Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página29/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   25   26   27   28   29   30   31   32   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-05102007-124202/

Nº de Classificação: 5205
BRITO, Maria de Fátima Paiva. Eletrocirurgia: evidências para o cuidado de enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. [187] f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): GALVÃO, Cristina Maria
RESUMO: A eletrocirurgia é uma tecnologia amplamente utilizada nas salas cirúrgicas. O período perioperatório oferece riscos para o paciente desde o momento da sua entrada no bloco operatório até o retorno para a unidade de origem e a eletrocirurgia constitui um destes riscos. A escassez de produção científica relacionada ao uso desta tecnologia nos motivou a elaborar este estudo. A implementação da prática baseada em evidências tem se tornado fundamental para a tomada de decisão do enfermeiro, sendo escolhida como o referencial teórico-metodológico adotado. O presente estudo é uma revisão integrativa da literatura, que teve como objetivo buscar e avaliar as evidências disponíveis na literatura sobre o conhecimento científico já produzido sobre os cuidados de enfermagem relacionados ao uso de eletrocirurgia no período intra-operatório. Para a seleção dos artigos utilizamos as bases de dados Medline e CINAHL, cuja amostra foi de 21 artigos científicos, os quais foram categorizados nas temáticas: complicações decorrentes do uso da eletrocirurgia (5 artigos); complicações decorrentes do uso da eletrocirurgia de alta potência (4 artigos); complicações decorrentes do uso da eletrocirurgia, outros equipamentos elétricos e agentes anti-sépticos (3 artigos); conhecimento dos enfermeiros sobre a unidade de eletrocirurgia (2 artigos) e recomendações práticas para o uso da eletrocirurgia (7 artigos). Os artigos publicados na área da enfermagem abordaram na sua maioria as recomendações práticas para o uso da eletrocirurgia (7 artigos); os relatos de casos (2 artigos) descreveram as queimaduras decorrentes do uso de eletrocirurgia com correntes de alta potência e 2 artigos avaliaram o conhecimento geral dos enfermeiros em eletrocirurgia. Na área médica todos os artigos eram relatos de casos (7 artigos), os quais descreveram as complicações (queimaduras) ocorridas devido a utilização desta tecnologia e as publicações consideradas de outras áreas (3 artigos) abordavam as queimaduras ocorridas no eletrodo dispersivo e em local alternativo. Os resultados deste estudo apontaram que é imperativo para o enfermeiro perioperatório o conhecimento técnico-científico sobre o uso da eletrocirurgia e as evidências encontradas fornecem subsídios para a implementação de políticas e procedimentos que garantam a segurança do paciente minimizando os riscos potenciais no uso desta tecnologia.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-15102007-145726/

Nº de Classificação: 5206
PADOVAVI, Ornella. A prática pedagógica na educação profissional técnica de nível médio em enfermagem: estudo em uma escola privada do interior paulista. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 132 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): NOGUEIRA, Maria Suely
RESUMO: Esta pesquisa teve como propostas caracterizar a prática pedagógica das professoras que atuam na Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Enfermagem, de uma instituição privada do interior paulista e de identificar também a percepção da coordenadora do curso quanto à prática pedagógica das docentes do mesmo. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, de natureza qualitativa. A obtenção dos dados se deu por meio de entrevistas semi-estruturadas gravadas, no período de julho a dezembro de 2006. A população estudada foi constituída por cinco enfermeiras professoras que ministravam aulas teóricas e práticas e a coordenadora do curso, que estavam atuando nesta instituição no momento da pesquisa. Da análise das entrevistas, norteadas pelo Fenômeno Central: A Prática Pedagógica na Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Enfermagem emergiram três categorias: o professor na instituição escola profissional; o caminho para ser professor; o processo ensino-aprendizagem: planejamento, execução e avaliação. A partir destas categorias, foi possível a construção de algumas reflexões sobre a prática educativa das docentes e da coordenadora, considerando as vivências relatadas por elas. Os docentes são agentes formadores e necessitam atualizar seus conhecimentos. Desse modo, é fundamental repensar a prática pedagógica, dando ênfase a uma atividade educativa baseada na práxis, como instrumento de transformação.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-04102007-183846/

Nº de Classificação: 5207
STACCIARINI, Thaís Santos Guerra. Processo de administração da insulina no domicílio dos usuários com diabetes mellitus acompanhados pela Estratégia Saúde da Família. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. [190] f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): PACE, Ana Emilia
RESUMO: É reconhecida a importância da padronização e do aprimoramento do processo de auto-aplicação de insulina, devido ao aumento do número de usuários com DM em uso dessa terapêutica nos últimos anos. Sabe-se que a eficácia do tratamento com a insulina depende de fatores pessoais, clínicos e do sistema de saúde, como também as intervenções em saúde devem ser propostas, a partir do conhecimento das reais necessidades da população. Dessa maneira, o presente estudo objetivou analisar o processo de administração da insulina dos usuários com DM, cadastrados na Estratégia Saúde da Família de um município do Estado de Minas Gerais. Trata-se de um estudo transversal e descritivo. A coleta ocorreu de agosto a outubro de 2006, onde 269 usuários entrevistados foram selecionados por meio de uma amostragem aleatória simples, sendo que, entre estes, 169(62,8%) usuários fazem a auto-aplicação e 100 (37,2%) não fazem a auto-aplicação da insulina. Foi utilizada a entrevista estruturada para a coleta de dados dos dois grupos distintos, grupo A auto-aplica e grupo B não auto-aplica a insulina. Na comparação entre os dois grupos, foi encontrada diferença estatisticamente significante para a variável escolaridade, porém não significante para as variáveis: faixa etária, sexo, tempo de diagnóstico e de tratamento com insulina. Em relação aos usuários que não se auto-aplicam, os motivos mais referidos foram os problemas motores, visuais ou cognitivos. Foi identificado que 90% necessitam de auxílio em todo o processo da administração da insulina no domicílio desses 75% recebem auxílio de família. Os resultados referentes ao processo de administração da insulina entre os usuários que auto-aplicam foram: 99,4% recebem seringas pelas Unidades da ESF, 89,4% fazem reutilização dessas seringas, 83,4% descartam esse instrumental no lixo comum, 100% utilizam a insulina NPH fornecida pela ESF, 17,8% fazem alterações na dose da insulina por conta própria, 66,9% fazem um teste de glicemia capilar no mês, 71,6% realizam o rodízio nos locais de aplicação de maneira não sistematizada, 81,7% guardam a insulina na porta da geladeira, 50,9% transportam a insulina em contato direto com o gelo, no caso de viagens, o escore percentual de acertos foi 62% para a realização da técnica de preparo e aplicação da insulina, não tendo diferença estatisticamente significante entre as variáveis sociodemográficas e clínicas, 81,1% não souberam informar o tempo de ação da insulina NPH, 36,1% aspiraram uma dose diferente à da referida, durante a prática de aspiração. Entre esses foram encontradas associações estatisticamente significantes entre as variáveis: sexo e a faixa etária. Esses dados apontam aspectos positivos em relação à distribuição de seringas e da insulina NPH e lacunas de conhecimento para a realização dessa prática, fato que pode dificultar o controle glicêmico e aumentar o risco para as complicações agudas e crônicas do DM e no local da aplicação da insulina. Essa pesquisa traz também subsídios para o planejamento, organização e elaboração de estratégias prioritárias de assistência para essa clientela.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-08102007-145546/

Nº de Classificação: 5208
VIERA, Claúdia Silveira. Experiências de famílias no seguimento de crianças pré-termo e de baixo peso ao nascer no Município de Cascavel-PR. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 230 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): MELLO, Débora Falleiros de
RESUMO: Este estudo de natureza qualitativa tem por objetivo compreender as experiências de famílias de crianças pré-termo (PT) e de baixo peso ao nascer (BPN) egressas de unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN) após a alta hospitalar, com vistas a subsidiar o cuidado de enfermagem. A parte empírica consistiu em um primeiro momento de encontros na unidade de cuidados intermediários (UCI) para a captação do sujeito, posteriormente realizamos visitas domiciliárias (VD) a seis famílias com o filho PT e de BPN, durante os três primeiros meses após a alta hospitalar, no município de Cascavel. As técnicas de coletas de dados empregadas foram: leitura de prontuários dos PT e BPN na UCI/UTIN, construção de genograma e ecomapa com a família, entrevistas gravadas nos domicílios e observação participante. A partir de abordagem qualitativa, na perspectiva de uma aproximação hermenêutica, primeiramente nos aproximamos das famílias por meio do genograma ecomapa, emergindo dados que foram analisados e agrupados ao redor de dois temas: a transição do hospital para o domicílio: a continuidade do cuidado; o seguimento da criança: em busca de interação. Os principais aspectos que emergiram nas experiências familiares estão ligados ao manejo da rotina de cuidados cotidianos com o PT e BPN; o manejo da amamentação e alimentação; as mudanças no cotidiano familiar; as experiências com os serviços de saúde no primeiro mês após a alta hospitalar; as preocupações com o crescimento e desenvolvimento infantil; as repercussões na rotina familiar no segundo e terceiro mês após a alta hospitalar; as experiências com os serviços de saúde especializados e de atenção básica e a rede social e apoio dessas famílias. O seguimento da criança PT e de BPN no contexto da família deve avançar, do acompanhamento ambulatorial de risco ao seguimento ampliado nos serviços de atenção básica, com início na primeira semana que estão em casa após a alta hospitalar, por ser este um período crítico para a adaptação da criança em casa, bem como dos pais à rotina de cuidado no domicílio. O modo como as famílias cuidam das crianças pode estar ligado ao modo como as práticas estão organizadas e ao modo de ser daquelas pessoas, demonstrando a necessidade de integração entre as práticas de saúde da criança nos serviços de atenção hospitalar, de atenção ambulatorial e de atenção básica, com vistas ao cuidado em saúde. Nesse sentido, é preciso reconstruir a prática de enfermagem na atenção ao PT e BPN egresso de UTIN, buscando articulação entre saberes técnicos e saberes práticos.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-08102007-104953/

Nº de Classificação: 5209
SILVA, Maria da Graça da. A vivência do envelhecer: sentido e significados para a prática de enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 164 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): BOEMER, Magali Roseira
RESUMO: Neste estudo, de natureza qualitativa, conduzido segundo a abordagem fenomenológica, tendo como sujeitos as pessoas idosas, ou seja, com 60 anos de idade ou mais, freqüentadoras de dois Centros de Convivência do Idoso, localizados na cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. Busquei a compreensão da vivência do envelhecer. A opção pela fenomenologia se deu pelo fato da minha busca ser no sentido de compreender a experiência vivida pelo sujeito que está envelhecendo, descrevendo a mesma sob a perspectiva da pessoa idosa. Utilizei os recursos da entrevista fenomenológica, conforme proposto por Carvalho (1987), tendo como questão norteadora “Como é chegar a esta idade? Viver tantos anos?” Deste modo, ao interrogar qual o significado de viver até a chamada terceira idade, encontrei sentido para a prática de enfermagem voltada a essas pessoas que, talvez, possa contribuir para uma formação acadêmica mais humana, visando a assistência integral a este segmento populacional significativo na nossa sociedade, compreendendo quem é este ser humano a quem cuido. As principais preocupações das pessoas entrevistadas são mostrar que não perdem sua identidade por ficarem velhas e, às vezes, apesar da idade cronológica, não se sentem envelhecidas; esperam o reconhecimento enquanto cidadãs, reafirmam que ter saúde é essencial e as possibilita manter autonomia sobre suas vidas; enfatizam a importância do apoio, da convivência e do cuidado na família; valorizam a independência financeira e evitam falar sobre a finitude do ser humano.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-08102007-114238/

Nº de Classificação: 5210
POMPEO, Daniele Alcalá. Diagnóstico de enfermagem náusea em pacientes no período pós-operatório imediato: revisão integrativa da literatura. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. [184] f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): ROSSI, Lídia Aparecida
RESUMO: Uma das manifestações mais comuns em sala de recuperação anestésica é a náusea, geralmente associada à anestesia. Além do aspecto subjetivo do desconforto, os pacientes que não apresentam melhora desse sintoma podem ter alta retardada, tanto da sala de recuperação anestésica quanto hospitalar. Como conseqüências, temos a demora do retorno às funções normais, a elevação dos custos hospitalares e um menor grau de satisfação do paciente. O objetivo do presente estudo foi realizar uma análise crítica das evidências disponíveis na literatura sobre os fatores relacionados e características definidoras do diagnóstico de enfermagem náusea, no período pós-operatório imediato, por meio de uma revisão integrativa. No desenvolvimento deste estudo, utilizaram-se como fonte de levantamento de dados quatro base de dados: Lilacs, Pubmed, Cinahl e Cochrane – Revisões Sistemáticas, e a amostra constituiu-se de 31 estudos. A análise das publicações selecionadas demonstrou que as náuseas e vômitos no período pós-operatório são considerados eventos relacionados e, na maioria das vezes, avaliados como um evento único. Os fatores relacionados identificados, de acordo com a freqüência de aparecimento e nível de evidência, foram: sexo feminino, não fumante, história prévia de náuseas e vômitos no pós-operatório, história de náusea associada ao movimento, idade, tipo de cirurgia, uso de opióides no trans e pós-operatório, uso de anestésicos voláteis e administração de óxido nitroso. Em relação às características definidoras evidenciamos nos estudos analisados: palidez, taquicardia, aumento na salivação, transpiração, sensação de calor e frio, rubor, consciência do impulso do vômito, tonturas, bradicardia, dilatação pupilar, variações na pressão arterial, respiração profunda, rápida e irregular. A importância de aperfeiçoar e legitimar os elementos que fazem parte da Taxonomia II da NANDA (2006) está em possibilitar aos profissionais enfermeiros que atuam em centro cirúrgico e recuperação pós-anestésica o planejamento da assistência de enfermagem ao paciente nos três períodos da experiência cirúrgica, visando à minimização das complicações no pós-operatório e promover uma reabilitação mais rápida e tranqüila.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-15102007-140328/

Nº de Classificação: 5211
FURTADO, Maria Cândida de Carvalho. Projeto Floresce uma Vida: potencialidades para o cuidado integral ao recém-nascido. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 145 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): SCOCHI, Carmen Gracinda Silvan
RESUMO: Estudo descritivo exploratório com o objetivo geral de contribuir para uma avaliação do Projeto Floresce uma Vida em um município do interior do estado de São Paulo, em seus componentes de estrutura e processo desenvolvidos em uma das etapas de sua proposta original, que propõe a articulação da atenção hospitalar com a rede básica de serviços públicos de saúde, na perspectiva da saúde integral ao recém-nascido (RN). Como objetivos específicos buscou-se descrever a área física, os recursos humanos e materiais disponibilizados para a realização das atividades; descrever o processo de trabalho da equipe que atua nas maternidades, incluindo as ações desenvolvidas com a clientela e as articulações com outros setores e serviços do hospital e rede básica de saúde; comparar o processo efetivamente realizado com o preconizado pelo próprio Projeto Floresce uma Vida e pelo Ministério da Saúde; apreender a visão dos profissionais de saúde envolvidos no Projeto sobre a atenção integral ao RN, a partir dos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Atenção Primária à Saúde. O referencial teórico foi o modelo de avaliação de qualidade proposto por Avedis Donabedian. A coleta de dados foi realizada na Secretaria Municipal da Saúde (SMS) do município, em três maternidades vinculadas ao SUS, dois Núcleos de Saúde da Família e um ambulatório de atendimento especializado. Utilizou-se entrevista semi-estruturada com os 15 profissionais de saúde envolvidos no Projeto, observação não participante do trabalho executado pela equipe de enfermagem da SMS nas maternidades e análise documental. Identificou-se no documento original, a ausência de dados referentes à estrutura necessária para seu funcionamento, não constando dados relativos aos recursos humanos, físicos e materiais necessários para a realização do Projeto. Mediante a análise das entrevistas os dados empíricos foram agrupados em categorias, emergindo os temas: “Finalidades do Projeto Floresce uma Vida: as concepções e os avanços”; “Acessibilidade: possibilitando a entrada do RN no serviço básico de saúde”; “Compreendendo a criança na sua integralidade”; “A continuidade do cuidado para mãe e criança”; “Coordenação da atenção: compartilhando informações, aprimorando a atenção à mãe e à criança”; “Ações que permeiam o trabalho no Projeto Floresce uma Vida e os desafios para a qualidade do cuidado”. A avaliação do processo evidenciou fortalezas, como a freqüente articulação intra e extra-hospitalares, o agendamento do RN na puericultura, o encaminhamento para serviços preventivos quando necessário, a realização de visitas domiciliares diante de situações de riscos e a interação e comunicação entre os diferentes serviços envolvidos. Porém, observou-se certa fragilidade nas relações entre algumas unidades de saúde e outros serviços disponibilizados à criança, como falta de conhecimento do que cada serviço está oferecendo. O desafio atual é revitalizar as articulações entre os serviços de saúde na perspectiva do cuidado integral à saúde, procurando garantir acesso aos níveis de atenção à saúde e a efetividade dos princípios como primeiro contato, longitudinalidade, integralidade e coordenação, em um constante processo reconstrutivo.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-17102007-113629/

Nº de Classificação: 5212
BEZERRA, Isa Menezes. Assistência de enfermagem ao estomizado intestinal: revisão integrativa de literatura. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 93 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): ZAGO, Márcia Maria Fontão
RESUMO: Trata-se de uma revisão integrativa de literatura nacional e internacional sobre a Assistência de Enfermagem Hospitalar ao Estomizado Intestinal, no período de 2002 a 2006. Para realização deste estudo foram utilizadas as fases propostas por Ganong (1987): seleção das hipóteses ou questões para a revisão; estabelecimento de critérios para seleção da amostra; apresentação das características da pesquisa primária; analisar os dados; interpretação dos resultados e apresentação da revisão. Realizou-se a busca on-line dos trabalhos científicos no site Bireme e no sistema Dedalus (USP). Estabelecemos como critérios de inclusão de trabalhos: abordagem da assistência de enfermagem ao estomizado intestinal hospitalizado, realizados com seres humanos, publicados em inglês, espanhol e português e localizados na íntegra até maio de 2007; e como critérios de exclusão trabalhos que abordavam outros tipos de estomas (não intestinais), os experimentais com animais, trabalhos direcionados à clientela infantil e trabalhos publicados em outros idiomas que não o inglês, o espanhol ou o português. Obteve-se uma amostra de 22 trabalhos científicos para análise. Os temas abordados foram categorizados em Cuidados de Enfermagem com 14 (63,6%) trabalhos científicos; Autocuidado com 4 (18,2%), e Complicações com 4(18,2%). A análise dos temas de pesquisa possibilitou identificar necessidade de pesquisas futuras abordando aspectos específicos como intervenções de enfermagem e estratégias de ensino, em todas as etapas do atendimento hospitalar, assim como a organização e dinâmica de atendimento da equipe de saúde hospitalar. Quanto ao delineamento de pesquisa evidenciou-se a necessidade de investimentos nos aspectos metodológicos como uma condição para produção de conhecimento científico que consolida a prática clínica.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-13112007-160356/

Nº de Classificação: 5213
MONROE, Aline Aparecida. O envolvimento de gestores e equipes de saúde com o controle da tuberculose em municípios prioritários do Estado de São Paulo (2005). Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 177 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): VILLA, Tereza Cristina Scatena
RESUMO: O estudo teve como foco a análise do envolvimento de gestores (secretários) municipais e equipes de saúde da atenção básica com as ações de controle da tuberculose (TB) em nove municípios prioritários do Estado de São Paulo, a partir da percepção dos coordenadores do Programa de Controle da TB. Utilizou-se como referencial teórico o modelo proposto pela Organização Mundial de Saúde (2003) baseado na integração dos componentes estruturais (Macro, Meso e Micro) do sistema de saúde para a organização da atenção às condições crônicas, dentre elas a TB. Trata-se de uma pesquisa que utilizou a abordagem qualitativa, cujos dados foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada e analisados através da técnica de análise de conteúdo-modalidade temática. A codificação dos depoimentos resultou em duas Unidades Temáticas Centrais: “O controle da Tuberculose na agenda municipal de saúde: uma prioridade política?” e “A incorporação das ações de controle da TB na Atenção Básica à Saúde”. A primeira Unidade Temática apontou o desinteresse pelas políticas e estratégias de controle da TB, a discordância com a prática do Tratamento Supervisionado, a presença de outras prioridades de saúde com caráter emergencial e o enfoque na implantação e expansão de equipes de saúde da família pela gestão municipal como elementos que dificultam a valorização da TB na agenda de saúde e a disponibilização de recursos essenciais para seu controle. Na segunda Unidade Temática identificou-se que a falta de recursos humanos, a inadequada qualificação dos profissionais e a visão centralizada e fragmentada da organização das ações de controle da doença no sistema de saúde representam as principais barreiras para a incorporação da TB no âmbito da atenção básica. Considera-se que a construção de um sistema municipal de saúde mais responsável e com ampla participação da atenção básica no efetivo controle da TB exige um padrão de gestão comprometido com a doença e com as estratégias difundidas para seu controle como o DOTS; a organização de uma rede de serviços integrada, resolutiva e humanizada e a elaboração/implementação de uma política de recursos humanos capaz de garantir formação e capacitação contínua das equipes de saúde.




1   ...   25   26   27   28   29   30   31   32   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal