AssociaçÃo brasileira de odontologia



Baixar 295.98 Kb.
Página4/4
Encontro21.10.2017
Tamanho295.98 Kb.
1   2   3   4
www.cleber.com.br/maravilh.html>. Acesso em: 19 ago. 2005.
PEREIRA, C.B. Advento da Informática na Ortodontia. Transcrito do Programa oficial do IV Encontro Nacional de Ortodontistas da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo, out. 1994. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/advento.html>. Acesso em: 13 set. 2005.

______. Implicações legais do uso de computador na Odontologia. Transcrito da Revista “Ortodontia”, Órgão oficial da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo, n. 35, jan./fev. 1995. Disponível em: <http://www.craneum.com.br/artigos4.htm>. Acesso em: 18 jan. 2005.


______. Desvantagens das Imagens Eletrônicas. Transcrito da Revista “Ortodontia”, Órgão oficial da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo – Ano VI n. 36, jul./ago. 1995. Disponível em: www.cleber.com.br/desvanta.html>. Acesso em: 19 ago. 2005.
______. Legalidade dos arquivos eletrônicos. Divulgado na Internet, na homepage da Associação Latino Americana de Ortodontia (ALADO); Sociedade Paulista de Ortodontia (SPO) e página Cleber. jul. 1996. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2005.
______.; JUNIOR, C.R. A Informática no Consultório de Ortodontia: Diretrizes. “Ortodontia Gaúcha”; Porto Alegre, v. 2, n.2, jul./dez. 1998.
______. Legalidade dos arquivos digitais na odontologia. Publicado na Revista “Ortodontia” da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo, n.59, jul./ago./set. 1999. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/legali9.html>. Acesso em: 04 fev. 2005.
______. Captura de imagens - Máquinas Fotográficas Digitais. In: V Simpósio de Informática na Ortodontia e Ortopedia Facial – SPO 2000, São Paulo. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/capt.simp.html>. Acesso em: 19 ago. 2005.
______. Arquivos Digitais na Odontologia. Publicado na Revista “Ortodontia” da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo, n.63, set./ out./ nov./ dez. 2000. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/cro-sp.html>. Acesso em 19 ago. 2005.
______. Cópia de Slides com Scanner Especial. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/sprintsc.html>. Acesso em: 13 set. 2005.

PEREIRA, C.B. Adulteração de Fotografias digitais. Out. 2001. Disponível em: <http://www.craneum.com.br/artigos/adulteração/adultera.html>. Acesso em: 18 jan. 2005.

______. Atualidades da Informática na Ortodontia. Publicado na Revista “Ortodontia”, Órgão oficial da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo, n. 68/69, abr./maio/jun./jul./ago. 2002. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/atualida.html>. Acesso em: 23 ago. 2005.
______. Considerações sobre Scanners. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/scanner2.html>. Acesso em: 13 set. 2005.
______. Autenticação por AC e outras. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. Assinatura do paciente. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. Arquivos digitais autenticados são legais. Jan. 2003. Disponível em: <http://www.craneum.com.br/artigos/cleber/arquivos_digitais_legais.htm>. Acesso em: 18 jan. 2005.
______. Confiabilidade dos documentos. Publicado na Revista “Ortodontia”, Órgão oficial da Sociedade Paulista de Ortodontia, São Paulo, n. 72, 2003. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/legal20.html>. Acesso em: 29 dez. 2004.
______. Assinatura Digital. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. Assinatura Digital no Mundo. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. Arquivos em papel e digital no mundo. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. Legalidade dos Arquivos Digitais nos dias de hoje. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
PEREIRA, C.B. Como é feita a Autenticação? Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.

______. Falsificação de imagens. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.

______.; BARBISAN A.O.; PERONDI M.E. Histórico da Legalidade dos Documentos Digitais. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. et al. Editorial. Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais. Porto Alegre, 09 maio 2003. 1 CD-ROM.
______. Certificado digital. Relatos Pós Fórum: Legalidade dos Arquivos Digitais na Odontologia, 09 maio 2003. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/posforum.html>. Acesso em: 04 fev. 2005.
______. Legalidade dos arquivos digitais na odontologia. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/legali4.html>. Acesso em: 29 dez. 2004.
______. Certificação Digital no Orto 2004. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/posorto.html>. Acesso em: 23 ago. 2005.
______.; EID, N.L.M. Introdução à Certificação Digital. In: Simpósio Certificação Digital, In: 14° Congresso de Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares, SPO 2004, São Paulo. Disponível em: <http://www.spo.org.br/orto2004/nayene.html>. Acesso em: 28 ago. 2005.
______. Seguimento clínico. Disponível em: . Acesso em: 04 fev. 2005.
______. Conselho da Justiça Federal. Nova Autoridade Certificadora do ICP-Brasil Justiça Federal, 24 fev. 2005. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2005.
PORTUGAL, J.H. Saiba mais: Sigilo e privacidade. Transcrito da Revista Tema, Brasília, jun. 2003 – SEPRO. Disponível em: <http://www.cleber.com.br/certifi4.html>. Acesso em: 03 set. 2005.
QUEIROZ JR.,G. OrtoSimulador. Mesas demonstrativas. In: 13° Congresso de Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares, SPO 2002, São Paulo. Disponível em: <http://www.spo.org.br/orto2002/claudi2.html>. Acesso em: 09 ago. 2005.

QUIMBY, M.L. et al. The Accuracy and Reliability of Measurements Made on Computer-Based Digital Models. The Angle Orthodontist, USA, v. 74, n. 3, p. 298-303, jul. 2003. Disponível em: <http://www.angle.org/anglonline>. Acesso em: 10 ago. 2005.

REDMOND, R.W. Digital Models: A New Diagnostic Tool. Journal of Clinical Orthodontics. Boulder, v. 35, n. 6, p. 21-24, jun. 2001.
REIMERINK, R.K. Princípios Básicos da Fotografia Aplicada à Odontologia. Kodak Publicação Técnica, São Paulo, Jan. 2002. p. 14.
REIS, S.C. A validade dos contratos estabelecidos via Internet. Transcrito de “Mundo da Imagem” , São Paulo, n. 44, mar./abr., 2001. Disponível em: . Acesso em: 04 fev. 2005.
REGENNITTER, F.J. Planning considerations for digital conversion of 35 mm slides. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., St. Louis, v. 117, n. 1, p. 110-112, jan. 2000.
SALES, M.A.O.de; COSTA, L.J.da; NETO, B.S.N. Controvérsias em Radiologia Digital. 2002. Disponível em: <http://www.patologiaoral.com.br/texto03.asp>. Acesso em: 02 ago. 2005.
SANTORO, M. et al. Comparision of measurements made on digital and plaster models. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., St. Louis, v. 124, n.1, p. 101-105, jul. 2003.
SEWELL, C.M.D.; PEREIRA, M. F.; VAROLI, O.J. Princípios de produção da imagem digitalizada. RPG (Revista de Pós-Graduação) São Paulo, v. 4, n. 1, p. 55-58, jan./fev./mar. 1997.
SILVER, B. An introduction to digital image processing. Disponível em: <http://www.machinevisiononline.org/public/articles/cognex1PDF>. Acesso em: 21 fev. 2005.
SOREDEX, Digora® PCT. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2005.

STEWART, M.B. Management & Marketing. Journal of Clinical Orthodontics, Boulder, v. 29, n. 8, p. 509-515, Aug. 1995.

STEWART, M.B. Dental Models in 3D. Orthodontic Products, [S.l.], p. 21-24, feb. 2001. Disponível em: <http://www.orthocad.com/services/articles/Stewart_Feb._2001.PDF>. Acesso em: 06 out. 2005.

TAVANO, O.A Imagem radiográfica de qualidade na clínica odontológica. In: 1°Seminário Brasileiro de Tomografia Computadorizada na Odontologia, In: 14° Congresso Brasileiro de Ortodontia – SPO 2004, São Paulo. Disponível em: <http://www.spo.org.br/orto2004/tavano.html>. Acesso em: 28 ago. 2005.


______.; ALVARES, L.C. Curso de Radiologia em Odontologia, 4 ªed., São Paulo: Ed. Santos, 1998. p. 248.
WHAITES, E. Princípios da Radiologia Odontológica. 3ª ed., Porto Alegre: Ed. Artmed, p. 215-220, 2003.
ZAMPIERI, F.S.R. Legalidade das Fotos Digitais. set. 2001. Disponível em: <http://www.odontologia.com.br/artigos.asp>. Acesso em: 18 jan. 2005.


  1. ANEXO


MEDIDA PROVISÓRIA N° 2.200-2, DE 24 DE AGOSTO DE 2001.

Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

Art. 1° Fica instituída a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras.

Art. 2° A ICP-Brasil, cuja organização será definida em regulamento, será composta por uma autoridade gestora de políticas e pela cadeia de autoridades certificadoras composta pela Autoridade Certificadora Raiz - AC Raiz, pelas Autoridades Certificadoras - AC e pelas Autoridades de Registro - AR.

Art. 3° A função de autoridade gestora de políticas será exercida pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, vinculado à Casa Civil da Presidência da República e composto por cinco representantes da sociedade civil, integrantes de setores interessados, designados pelo Presidente da República, e um representante de cada um dos seguintes órgãos, indicados por seus titulares:

I - Ministério da Justiça;

II - Ministério da Fazenda;

III - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior;

IV - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;

V - Ministério da Ciência e Tecnologia;

VI - Casa Civil da Presidência da República; e

VII - Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

§ 1° A coordenação do Comitê Gestor da ICP-Brasil será exercida pelo representante da Casa Civil da Presidência da República.

§ 2° Os representantes da sociedade civil serão designados para períodos de dois anos, permitida a recondução.

§ 3° A participação no Comitê Gestor da ICP-Brasil é de relevante interesse público e não será remunerada.

§ 4° O Comitê Gestor da ICP-Brasil terá uma Secretaria-Executiva, na forma do regulamento.

Art. 4° Compete ao Comitê Gestor da ICP-Brasil:

I - adotar as medidas necessárias e coordenar a implantação e o funcionamento da ICP-Brasil;

II - estabelecer a política, os critérios e as normas técnicas para o credenciamento das AC, das AR e dos demais prestadores de serviço de suporte à ICP-Brasil, em todos os níveis da cadeia de certificação;

III - estabelecer a política de certificação e as regras operacionais da AC Raiz;

IV - homologar, auditar e fiscalizar a AC Raiz e os seus prestadores de serviço;

V - estabelecer diretrizes e normas técnicas para a formulação de políticas de certificados e regras operacionais das AC e das AR e definir níveis da cadeia de certificação;

VI - aprovar políticas de certificados, práticas de certificação e regras operacionais, credenciar e autorizar o funcionamento das AC e das AR, bem como autorizar a AC Raiz a emitir o correspondente certificado;

VII - identificar e avaliar as políticas de ICP externas, negociar e aprovar acordos de certificação bilateral, de certificação cruzada, regras de interoperabilidade e outras formas de cooperação internacional, certificar, quando for o caso, sua compatibilidade com a ICP-Brasil, observado o disposto em tratados, acordos ou atos internacionais; e

VIII - atualizar, ajustar e revisar os procedimentos e as práticas estabelecidas para a ICP-Brasil, garantir sua compatibilidade e promover a atualização tecnológica do sistema e a sua conformidade com as políticas de segurança.

Parágrafo único. O Comitê Gestor poderá delegar atribuições à AC Raiz.

Art. 5° À AC Raiz, primeira autoridade da cadeia de certificação, executora das Políticas de Certificados e normas técnicas e operacionais aprovadas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, compete emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados das AC de nível imediatamente subseqüente ao seu, gerenciar a lista de certificados emitidos, revogados e vencidos, e executar atividades de fiscalização e auditoria das AC e das AR e dos prestadores de serviço habilitados na ICP, em conformidade com as diretrizes e normas técnicas estabelecidas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, e exercer outras atribuições que lhe forem cometidas pela autoridade gestora de políticas.

Parágrafo único. É vedado à AC Raiz emitir certificados para o usuário final.

Art. 6° Às AC, entidades credenciadas a emitir certificados digitais vinculando pares de chaves criptográficas ao respectivo titular, compete emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados, bem como colocar à disposição dos usuários listas de certificados revogados e outras informações pertinentes e manter registro de suas operações.

Parágrafo único. O par de chaves criptográficas será gerado sempre pelo próprio titular e sua chave privada de assinatura será de seu exclusivo controle, uso e conhecimento.

Art. 7° As AR, entidades operacionalmente vinculadas a determinada AC, compete identificar e cadastrar usuários na presença destes, encaminhar solicitações de certificados às AC e manter registros de suas operações.

Art. 8° Observados os critérios a serem estabelecidos pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, poderão ser credenciados como AC e AR os órgãos e as entidades públicos e as pessoas jurídicas de direito privado.

Art. 9° É vedado a qualquer AC certificar nível diverso do imediatamente subseqüente ao seu, exceto nos casos de acordos de certificação lateral ou cruzada, previamente aprovados pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil.

Art. 10. Consideram-se documentos públicos ou particulares, para todos os fins legais, os documentos eletrônicos de que trata esta Medida Provisória.

§ 1° As declarações constantes dos documentos em forma eletrônica produzidos com a utilização de processo de certificação disponibilizado pela

ICP-Brasil presumem-se verdadeiros em relação aos signatários, na forma do art. 131 da Lei no 3.071, de 1o de janeiro de 1916 - Código Civil.

§ 2° O disposto nesta Medida Provisória não obsta a utilização de outro meio de comprovação da autoria e integridade de documentos em forma eletrônica, inclusive os que utilizem certificados não emitidos pela ICP-Brasil, desde que admitido pelas partes como válido ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento.

Art. 11. A utilização de documento eletrônico para fins tributários atenderá, ainda, ao disposto no art. 100 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional.

Art. 12. Fica transformado em autarquia federal, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI, com sede e foro no Distrito Federal.

Art. 13. O ITI é a Autoridade Certificadora Raiz da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira.

Art. 14. No exercício de suas atribuições, o ITI desempenhará atividade de fiscalização, podendo ainda aplicar sanções e penalidades, na forma da lei.

Art. 15. Integrarão a estrutura básica do ITI uma Presidência, uma Diretoria de Tecnologia da Informação, uma Diretoria de Infra-Estrutura de Chaves Públicas e uma Procuradoria-Geral.

Parágrafo único. A Diretoria de Tecnologia da Informação poderá ser estabelecida na cidade de Campinas, no Estado de São Paulo.

Art. 16. Para a consecução dos seus objetivos, o ITI poderá, na forma da lei, contratar serviços de terceiros.

§ 1° O Diretor-Presidente do ITI poderá requisitar, para ter exercício exclusivo na Diretoria de Infra-Estrutura de Chaves Públicas, por período não superior a um ano, servidores, civis ou militares, e empregados de órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal direta ou indireta, quaisquer que sejam as funções a serem exercidas.

§ 2° Aos requisitados nos termos deste artigo serão assegurados todos os direitos e vantagens a que façam jus no órgão ou na entidade de origem, considerando-se o período de requisição para todos os efeitos da vida funcional, como efetivo exercício no cargo, posto, graduação ou emprego que ocupe no órgão ou na entidade de origem.

Art. 17. Fica o Poder Executivo autorizado a transferir para o ITI:

I - os acervos técnico e patrimonial, as obrigações e os direitos do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação do Ministério da Ciência e Tecnologia;

II - remanejar, transpor, transferir ou utilizar as dotações orçamentárias aprovadas na Lei Orçamentária de 2001, consignadas ao Ministério da Ciência e Tecnologia, referentes às atribuições do órgão ora transformado, mantida a mesma classificação orçamentária, expressa por categoria de programação em seu menor nível, observado o disposto no § 2° do art. 3° da Lei no 9.995, de 25 de julho de 2000, assim como o respectivo detalhamento por esfera orçamentária, grupos de despesa, fontes de recursos, modalidades de aplicação e identificadores de uso.

Art. 18. Enquanto não for implantada a sua Procuradoria Geral, o ITI será representado em juízo pela Advocacia Geral da União.

Art. 19. Ficam convalidados os atos praticados com base na Medida Provisória no 2.200-1, de 27 de julho de 2001.

Art. 20. Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 24 de agosto de 2001; 180° da Independência e 113° da República.



FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

José Gregori

Martus Tavares

Ronaldo Mota Sardenberg

Pedro Parente




1   2   3   4


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal