Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página32/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   28   29   30   31   32   33   34   35   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-13112007-155334/

Nº de Classificação: 5231
PACE, Mariângela Aparecida. Avaliação clínica e microbiológica da cavidade bucal de pacientes críticos com entubação orotraqueal de um hospital de emergência. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. [119] f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): ANDRADE, Denise de
RESUMO: Introdução: Nas últimas décadas tem-se pesquisado a saúde bucal como um importante atributo no contexto da saúde integral do indivíduo. Diante do exposto estabeleceu-se como objetivos: Avaliar a condição clínica e microbiológica da cavidade bucal do paciente com entubação orotraqueal internado em um hospital terciário, em dois momentos (até 48 horas da entubação orotraqueal e em 72 horas após a 1a coleta); caracterizar os pacientes quanto ao gênero, faixa etária, etnia, motivo de hospitalização, ocorrência de infecção nosocomial, período de hospitalização e óbito; avaliar na saliva destes pacientes (dentados e edêntulos) a presença de microrganismos epidemiologicamente importantes (Staphylococcus spp., Pseudomonas spp., Enterococos spp. e Leveduras); descrever o uso de antimicrobianos e determinar o perfil de sensibilidade das cepas isoladas aos antibióticos. Material e Método: este estudo prospectivo foi realizado em um período de quatro meses consecutivos mediante a aprovação do comitê de ética em pesquisa. Utilizou- se na coleta dos dados recursos referenciados na literatura e específicos a cada objetivo. Após a codificação apropriada de cada uma das variáveis elaborou-se o banco de dados no Microsoft Excel validado mediante dupla entrada. Utilizou-se o programa Statical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 14.0 para análise estatística e os testes não paramétricos de McNemar e Wilcoxon, considerando um nível de significância fixo á = 0,05. Resultados: dos 68 pacientes (66,2%) masculinos, na faixa etária entre 31 a 59 anos, e 39,7% teve como principal motivo de hospitalização doenças do aparelho circulatório. Evidenciou-se que das 54,4% ocorrências das infecções hospitalares 35,2% eram respiratórias, seguidas de 27,0% vasculares. A média de hospitalização foi de 27 dias e 48,5% correspondeu à taxa de mortalidade. Quanto às condições clínicas da cavidade bucal observou-se uma degradação na saúde gengival, e no índice de higienização bucal, bem como na ocorrência de queilite, entre outros agravos. Na avaliação da microbiota, o microrganismo de maior freqüência (86,7%) foi o Staphylococcus spp., E, os antibióticos mais utilizados foram (72,3%) do grupo beta-lactâmico. Outro aspecto preocupante se reporta as cepas resistentes aos antibióticos cuja freqüência houve um acréscimo quando comparado os dois momentos de coleta. Conclusão: os resultados deixam transparecer alguns questionamentos sugestivos para futuras pesquisas e alertam sobre a necessidade de implementar um protocolo de higienização oral direcionado a pacientes críticos com entubação orotraqueal.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-14112007-134659/

Nº de Classificação: 5232
RODARTE, Milena Domingos de Oliveira. Exposição e reatividade do prematuro ao ruído intenso durante o cuidado em incubadora. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 204 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): SCOCHI, Carmen Gracinda Silvan
RESUMO: Introdução: Os níveis sonoros encontrados nas incubadoras e o ruído adicional gerado durante a manipulação destas revelam que os recém-nascidos (RN) pré-termo e de alto risco estão expostos a um ambiente ruidoso, permanecendo longos períodos nesse ambiente, sem a chance de momentos que possibilitem o repouso auditivo. Objetivos: Avaliar a exposição e a reatividade do prematuro diante do ruído em incubadora durante o cuidado recebido na unidade neonatal de cuidados intermediários de um hospital universitário de Ribeirão Preto - SP. Método: Estudo observacional prospectivo realizado na unidade neonatal de cuidados intermediários de um hospital universitário de Ribeirão Preto – SP. Participaram da etapa de dimensionamento dos níveis e fontes de ruído 35 prematuros, sendo que em 20 deles também se analisou as respostas fisiológicas (freqüência cardíaca e saturação de oxigênio) e comportamentais (atividades reflexas, corporais, faciais e mudanças de estado de sono e vigília) diante de ruídos intensos. O ruído foi mensurado utilizando um medidor de níveis de pressão sonora (NPS), dosímetro Quest-400, fixado dentro da incubadora, por duas horas durante os cuidados prestados ao RN. Diante de Lmax maiores que 65dBA foram investigadas as fontes de ruído e as respostas fisiológicas e comportamentais do bebê, as quais foram filmadas por quatro câmeras conectadas a uma placa de vídeo instalada em um computador. Resultados: O Leq esteve na faixa de 47,6 a 88,7dBA. Todos os RN estavam com Leq acima do limite de 45dBA recomendado por organizações internacionais e mais da metade estavam com Leq médios superiores ao limite de 60dBA permitido em incubadora pela norma brasileira. Os Lmin variaram de 46,9 a 61,6dBA, os Lmax de 49 a 97,2dBA e os Lpeak de 87 a 135,7dBA. As principais fontes de ruído intenso foram: conversa na unidade e no entorno da incubadora, manuseio do balcão, vocalizações do RN, abrir e fechar portinholas e movimentação de cadeira na unidade. As diferenças na freqüência cardíaca e na saturação de oxigênio, nos períodos anterior e posterior ao ruído intenso, não foram estatisticamente significativas. Diante do ruído intenso, 62,4% dos RN desencadearam o reflexo cócleo-palpebral e 20% o sobressalto, 42,1% apresentaram manifestações faciais, 55% atividades corporais e 60% mudanças no padrão de sono e vigília, havendo diferença estatisticamente significativa entre os períodos analisados. Conclusão: Os níveis sonoros mensurados foram intensos e decorrentes de fontes diversas: conversação da equipe e familiares, manifestações do próprio bebê, cuidado direto ao RN, manejo da incubadora e do ambiente externo no entorno da mesma e na enfermaria da unidade neonatal. Acredita-se que o ruído devido a essas fontes pode ser minimizado com mudança de atitude dos profissionais. Constata-se que o ruído a que os bebês estão expostos nas incubadoras durante os cuidados recebidos constitui evento estressante, pois modifica o estado comportamental do RN e desencadeia nele respostas reflexas, corporais, manifestações faciais e mudança no estado de sono e vigília diante dos ruídos intensos e súbitos.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-14112007-141101/

Nº de Classificação: 5233
DALRI, Rita de Cássia de Marchi Barcellos. Riscos ocupacionais entre trabalhadores de enfermagem de Unidades de Pronto Atendimento em Uberaba-MG. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 146 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): ROBAZZI, Maria Lúcia do Carmo Cruz
RESUMO: O presente estudo focaliza os Riscos Ocupacionais (RO) do trabalho de enfermagem em unidades de Pronto Atendimento (PA) e os problemas de saúde apresentados pelos trabalhadores que ali atuam. O objetivo geral foi caracterizar os riscos ocupacionais existentes neste ambiente de trabalho. A pesquisa foi descritiva com análise quantitativa dos dados, realizada em duas unidades de PA da Secretaria Municipal de Saúde de Uberaba – MG, utilizando-se um instrumento do tipo questionário semi-estruturado. Tornaram-se sujeitos deste estudo 64 trabalhadores entre Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares de Enfermagem, correspondendo a 55,17% dos trabalhadores de enfermagem, que atuam nestes locais. Os resultados demonstraram que a maioria dos sujeitos (84.4%) é do sexo feminino, com faixa etária entre 20 e 59 anos, casados (46.9%), apresentando a média de dois filhos. Predominam os auxiliares de enfermagem (70.3%), concursados (78.1%), com carga horária semanal variando de 44 a 136 horas. Os problemas de saúde mais evidenciados foram as algias (39.64%); as lesões causadas por materiais perfurocortantes predominaram (47.62%) entre os acidentes de trabalho ocorridos. Dentre os riscos ocupacionais, os psicossociais foram os mais manifestados (49.83%). A maioria dos trabalhadores de enfermagem que atuam nesses PA trabalha em dois ou mais turnos por dia, sendo, no mesmo local, ou em diferentes locais e este fato pode ser agravante para o surgimento dos problemas de saúde e acidentes de trabalho citados por eles. O ambiente de trabalho nessas unidades de PA é evidentemente estressante, o que justifica os Riscos Ocupacionais e as alterações de saúde encontradas. Medidas preventivas devem ser tomadas para minimizar os problemas encontrados.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-14112007-151238/

Nº de Classificação: 5234
SOARES, Marilu Correa. A integralidade na saúde da mulher: possibilidades de atenção à mulher com câncer de colo uterino nos serviços de saúde. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 186 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): MISHIMA, Silvana Martins
RESUMO: Este estudo teve como objetivo geral compreender como os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde – SUS estão organizados, de modo a contemplar a integralidade da assistência à mulher, quando pensamos os processos de produção de cuidado no controle do câncer de colo uterino, a partir da experiência das mulheres acometidas por esse agravo, identificando e analisando o percurso assistencial dessas mulheres, apontando as dificuldades por elas enfrentadas, na perspectiva da integralidade da atenção. A pesquisa teve como suporte teórico a integralidade da atenção, em suas distintas apreensões, desde sua compreensão, não só como um princípio do SUS, mas também como exercício de boas práticas de produção de cuidado e de referência para políticas governamentais. Estudo de abordagem qualitativa, realizado junto a mulheres com diagnóstico de câncer de colo uterino, no período de 2003-2005, em um município do sul do Brasil. Os dados foram coletados de julho a dezembro de 2006, utilizando-se a observação participante da atenção dispensada às mulheres, nos serviços de saúde, e a entrevista semi-estruturada, para captação do empírico. Para os procedimentos analíticos, optou-se pela análise temática, seguindo as etapas sugeridas por Minayo (1998): ordenação, classificação e análise. Foram identificados dois temas: A procura pela assistência: o acesso ao SUS e a utilização dos serviços de saúde, na busca de atenção integral e A integralidade da atenção à saúde. Na procura pela assistência, as mulheres apontaram seu percurso pelo SUS e a utilização dos serviços de saúde, trazendo suas concepções sobre a organização, o acesso, a assistência recebida e as potencialidades e limites da integralidade, nesse contexto de cuidado. Na integralidade da atenção, a comunicação e a relação com a equipe de saúde têm como centralidade a formação do vínculo, a escuta, o diálogo e o acolhimento entre os trabalhadores de saúde e as mulheres. Conclui-se que, nos serviços de saúde, a integralidade da atenção à saúde está em construção, na medida em que os trabalhadores de saúde ainda executam suas atividades pautadas no modelo biomédico e a constituição das mulheres, como sujeitos sociais é meta ainda a ser conquistada. Considera-se fundamental a reflexão e o investimento maciços na educação permanente dos trabalhadores de saúde comprometidos com os princípios do SUS, para o alcance da integralidade nos atos preventivos, curativos, individuais e coletivos, nos diferentes níveis de atuação e articulados com a participação social.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-14112007-140211/

Nº de Classificação: 5235
CERIBELLI, Carina. A mediação de leitura como recurso de comunicação com crianças e adolescentes hospitalizados: subsídios para a humanização do cuidado de enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 100 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): LIMA, Regina Aparecida Garcia de
RESUMO: O Projeto Biblioteca Viva em Hospitais é uma estratégia adotada por diversas instituições de saúde com o objetivo de levar à criança e ao adolescente hospitalizados a mediação de leitura de histórias infanto-juvenis por intermédio de profissionais e voluntários capacitados para tal função. A leitura terapêutica tem sido amplamente utilizada dentro e fora do hospital, por diversos profissionais, como os bibliotecários, fonoaudiólogos, psicólogos, pedagogos, enfermeiros e terapeutas ocupacionais. O objetivo deste trabalho é apreender em que medida a estratégia da mediação de histórias infanto-juvenis proposta pelo Projeto Biblioteca Viva em Hospitais pode ser um recurso de comunicação com a criança e o adolescente hospitalizados. Para tanto, a coleta de dados empíricos foi realizada mediante a observação de sessões de mediação de leitura e entrevista semi-estruturada com o mediador e as crianças maiores de sete anos. Procedemos à análise qualitativa dos dados os quais foram organizados ao redor dos seguintes temas: aprendendo com as histórias; as histórias e as possibilidades terapêuticas e a comunicação e a contação de histórias. Constatamos que a mediação de leitura facilita os diálogos e o estabelecimento de relacionamentos durante a hospitalização, além de contribuir para o aprendizado de quem ouve e de quem conta as histórias. Os resultados do presente estudo poderão contribuir para a ampliação do processo diagnóstico e terapêutico incorporando intervenções que valorizem o processo de desenvolvimento de crianças, adolescentes, familiares e profissionais de saúde e também para a humanização do cuidado em saúde.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-13112007-141153/

Nº de Classificação: 5236
RABEH, Soraia Assad Nasbine. Condições de saúde e cuidado domiciliar de indivíduos com lesão de medula espinhal. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 230 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): CALIRI, Maria Helena Larcher
RESUMO: O estudo observacional e transversal teve por objetivos caracterizar indivíduos adultos que sofreram lesão de medula espinhal (LME) entre janeiro de 2003 a julho 2006, em hospitais credenciados pelo SUS no município de Ribeirão Preto (RP), avaliar a sua independência funcional utilizando a escala medida de independência funcional (MIF), considerando o nível de lesão, identificar a prevalência de úlcera de pressão (UP) e problemas de funcionamento intestinal, assim como as condições de cuidado domiciliar e o acesso e utilização de serviços de saúde. Após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, o estudo foi desenvolvido em duas fases. Na primeira foi feito levantamento de prontuários em 2 hospitais e, na segunda, entrevista com sujeitos e cuidadores nos domicílios, utilizando instrumentos previamente testados. Os resultados evidenciaram que 28 indivíduos residentes em RP sofreram LME no período e que 19 (67,9%) tiveram UP. Desses, 6 foram a óbito antes da segunda fase do estudo. Dentre os 22 sobreviventes, 91% eram do sexo masculino e 14 (63,6%) tinham entre 20 a 39 anos. Acidente de trânsito foi a etiologia principal (50%) da LME, seguida de queda (27,3%). Onze (50%) tiveram lesão cervical, dez (45,5%) lesão torácica e um lesão lombar. Quinze (68,2%) não tinham ocupação remunerada após a LME e 12 (54,5%) tinham a esposa como cuidador principal. Indivíduos com lesão cervical apresentaram escores menores na MIF total e motora, entretanto, a MIF cognitiva atingiu o valor máximo independente do nível de lesão. Dos 22 sujeitos, nenhum apresentou grau de dependência completa, 11 (50%) apresentavam dependência mínima, 6 (27,3%) dependência máxima e 5 (22,7%) independência moderada ou completa. Os 7 sujeitos com UP tinham maior dependência funcional. Quinze (68,2%) tinham constipação intestinal. O tempo total de cuidado variou de 4 a 15 horas diárias, com média de 9,63, (d.p. 3,4) para sujeitos com lesão cervical; 7,8 (d.p. 2,8) para lesão torácica e 4 para lombar. Houve aumento dos escores da MIF com o aumento do tempo pós-lesão, independente da participação em programa de reabilitação. O trauma causou maior impacto no domínio motor com diminuição da independência funcional nas diferentes atividades para os sujeitos com lesão cervical, entretanto, esses apresentaram escores mais elevados na função controle intestinal do que os indivíduos com lesão torácica. Os resultados apontam aspectos essenciais para a proposição de programa de reabilitação para essa população no contexto estudado.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-14112007-144310/

Nº de Classificação: 5237
RUIZ PALOALTO, Ma. Laura. Aposentadoria e as mudanças de vida das pessoas com diabetes tipo 2. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. [140] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): PALHA, Pedro Fredemir
RESUMO: Trata-se de um estudo qualitativo, que teve como objetivo compreender as mudanças de vida das pessoas aposentadas com diabete tipo 2. Primeiramente se caracteriza a população com diabetes tipo 2 da Clínica Hospital ISSSTE Celaya - México, onde extraiu-se uma amostra de 56 pacientes do quais 39,28% estão entre 60 e 69 anos de idade, 53,6% pertencem ao sexo feminino, 69,6% são casados, 35,7% são do lar, 41% têm nível básico de estudos, 92,8% vivem com algum familiar, 28,57% têm entre 1 e 5 anos de diagnóstico, 87,7% comparecem à consulta pelo menos uma vez ao mês, 60,7% foram em mais de uma ocasião, 39,3% ignoram as causas de hospitalização, 66,1% têm patologia associada, 98,2% fazem tratamento medicamentoso. A seguir se aplica uma entrevista semi-estruturada com dez pacientes com diabetes tipo 2 e por meio da Análise de Conteúdo Modalidade Temática, chegou-se a quatro grandes temas: 1) vida dedicada ao trabalho; 2) insegurança em relação ao diabetes tipo 2; 3) alternativas depois da aposentadoria e 4) plano terapêutico para o controle do diabete tipo 2. O resultados evidenciaram que grande parte dos sujeitos tiveram uma vida dedicada ao trabalho, que gerou satisfação e insatisfação. Antes da aposentadoria relatam que não tiveram tempo para o cuidado com o controle metabólico do diabetes, priorizaram o trabalho, o cuidado dos filhos e do lar, além de que havia uma dupla jornada de trabalho que nem sempre era dividida com seus companheiros e filhos; mesmo reconhecendo que o diabetes tem um componente genético, isto não foi suficiente para que houvesse mudanças no estilo de vida, e consideram que os aspectos emocionais interferem no controle metabólico do diabetes; identificou-se que poucos sujeitos buscaram alternativas para o ocupação do tempo livre na aposentadoria, como participação em grupos comunitários ou no desenvolvimento de habilidades pessoais; foi possível apreender que além do tratamento convencional para o controle do diabetes, os sujeitos incorporam também as práticas não convencionais como o uso de plantas medicinais, como o Nopal, amplamente difundido e reconhecido na sociedade mexicana; além disso reconhecem que existe dificuldades para as mudanças no padrão alimentar, concorrendo para isso uma história alimentar com grandes quantidades de calorias e pela difusão de outras culturas alimentares na atualidade; não existe, no plano terapêutico, a prática das atividades físicas. Nas considerações finais reconhece-se que o México tem, no seu Plano Nacional de Saúde, referenciais teóricos mais amplos como o da atenção primária à saúde e da promoção da saúde, mas ao apresentar uma organização dos serviços de proteção social e de saúde organizados por Institutos de Seguridade Social. Estes detém autonomia para a incorporação e adequação da macro política no âmbito local, e que reflete na forma de atenção à saúde, dispensada para a população usuária. Mesmo incorporando parte da política de promoção da saúde, por meio da formação dos clubes de diabéticos, ainda não é considerado a focalização na família e o seu entorno social. Nesse sentido, percebe-se que as pessoas com diabetes tipo 2, não tem um seguimento regular na assistência, assim como no autogerenciamento do seu controle metabólico, fato, evidenciado pelo grande número de consultas e internações hospitalares durante o período de um ano. Também faz parte de nossas reflexões o fato as dificuldades para a adoção de mudanças no estilo de vida parecem estar relacionadas ao aparecimento e a confirmação do diabetes tipo 2 na fase adulta, onde os costumes, crenças e valores já estão incorporados no cotidiano, por isso qualquer mudança parece ser mais penosa para estas pessoas.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-14112007-132057/

Nº de Classificação: 5238
APPOLINÁRIO, Renata Silveira. Educação profissional: vivência do educando de enfermagem no cuidado ao doente crítico. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 121 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): CORRÊA, Adriana Katia
RESUMO: A proposta deste estudo é compreender a experiência vivida pelo educando do curso profissionalizante de enfermagem no aprendizado do cuidado no cenário da terapia intensiva, refletindo sobre essa formação, tendo em vista as perspectivas atuais para a educação de trabalhadores para a saúde e a necessidade de construir o atendimento integral, no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS). Fundamenta-se em algumas idéias da abordagem fenomenológica de pesquisa. Foram realizadas observação das experiências no cenário de aprendizagem e entrevistas com onze estudantes de uma Escola Profissionalizante em Enfermagem do município de Ribeirão Preto, SP, que participavam do estágio em terapia intensiva em um hospital público no período de 31 de julho a 11 de outubro de 2006. A entrevista aberta foi conduzida a partir da questão norteadora: “Como tem sido para você cuidar de pacientes críticos nesse momento de sua formação?”. A compreensão da experiência enfatiza o estágio de caráter essencialmente técnico, valorizando a realização de procedimentos mediante a inserção do estudante na rotina do setor, caracterizada pelo modelo biologicista predominante. Apesar disso, em algumas situações, o educando começa a perceber a pessoa internada para além da doença e da técnica, porém, elas são pouco consideradas como integrantes do processo ensino-aprendizagem, bem como a sensibilidade explicitada pelo educando pouco valorizada como dimensão essencial para a construção do compromisso ético-social. Do mesmo modo que o cuidar cotidiano é limitado no sentido de considerar a integralidade da pessoa gravemente doente, o processo ensino aprendizagem não contempla a integralidade do sujeito aprendiz que pensa, sente e age de maneira singular e inserido em um contexto social. Assim, se faz necessário rever o processo formativo, incorporando conhecimentos, habilidades e atitudes voltados à compreensão do cuidado do doente crítico no contexto de saúde atual, do mundo subjetivo e social incluindo familiares e nas questões existenciais como o cerceamento de liberdade e a possibilidade do morrer. Para tal, torna-se fundamental transcender ao treinamento técnico e construir prática educativa, condizente com a formação humanizada para o cuidado de enfermagem.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-14112007-142717/




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   28   29   30   31   32   33   34   35   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande