Baecque, Antoine; delage, Christian dir



Baixar 10.04 Kb.
Encontro23.09.2019
Tamanho10.04 Kb.

BAECQUE, Antoine; DELAGE, Christian (dir.). De l’histoire au cinema. Bruxellas: Editións Complexe, 1998.

RESUMO:

Esta obra é resultado das discussões feitas no seminário “Histoire, cinema, représentation” do Institut d’histoire du temps présent (CNRS) entre 1995 e 1997, publicando todas as comunicações apresentadas nestes dois anos de debate acadêmico. É tido como um esforço de aperfeiçoar os estudos e esclarecer algumas inquietações que permeiam o atraso e os mal-entendidos a respeito das relações entre cinema e história. Suas influências estão sobretudo assentadas nas pesquisas e linhas de pensamento desenvolvidas durante a década de 1990 na França e nos EUA, cujos maiores exemplos estão nas publicações das revistas  Vingtième Siècle, Vertigo etc..

O destaque dado pelos diretores é dado ao fato de que, pela primeira vez, apresentam-se contribuições de pesquisadores cujos períodos e especialidades de estudos são muito diversos, mas que, nesta obra, as preocupações epistemológicas aparecem partindo de interrogações comuns.

O percurso proposto pela obra inicia-se por uma análise sobre história e memória feita por Paul Ricoeur (“Histoire et Memoire”). Seguindo-se a isso, as intersecções epistemológicas surgem. Primeiramente sobre a verdade existente entre ficção e história desenvolvida por Roger Chartier (“La vérité entre fiction et histoire”) e Jean-Luc Nancy (“La règle du jeu dans La Règle du jeu”), sucedida pela questão da historicidade do cinema, apresentada por Jacques Rancière (“L’histoire du cinema”).

Metodologicamente, Jacques Revel (Um exercice de désorientement: Blow up de Michelangelo Antonioni) procura dissertar sobre como o cinema pode oferecer ao historiador um modelo teórico e metodológico de abordagem de seu objeto. Sobre como a narrativa cinematográfica pode jogar seus efeitos e influenciar as formas de narrativa histórica escreve Arlette Farge (“Écriture historique, écriture cinématographique”). Ainda na chave da narração, Vincent Guigueno (“Cinéma et société industrielle: le travail a la chaîne à l’épreuve du burlesque”) cuida em pensar como o cinema e suas formas narrativas possibilitam uma experiência sensível do mundo, ao mesmo tempo que desenvolve idéias cujas formas permitem apreender os registros complexos da temporalidade, ou igualmente permite revelar os legados que balizam o percurso das comunidades e indivíduos, como mostra Christian Delage (“Cinéma, enfance de l’histoire”).

Para além disso, o livro também apresenta algumas reflexões sobre como o cinema constituiu, com seus espectadores, uma relação estética e histórica, como desenvolve Antoine Baecque (“La Nouvelle Vague. Portrait d’une jeunesse”), ou mesmo ideológica de fato, segundo Stuart Liebman (“Les premières constellations du discours sur l’Holocauste dans le cinéma polonais”).

Em resumo e por fim, conforme Antoine Baecque e Christian Delage, todos estes fatores epistemológicos comuns levantados pelos autores que compõe o livro ajudam a compreender a correlação entre a “interioridade de nossa memória” e o “processo de nossa socialização”, na palavras de Paul Ricoeur, entre uma representação do mundo (o cinema) e a maneira pela qual os homens nele vivem (a história).




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal