Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página36/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   32   33   34   35   36   37   38   39   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-07012008-132820/

Nº de Classificação: 5263
OLIVEIRA, Nilza Tavares Honorato de. As expectativas do paciente renal crônico diante da espera pelo transplante. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 105 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): SOUZA, Maria Conceição Bernardo de Mello e
RESUMO: Este trabalho pretende lançar um novo olhar sobre o relacionamento entre as pessoas da equipe de saúde e pacientes com Insuficiência renal crônica. O trabalho com pacientes portadores de doença crônica geralmente contém uma carga mental muito densa para os trabalhadores, que lidam diariamente com questões existenciais, como a dor, o sofrimento e a morte, e questões profissionais, como os sentimentos de frustração e impotência diante da doença. Os pacientes também carregam uma carga psíquica, já que a IRC é uma doença que implica na convivência com a dor, o sofrimento e, às vezes, até a morte, que são questões geradoras de ansiedade e estresse. Por outro lado, a doença pode ser vista como uma oportunidade de crescimento pessoal, tanto do paciente como das pessoas que integram a equipe que o assiste. Assim, este trabalho teve como objetivo investigar as percepções e expectativas dos pacientes com IRC,enquanto aguardam, na fila de espera, por um transplante. Promover o máximo de crescimento e trocas na relação profissional-paciente, valorizando o trabalho como fonte de equilíbrio, satisfação e prazer, podem conduzir à realização pessoal, resgatando a doença como ponto de partida para o crescimento dos pacientes. Para isto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, utilizando-se de entrevista e questionário, possibilitando a sugestão de medidas que podem contribuir para a qualidade de trabalho e de vida de profissionais e pacientes. Como resultado destas reflexões, emergem algumas sugestões a serem alcançadas; possibilitar os pacientes a realizarem suas escolhas; discutir amplamente com a sociedade a importância da doação de órgãos para que possa diminuir o número de pacientes na lista de espera e de medidas de suporte social ao mesmo; reivindicar a inserção, no ensino médico, de disciplinas que discutam sobre a doença crônica e oferecer um cuidado integral para os mesmos, isto é, atendendo às dimensões físicas, emocionais, espirituais, sociais e econômicas.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-13032008-160458/

Nº de Classificação: 5264
OJEDA VARGAS, Ma. Guadalupe. Vivência de enfermeiros no cuidado do idoso moribundo hospitalizado: a perspectiva fenomenológica. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 190 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): VALLE, Elizabeth Ranier Martins do
RESUMO: As inquietações por estudar esta temática apreendendo quais significados atribuem os enfermeiros ao cuidar do paciente idoso, hospitalizado, em fase terminal, surgiu a partir de experiências pessoais. Minha inquietação aumentou com a prática profissional, notando que, o pessoal que atendia aos idosos, em fase terminal, em sua maioria, era auxiliar de enfermagem, sem nenhuma formação específca para este cuidado. Assim, ao surgir a oportunidade de ingressar no doutorado em enfermagem, emergiu, novamente, a inquietação que há muitos anos vinha se instalando: O quê significa para a enfermeira o cuidado do idoso, em seu encontro com a morte, no mundo hospitalar? Desta forma, a proposta foi possibilitar que suas experiências, manifestadas por meio do discurso verbal e não verbal, pudessem aproximar-me do mundo que elas habitam nos hospitais e saber quais significados atribuem a esta experiência para propor um novo pensar sobre este cuidado. Tratou-se de um estudo conduzido segundo uma abordagem qualitativa, pertinente às questões muito particulares de um objeto cuja natureza não pode ser quantificada. A investigação foi desenvolvida com enfermeiros que trabalham nos hospitais públicos, na cidade de Celaya, Guanajuato, pelo fato de atenderem à maioria da população idosa. A coleta de dados foi realizada por meio de 12 entrevistas, conduzidas segundo a abordagem fenomenológica, a partir de uma questão norteadora proposta aos enfermeiros. Durante a investigação, pude apreender que, para eles, a vivência do cuidado do paciente, enquanto profissionais de enfermagem, envolve vários aspectos como as especificidades da pessoa da qual se cuida, como suas características físicas, emocionais, sociais e espirituais. Foi descrito ainda como sendo o ato de ajudar o paciente a morrer. No entanto, muitas vezes, procuram realizá-lo de forma a protelar a morte, como um impulso para conservar a vida daquele que está morrendo. Esse cuidado é proporcionado em um mundo concreto – geralmente, o hospital – e é um desafio manifestado pelos enfermeiros de forma a permitir o respeito às decisões do paciente e de sua família. Da mesma forma, as políticas das instituições de saúde pública necessitam serem revistas para que o familiar possa permanecer próximo do idoso em fase terminal, pois é seu direito morrer em companhia dos seus, de forma a ter uma morte digna. Reconhece-se, cada vez mais, que este cuidado é uma especialidade de enfermagem que requer conhecimentos e capacidades profissionais específicos e uma determinada estrutura de carreira profissional.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-07012008-114028/

Nº de Classificação: 5265
PÉREZ RODRIGUEZ, Ma. Del Carmen. Comunicação participativa: a base para o ensino do cuidado dos pés ao paciente diabético. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 221 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): MENDES, Isabel Amélia Costa
RESUMO: Entre 40 e 70% das amputações em extremidades inferiores são relacionadas à diabetes, e 85% estão precedidas de ulcera no pé. A transcendência e a gravidade desta complicação permitem considerar que o ensino para a pessoa com diabetes deve ter por finalidade, a incorporação de habilidades que o capacite para o autocuidado, de forma integrada com a sua escala de valores. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo validar a efetividade de um programa de ensino fundamentado na comunicação participativa, com enfoque nos cuidados com os pés, das pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Trata-se de um estudo quase-experimental, desenvolvido em dois grupos, um experimental e outro controle, formados aleatoriamente. No grupo controle, o programa de ensino foi baseado no método tradicional e no grupo experimental na comunicação participativa. As variáveis dependentes foram: hábitos de cuidado, conhecimentos sobre a doença; dados antropométricos e laboratoriais e condições dos pés. Os dados foram obtidos por meio de entrevista e exame físico, em três momentos: antes do inicio e no final do programa de ensino e outro após seis meses decorridos ao término da intervenção. Cada grupo foi constituído por 77 participantes, com media de idade de 52 anos, sendo o maioria do sexo feminino (90%), com escolaridade no ensino fundamental incompleto (76,6% grupo experimental e 81,8% grupo controle) e ocupação atividades domésticas (90%). Observou-se que no grupo experimental 40,3% e no grupo controle 42,9% apresentavam também hipertensão arterial. O teste de Qui-quadrado mostrou que não existiu diferencia significativa entre os grupos com relação a estas características. A comparação dos programas ao largo do tempo, em relação a cada variável, foi realizada pela metodologia de análise multivariada de perfis. Para avaliar o efeito de cada programa (antes e após o curso) e retenção do aprendizado (após o curso e depois de seis meses) utilizaram - se o teste t de Student. Cinco as variáveis (hábitos de cuidados, conhecimentos, resultados de laboratório, interrogatório e exame fisco) apresentam perfis distintos (p<0,001), constatando-se que o programa do ensino baseado na comunicação participativa é melhor do que o de metodologia tradicional. Para a variável somatometría as técnicas de intervenção produzirem efeitos semelhantes. Em as meias de todas as variáveis, e nem ambos os métodos observaram - se uma ligeira diminuição o na retenção por seis meses.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-13032008-160217/

Nº de Classificação: 5266
REZENDE, Kátia Terezinha Alves. O processo de gerência nas Unidades de Saúde da Família: limites e possibilidades em sua construção. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 206 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): MISHIMA, Silvana Martins
RESUMO: Essa investigação tem por objeto de estudo o processo gerencial desenvolvido na atenção básica, em específico nas Unidades de Saúde da Família (USF), do município de Marília – SP, Brasil. A Saúde da Família tem se constituído em estratégia para a reorganização da atenção básica e da produção em saúde proposta a partir de 1994, pelo governo brasileiro e sustentada pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). Um dos desafios nesse processo é o de buscar o comprometimento dos trabalhadores de saúde, assim como o de estabelecer instrumentos, como, por exemplo, a gerência de serviços de saúde, para a reorganização do processo de trabalho em saúde que possibilitem o atendimento das necessidades de saúde da população, e a ação de saúde voltada para a produção de cuidados. Assim o presente estudo tem por objetivos: apreender as características tecnológicas do processo de trabalho em saúde – o objeto, a finalidade, modo de agir e tecnologias utilizadas - na perspectiva do trabalho gerencial nas USFs; identificar e analisar a compreensão acerca do processo gerencial pelos trabalhadores de saúde; analisar a potência da gerência como ferramenta para a consolidação dos princípios e diretrizes do SUS na Saúde da Família. Para tanto aproximamo-nos do referencial da micropolítica do processo de trabalho em saúde. A captação do empírico consistiu em entrevistas semi-estruturadas junto aos trabalhadores de saúde de duas USFs. Os dados obtidos foram submetidos à Análise de Conteúdo, modalidade temática. O processo de trabalho desenvolvido nas USFs investigadas foi apreendido a partir de quatro temas identificados no estudo: concepção do trabalho na Saúde da Família; organização do processo de trabalho; trabalho em equipe na produção do cuidado; relação equipe de saúde – usuário na produção do cuidado. A análise e apresentação dos temas pautaram-se pela articulação à configuração teóricometodológica que sustenta a presente investigação. Assim, os temas apresentam-se articulados ao objeto de trabalho na Saúde da Família e projetos que sustentam essa prática em saúde, aos instrumentos e ao modo de agir no cotidiano do serviço e a constituição do processo de gestão/gerência. A análise empreendida aponta que o processo de trabalho em saúde apresenta limites para tomar as necessidades de saúde dos usuários em sua complexidade, utilizando instrumentos estritos ao setor saúde e desarticulados do processo de produção e reprodução social, no entanto, os trabalhadores expressam relações de responsabilização e acolhimento junto aos usuários dos serviços de saúde. A condução da prática gerencial, também, apresenta limites, para ser tomada como um instrumento com potência para desencadear no conjunto dos trabalhadores um processo de reflexão e revisão sobre sua prática e os encaminhe à adesão e comprometimento a um processo de produção de cuidados à saúde na direção apontada pelo SUS, porém há um movimento de tentativa, de ensaio, de procura ...

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-12032008-094048/

Nº de Classificação: 5267
CASTRO, Tatiana Malfará de. Atuação do enfermeiro em centro de atenção psicossocial. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 114 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): SAEKI, Toyoko
RESUMO: O presente estudo é descritivo exploratório com abordagem qualitativa dos dados. Tem como proposta investigar a atuação do enfermeiro em Centro de Atenção Psicossocial; descrever as atividades realizadas pelo enfermeiro em CAPS I, II e III; identificar as facilidades e os limites encontrados pelo enfermeiro para o desenvolvimento de suas atividades nesse tipo de serviço. Para a coleta dos dados, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 11 profissionais, guiadas por roteiro pré-elaborado. Essas foram gravadas e transcritas na íntegra pelo próprio pesquisador. Na análise e discussão dos dados coletados, utilizou-se as seguintes fases: ordenação dos dados, classificação dos dados e análise final na articulação do material teórico e empírico. Desse modo, extraiu-se, de cada depoimento, os temas emergentes dos discursos dos entrevistados os quais foram agrupados em duas categorias temáticas: assistência de enfermagem, e facilidades e dificuldades para a realização de suas atividades nos CAPS. Os resultados apontam que a maioria das participantes tem experiência prévia em outros serviços de atendimento em saúde mental, antes de ingressarem no CAPS. Quanto à formação específica em saúde mental, constatou-se que mais da metade das enfermeiras possui especialização na área de enfermagem psiquiátrica. O tempo médio de trabalho nos equipamentos selecionados é de três anos e sete meses. Os resultados indicam que as enfermeiras desempenham atividades de assistência direta com a realização de grupos e ações individuais. Para os enfermeiros, as facilidades encontradas para atuar no serviço são: afinidade com a área da saúde mental, coordenação e reuniões de equipe. As dificuldades referidas pelos enfermeiros são: a acomodação de auxiliares de enfermagem e a ausência ou pouco suporte terapêutico aos profissionais. As questões relacionadas ao trabalho em equipe e à estrutura e dinâmica do serviço, foram pontuadas por algumas enfermeiras como facilitadoras, enquanto que para outras, como limitantes.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-12032008-094631/

Nº de Classificação: 5268
PEREIRA, Kely Cristina. Sexualidade na adolescência: trabalhando a pesquisa-ação com referenciais teórico-metodológicos de Paulo Freire. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 113 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): BUENO, Sônia Maria Villela
RESUMO: Este estudo visou a pesquisar a Sexualidade na adolescência, objetivando levantar as amplas questões que a envolvem e a trabalhar com adolescentes escolares a educação preventiva, mediante a implementação de um Programa Educativo, numa perspectiva participativa, problematizadora e reflexiva. Tratou-se de uma Pesquisa-Ação qualitativa com referenciais teórico-metodológicos fundamentados por Paulo Freire, no que tange à problematização, humanização, otimização da vida e visão totalizadora do ser humano. No levantamento dos dados, utilizamos um instrumento norteador com questões fechadas e abertas e observação participante. A pesquisa se deu numa escola municipal interiorana, com 30 alunos da 4ª série do Ensino Fundamental, de ambos os sexos, na faixa etária de 10 a 12 anos, atendendo aos preceitos ético-científicos. Organizamos os dados em quadros e a análise por categorização, possibilitando a compreensão e interpretação das falas dos adolescentes pesquisados. Estes, em quase sua totalidade, entendem a adolescência como fase de crescimento e nova; apresentam uma idéia real embora simplista sobre Sexualidade e sexo, evidenciando Sexualidade como algo ligado ao comportamento e ao corpo, e sexo como ato em si e gênero; revelaram já ter visto algo sobre o assunto no conteúdo de Ciências Naturais; têm os pais como principal fonte de informação, tentando com estes esclarecer dúvidas; afirmaram ser a escola o melhor local para o aprendizado da Sexualidade; concentraram suas dúvidas nos assuntos respeitantes ao sexo e ao corpo, desejando dirimi-las com os profissionais de saúde; relacionaram a saúde ao bem-estar e à vida, e sua promoção com a busca de cuidados preventivos; sugeriram que esta temática seja discutida mediante estratégias participativas, com informações simples e claras. Concluímos, construindo um Programa Educativo, subsidiado numa concepção crítica e reflexiva, com vistas à práxis comprometida com a educação libertadora, favorecendo atitudes responsáveis e efetivas na edificação de uma identidade consciente e autônoma, à luz da qualidade de vida.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-13032008-155919/

Nº de Classificação: 5269
RODRIGUES, Andrea Bezerra. Burn Out e estilos de coping em enfermeiros que assistem pacientes oncológicos. São Paulo. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem, 2007. 143 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): CHAVES, Eliane Correa
RESUMO: Esse estudo descritivo-exploratório e correlacional apropriou-se da abordagem quantitativa e teve como objetivo caracterizar e analisar o burn out de enfermeiros oncologistas, considerando suas relações com variáveis pessoais e ocupacionais. A população foi composta por 77 enfermeiros que atuavam em unidades de Oncologia clínica e cirúrgica de cinco hospitais do município de São Paulo. Foram utilizados, para a coleta de dados, três instrumentos: um inventário de dados demográficos e ocupacionais construído pela autora, o inventário de Burn out de Maslach e Jackson e o inventário de Coping de Folkman e Lazarus. Os resultados apontaram que 53,3% dos enfermeiros apresentavam algum sintoma de burn out, sendo 29,9% com alteração em uma das dimensões, 14,3% com alteração em duas dimensões e 9,1% com alteração nas três dimensões. Não foi verificada para a população estudada diferença estatisticamente significativa entre as variáveis demográficas e ocupacionais selecionadas com o burn out. Os principais estressores identificados pelos enfermeiros foram: o óbito, o relacionamento com a equipe médica e de enfermagem e as situações de emergência. Houve diferença, estatisticamente significativa, entre a dimensão incompetência profissional, o estressor óbito e a utilização do coping suporte social e fuga esquiva; e entre a dimensão desgaste emocional, relacionamento com equipe médica e de enfermagem e a utilização do coping fuga esquiva. Os enfermeiros utilizaram em maior proporção os estilos de coping resolução de problema e reavaliação positiva e, o estilo de coping menos utilizado, referiu-se à fuga esquiva.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-22032007-091733/

Nº de Classificação: 5270
MAGRO, Marcia Cristina da Silva. Cistatina C e Rifle: avanços na avaliação da função renal em pós-operatório de cirurgia cardíaca. São Paulo. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem, 2007. 75 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): VATTIMO, Maria de Fátima Fernandes
RESUMO: A prevalência de LRA no pós-operatório (PO) de cirurgia cardíaca varia em torno de 5% a 31%, dependendo da população estudada e do critério adotado para sua definição. Os objetivos deste estudo foram classificar a função renal de pacientes em pós-operatório de cirurgia cardíaca, utilizando o sistema classificador RIFLE (R=”risk”, I=”injury”, F=”failure”, L= 'loss” e E=”end-stage”) e avaliar o desempenho discriminatório de um marcador de taxa de filtração glomerular, a Cistatina C (CC). A amostra compôs-se de 121 pacientes, sem história de lesão renal prévia, acompanhados nas 24 , 48 e 72 horas. Os desfechos considerados foram alta ou óbito no PO. O RIFLE foi utilizado para comparação com demais variáveis, bem como dois de seus componentes, a creatinina plasmática e o clearance de creatinina. As categorias “R”, “I” e “F” do RIFLE foram consideradas como LRA. A idade média dos pacientes foi de 50 anos, com 61,2% de sexo masculino, 38,8% de sexo feminino e predomínio da raça branca (92%). A cirurgia valvar foi a mais realizada (48,8%), seguida de 43,8% de revascularização do miocárdio e 7,4% de cirurgias combinadas, sendo que em 78% dos pacientes foi adotada a circulação extracorpórea com duração máxima de 120 minutos. A grande maioria (97,5%) dos pacientes obteve alta hospitalar. A LRA ocorreu em 78,5% pelo critério RIFLE. Quanto à CC, constatou-se relação de seus níveis com a piora da função renal vista pelo RIFLE nos períodos estudados. A CC apresentou maior sensibilidade e especificidade do que a Creatinina (Cr) para sinalização de piora da função renal com área sob a curva (0,67 vs 0,62). O estudo confirmou melhor desempenho da CC para detecção de LRA do que a Cr em PO da cirurgia cardíaca.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-22032007-092317/

Nº de Classificação: 5271
COSTA, Gabriela Maria Cavalcanti. Deixar de ser mulher: conhecimento e significado cultural da menopausa. São Paulo. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem. Programa Interunidades, 2007. [250] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): GUALDA, Dulce Maria Rosa
RESUMO: O objetivo deste estudo foi compreender o conhecimento e a vivência da menopausa para um grupo de mulheres. Buscamos nos referenciais teórico-metodológicos da Antropologia médica, e do método etnográfico, as bases para o estudo do evento. Os métodos utilizados para a coleta de dados com 12 colaboradoras que vivenciam a menopausa foram a observação participante, a entrevista semi-estruturada e o desenho de como elas visualizavam o corpo internamente, dentro de uma silhueta feminina, previamente reproduzida. Para aquelas que não entendiam essa formulação da proposta, foi solicitado que desenhassem aquilo que está envolvido com a menstruação e a menopausa. O objetivo foi o de complementar as entrevistas; motivar as mulheres a falarem a respeito da menopausa, verificar o quanto a representação que elas têm do corpo influencia, de fato, o significados que possuem sobre a menopausa e, por fim, favorecer a interpretação compartilhada à medida que, ao desenharem, comentavam sobre seus desenhos. Os dados foram apresentados na forma de narrativa e analisados à luz da teoria abordada. Nas narrativas, identificamos categorias que foram integradas em três temas: corpo, menstruação e menopausa. Dessas categorias, emergiram seis temas culturais: a menstruação caracteriza a mulher e define seu papel; o corpo emite os sinais; o poder de Deus determina as funções do corpo; a menopausa como evento natural do corpo e a menopausa e o deixar de ser mulher. Uma vez construídas as subcategorias / categorias / temas passou-se a analisar a natureza da experiência comum entre as mulheres. Dessa forma, foram delineadas a interpretação e a compreensão da vivência da menopausa, segundo suas elaborações culturais. Prosseguimos com uma comparação entre as categorias, evidenciando os nexos, na tentativa de sintetizar essas interpretações e compreensões em temas de significado. Destarte, foi possível compreender que a menopausa, experiência humana feminina, é resultante de uma construção singular, estando integrada a uma rede de significados, instituídos pelo grupo, que condiciona o conhecimento e a vivência dentro de determinados padrões culturais que devem ser considerados no cuidado pelos profissionais de saúde. Finalizando, o conhecimento sobre a menopausa, neste grupo de mulheres, foi um processo construído ao longo da vida e reflete a realidade cultural e social da localidade, para a qual a vivência da menopausa significa deixar de ser mulher.

Acesso ao texto integral: não localizado e não temos o CD

Nº de Classificação: 5272
SILVA, Maria Cláudia Moreira da. Fatores relacionados com a alta, óbito e readmissão em unidade de terapia intensiva. São Paulo. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem, 2007. 84 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): SOUSA, Regina Marcia Cardoso de
RESUMO: Ao se considerar a importância da busca de indicadores que determinam, tanto a alta dos pacientes das unidades de terapia intensiva (UTIs) como o risco de óbito e readmissão dos internados nessa unidade, este estudo teve como objetivos: caracterizar os pacientes internados em UTIs de hospitais que tenham unidades intermediárias quanto aos dados demográficos e clínicos; descrever a mortalidade e a unidade de destino após a alta da UTI e a freqüência de readmissão nessas unidades; comparar as médias do Nursing Activities Score (NAS), Simplified Acute Physiology (SAPS II) e Logistic Organ Dysfunction (LODS) no primeiro e último dia de internação na UTI; identificar os fatores associados com a alta, óbito e readmissão dos pacientes em UTI na mesma internação hospitalar. Trata-se de um estudo prospectivo longitudinal de pacientes adultos internados em UTIs gerais de dois hospitais governamentais e dois não governamentais do Município de São Paulo que possuíam unidades intermediárias. A casuística compôs-se de 500 pacientes adultos admitidos nessas UTIs. Os dados coletados foram referentes as primeiras e últimas 24 horas de permanência na UTI, porém os pacientes foram acompanhados até a alta hospitalar para identificação das readmissões. Os resultados mostraram predomínio de indivíduos idosos (55,80%), do sexo feminino (56,60%), a maior parte procedente do Pronto-Socorro/Atendimento (37,60%) e tempo de permanência na UTI entre um e dois dias (36,60%). Os antecedentes e os motivos de internação mais freqüentes foram relacionados às doenças do aparelho circulatório. As médias dos escores, no primeiro dia de internação na UTI, foram SAPS II, 37,41, LODS, 4,32 e NAS, 62,13. No último dia de internação, o valor médio do SAPS II foi de 36,15, do LODS, 4,2 e do NAS, 52,17. Os pacientes com alta da UTI apresentaram no último dia de internação, a média desses escores inferior à de admissão. Nos indivíduos que morreram, as médias dos escores SAPS II e LODS foram superiores no último dia de internação na UTI em relação aos valores de admissão; já as médias do NAS foram similares. Os pacientes readmitidos apresentaram na alta da UTI diminuição da média dos escores, porém essa diferença só alcançou níveis significativos quando o NAS foi o indicador utilizado. A mortalidade foi 20,60% durante a internação na UTI, a maioria dos pacientes foi transferida para unidade intermediária e aproximadamente, 9% foram readmitidos. Os pacientes que foram encaminhados à unidade intermediária diferiram dos que foram para unidade de internação em relação à idade, procedência, antecedentes, motivo de internação, SAPS II na admissão e NAS na admissão e alta. Os pacientes que morreram, apresentaram maior tempo de internação, escores de gravidade mais altos na admissão e, imediatamente, antes do óbito. No último dia de internação na UTI, o NAS foi mais elevado entre os que morreram. Para o grupo de readmitidos, somente antecedentes relacionados a doenças infecciosas e parasitárias, doenças do aparelho geniturinário e o LODS na admissão foram diferentes se comparados aos não readmitidos.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   32   33   34   35   36   37   38   39   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande