AvaliaçÃo de atitudes alimentares e auto-percepçÃo da imagem corporalem bailarinas do município de tubarão- santa catarina



Baixar 13.71 Kb.
Encontro26.12.2017
Tamanho13.71 Kb.

AVALIAÇÃO DE ATITUDES ALIMENTARES E AUTO-PERCEPÇÃO DA IMAGEM CORPORALEM BAILARINAS DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO- SANTA CATARINA

Caroline Borges de Castro1; Msc Flávio Magajewski2; Msc Jaime Lin3



INTRODUÇÃO:

Bailarinas podem ser consideradas um grupo de risco para o desenvolvimento de patologias como anorexia nervosa ou bulimia nervosa (1). Práticas alimentares altamente restritivas aliadas à atividade física intensa podem levar ainda a irregularidades menstruais, amenorreia, fadiga muscular, alterações e danos às estruturas esqueléticas (2).

A despeito da presença de todos esses fatores de risco, bailarinas recebem pouca atenção dos profissionais de saúde (3). Essa aparente negligência reflete-se ainda na escassez de trabalhos científicos que abordem as atitudes alimentares e a auto-percepção de imagem corporal entre bailarinas.

O objetivo do presente estudo foi avaliar a percepção da imagem corporal e sua associação com comportamentos de risco para Transtorno Alimentar em bailarinas da cidade de Tubarão (SC).



Palavras-chave: Ballet. Transtornos da alimentação. Imagem corporal.

1-Acadêmica do curso de Medicina da UNISUL, bolsista do Artigo 170, carol_borges_15@hotmail.com; 2- Professor Orientador da UNISUL, flavio.magajewski@unisul.br; 3- Antigo professor Orientador da UNISUL, e-mail


MÉTODOS:

Foi realizada entrevista com 29 bailarinas do sexo feminino, entre 15 e 25 anos, que frequentavam aulas de dança regularmente há pelo menos 6 meses nas 3 instituições de dança de Tubarão-SC. Para a configuração do grupo controle foram entrevistadas 29 meninas da mesma faixa etária e nível sócio-econômico de uma escola profissionalizante e que não frequentavam aulas de dança.

Os resultados obtidos, quando proporções, foram comparados pelo teste exato de Fisher. As variáveis numéricas foram comparadas por testes não paramétricos. Foram consideradas diferenças estatisticamente significativas aquelas com valor de p menor que 0,05. A avaliação das atitudes alimentares foi feita através da aplicação do Teste de Atitudes Alimentares (EAT-26). O escore deste teste é dado pela somatória dos pontos de cada questão, e tem o ponto de corte > 21 como sugestão de anormalidade. A avaliação da auto-percepção de imagem corporal foi realizada pelo instrumento BodyShapeQuestionnaire (BSQ). A valoração dos resultados deste questionário atende aos padrões a seguir: 1. Nenhuma – somatória menor ou igual a 80, representando nenhuma indicação de insatisfação; 2. Leve – somatório de 81 a 110, indicando leve preocupação com a imagem corporal; 3. Moderada – somatória de 111 a 140, indicando uma preocupação moderada com a imagem corporal; 4. Grave – somatório dos pontos acima de 140 – representa uma grave preocupação com a imagem corporal.

RESULTADOS E DISCUSSÃO:

Em relação aos dados colhidos pelo instrumento EAT-26 indicou prevalência de 10,34% de bailarinas fora da normalidade. Contudo, os distúrbios alimentares foram encontrados em proporção semelhante tanto no grupo controle quanto no grupo de bailarinas, o que pode indicar uma prevalência não tão circunscrita dos transtornos alimentares e bailarinas do que se previa.

Uma parcela significativa de bailarinas (37,93%) apresentou algum distúrbio de auto-percepção de imagem corporal. Paradoxalmente, o grupo controle apresentou resultado ainda mais significativo (44,82%). Contudo, vale ressaltar que nenhuma das meninas pertencentes ao grupo controle apresentou distúrbio grave, enquanto essa parcela entre as bailarinas foi significativa, representando 10,34% dessas. Dessa forma, apesar do achado de alta prevalência dos distúrbios de auto-percepção de imagem corporal no grupo controle, esse distúrbio entre as bailarinas foi mais intenso.

Costa et al. (4), em revisão bibliográfica realizada em 2007 referente à prevalência dos Transtornos Alimentares (TA’s) em bailarinas, confirmou a maior prevalência de TA’s em dançarinas do que pessoas que não praticam dança. Em Tubarão os resultados foram diferentes, pois os transtornos alimentares e bailarinas fora da normalidade, essa parcela foram ainda mais prevalente no grupo-controle (17,24%).

A ampliação dos achados de transtornos alimentares em outros grupos populacionais além das bailarinas corrobora autores como Alvazenga (5) que afirma que o corpo tornou-se objeto de consumo e magreza, sinônimo de beleza, valor e realização da população como um todo. A imagem que o indivíduo cria de seu corpo é, muitas vezes, mais legítima que o próprio corpo, tendo importante participação na determinação de comportamentos de risco para Transtornos Alimentares (6).

CONCLUSÕES:

Bailarinas e jovens em geral estão expostas constantemente à pressão social do culto à magreza, reinterpretada contemporaneamente como padrão universal de beleza. Além disso, a exigência imposta às bailarinas de equilibrar preparo físico, leveza e expressões dramáticas, as tornam um grupo de risco importante para transtornos de imagem corporal mais graves quando comparadas com outros grupos da mesma idade.

A divulgação dos fatores de risco e sinais de alerta para distúrbios alimentares e distorções da auto-imagem corporal entre as praticantes de dança, pais e professores de dança, assim como as consequências sociais e psicológicas desses transtornos e dos serviços e formas de apoio disponíveis, pode contribuir para a melhor abordagem deste problema e sobre os encaminhamentos para o seu tratamento, quando necessário.

REFERÊNCIAS:

1 - Rojas EM, Urrutia ARG. Estado Nutricional de bailarinas de ballet clássico, área metropolitana de Costa Rica. Rev CostarricSaludPública, v. 17, n. 33, p. 1-7, 2008.



2 – Bettle N, et al. Adolescent ballet school students: their quest for body weight change. Psychopathology, Basiléia, v.31, p.153-159, 1998.

3 – Cestari A, Andrade C. Distúrbios alimentares em bailarinas. Rev Hórus, v. 4, n.1, p. 165-171, nov. 2010.

4 - Costa SPV, et al. Transtornos alimentares em bailarinas [Internet]. 12.ed. Revista digital. Buenos Aires (AR): ago, 2007 [acesso em 2013 dez 04]. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd111/transtornos-alimentares-em-bailarinas.htm



5 - Alvazenga M. A mudança na alimentação e no corpo ao longo do tempo. In: Philippi ST, Alvazenga, M, editores. Transtornos alimentares: uma visão nutricional. Baueri: Manole; 2004. P2-20

6 - Nunes MA, Olinto MTA, Barros FC, Carney S. Influência da percepção do peso e do índice de massa corporal nos comportamentos alimentares anormais. Ver BrasPisiquiatr 2001; 23:21-27
Catálogo: junic -> 2014 -> arquivo sistema
arquivo sistema -> Formulário padrão para apresentaçÃo de projetos
arquivo sistema -> AvaliaçÃo in vitro da estabilidade de cor das resinas compostas utilizadas em áreas de retraçÃo gengival
arquivo sistema -> Formulário padrão para apresentaçÃo de projetos
arquivo sistema -> Formulário padrão para apresentaçÃo de projetos
arquivo sistema -> Análise dos vestígios zooarqueológicos do pinguim-de-magalhães (spheniscus magellanicus, sphenicidae) no sítio galheta IV – laguna, santa catarina
arquivo sistema -> Polygala paniculata L
arquivo sistema -> Avaliação do envolvimento do sistema opioidérgico no efeito antihiperalgésico da terapia por imersão em água quente
arquivo sistema -> Tecnologias e associativismo na maticultura na galícia espanha autores e orientadores
arquivo sistema -> Análise do envolvimento do sistema canabinóide na analgesia induzida pelo exercício físico em um modelo animal de dor inflamatória


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande