Bom dia a todos os presentes



Baixar 16.87 Kb.
Encontro08.01.2019
Tamanho16.87 Kb.

Bom dia a todos os presentes!

Agradeço a todos e a todas que reservaram esse tempo do seu dia para estar conosco celebrando os 126 anos do Instituto Agronômico e a chegada a cultivar Mil do Instituto, o feijão IAC Milênio.

Peço licença para usar depoimentos de usuários da tecnologia do Instituto Agronômico. Acredito que neste momento de comemoração, ouvir a avaliação de nosso público é a melhor maneira de celebrar e de orientar nossas atividades rumo ao futuro.

Abre aspas: “O IAC Milênio é uma cultivar de feijão carioca que em suas características extrínsecas e intrínsecas, atendem plenamente aos anseios de todos os elos da cadeia produtiva do feijão” – fecha aspas, palavras do gestor de suprimentos da Camil, João Carlos de Castro Alves.

Mariana Figueiredo Bergamo Salvador, que planta 443 hectares de feijão, no Município de Avaré, SP, diz: abre aspas: “O IAC Alvorada é um feijão com grãos de qualidade e produtividade excelentes. Até hoje foi o feijão com maior produtividade na minha propriedade. Se não fosse a sensibilidade das raízes à doença, eu continuaria plantando. Se tivesse sementes de um feijão parecido com o Alvorada, mas resistente a doenças de raiz, eu plantaria com certeza”, fecha aspas.

O agricultor Altair Muller Corrêa diz – abre aspas - “Deixei de trabalhar com o IAC Alvorada porque ele dava doença na raiz, mas ele tem ótima qualidade de grão e é tolerante a outras doenças. Se tivesse uma variedade do IAC Alvorada resistente a doença de raiz, vixi, eu tenho muito interesse em plantar. Para o consumidor ele é muito bom”, fecha aspas.

Esses depoimentos nos mostram que o Instituto Agronômico tem permanecido no caminho certo ao longo dos anos em seus programas de melhoramento genético. Isto porque, com o feijão IAC Milênio, esses agricultores têm seu desejo atendido, pois essa nova cultivar traz a resistência às doenças antes suscetível do IAC Alvorada, além da qualidade de grão que a indústria e os consumidores buscam.


Estamos apontando os depoimentos sobre o feijão porque neste momento lançamos a 42ª cultivar de feijão – ou a 9ª geração de cultivares de grão tipo carioca do Instituto Agronômico. Mas temos absoluta certeza que podemos receber mensagens com o mesmo teor de credibilidade de admiração ao trabalho do Instituto, se nós ouvirmos as 11 empresas parceiras no desenvolvimento da última cultivar de amendoim, a IAC OL3, com alto teor oleico que aumenta em 100% o tempo de prateleira do produto. Teremos o mesmo depoimento se ouvirmos as 130 empresas parceiras do Programa Cana IAC em 9 estados brasileiros, e assim será se ouvirmos os 31 mil trabalhadores rurais treinados pelo Programa Aplique Bem, em 20 estados brasileiros, aonde chegou a premiada tecnologia de aplicação de agrotóxicos do Agronômico.

Certamente o mesmo reconhecimento está cravado nos produtores de seringueira, já que nós contribuímos para fazer de São Paulo o maior produtor de látex e, recentemente, disponibilizamos clones precoces, altamente produtivos, além da tecnologia que reduziu os custos da sangria.

O mesmo reconhecimento está no café de cada dia, pois nossos cafeicultores têm nesta Casa praticamente todas as ferramentas para conduzir seus cafezais, lembrando que estamos em 90% dos cafezais do tipo arábica do país.

A citricultura brasileira, que sofre por seus diversos desafios, certamente reconhece que sua sustentabilidade e liderança mundial estão totalmente apoiadas no nosso trabalho.

O mesmo reconhecimento certamente ecoa nos fruticultores do interior paulista e nos viticultores do Vale do São Francisco, no Nordeste, porque o Instituto proporcionou a tropicalização da fruticultura. Consideração semelhante deve vir dos agricultores que se dedicam ao cultivo da mandioca, já que os materiais IAC ocupam 80% das lavouras de Minas Gerais e São Paulo.

Os 121 laboratórios parceiros do Programa de Qualidade de Solos do Instituto Agronômico também entregam as diretrizes de suas atividades à eficiência do Instituto.

Esses exemplos ilustrados nestes depoimentos são os grandes reconhecimentos à competência do Instituto Agronômico, que poderiam ser também estendidos para as culturas do arroz, do trigo, da aveia, da soja, do tomate, da alface, das pimentas, da batata, das plantas ornamentais, aromáticas e medicinais, do pêssego, do caqui, do morango e outras 100 espécies pesquisadas pelo IAC. Porque haja o que houver, a cada dia que um agricultor em algum canto deste país coloca nossa semente em sua terra, este é o maior reconhecimento que podemos ter. O sistema dá o nome de inovação a este ato de adoção da tecnologia. Mas, para nós que dedicamos dia após dia a esta missão, prefiro chamar de confiança, e por toda a instabilidade que envolve o universo da agricultura, arrisco dizer que o agricultor tem algo maior que simples confiança, o agricultor tem crença. Entrega a nós a rentabilidade do seu pedaço de terra, da renda que sustenta sua família. Põe em nossas mãos, em nossas tecnologias, o sucesso do seu ofício.

Esta credibilidade e todas as boas colheitas que temos ajudado a semear nesse Brasil afora, desde os pequenos produtores de hortênsias até os grandes de feijão, de cana, de citros são fruto de nosso empenho e competência. Não só nosso que estamos aqui, mas de todos que passaram por este Instituto em seus 126 anos. Nós da comunidade IAC, nós paulistas, nós brasileiros, de agricultores a consumidores, devemos muito a cada um que dedicou parte de sua energia a esta Casa e ao agronegócio, quando este termo ainda nem existia.


Uma bela homenagem feita por uma certa empresa aos agricultores, que retrata com precisão e poesia a dedicação quase maternal dos agricultores às suas lavouras e criações, diz que Deus escolheu o agricultor para cuidar de plantas e animais, com empenho incessante e incansável como só ele faz. E tomo licença para nos colocar à semelhança de agricultores, pela persistência e crença que aplicamos no desenvolvimento de tecnologias cada vez melhores. Assim é nosso trabalho. Também fomos escolhidos para levar adiante esta missão, com a paciência para esperar anos, até décadas, para chegar aos resultados.

Escolhemos esta missão e todos os dias somos escolhidos por agricultores e empresas a auxiliá-los em suas missões.

Nosso muito obrigado.

Em nome do Governo paulista, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento e da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, nós agradecemos a todos e a todas que trabalharam no IAC ao longo desses 126 anos – diretores, servidores de apoio e pesquisadores que não se aquietaram diante das melhorias já alcançadas e persistiram nas pesquisas. Agradecemos a todos os servidores pelo comprometimento no cumprimento da missão Institucional.

Muito obrigado aos agricultores que acreditam em nosso trabalho, que confiam suas propriedades e seus sonhos ao nosso desempenho. Na pessoa do agricultor Mário Bergamo de Oliveira, agradecemos a todos os agricultores de todos os setores de produção deste país.

Muito obrigado aos segmentos das indústrias e do comércio, que atrelam a satisfação de seus clientes e seus ganhos, às atividades realizadas dentro dos campos e laboratórios do Instituto Agronômico.

Agradecemos às famílias que alimentam seus filhos, com os frutos de nosso trabalho. Muito obrigado pela confiança.

Obrigado às agências de fomento, especialmente a FINEP, FAPESP, CNPq e CAPES, por acreditarem e investirem em nossos projetos.

Um agradecimento especial ao Dr. Carlos Colombo e todos os colegas que colaboraram na organização desta exposição fotográfica que representa a trajetória deste Instituto Agronômico para a obtenção dos Mil resultados colhidos na área de melhoramento genético.

Esses 126 anos e a chegada a cultivar MIL é mérito de todos nós.

Prefeito Jonas Donizette, o Instituto Agronômico sempre será parceiro de toda a iniciativa de transformar Campinas na capital da ciência e tecnologia do Brasil.

Secretária Mônika Bergamaschi, o Instituto Agronômico sempre responderá às demandas de nossa agricultura e de nossa sociedade, com a mesma confiança, o mesmo comprometimento e qualidade demonstrada nestes 126 anos para produzir mais MIL resultados.

Parabenizamos os agraciados com o Prêmio IAC 2013, o pesquisador Otávio Antonio de Camargo, o servidor de apoio, Mauro Massarotto, e o agrônomo, Luiz Carlos Corrêa Carvalho. Cumprimentamos também as instituições homenageadas com a Medalha Franz Dafert - a Agrishow, a Embrapa, a Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação, a FINEP e o Instituto de Tecnologia de Alimentos.

Obrigado.








©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal