico dos dentes fraturados e construído um guia de silicona sobre os dentes encerados. Esse artefato auxiliou a reconstrução direta dos elementos dentários com resina composta, tendo possibilitado o restabelecimento da estética em menor tempo clínico. O resultado satisfatório obtido sugere que esta técnica é uma opção adequada e viável para restaurações estéticas em Odontopediatria. Palavras-chave: Traumatismo múltiplo; estética dentária; odontopediatria.
208 - Maus-tratos contra crianças e adolescentes: o papel do cirurgião-dentista
Tatiane Arruda Tardivo, Clemente da Silva Fernandes, Mônica da Costa Serra
A violência contra crianças e adolescentes, que vai da negligência ao abuso sexual, é um grave problema de saúde pública. Os maus tratos infantis podem ser considerados traumas não-acidentais, ações ou omissões contra menores de idade que sofrem violência física ou emocional, tendo como agressores pais, tutores, família, amigos ou responsáveis. A capacidade de se identificar um caso de abuso é muito importante, pois possibilita uma correta intervenção, tanto médica como judicial. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão de literatura sobre maus-tratos contra crianças e adolescentes e o papel do cirurgião-dentista. A metodologia utilizada envolveu um levantamento bibliográfico junto a bancos de dados como Pubmed, LILACS e BBO, dentre outros. Observou-se que os profissionais da área de saúde têm um papel fundamental no que diz respeito à identificação de casos de violência, coletando informações, diagnosticando precocemente casos de suspeita e reportando às autoridades competentes. Os cirurgiões-dentistas podem contribuir de maneira significativa, pois a maioria das lesões ocorre na região orofacial. Com base em estudos realizados na literatura pode-se concluir que a gravidade da violência infantil ainda é pouco reconhecida, e o conhecimento sobre o tema precisa ser ampliado. Palavras-chave: Odontologia legal; criança; violência.

209 - Enxerto ósseo homólogo: avaliação preliminar clínica e histológica

Telma Blanca Lombardo Bedran, Rubens Spin Neto, Elcio Marcantonio Junior

A reconstrução de defeitos ósseos é um desafio na Implantodontia. O uso de osso autógeno para enxertia dessas regiões é tido como o “padrão ouro”, porém desvantagens dessa técnica trazem à tona a necessidade de outro biomaterial com características regenerativas semelhantes, sem tantas desvantagens. Dessa forma, a utilização de osso homólogo surge como alternativa viável. No presente caso, uma paciente do sexo feminino, com 46 anos de idade, apresentou-se à clínica da FOAr-UNESP com espessura óssea maxilar insuficiente para a instalação de implantes, necessitando de enxerto ósseo, que foi feito com a utilização de osso homólogo. Após 8 meses da cirurgia o sítio foi reaberto para colocação de implantes e, durante este ato, foi retirada uma biópsia do tecido ósseo enxertado. Como resultado vimos que o osso homólogo é uma alternativa viável já que o biomaterial foi capaz de prover travamento primário aos implantes e histologicamente demonstrou potencial de se integrar ao leito de maneira similar ao osso autógeno, mas em um período de tempo maior. Concluímos que o osso homólogo tem potencial para aplicação clínica, porém mais estudos sobre o tema são necessários, elucidando principalmente as alterações cronológicas que deverão ser feitas visando uma maior taxa de nesses casos. Palavras-chave: Enxerto ósseo homólogo; implantodontia; biomaterial.
210 - Insucessos em tratamentos reabilitadores com prótese parcial fixa

Thaís Miyashiro de Macedo Rocha, Cristina Ramos da Silva, Lucas Fernando Tabata, Stefan Fiuza de Carvalho Dekon, Adriana Cristina Zavanelli

A reabilitação por meio de prótese fixa convencional é um tratamento de fácil acesso e na maioria das vezes não tem acompanhamento após a conclusão, o que impossibilita uma qualificação do sucesso ou fracasso ao longo do tempo. Ao se falar de falhas em próteses fixas devemos ter consciência da interdependência existente entre cirurgião-dentista, paciente e protético, tendo o cirurgião-dentista um papel primordial nesse relacionamento, devendo exercer o controle tanto do paciente como do protético, uma vez que é o responsável direto pelo tratamento. Qualquer discussão sobre falhas no tratamento deve ter como primeiro parâmetro o tempo de uso e a longevidade do trabalho protético executado. A fim de justificar o tempo e custos envolvidos no tratamento, há uma grande expectativa de resultados favoráveis e de longevidade. As falhas podem ser de origem biológica, mecânica ou a associação de ambas. Para evitar o fracasso no tratamento reabilitador o cirurgião-dentista deve fazer uma indicação e planejamento dentro das possibilidades do paciente e habilidade de execução. Partindo do exposto, é intenção desse trabalho tecer comentários, apoiados na literatura, direcionados para as causas das principais falhas, tipos de próteses fixas e possíveis soluções. Palavras-chave: Prótese dentaria; prótese parcial fixa; reabilitação bucal.
211 - Análise da viabilidade celular imediata e do desgaste das fresas após osteotomia para implantes

Thallita Pereira Queiroz, Francisley Ávila de Souza, Roberta Okamoto, Valfrido Antônio Pereira-Filho, Rogério Margonar, Jéssica Lemos Gulinelli, Idelmo Rangel Garcia Júnior, Eduardo Hochuli Vieira

O aquecimento ósseo gerado pela fresagem durante a instalação dos implantes interfere no sucesso da osseointegração. O propósito do trabalho foi avaliar o efeito da osteotomia para implantes sobre a viabilidade celular óssea imediata e verificar o desgaste das fresas por microscopia eletrônica de varredura (MEV). Foram utilizados as tíbias de 10 coelhos, divididos em 5 grupos (G): GI - fresas sem uso, G2, G3, G4 e G5- fresas utilizadas 10, 20, 30 e 40 vezes, respectivamente, bem como às osteotomias correspondentes à cada perfuração. Cada animal recebeu 10 seqüências de osteotomias e em seguida, foi realizada a eutanásia. As amostras seguiram processamento imunoistoquímico para análise das proteínas OPG, RANKL e osteocalcina, e foram coradas pela 3,3 diaminobenzidina. O desgaste e a deformação plástica das fresas foram analisados por MEV. As proteínas expressaram-se em osteócitos durante as 40 perfurações, entretanto, nos grupos G4 e G5, observou-se um discreto aumento na expressão de RANKL. A análise por MEV revelou maior deformação plástica e desgaste das fresas dos grupos G4 e G5. Concluiu-se que a viabilidade celular é preservada frente a um protocolo cirúrgico menos traumático, entretanto o uso repetido das fresas pode alterar o equilíbrio proteico a partir da 30ª perfuração. Palavras-chave: Implante dentário; osteotomia; imunoistoquímica.
212 - Análise das práticas de extensão dos cursos de graduação da UNIEVANGÉLICA no ano de 2005

Valquiria Rezende da Silva, Edileuza do Socorro Honório Caixeta, Janaína Câmara Zambelli, Victor Gabriel Santos Ferreira, Hellen Cásssia dos Santos Siqueira, Lúcia Coelho Garcia Pereira, Cristiane Lopes Simão Lemos

Tendo em vista a importância da Extensão na construção da formação acadêmica e transformação da sociedade, foi desenvolvido um projeto de iniciação cientifica no Centro Universitário UniEVANGÉLICA, em Anápolis/GO. O objetivo deste estudo foi analisar as práticas de extensão no ano de 2005. Como ferramenta de pesquisa utilizou-se a análise documental de propostas e relatórios de atividades extensionistas cadastrados na Coordenação de Extensão e Ações Comunitárias, existente até então, há dois anos. Os 15 cursos da Instituição realizaram um total de 242 atividades de extensão, nas quais 69% com característica de eventos, 21% projetos, 9% cursos e 1% prestação de serviços. Quanto ao local, 85% das práticas de extensão foram realizadas em Anápolis, sendo que destes 30% foram atividades extra-muro. Apenas 23,6% dos docentes se envolveram com atividades de extensão. Na análise dos relatórios destas atividades fica evidente o vínculo forte apenas entre o ensino e a extensão. Possíveis caminhos para alcançar a tríade ensino-pesquisa-extensão ainda é um desafio na Instituição. Avaliar as práticas de extensão de uma IES se faz necessária para obtenção de um diagnóstico concreto da mesma, facilitando as estratégias de intervenção para contornar as dificuldades. PBIC/FUNADESP. Palavras-chave: Extensão universitária; ensino; educação.

213 – Estudo da formação da camada híbrida de adesão, dos prolongamentos resinosos (tags) , de um material adesivo resinoso, quando aplicado em tecido dentinário hígido e pós-remoção de tecido cariado
Vanessa Rahal, Renato Herman Sundfeld, Ricardo Coelho Okida
Este estudo “in vitro” tem o propósito de estudar o poder de formação da camada híbrida de adesão e dos prolongamentos resinosos (tags) de um sistema adesivo resinoso, empregado em substrato dentinário hígido e após a remoção de tecido cariado. Para tanto, após a realização dos procedimentos operatórios e restauradores, os espécimes serão descalcificados, cortados a uma espessura de 6 micrometros, corados pelo método Brown & Brenn e submetidos,posteriormente, a análise e mensuração microscópica. Destacando, na oportunidade, que a camada híbrida de adesão e os prolongamentos resinosos (tags) formados, serão, consideravelmente, evidenciados pela aplicação do programa computacional SigmaScan Pro 4.0. Paralelamente a essa análise, o sistema adesivo, em questão, será, também, aplicado em tecido dentinário hígido e pós-remoção de tecido cariado, quando, então, será verificada a sua resistência de união  ao cisalhamento aos substratos dentais considerados. Os resultados da análise estatística que avaliou a formação de tags e camada híbrida e a resistência ao cisalhamento demonstraram maior eficácia do sistema adesivo quando em tecido dentinário hígido. Palavras-chave: Tags; camada híbrida; dentina cariada.

214 - Há correlação entre desajuste marginal das próteses e tensões induzidas aos implantes?

Vanessa Silva Tramontino, Luiz Gustavo Dias Daroz, Marcelo Ferraz Mesquita, Marinaldo Henrique Zempieri, Rafael Xediek Consani, Guilherme Elias Pessanha Henriques



A indução de tensões ao implante e ao tecido ósseo peri-implantar pode ser responsável pela reabsorção tecidual e perda do implante. Buscam-se próteses com o mínimo desajuste marginal acreditando-se na geração de menores valores de tensão às fixações. Assim, o objetivo desse trabalho foi correlacionar os valores de desajuste marginal e de tensão gerados às fixações pelo parafusamento de infra-estruturas implanto-retidas. Foram obtidas 10 infra-estruturas em titânio fundido, utilizando-se matriz metálica contendo 2 implantes conectados a pilares cônicos para construções múltiplas. As infra-estruturas foram aleatoriamente avaliadas quanto aos desajustes marginais mediante o teste do parafuso único e observação em microscópio ótico (120X). As tensões nas fixações foram avaliadas por extensiometria. Os dados obtidos foram tabulados e estatisticamente comparados. A média para desajuste marginal foi 118,07 (58,61) µm e para tensão, de 580,06 (253,93) gf. O teste de Pearson foi utilizado mostrando não haver correlação entre desajuste marginal e tensão (-0,072). A presença e a intensidade do desajuste marginal, por si só, não são indicadores seguros no prognóstico da geração de tensões às fixações. Palavras-chave: Prótese sobre implante; desajuste marginal; estresse mecânico.
215 - Análise do efeito da mastigação experimental na dor muscular. Introdução: Dentre os subtipos de DTM, a muscular apresenta a maior prevalência
Viviane da Silva Paes Leme, Rafael dos Santos Silva, Leylha Maria Oliveira Nunes, Shigueharu Yassuda, Paulo Cesar Rodrigues Conti
Objetivos: Analisar o efeito de um exercício de mastigação experimental no desencadeamento ou agravamento de dor muscular. Material e Métodos: 29 mulheres com Dor Miofascial formaram o grupo experimental e o grupo controle, por 15 mulheres sem DTM. Limiares de Dor à Pressão (LDP) iniciais foram obtidos no masséter e nos temporais. Os indivíduos foram submetidos à mastigação experimental utilizando uma goma de mascar por 9 minutos. No início e a cada 3 minutos elas deveriam marcar uma EAV. Após o exercício, o LDP foi mais uma vez obtido. Depois, foram submetidas a um período de descanso de 9 minutos. Novas marcações em EAV foram obtidas em 12, 15 e 18 minutos. Após o período de
descanso, o LDP foi mais uma vez obtido. Resultados: Observou-se aumento dos níveis de dor (EAV e PPT) no grupo experimental em relação ao controle. Foram encontrados níveis de dor maiores entre os pacientes com DTM após o exercício em comparação aos níveis iniciais. Os valores das EAV apresentaram uma redução mais pronuciada que os LDP após o período de descanso no grupo experimental. Conclusões: Os achados confirmam o efeito danoso da função mastigatória como agravante da dor muscular. Palavras-chave: Transtornos da articulação temporomandibular; síndromes da dor miofascial; mastigação. Apoio financeiro: CNPq

216 - Harmonização do sorriso com compósitos diretos – um tratamento multidisciplinar
William Kabbach, Victor Grover Rene Clavijo, Luiz Rafael Calixto Lima, Fabiane Nogueira, Caio Sérgio Botta Martins de Oliveira, Marcelo Ferrarezi de Andrade
A harmonização do sorriso por meio de compósitos é um tratamento bastante usado para a obtenção da estética anterior. Porém, para se atingir um resultado duradouro seu emprego deve ser criteriosamente avaliado. Muitas vezes, compósitos pela técnica direta, pode ser indicado para a finalização estética do tratamento ortodôntico, nesses casos a boa comunicação entre profissionais é de fundamental importância para que seja possível a obtenção de uma oclusão mutuamente protegida, na qual, o uso de compósitos têm indicação precisa. O trabalho apresenta um caso clínico em que se aborda a importância da comunicação em um tratamento estético interdisciplinar. Palavras-chave: Estética; ortodontia; dentística.


1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal