Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página48/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   44   45   46   47   48   49   50   51   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=950

Nº de Classificação: 5363
SILVA, Viviane Martins da. Padrão respiratório ineficaz em crianças portadoras de cardiopatias congenitas: validação de um instrumento de avaliação dos resultados de enfermagem. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, 2007. 201 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): ARAUJO, Thelma Leite de
RESUMO: A operacionalização de um sistema de linguagem pode contribuir para a construção de um raciocínio clínico mais acurado, além de facilitar a comunicação entre os profissionais e permitir o desenvolvimento da enfermagem. Crianças com cardiopatias congênitas podem se beneficiar desse evento, por dispor da determinação de indicadores de avaliação clínica mais específicos ao seu contexto. Este estudo tem como propósito construir e validar definições operacionais para avaliação dos resultados de enfermagem estabelecidos com base na Classificação dos Resultados de Enfermagem - NOC. Trata-se de um estudo do tipo metodológico, aprovado em Comitê de Ética em Pesquisa, e realizado no período de março de 2006 a novembro de 2007. Os procedimentos foram organizados de acordo com as etapas para o desenvolvimento de escalas de construtos psicológicos: procedimentos teóricos, empíricos e analíticos. Procedeu-se, então, a um levantamento bibliográfico sobre o diagnóstico Padrão respiratório ineficaz a partir dos itens que compunham a lista de indicadores que seriam apreciados pelos especialistas. Foram identificados 71 itens com base nas características definidoras dos diagnósticos e resultados respiratórios para construção e validação de definições conceituais. O conjunto de itens foi submetido a seis especialistas para julgarem a validade de conteúdo. Entre os itens, 32 obtiveram índice de concordância maior que 0,80. Dentre estes, 20 indicadores alcançaram índice de concordância absoluta de acordo com os domínios apresentados. Para os especialistas da fase 1, 18 itens foram indicados como mais adequados para o domínio Ventilação, oito para o domínio Permeabilidade das vias aéreas e seis, ao domínio Troca de gases. Nove itens foram excluídos por não alcançarem índice de concordância maior que 0,80 ou por apresentarem similaridades de definições conceituais. Em seguida foram construídas as definições operacionais de acordo com os cinco níveis das escalas NOC. Um instrumento com a determinação dos conceitos dos itens foi novamente submetido a treze especialistas para avaliarem se a formulação das definições operacionais atendia aos critérios de adequação: simplicidade, clareza, precisão e amplitude. Entre estes, 32 itens obtiveram índice de concordância maior que 0,80 para o critério simplicidade, 18 itens foram considerados adequados segundo o critério clareza, 16 indicadores obtiveram concordância entre os especialistas para o critério de precisão e 21, para o critério amplitude. Os itens reformulados foram submetidos à validação clínica. A análise estatística foi realizada pelo pacote estatístico SPSS versão 15.0 for Windows®. Utilizou-se o software Excel 2003© para efetuar a construção das planilhas de dados. Na fase 3 do estudo, foi realizada validação clínica. Participaram 45 crianças portadoras de cardiopatias congênitas e que apresentavam o diagnóstico de enfermagem Padrão respiratório ineficaz identificado pela pesquisadora, internadas em um hospital da rede pública do município de Fortaleza-Ceará. As crianças avaliadas eram em sua maioria (68,9%) do sexo masculino e apresentavam, em média 4,14 meses (± 4,7), e foram avaliadas por oito enfermeiros treinados pela pesquisadora para o procedimento. Os dados da avaliação dos itens mostraram diferenças significativas ao se comparar o grupo como um todo e separadamente com a utilização ou não de definições operacionais. Foram encontradas diferenças de mediana com significância estatística para os itens freqüência respiratória, expansão torácica simétrica, sons percutidos, dificuldade respiratória, ruídos respiratórios anormais, tosse, relação perfusão / ventilação, cianose, sonolência, freqüência cardíaca apical, pressão arterial sistólica e pressão arterial diastólica. Entre os enfermeiros que utilizaram definições operacionais, não foi identificada diferença estatisticamente significante na avaliação de nenhum dos itens. No entanto, nos pares que não utilizaram as definições operacionais, foram encontradas diferenças significativas para dois itens: uso de musculatura acessória e dificuldade respiratória. Quanto à sensibilidade e especificidade dos indicadores de saúde utilizados com base em curvas ROC, verificou-se que, na utilização de definições operacionais, a atitude dos avaliadores apresentou-se mais sensível para os itens freqüência respiratória, expansão torácica simétrica, sons percutidos, broncofonia, ruídos respiratórios anormais, cianose e tosse. Com a rotação da matriz fatorial, verificou-se uma melhor distribuição das cargas fatoriais em um número menor de fatores. Quanto à análise fatorial dos dados referentes ao grupo que utilizou definições operacionais, a extração de fatores pelo critério de raiz latente mostrou a existência de sete possíveis fatores componentes da matriz fatorial que explicariam a maior parte da variância dos dados. A matriz fatorial rotacionada mostra uma melhor distribuição das cargas fatoriais entre os sete fatores. Apesar de nenhum deles apresentar total concordância com a distribuição dos indicadores nos estados respiratórios da NOC, observou-se uma freqüência maior de indicadores de um estado respiratório específico para cada dimensão. O modelo de regressão logística identificou sete.itens relacionados ao uso de definições operacionais. Este incorporou três indicadores relacionados ao Estado respiratório: ventilação, dois indicadores relacionados ao Estado respiratório troca de gases (cianose e PaCO2), um indicador relacionado ao estado respiratório: permeabilidade e um indicador que compõe os três estados. Um total de 14 indicadores apresentou significância estatística em pelo menos uma das análises estatísticas realizadas, ao se comparar o grupo que utilizou definições operacionais com o que não utilizou tais definições. Entre estes, quatro indicadores apresentaram significância em todas as três estratégias de análises: expansão torácica simétrica, dificuldade respiratória, ruídos respiratórios anormais e cianose. Os resultados encontrados nesse estudo permitem acumular evidências que sustentam um grau de validade e confiabilidade ao instrumento criado. Os achados também agregam evidências para confirmar a tese de que o desenvolvimento de indicadores operacionais torna a avaliação de resultados de enfermagem mais acurada do que quando realizada sem definições operacionais.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1050

Nº de Classificação: 5364
CAVALCANTE, Karenine Maria Holanda. Cuidado de enfermagem à pessoa com paraplegia fundamentado no modelo Roper-Logan-Tierney. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, 2007. 216 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): CARVALHO, Zuila Maria de Figueiredo
RESUMO: O Traumatismo Raquimedular (TRM) é uma das principais causas de seqüelas graves em paciente politraumatizado. Após qualquer tipo de lesão raquimedular, a pessoa precisa enfrentar um processo de reabilitação detalhado para que possa readquirir a capacidade de realizar suas atividades de vida, e viver de maneira independente. Este estudo teve como objetivo analisar a eficácia do cuidado de enfermagem fundamentado no Modelo de Enfermagem Roper-Logan-Tierney prestado a pessoas com lesão medular, bem como, conhecer a contribuição da utilização de um modelo teórico para o cuidado direcionado a pessoas com lesão medular no domicílio. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa do tipo pesquisa de campo convergente-assistencial. Participaram do estudo três pessoas (duas mulheres e um homem) com lesão raquimedular do tipo paraplegia, que estão incluídos no cadastro feito com os participantes das pesquisas realizadas pelo Núcleo de Pesquisa e Extensão em Enfermagem Neurológica. O processo de investigar-cuidar se deu por meio de 10 visitas domiciliares (por sujeito), sendo os encontros fundamentados no Modelo de Enfermagem Roper-Logan-Tierney, utilizando o instrumento proposto pelas autoras, por meio do qual se abordou e identificou o desempenho das atividades de vida, destacando os problemas reais e potenciais, para ser traçado o plano de cuidados e serem realizadas as intervenções necessárias, mantendo a constante avaliação das respostas dos sujeitos. Para a obtenção das informações foram utilizadas a observação participante, a entrevista informal e a entrevista estruturada. No desenvolvimento dos processos assistenciais foram utilizados diagnósticos de enfermagem, NANDA, resultados de enfermagem, NOC, e intervenções de enfermagem, NIC. Após detalhada síntese dos dados, foi dado significado a alguns achados provenientes do desempenho das atividades de vida pelos portadores de paraplegia, buscando contextualizá-los para uma ampliação para a prática assistencial dirigida a essa clientela. Com a análise do comportamento dos três sujeitos, o estudo mostra que a maior barreira para a efetividade do cuidado proposto é a dificuldade para mudança de hábitos; entretanto, com a persistência e a utilização de esclarecimentos e informações necessárias obtêm-se importantes resultados. Assim, ressalta-se a necessidade da promoção da auto-responsabilização da saúde, para fortalecer a busca por mudanças de condutas. A utilização do modelo teórico Roper-Logan-Tierney no cuidado domiciliar, direcionado a esses portadores de paraplegia, contribuiu intensamente para a aquisição do conhecimento sobre comportamentos e crenças em relação a cada atividade de vida para que, diante disso, fosse feito o planejamento e implementado o cuidado. Com isso, o processo assistencial deixa de ser generalizado e passa a ser individualizado, trazendo melhores resultados. Foi possível constatar a eficácia deste processo de investigar-cuidar, uma vez que foi notório o benefício resultante, por meio da conquista de maior independência e capacidade de solucionar problemas pelos participantes do estudo e seus familiares. Além disso, a utilização de um modelo teórico para o cuidado direcionado a pessoas com lesão medular no domicílio trouxe importantes contribuições: proporcionou a sistematização da assistência, facilitando a abordagem ao paraplégico e seu cotidiano e a eficácia do processo de cuidar proposto pela pesquisa; e promoveu uma fundamentação teórica consistente para o desenvolvimento do cuidado.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=976

Nº de Classificação: 5365
SOUSA, Leilane Barbosa de. DST no âmbito da relação estável: análise cultural com base na perspectiva da mulher. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, 2007. [97] f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): BARROSO, Maria Grasiela Teixeira
RESUMO: Com suporte no advento da descoberta do HIV/aids, foram definidos os grupos de risco para as doenças sexualmente transmissíveis (DST), centralizados em homossexuais e profissionais do sexo, de forma que a população que não se encontrava nesses grupos não se considerava vulnerável às DST. A desconsideração do risco ocasionou inversão no número de casos de DST em populações específicas. Os números revelam, por exemplo, que em relação ao número de casos de HIV, a razão entre sexos tende a diminuir e a transmissão entre heterossexuais já prevalece sobre a transferência entre homossexuais. Diante disso, mulheres heterossexuais passaram também a concorrer como grupo de risco, entre as quais estão as que estabelecem união estável. Após o diagnóstico, a mulher pode experimentar uma situação de conflito com seu companheiro ao tentar descobrir a origem do contágio. Partindo desses pressupostos este estudo foi realizado. O objetivo geral da pesquisa foi investigar a contaminação por DST no âmbito de uma relação estável, e os objetivos específicos foram identificar fatores culturais que possam favorecer o risco de DST em casais e analisar as significações da contaminação por DST para o casal. Como metodologia adotou-se a abordagem etnográfica, com suporte na Teoria do Cuidado Cultural. Desenvolveu-se o estudo no Centro de Desenvolvimento Familiar (CEDEFAM) e no contexto familiar de sete mulheres, durante nove meses. Como resultados, foi possível identificar a interação de informações sobre DST nos sistemas de saúde profissionais e populares, de modo que as lacunas em relação ao conhecimento e conscientização sobre o risco parecem emergir do entrelace de questões culturais e de gênero, enraizadas, transmitidas e compartilhadas dentro da sociedade. Assim, baseados nas informações sobre DST produzidas em seu contexto cultural, homens e mulheres desenvolveram percepções errôneas sobre risco de DST e, com suporte nisso, adotaram comportamentos sexuais que favoreceram a contaminação. Constatou-se, também, que o diagnóstico de DST influencia o comportamento sexual das mulheres, que passam a redescobrir seus corpos e desenvolver indícios de cuidado com a saúde sexual e reprodutiva do casal. Em face disso, todavia, verificou-se que os homens parecem se comportar como coadjuvantes no processo e ainda consideram o problema como inerente apenas à parte feminina. Conclui-se, com arrimo nos achados, que é imprescindível a abordagem da cultura nas ações de Educação em Saúde para a promoção da saúde sexual e reprodutiva do casal. Acredita-se que, com esteio em estratégias de Educação em Saúde culturalmente direcionadas poderão ser alcançados resultados de impacto positivo na assimilação do risco e quebra da cadeia de transmissão de DST.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1061

Nº de Classificação: 5366
GUEDES, Tatiane Gomes. Planejamento familiar de mulheres portadoras de transtorno mental. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, 2007. 95 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): MOURA, Escolástica Rejane Ferreira
RESUMO: Promover assistência ao planejamento familiar (PF) de mulheres portadoras de transtorno mental, contextualizando-as sob o ponto de vista de internações hospitalares, autonomia prejudicada e limitações de suas funções no cuidado de si é um desafio. Todavia, a Constituição Federal assegura que a assistência ao PF é um direito de todo cidadão. Mulheres com transtorno mental são vulneráveis a gravidez não planejada pelo juízo crítico prejudicado nos surtos psicóticos; pela dificuldade em estabelecer uniões estáveis; pela hipersexualidade; e baixa auto-estima. Estudos demonstram maiores taxas de transtornos de ansiedade e do humor, em mulheres. Doravante o exposto foram elaboradas as seguintes questões: quais as condições socioeconômicas e gineco-obstétricas de mulheres com transtorno mental? Qual o perfil psiquiátrico e de planejamento familiar do grupo estudado? Haveria associação entre os diferentes diagnósticos médico de transtorno mental com história e freqüência de internações e com o uso correto/incorreto dos métodos anticoncepcionais? Para responder a tais indagações definiu-se por realizar a presente pesquisa com os objetivos de identificar condições sociodemográficas de mulheres portadoras de transtorno mental; verificar aspectos do histórico psiquiátrico do grupo estudado; identificar perfil gineco-obstétrico e do planejamento familiar de mulheres portadoras de transtorno mental; e averiguar a existência ou não de associação entre o diagnóstico médico de transtorno mental com história e freqüência de internações e com o uso correto/incorreto dos métodos anticoncepcionais. O estudo transversal, documental e de campo foi desenvolvido em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), que compõe o Sistema de Saúde de Fortaleza-CE. A população correspondeu a 748 pacientes com diagnóstico de transtorno mental. A amostra foi composta de 255 mulheres em idade fértil (10 a 49 anos), fora de comportamento psicótico e/ou mediadas por um familiar ou responsável. Os dados foram coletados no prontuário e através de entrevista semi-estruturada; foram processados no Programa SPSS versão 11.0. A média de idade das mulheres foi de 35,04; 74 (28,4%) não possuíam estudo ou tinham escolaridade baixa; a renda familiar de 114 (44,7%) foi inferior a um salário mínimo; 179 (70,2%) tinham como ocupação as atividades domésticas; 119 (46,7%) eram casadas e 114 (44,7%) tinham companheiros eventuais. O diagnóstico médico predominante foi o transtorno de humor, com 125 (49,0%), seguido da esquizofrenia e de outros transtornos psicóticos, com 60 (23,6%). Mais da metade das mulheres já havia se submetido à internação psiquiátrica, com freqüência que variou de um até mais de 11 eventos; 246 (96,5%) faziam uso de medicações psicotrópicas. A gravidez foi evento comum em 144 (56,5%) das mulheres, sendo que somente 34 (23,6%) dessas gestações foram planejadas. Somente 15 (5,9%) mulheres estavam, no decorrer da pesquisa, sendo acompanhadas em planejamento familiar e 35 (13,7%) faziam uso de método anticoncepcional (pílula, preservativo masculino ou injetável), embora, 233 (91,4%), tivessem vida sexual ativa. Não houve associação estatística significante entre os diferentes diagnósticos médico com freqüência de internações e com o uso correto/incorreto dos métodos anticoncepcionais. Os resultados indicam que é necessário intervir no modelo vigente de atenção à saúde das mulheres portadoras de transtorno mental, visando uma assistência mais integral, amparada na proposta da reforma psiquiátrica e do cumprimento dos direitos sexuais e reprodutivos.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1109

Nº de Classificação: 5367
AQUINO, Priscila de Souza. Desempenho das atividades de vida por prostitutas. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, 2007. 128 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): PINHEIRO, Ana Karina Bezerra
RESUMO: Diante das peculiaridades que envolvem a prostituição, atividade praticada por muitas mulheres, decidimos desenvolver o estudo. Trata-se de uma pesquisa realizada na cidade de Fortaleza, com os seguintes objetivos: Compreender o desempenho das atividades de vida das prostitutas; Identificar os fatores determinantes das atividades de vida das prostitutas na consulta de enfermagem em ginecologia; Verificar as contribuições do Modelo de Atividades de Vida de Roper, Logan e Tierney no cuidado de enfermagem a prostitutas. Pesquisa fundamentada na abordagem quantitativa e qualitativa, cujos dados foram coletados em dois momentos. No primeiro momento, utilizamos um formulário de entrevista estruturado nos meses de maio e junho de 2007 por ocasião da consulta de enfermagem em ginecologia no Centro de Parto Natural (CPN) e a técnica da observação livre. No segundo momento, utilizamos um roteiro semi-estruturado de entrevista com enfoque nas atividades de vida que apresentaram alterações no primeiro momento. As entrevistas ocorreram nos meses de setembro e outubro de 2007, nos domicílios e locais de trabalho das prostitutas. Os dados iniciais foram anotados pela pesquisadora nos próprios formulários e os dados da observação foram registrados em um diário de campo. No primeiro momento participaram 42 mulheres e no segundo momento 6 mulheres. Utilizamos o Modelo de Atividades de Vida, de Roper, Logan e Tierney como referencial teórico. Categorizamos as falas de acordo com as doze atividades de vida componentes do modelo, que incluem: Manter um ambiente seguro; Comunicar; Respirar; Comer e beber; Eliminar; Higiene pessoal e vestir-se; Controlar a temperatura corporal; Mobilizar-se; Trabalhar e distrair-se; Exprimir sexualidade; Dormir e Morrer. Os resultados evidenciaram as principais vulnerabilidades e intercorrências dessa população, que estavam presentes em todas as atividades de vida, fator decisivo para a manutenção da qualidade de vida dessas mulheres. Assim, conforme percebemos, a prostituição pode levar a prejuízos à vida das prostituídas, em virtude de acarretar limitações para a adoção de estilos de vida mais saudáveis. Além disso, a utilização do Modelo de Atividades de Vida de Roper, Logan e Tierney facilitou a abordagem holística do cuidar, mostrando-se capaz de ser adaptado às diversas etapas de vida das pessoas e às diversas populações atendidas. Desse modo, conhecer as atividades de vida das prostitutas poderá condicionar as ações voltadas a essa clientela, uma vez que denota as vulnerabilidades presentes no cotidiano dessas mulheres.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1046

Nº de Classificação: 5368
CARVALHO, Quitéria Clarice Magalhães. Violência sexual na infância: perspectivas sob a compreensão materna. Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, 2007. 89 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): GALVÃO, Marli Terezinha Gimeniz
RESUMO: A violência representa a cristalização de verdadeiras lacunas produzidas em razão da negligência de políticas públicas, desigualdade social e cultural, pobreza, desemprego, entre outras razões. Esse fenômeno atinge a todos, sem distinção, inclusive a criança, que poder sofrer diversos tipo de violência, como o abuso sexual. Diante dessa realidade, ressalta-se que não somente a vítima, como também toda a estrutura familiar sofrem as conseqüências de tal fenômeno. Objetivou-se compreender a percepção das mães de crianças sobre o abuso sexual vivenciado por suas filhas. O serviço onde se deu a pesquisa foi uma organização governamental da cidade de Fortaleza – Ce - Brasil. Realizou-se pesquisa de cunho qualitativo, os sujeitos foram 10 mães de crianças vítimas de abuso sexual. Os dados foram coletados nos meses de fevereiro a março de 2007, obtidos através de entrevista semi-estruturada e gravada, para análise e organização foi utilizada a técnica do discurso do sujeito coletivo. Constatou-se que o DSC das informantes trás uma sucessão de sentimentos de mães que tiveram suas filhas abusadas sexualmente, as primeiras depararam a sensação de impotência, culpa e sofrimentos, convivendo com a dor do insuperável. Evidenciou-se o fato de que a violência é extremamente funcional, porquanto atinge seu objetivo, destrói, marca e mata. O desespero permeou alguns depoimentos, relatando idéias suicidas e homicidas, em especial por parte de uma informante. Ainda se observou que, após a descoberta do abuso sexual sofrido pela criança, fica evidente a desagregação familiar. O fenômeno acarretou conseqüências desastrosas, com agravamento de não haver poupado os elementos formadores da família, a fragmentação familiar, intensificou-se mediante as mudanças comportamentais da criança vitimada, que variou entre a rebeldia, déficit no rendimento escolar, estendendo-se até automutilação. Constatou-se que o abuso sexual, nem sempre é conhecido por todos os membros da família e o tabu acerca deste inominável ilícito assume a forma de “muro de silêncio” de todos os componentes, contra o mundo externo. Foi possível contemplar, nas falas, o anseio de ver as filhas transporem as dores causadas pela violência, para tanto, destacando-se que o tipo de abuso sexual, relação parental com o perpetrador, tempo de duração do abuso e resiliência da vitima, são elementos que interferem que interferem nas conseqüências e na superação. Observaram-se contudo, a existência do anseio de contemplar a remoção das conseqüências deixadas pelo abuso sexual na vida da filha, a esperança de amenizar, até mesmo “apagar” todas as dores, bem como alteração de comportamento, manifestadas pela filha. Do exposto, ressalta-se que em vista das diferentes formas de sentimentos, que esses fatos representam motivo de reflexão na urgência de formação e fortalecimento de uma rede social de apoio. Enfatiza-se a importância da atuação de profissionais capacitados para atender, direta e indiretamente as vítimas de abuso sexual infantil bem como os membros familiares da criança vitimada.



1   ...   44   45   46   47   48   49   50   51   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal