Biossegurança em odontologia



Baixar 23.66 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho23.66 Kb.

CCM – IB - MIP

Disciplina de Bacteriologia

Biossegurança em Odontologia


BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA


  1. Objetivos




  • Informar sobre a importância da biossegurança em Odontologia;

  • Relacionar os procedimentos mais comuns para minimizar o risco de transmissão de doenças no consultório dentário.



  1. Introdução



O que é biossegurança?

Conjunto de normas e procedimentos empregados para manutenção da saúde de pessoas com atividades de risco.

Por que devemos nos preocupar com biossegurança?

  • Cavidade oral: complexo ecossistema microbiano;

  • Consultório: ambiente de trabalho restrito e proximidade com o paciente;

  • Exposição à saliva e ao sangue contaminados;

  • Manipulação de instrumentos pérfuro-cortantes.



A)Técnicas assépticas



Incluem técnicas de bloqueio, esterilização e monitoramento dos procedimentos de consultório.
Termos utilizados:


  • Esterilização: ausência total de microrganismos.

Todos os materiais que entram em contato coma saliva ou sangue devem ser esterilizados.

  • Desinfecção: redução do potencial infeccioso em um material inanimado, como bancadas e pisos.

Ex: iodóforos, derivados fenólicos, hipoclorito de sódio (1:10 ou 1:100).

  • Antissepsia: desinfecção de tecidos vivos.

Ex: álcool iodado.

  • Degermação: remoção ou redução de bactérias da pele por limpeza mecânica e/ou agentes químicos.

Ex: gluconato de clorexidine.

B)Itens de biossegurança no consultório dentário





  • Limpeza: conjunto de ações para remoção de sujeiras e detritos, com a finalidade de asseio de áreas e superfícies.




  • Paramentação: barreira mecânica que interrompe as rotas de contaminação, quebrando o ciclo que poderia ser estabelecido.

Ex: antissepsia das mãos e luvas, proteção facial, roupas e cabelos, paramentação do campo operatório.

C)Agentes de controle de microrganismos



Agentes físicos: calor úmido, calor seco e radiação.

Autoclave


  • Temperatura: 121ºC/20 min, sob pressão de 15 libras.

  • Esterilização de luvas, gaze, vidraria, meios de cultura, plástico especial, caixas de metal ou vidro.

  • Desvantagens: custo, corrosão de material, destruição de corte, materiais impermeáveis ao vapor ou termossensíveis.



Forno


  • Temperatura: 170ºC/1 h ou 160ºC/2 h.

  • Esterilização de óleos, pós, vaselinas, instrumentos cirúrgicos, vidrarias, metais, papel laminado, instrumentos de metal.

  • Vantagem: não danifica o corte dos instrumentos, não corrói ou enferruja.

  • Limitação: destruição de materiais termossensíveis, longo tempo, pequena penetração, pode queimar papel e tecido.



Radiação ionizante


  • Radiação gama tem alto poder de penetração. É usada para esterilização de materiais embalados, luvas cirúrgicas e seringas descartáveis.


Agentes químicos: desinfetantes e antissépticos
Atenção na escolha!

Considere: atividade antimicrobiana, solubilidade, estabilidade e homogeneidade, ausência de toxicidade, não ser corrosivo, capacidade detergente e desodorizante, atividade à temperatura ambiente, disponibilidade e baixo custo.

Álcool

  • Álcool etílico 70-90% ou álcool isopropílico 90%.

  • Aplicação: nas bancadas, antes de colocar os panos de campo, e para desinfetar materiais que não têm contato com saliva ou sangue.

  • Álcool etílico tem maior atividade germicida, menor custo e menor toxicidade.



Halogênios

  • Agentes oxidantes altamente reativos e destrutivos para componentes vitais da célula microbiana.

  • Iodo e derivados: tradicionalmente usado como antisséptico. Ex: NaI 2% diluído em álcool 70%, iodóforos (Povidine).

  • Cloro: usado geralmente como desinfetante, na forma de hipoclorito de sódio 1:10 ou 1:100. Possui baixo custo e boa eficácia. É corrosivo para alguns metais, como alumínio.



Gluconato de clorexidine


  • Degermante.

  • Tem efeito residual ativo por no mínimo 6 h.



Detergentes

  • Substâncias que solubilizam compostos hidrofóbicos, concentrando-se nas interfaces.

  • Ex.: detergente líquido.



Agentes químicos esterilizantes

Óxido de etileno


  • Alto poder de penetração, esteriliza grandes pacotes de materiais, embalagens plásticas de seringas e materiais de laboratório.

  • Requer várias horas de exposição ao produto.



Gluteraldeído

  • Solução aquosa a 2% por 10h.

  • Aplicação: esterilização de materiais de borracha.

  • Após ativação, tem prazo de validade de 14 a 28 dias.

  • Utilizar solução em recipiente de vidro ou plástico. Geralmente não é corrosivo.

  • Desvantagens: altera a cor do material, reações alérgicas, uso depende da quantidade de matéria orgânica.





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal