Cadastrado: Adriana Fonseca Borges



Baixar 491.95 Kb.
Página1/11
Encontro21.10.2017
Tamanho491.95 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

1 - Considerações clínicas na execução do preparo dentário total e moldagem para coroa anterior metal free

Ana Ligia Piza Micelli, Adriano Augusto Melo de Mendonça, Darlon Martins Lima, Osmir Batista de Oliveira Junior, Milko Villarroel

As execuções de restaurações indiretas apresentam um resultado final satisfatório desde que o profissional siga com cuidado as diferentes etapas necessárias à sua elaboração. Entre estes fatores se encontram: diagnóstico e planejamento, preparo dentário, moldagem, fabricação da peça, cimentação e manutenção. Os sistemas de coroa de cerâmica pura mais modernos requerem uma profundidade de preparo marginal de aproximadamente 1mm, com redução circular de 1,5mm, redução incisal/oclusal da coroa clinica aproximada de 2mm e uma expulsividade máxima de 6° a 12°, sem a presença de ângulos agudos, preconizando-se o acabamento manual do chanfro amplo das margens. A moldagem do preparo dentário e das estruturas adjacentes se sobressai pelo seu valor estratégico, pois representa a passagem da situação clinica para a bancada do laboratório na forma dos modelos de trabalho. Se esta transposição não se concretizar de uma forma fiel, torna-se quase impossível ao profissional realizar uma reabilitação que preencha os requisitos específicos que garantam longevidade, saúde periodontal, função e seu relacionamento com harmonia estética. Sendo assim, o objetivo deste trabalho visa a apresentação de um protocolo de preparo dentário e de moldagem para confecção de coroa anterior metal free. Palavras-chave: Moldagem; cerâmicas; coroas.

2 - Reabilitação oral com próteses implanto suportadas: relato de caso clínico planejamento, implantes, próteses

Adriana Fonseca Borges, Mariana Ribeiro de Moraes Rego, Adérito Soares da Mota, Luiz Carlos Santiago da Costa

Paciente M.A.D., apresentando edentulismo total mandibular e parcial maxilar com elementos anteriores insatisfatórios estética e funcionalmente, com inclinação vestibular acentuada. Após o diagnóstico, optou-se no planejamento pela confecção de próteses implanto-suportadas superior e inferior. Para a determinação do correto posicionamento dos elementos superiores foi necessária a utilização de traçado cefalométrico de Steiner para o posicionamento do incisivo central superior no enceramento diagnóstico. Dessa forma, foi realizado exodontia dos elementos anteriores superiores e instalação de implantes osseointegraveis (Neodent®) na região dos elementos, 13, 11, 21 e 23, usados como pilares para uma prótese total fixa provisória. Mais 4 implantes osseointegráveis foram instalados na região posterior da maxila, sendo dois para cada antímero, os quais não foram utilizados para carga imediata, pois apresentaram estabilidade inicial menor que 35 N/cm. Após 30 dias, foi realizada nova cirurgia para instalação de 4 implantes osseointegráveis (Neodent®) na região intermentoniana, sobre os quais foi instalada uma prótese total implanto-suportada inferior provisória, tipo protocolo, utilizando nos componentes protéticos distais uma Barra Distal (Neodent®), confeccionada a partir da prótese total utilizada pela paciente.

3 - Estabilidade do avanço cirúrgico maxilo-mandibular. Influência do reposicionamento do disco articular

Adriano Porto Peixoto, Daniel Serra Cassano, Larry M. Wolford, Ary dos Santos-Pinto, João Roberto Gonçalves

Avaliou-se a estabilidade após avanço cirúrgico e rotação anti-horária do complexo maxilo-mandibular (Mx-Md), a influência da posição dos discos articulares e do seu reposicionamento cirúrgico. Teleradiografias de 72 pacientes foram traçadas, digitalizadas e divididas em 3 grupos: G1(21 pacientes com ATM saudáveis, receberam somente cirurgia ortognática (CO), G2(35 pacientes com deslocamento dos discos articulares, tratados com CO associada à cirurgia de reposicionamento dos discos) e G3(16 pacientes com deslocamento dos discos, tratados com CO exclusiva). Foram avaliadas alterações ocorridas nos tempos (T1 pré-cirúrgico, T2 pós-cirúrgico imediato, T3 pós-cirúrgico tardio). Os resultados demonstraram que durante a cirurgia o ângulo do plano oclusal diminuiu significativamente. Após a cirurgia, o ângulo do plano oclusal aumentou no G3, permanecendo estável no G1 e G2. As alterações pós-cirúrgicas mandibulares indicaram recidiva no G3, mantendo-se estáveis no G1 e G2. Concluiu-se que o avanço Mx-Md com rotação anti-horária é um procedimento estável para pacientes com ATM saudável ou para pacientes submetidos a reposicionamento dos discos articulares simultaneamente. Pacientes com deslocamento dos discos articulares, tratados com CO exclusiva, demonstraram recidiva significante. Palavras-chave: Ortodontia; cirurgia bucal;transtornos da ATM.

4 - Expressão do fator de transcrição RUNX 2 durante o processo de reparo alveolar


Alexandre Rodrigues Freire, Tetuo Okamoto, Flávia Priscila Pereira, Thalyta Ribeiro Neves da Cruz, Roberta Okamoto
As etapas e a cronologia do processo de reparo alveolar já estão bem definidas na literatura. Dentre os eventos ocorridos neste processo é importante a etapa de diferenciação das células mesenquimais, provenientes do ligamento periodontal, em células da linhagem osteoblástica. Com o surgimento do fator de transcrição Runx 2 novos estudos envolvendo a diferenciação osteoblástica têm sido realizados. O objetivo do estudo é avaliar a imunomarcação do fator de transcrição Runx 2 em células que participam do processo de reparo alveolar em ratos. Para a realização deste estudo, utilizaram-se ratos que, após a exodontia do incisivo superior, foram sacrificados aos 7, 14 e 24 dias. As peças obtidas receberam o tratamento laboratorial para a realização de reações imunoistoquímicas contra o fator de transcrição Runx 2. Nos resultados notou-se a presença do fator de transcrição Runx 2 principalmente nos períodos iniciais do processo de reparo alveolar. Destaca-se que a maior quantidade de células positivas foi observada junto aos remanescentes do ligamento periodontal. Conclui-se que ocorre a osteoblastogênese a partir das células originadas do ligamento periodontal, reforçando estudos anteriores que mostram que a remoção do ligamento periodontal pode prejudicar a evolução do processo de reparo alveolar. Palavras-chave: Reparo alveolar; osteoblastogênese; Runx 2.
5 - Interação multidisciplinar em traumatismo dentoalveolar associado a ferimentos faciais
Alexandre Rodrigues Freire, Flávia Priscila Pereira, Eloá Rodrigues Luvizuto, Marcos Heidy Guskuma, Idelmo Rangel Garcia Júnior
A ocorrência de traumatismo dento-alveolar associado a traumas na região orofacial, principalmente ferimentos de tecido mole é muito comum e exige do profissional conhecimentos e/ou atuações multidisciplinares. Este trabalho relata um caso de uma paciente, vítima de acidente ciclístico que foi atendida pela equipe de Cirurgia e Traumatologia de Faculdade de Odontologia de Araçatuba. Ao exame clínico foram observados múltiplos ferimentos extra e intrabucais e traumatismo dento-alveolar. Após limpeza e debridamento, foi realizada a sutura dos ferimentos e extração do dente 11, o qual se apresentava inserido apenas pelas fibras gengivais, com fratura da tábua óssea vestibular. Em seguida foi realizada a contenção flexível com fio de aço e resina composta. A paciente foi medicada e encaminhada à Clínica de Traumatismo dento-alveolar, onde foram realizadas radiografias periapicais, testes de sensibilidade pulpar, tratamento endodôntico dos dentes traumatizados e confecção de prótese parcial removível restabelecendo temporariamente a estética da paciente. Concluímos com este caso que a qualidade do primeiro atendimento nos casos de traumatismo dento-alveolar e ferimentos faciais, bem como o acompanhamento dos pacientes, influenciam diretamente no prognóstico e sucesso do tratamento. Palavras-chave: Trauma dentário; ferimentos faciais; multidisciplinariedade.
6 - Influência do efeito corrosivo dos fluoretos na superfície do titânio cp após diferentes períodos contato
Aline Pereira, Romeu Belon Fernandes-Filho, Juliana Rico Pires, Roberto Sales e Pessoa, Luís Geraldo Vaz
Analise em MEV. O titânio comercialmente puro (Ti cp) é um excelente biomaterial e tem sido usado com grande sucesso na odontologia. Apesar de sua alta resistência a corrosão, o Ti cp pode sofrer alterações na sua superfície através do contato com os fluoretos provenientes de produtos de higiene oral. O objetivo desse estudo foi avaliar a superfície do Ti cp através de MEV, após uma simulação de períodos de contato de 5 (G5), 10 (G10), 15 (G15) e 20 (G20) anos com uma solução fluoretada a 1500 ppm (pH 5,3). Foram usados discos de Ti cp (5 x 6 mm de diâmetro) que foram lixados com lixas de carbureto de silício em granulação crescente até se obter uma superfície lisa. Os discos foram imersos estaticamente na solução por 182,5 horas (G5), 365 horas (G10), 547,5 horas (G15) e 730 horas (G20) e o grupo controle (G0) em água destilada. As imagens da MEV mostram em todos os grupos testes indícios de corrosão por pit e uma característica ablasão na superfície, porém esses aspectos parecem aumentar de acordo com os períodos de exposição. A baixa concentração dos fluoretos utilizados nesse estudo foi capaz de danificar significativamente a superfície do Ti cp ao longo do tempo. Palavras-chave: Titânio; corrosão; fluoretos.

7 - Implante unitário com função imediata para a complementação de reabilitação oral

Aline Vieira Cintra, Cássia Cristina Nogueira Martins, Eduardo Buozi Moffa, Luiz Antônio Borelli Barros

Os conceitos de osseointegração introduzidos pelo Prof. Bränemark e sua equipe na década de 60 revolucionaram a odontologia, trazendo soluções simples para grandes reabilitações. Com a evolução da implantodontia houve maior integração dos aspectos mecânicos, biológicos, estéticos, possibilitando também ouso da carga imediata como forma de tratamento para certos casos. Uma reabilitação com dentes naturais deve ser muito semelhantes aos dentes naturais, sendo assim, a organização, planejamento e bom senso clinico, fundamentais para o sucesso. O objetivo desse caso clínico é mostrar a execução de uma reabilitação complexa envolvimento segmentos de próteses fixas e unitárias, convencionais e sobre implantes, e a posterior resolução de um problema ocorrido em um desses elementos colocados devido à infiltração. Para que não houvesse comprometimento dos elementos adjacentes colocados, e também pelo grau de destruição ocorrido, optou-se pela extração seguida de colocação de implante com função imediata. Após 4 meses a prótese definitiva foi realizada com perfeita integração deste novo elemento à reabilitação feita. Palavras-chave: Implante dentário osseointegrado; reabilitação bucal; prótese parcial imediata.


8 - Enxerto autógeno obtido de calota craniana: relato de caso clínico

Alliny de Souza Bastos, Keidy Gallina, Rubens Spin-Neto, Mariana Nogueira de Figueiredo, Rodolfo Jorge Boeck Neto, Wagner Nunes de Paula, Elcio Marcantonio Junior

A reabilitação de pacientes desdentados totais com rebordos atróficos é um desafio para a Implantodontia, pois em alguns casos não há áreas doadoras de tecido ósseo suficientes para enxertia na região intra-oral. Sendo assim, como o tecido ósseo autógeno é o padrão ouro para reconstruções deste tipo, com propriedades osteogênicas, osteoindutoras e osteocondutoras, o cirurgião pode lançar mão de áreas doadoras extra- orais, tais como a calota craniana, para solucionar a deficiência tecidual presente. Neste trabalho descrevemos o caso clínico de uma paciente de 48 anos de idade, em que o rebordo ósseo atrófico foi submetido à enxertia óssea autógena previamente a instalação de implantes. Em função da necessidade de um grande volume ósseo optou-se pelo uso de uma área doadora extra-oral (calota craniana). Apesar do grande volume de tecido ósseo obtido junto à área doadora, o pós-operatório ocorreu sem intercorrências, possibilitando conforto e rápida recuperação à paciente. Na área receptora, o prognóstico é favorável, já que a deficiência de tecido ósseo pôde ser corrigida. Ante o exposto, o enxerto ósseo autógeno obtido da calota craniana, quando bem planejado e realizado, torna-se uma opção viável e segura na obtenção de quantidade e qualidade óssea, favorecendo a reabilitação do paciente. Palavras-chave: Enxerto autógeno; rebordo atrófico; reabilitação.

9 - Análise 3D da distribuição de tensões no sistema barra/clipe e interface osso/implante em função do tipo de liga da estrutura

Aloísio Oro Spazzin, Ricardo Teixeira Abreu, Pedro Yoshito Noritomi, Guilherme Elias Pessanha Henriques, Mauro Antônio de Arruda Nóbilo, Rafael Leonardo Xediek Consani, Marcelo Ferraz Mesquita

Este trabalho avaliou a influência do tipo de material da barra (liga de Au tipo III, liga de AgPd, liga de CoCr e Ti cp) na distribuição das tensões (3D), na estrutura e interface osso/implante, de um sistema barra/clipe sobre dois implantes osseointegrados com um desajuste vertical (100µm) sobre um dos implantes, através do MEF. Com o uso do programa Rhinoceros® 3.0 (NURBS, EUA), foram modelados dois implantes Master Screw (Conexão, Brasil) de 10 mm de comprimento, 3,75 mm de diâmetro de rosca e 4,1 mm de plataforma; um sistema barra/clipe com dois UCLAs; e uma região anterior de mandíbula com severa reabsorção óssea. O conjunto foi exportado para o programa NEiNastran® 9.0 (Noran, EUA) e simulado um carregamento de 20 N/cm proporcionado pelo aperto dos parafusos de retenção da barra. Os resultados obtidos foram avaliados de forma qualitativa através do gradiente de cores das tensões de von Mises. Foi possível observar concentração de tensões no osso cortical correspondente a região cervical do implante e no osso medular correspondente à região apical do implante para todos os materiais, sendo os maiores níveis na liga de CoCr. O módulo de elasticidade do material da barra influenciou as tensões registradas na barra e na interface osso/implante. Palavras-chave: Ligas dentárias; desajuste; elementos finitos.



10 - Tratamento ortopédico funcional da má oclusão de classe II

Amanda Fahning Ferreira Magno, Adriano Porto Peixoto, Simone Gallão, Lídia Parsekian Martins

O aparelho ortopédico funcional Bionator foi desenvolvido por Balters, em 1960, baseado na teoria de que o equilíbrio entre a língua e os músculos circundantes atua na forma dos arcos dentários e na intercuspidação correta. O objetivo deste aparelho é produzir um posicionamento da mandíbula para frente, promovendo uma nova posição postural mandibular. O Bionator está indicado para correção da classe II com retrognatismo mandibular e as seguintes características: arco dentário bem alinhado; incisivos maxilares inclinados para vestibular; incisivos mandibulares bem posicionados ou super-erupcionados; sobremordida com acentuada curva de Spee e mordida aberta com alterações dento-alveolares na maxila. O propósito deste trabalho é fornecer informações sobre esta aparatologia por meio da apresentação do caso clínico de um paciente do gênero masculino, 12a e 1m, padrão horizontal de crescimento, perfil convexo, classe II, 1ª divisão, selamento labial competente, que foi tratado com o Bionator. Ao final do tratamento foi obtida uma relação dentária e esquelética de classe I, boa saúde dentária e periodontal e boa estética dento-facial. Concluiu-se que quando o Bionator é utilizado durante a fase de crescimento produz resposta mandibular satisfatória num caso de classe II dento-alveolar. Palavras-chave: Aparelhos ortodônticos funcionais; Bionator; má oclusão.

11 - A influência do armazenamento em água sobre a resistência ao impacto de resinas acrílicas

Amanda Fucci Wady, Andréa Azevedo Lazarin, Eunice Teresinha Giampaolo, Luciano Elias da Cruz Perez, Carlos Eduardo Vergani, Ana Lúcia Machado

O rebordo residual apresenta processo contínuo de reabsorção, sendo necessário realizar o reembasamento, mediato ou imediato, das próteses. Os esforços mastigatórios e quedas acidentais podem resultar em fratura da prótese. Além disso, as próteses estão sempre na cavidade oral ou imersa em água. Assim, o presente estudo avaliou o efeito do armazenamento em água sobre a resistência ao impacto da resina para base de prótese Lucitone 550 (L) e da resina para reembasamento imediato Tokuyama Rebase II (T), testadas isoladamente ou em combinação, simulando a técnica mediata (L/L) e imediata (L/T). As amostras (60 X 6 X 4 mm) foram divididas em 4 grupos (n=6): G1, G2, G3 e G4 sendo, respectivamente, controle, 7 dias, 3 e 6 meses de armazenamento em água a 37°C. Um entalhe de 0,8 mm foi realizado nas amostras e o teste Charpy foi realizado com pêndulo de 0,5J. O teste de Kruskall-Wallis (α=0,01) revelou que a resistência ao impacto de G1, para as condições L (1,69 kJ/m2), T (0,67 kJ/m2) e L/T (6,17 kJ/m2), foi igual aos demais grupos. Para L/L, G4 (1,44 kJ/m2) foi menor que G1 (1,71 kJ/m2). O reembasamento de L com T proporcionou os maiores valores de resistência ao impacto e, somente quando reembasada com o mesmo material (L/L), houve diminuição após 6 meses de armazenamento em água. Palavras-chave: Reembasadores de dentadura.

12 - Perda precoce de incisivos decíduos superiores: alternativa de reabilitação

Ana Bárbara de Araújo Loiola, Ângelo Vicentini Loiola, Ana Luísa Botta Martins de Oliveira, Lívia Etchebehere de Loiola, Rita de Cássia Loiola Cordeiro

Os traumatismos, reabsorção prematura das raízes dentárias, extrações antecipadas e cárie são os principais fatores etiológicos das perdas precoces dos dentes decíduos. A perda de espaço na região de incisivos decíduos é pouco freqüente e alguns autores acreditam que essa perda é acompanhada por um desvio da linha média anterior e até mesialização dos dentes posteriores. O objetivo deste trabalho é relatar o caso clínico de paciente com perda precoce dos incisivos decíduos superiores devido à trauma, e a conduta clínica aplicada. Com a finalidade de reabilitação estética e funcional foi feito um aparelho removível utilizando as coroas dos dentes extraídos, que tiveram suas raízes cortadas e a polpa removida, sendo a cavidade pulpar preenchida com resina acrílica. Para a montagem desse aparelho foi realizada uma moldagem da arcada superior e confecção de uma guia de cera para determinar a linha do sorriso,indicando a altura em que as coroas deveriam ser colocadas. Cabe salientar a importância do exame clínico, radiográfico e de modelos detalhados, para avaliação do tratamento adequado. Pode-se concluir que o uso de mantenedor de espaço na região anterior, cumpriu seu papel com efeito funcional, estético e psicológico. Palavras-chave: Trauma; mantenedor de espaço; reabilitação.



13 - Inativação de Bacilus subtilis em forno de microondas doméstico

Ana Carolina Mascarenhas Oliveira, Ana Paula Gonçalves Pita, Lígia Antunes Pereira Pinelli, Oriana Elara Barelli, Regina Helena Barbosa Tavares da Silva

Considerando a existência de pontos frios e quentes na cavidade do forno de microondas, avaliou-se sua efetividade no processo de esterilização. Para tanto, utilizou-se o microrganismo esporulado Bacilus subtilis em quatro períodos de irradiação (0, 2, 4 e 6 minutos) e em cinco posições ao nível do prato giratório (P1-anterior, P2-látero-direita, P3-posterior, P4-látero-esquerda e P5-central). l de suspensão bacteriana foiUm béquer de vidro com tampa contendo 500 posicionado em uma das cinco regiões do forno doméstico de dupla emissão, operando na potência de 900W, em cada um dos tempos propostos. Observou-se que em P1, P3, P4 e P5 só houve inativação da bactéria após 6 minutos de irradiação, sendo que em P2 houve inativação em 4 minutos. Concluiu-se que a posição látero-direita permitiu, em menor tempo de irradiação, a morte total dos microorganismos, demonstrando ser a posição mais eficiente para se realizar os procedimentos de esterilização que são viáveis desde que sejam controladas as diversas variáveis que envolvem esse processo. Palavras-chave: Forno de microondas; esterilização; Bacilus subtilis.

14 - Colagem de fragmento dentário como alternativa de tratamento para as fraturas corono-radiculares

Ana Livia Gomes Cornélio, Juliana Oliveira Gondim, Bruna Carolina Bochio, Elisa Maria Aparecida Giro

As fraturas coronárias são ocorrências freqüentes em dentes permanentes, entretanto as do tipo corono-radiculares são pouco comuns. Estes tipos de injúria envolvem esmalte, dentina e cemento, e podem ou não ter exposição da polpa. Dependendo do grau da extensão subgengival da linha de fratura e da existência do fragmento dentário, o dente pode ser restaurado por meio da colagem do fragmento. Este trabalho tem como objetivo relatar um caso clínico de fratura corono-radicular com exposição pulpar de incisivo central superior permanente, abordando as características clínicas e radiográficas, conduta terapêutica e a importância do acompanhamento clínico e radiográfico periódico do dente traumatizado. Neste caso, como a procura por tratamento foi imediata, realizou-se uma pulpotomia e, devido o nível da fratura estar subgengival e acima da crista óssea marginal, a colagem transcirúrgica do fragmento foi o tratamento de eleição. Pode-se concluir que em caso de fratura corono-radicular esta técnica é uma alternativa viável para restabelecer a forma, função e estética do elemento dentário, além de ser conservadora, de baixo custo e de grande aceitação por parte dos pacientes e dos seus responsáveis. Palavras-chave: Fraturas dos dentes; dentição permanente; colagem dentária; odontopediatria.

15 - Efeito de fontes de luz e soluções na rugosidade superficial de resina composta nanoparticulada

Ana Luísa Botta Martins de Oliveira, Patrícia Aleixo dos Santos, Regina Guenka Palma-Dibb, Patrícia Petromilli Nordi Sasso Garcia



O objetivo deste estudo foi avaliar a rugosidade superficial de uma resina nanoparticulada, em função de diferentes fontes de luz e soluções. Três fotopolimerizadores (XL 3000; Jet Lite 4000 Plus; Ultralume LED 5) e quatro meios de imersão (café, coca-cola, chá e saliva artificial) foram testados. Dez espécimes da resina composta Filtek Supreme para cada condição experimental foram confeccionados em uma matriz de aço circular (10mm x 2mm) e armazenados em saliva artificial a 37º C ± 1 por 24 horas. Durante 60 dias os espécimes foram imersos nas soluções 3 vezes ao dia por 5 minutos, permanecendo em saliva artificial nos intervalos de imersão. A análise da rugosidade superficial foi feita com um rugosímetro portátil (SJ-401, Mitutoyo) em 2 tempos: após 24 horas de imersão dos espécimes em saliva artificial; e 60 dias de imersão nas soluções. Os dados obtidos foram submetidos ao teste estatístico não-paramétrico de Kruskall-Wallis, ao nível de 5% de significância. Não houve alteração na rugosidade superficial da resina composta antes e após as imersões, independentemente das fontes de luz (p<0,05) e dos meios de imersão avaliados (p<0,05). Conclui-se que a rugosidade superficial da resina composta nanoparticulada testada não sofreu influência dos fatores estudados. Palavras-chave: Rugosidade; resinas compostas; meios de imersão.

16 - Avaliação histológica dos efeitos da cola inorgânica em tíbias de ratos
Cristina Aparecida Conti Pavan, Sybele Saska, Marco Antonio Utrera Martines, Younès Messaddeq, Guilherme Henrique da Silva, Ana Maria Minarelli Gaspar
O estudo de biomateriais envolve o entendimento das propriedades, funções e estruturas dos materiais biológicos, dos materiais sintéticos e da interação entre eles; o objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento biológico do cimento obtido a partir de polifosfato de sódio, carbonato de cálcio e hidróxido de cálcio denominado genericamente como cola inorgânica, sendo que foi sintetizada no laboratório de Química Inorgânica, do Instituto de Química da UNESP. Foram utilizados 18 ratos machos, sendo que foram realizadas duas cavidades na região anterior das tíbias e preenchidas por cola, tíbia esquerda (GT) e, na tíbia direita (GC), nenhum material foi aplicado. Após 7, 30 e 120 dias os animais foram mortos e o material processado para análise histológica e observou-se no GT, aos 7 dias, restos de cimento no interior da cavidade e o periósteo recobrindo a mesma; aos 30 dias, o osso neoformado, preencheu toda a cavidade cirúrgica e apresentou-se incorporado à tíbia, e no último período analisado, 120 dias tecido ósseo normal e desta forma, podemos concluir que o cimento mostrou biocompatibilidade em contato direto com o tecido ósseo em todos os períodos analisados, apesar de não ter acelerado a formação óssea em relação ao grupo controle. Palavras-chave: Biomateriais; fosfatos; histologia.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal