Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página27/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-19102007-143941/

Nº de Classificação: 5188
ROCHA, Elyrose Sousa Brito. Gerenciamento da qualidade em um serviço de enfermagem hospitalar: visão do enfermeiro. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 93 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): TREVIZAN, Maria Auxiliadora
RESUMO: Este trabalho foi desenvolvido com os objetivos de analisar o Gerenciamento da Qualidade implantado em um serviço de enfermagem hospitalar e conhecer a opinião do enfermeiro a respeito desse Gerenciamento no serviço em que trabalha. Por tratar-se de um estudo de caráter exploratório e descritivo optamos por utilizar, como instrumento de coleta de dados, um formulário para entrevista elaborado pela autora com base em Deming (1990) e Antunes (1997). A partir dos resultados obtidos, juntamente com a revisão da literatura, acreditamos que os objetivos inicialmente propostos foram alcançados. Como principais resultados do estudo podemos citar que 17 (100%) dos enfermeiros entrevistados: afirmam que conhecem a filosofia da Qualidade Total aplicada ao serviço de enfermagem em que trabalham e acreditam que a implantação da filosofia trouxe melhoria para a sua prática. Além disso, quatro (24%) dentre estes, únicos presentes no hospital desde a adoção da nova filosofia, percebem aumento na satisfação do cliente em relação aos cuidados prestados; acreditam que houve melhoria no relacionamento interpessoal da equipe de enfermagem; e acham que o desempenho profissional do pessoal de enfermagem aumentou após a implantação. Dentre os 14 princípios de Deming (1990), o mais bem pontuado pelos enfermeiros foi o sétimo, que diz respeito a adotar e instituir a liderança (82% de atribuições à pontuação máxima). Por outro lado, o princípio menos pontuado foi o terceiro: “cesse a dependência da inspeção em massa” (18% de atribuições à pontuação máxima). Pretendemos que os enfermeiros, principalmente os que exercem cargo de gerência, considerem a filosofia da Qualidade Total como viável e aceitem o desafio de romper as barreiras da tradição, passando do discurso para a prática.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-13082007-112402/

Nº de Classificação: 5189
BRUNHEROTTI, Mariana Ribeiro. Intervenções no extravasamento de quimioterápicos vesicantes: revisão integrativa da literatura. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 143 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): SAWADA, Namie Okino
RESUMO: Os pacientes submetidos ao tratamento antineoplásico necessitam de um acesso venoso que permita a infusão segura das drogas quimioterápicas, evitando assim o risco do extravasamento. O extravasamento quimioterápico é definido como o escape de drogas do vaso sanguíneo para os tecidos circunjacentes, e seus efeitos tóxicos locais variam podendo causar dor, necrose tissular ou descamação do tecido. A morbidade depende do tipo da droga, da quantidade extravasada, da sua concentração, da localização do extravasamento, das condições do paciente e do intervalo entre o fato, seu reconhecimento e o tratamento. A prática baseada em evidências é uma abordagem que capacita os profissionais buscarem a melhor evidência para o cuidado, respeitando a opinião dos pacientes e seus familiares. O presente estudo é uma revisão integrativa da literatura, que teve como objetivo buscar e avaliar as evidências disponíveis na literatura sobre as intervenções eficazes frente ao extravasamento de drogas quimioterápicas vesicantes, em cateteres periféricos, prevenindo e minimizando lesões no paciente adulto oncológico. Para a seleção dos artigos utilizamos a base de dados Medline, e a amostra constituiui-se de 16 artigos. As medidas de prevenção do extravasamento são consideradas mais eficazes e recomendadas. Para o manejo do extravasamento das drogas doxorrubicina e epirrubicina é recomendado aplicação de gelo local, os antídotos dimetilsulfoxide tópico e dexrazoxane intravenoso, intervenção cirúrgica se houver persistência dos sintomas ou para grande quantidade de droga extravasada. Para o extravasamento de mitomicina C, gelo local e intervenção cirúrgica em lesões detectadas após 48 horas; para mecloretamina é indicado gelo e o antídoto tiossulfato de sódio. Para o manejo da vinorelbine é recomendado calor local e o antídoto hialuronidase por via subcutânea. As evidências extraídas dos estudos analisados podem auxiliar a implementação de cuidados de enfermagem eficazes relacionados ao extravasamento das drogas vesicantes contribuindo assim com a melhoria da assistência à saúde.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-13082007-102108/

Nº de Classificação: 5190
DOMINGUES, Munira Penha. Postura educativa do enfermeiro psiquiátrico em sua atuação profissional: percepção dos alunos de graduação em enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 86 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): BUENO, Sônia Maria Villela
RESUMO: INTRODUÇÃO: A postura educativa do enfermeiro tem significado relevante em serviço. A prática da profissão mostra nos que muitos enfermeiros tendem a ter uma postura mais dominante, crítica e de vigilância. Contudo, é importante destacar a necessidade de maior reflexão sobre essas questões, considerando a possibilidade da adesão de uma postura mais aberta, democrática, participativa e dialógica no cotidiano profissional do enfermeiro, tendo em vista as transformações por que passa a sociedade atual. Nesta pesquisa, estudamos esses pressupostos, com base nos referenciais teóricos de Freire, considerando a influência da postura pedagógica dos docentes na formação do enfermeiro psiquiátrico. OBJETIVO: Sensibilizadas com essas questões, propomos levantar o diagnóstico do processo ensino-aprendizagem com os alunos de graduação (3º ano), identificando qual o pensamento deles sobre o significado das concepções pedagógicas tradicional e contemporânea para a enfermagem psiquiátrica e suas implicações no cotidiano profissional; sugerir programa de leituras complementares com eles, visando conhecer melhor a influência positiva de ações crítico-sociais, mais abertas e democráticas nessa área de atuação. METODOLOGIA: Trabalhamos uma pesquisa de cunho qualitativo, humanista, num estudo descritivo-exploratório, mediatizado pela pesquisa-ação. Usamos como técnicas: a entrevista e a observação participante, aplicando um questionário aberto. Pesquisamos 24 alunos do Curso de Graduação, que aceitaram participar do estudo. A pesquisa atende aos preceitos éticos e ao rigor científico (aprovada pelo CEP da EERP-USP). Os dados foram categorizados e os achados discutidos e analisados à luz do referencial teórico baseado nas concepções pedagógicas, bancária e problematizadora, isto é, tradicional e contemporânea, preconizadas por Freire. RESULTADOS: De acordo com os achados encontrados, a grande maioria desses sujeitos percebe a postura do enfermeiro como uma postura em fase de transição da tradicional para a contemporânea, reforçando que há enfermeiros com posturas ainda muito rígidas, limitadas e autoritárias. Em contrapartida, há enfermeiros que têm condutas humanizadas, valorativas e integrativas. Portanto, concluímos que os alunos têm uma noção real das questões abordadas, estando abertos à mudança.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-13082007-152634/

Nº de Classificação: 5191
HORTENSE, Priscilla. Escalonamento comparativo de diferentes dores nociceptivas e neuropáticas, por meio de métodos psicofísicos variados. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 113 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): SOUSA, Fátima Ap. Emm Faleiros
RESUMO: O objetivo geral deste estudo foi escalonar os diferentes tipos de dor, comparativamente entre si, por meio de diferentes métodos psicofísicos e diferentes amostras. Os objetivos específicos foram: comparar o escalonamento dos diferentes tipos de dor entre as diferentes amostras; comparar as escalas derivadas de julgamentos ordinais com as escalas derivadas dos julgamentos de razão; verificar por meio da comparação entre as estimativas de magnitudes e as estimativas de categorias se o contínuo intensidade de dor tem características protéticas ou metatéticas; verificar se a variabilidade das estimativas de magnitudes, de categorias e de comprimento de linhas, é uma função linear das médias geométricas dessas estimativas, ou seja, seguem a Lei de Ekman; validar a escala de razão derivada para o contínuo não métrico de intensidade dos diferentes tipos de dor por meio do método de emparelhamento intermodal; verificar se a variabilidade das estimativas de categorias expandidas aumenta linearmente em função do aumento das estimativas de categorias, tal como ocorre com as estimativas de magnitude; verificar se as ordenações dos diferentes tipos de dor derivadas dos respectivos métodos psicofísicos são similares entre si. Para atingir os objetivos foram realizados 3 experimentos, cada experimento utilizou diferentes métodos psicofísicos: Experimento 1 - Comparação entre os métodos psicofísicos escalares de estimação de magnitude, estimação de categorias e estimação de postos; Experimento 2 – Validação da escala de razão dos diferentes tipos de dor por meio do método de estimação de magnitude e de emparelhamento intermodal com a modalidade de resposta comprimento de linhas; Experimento 3 - Comparação entre os métodos psicofísicos escalares de estimação de magnitude e estimação de categorias expandidas. Participaram do estudo 90 pacientes ambulatoriais de diferentes clínicas, 90 médicos e 90 enfermeiros, sendo 30 de cada grupo que participaram de cada Experimento. Os participantes avaliaram, de acordo com cada método psicofísico, o grau de intensidade de dor, comparativamente entre 20 diferentes tipos de dor. Os resultados foram: 1)A Dor no Câncer, a Dor por Infarto do Miocárdio, a Dor por Cólica Renal, a Dor por Queimadura e a Dor no Parto foram considerados os tipos de dor de maior intensidade, independente do método psicofísico utilizado ou da amostra estudada; 2) Há divergências na percepção das intensidades de alguns tipos de dor, estas divergências foram observadas principalmente entre profissionais e pacientes (médicos-pacientes, enfermeiros-pacientes); 3)As ordenações de posições da intensidade dos diferentes tipos de dor, comparando os diferentes métodos psicofísicos utilizados, resultaram em níveis de concordância significativa; 4)O contínuo não métrico de intensidade dos diferentes tipos de dor, possui características protéticas, ou seja, a percepção da intensidade de um tipo de dor aumenta à medida que se percebe esta com maior intensidade; 5)A variabilidade das respostas dos sujeitos (estimação de magnitudes) foi maior quanto mais intenso foram julgados os diferentes tipos de dor, ou seja, segue a Lei de Ekman; 6)A relação entre as estimativas de magnitudes e as estimativas de emparelhamento de comprimento de linhas é uma função de potência e a escala dos diferentes tipos de dor é válida, estável e consistente.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-19102007-112459/

Nº de Classificação: 5192
MELCHIOR, Francine de Oliveira. Efeitos da ginástica postural global Isostretching, na recuperação dos movimentos do braço homolateral à cirurgia de câncer de mama. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 82 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): PANOBIANCO, Marislei Sanches
RESUMO: Este estudo clínico e descritivo utilizou um protocolo de exercícios posturais do método Isostretching, no pós-operatório tardio de câncer de mama, com o objetivo de ganhar mobilidade dos movimentos de flexão e abdução do braço homolateral ao esvaziamento axilar, em mulheres que apresentavam deficiência na amplitude de tais movimentos, com comprometimento da mobilidade do braço. Participaram 25 mulheres, operadas de câncer de mama, há, no mínimo, seis meses. A coleta de dados foi realizada de fevereiro a julho de 2006, no Núcleo de Ensino, Pesquisa e Assistência na Reabilitação de Mastectomizadas (REMA) da EERP/USP. Todas as participantes freqüentaram o grupo de ginástica postural global do método Isostretching, duas vezes por semana, por um período de seis semanas. Os movimentos de flexão e abdução, do braço homolateral ao esvaziamento axilar, foram medidos antes do tratamento proposto e após a participação nas 12 sessões do grupo de reabilitação, sendo considerada, como resultado da mensuração, a média obtida da realização de três medidas consecutivas. O instrumento utilizado nas mensurações foi o flexímetro. Os resultados analisados por meio do teste estatístico Wilcoxon revelaram ganho estatisticamente significante (p<0,001; á=1%) de ambos os movimentos medidos. Pôde-se concluir que o método Isostretching de ginástica postural global foi eficaz no ganho de mobilidade do braço homolateral ao esvaziamento axilar desse grupo de mulheres submetidas ao tratamento do câncer de mama.

Acesso ao texto integral: não localizado e não temos o CD

Nº de Classificação: 5193
LEONARDI, Juliana. O caminho noético: o canto e as danças circulares como veículos da saúde existencial no cuidar. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 124 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): PEDRÃO, Luiz Jorge
RESUMO: Esta pesquisa teve por objetivo compreender os sentidos e valores para a existência atribuídos por portadores de transtornos mentais em um CAPS a partir de um processo musicoterapêutico centrado nas vivências do canto e das danças circulares à luz da análise existencial-humanista de Viktor Frankl. Foi montado um grupo de estudo com 10 usuários do CAPS semi-internação de Ribeirão Preto ao longo de 4 meses de atuação e intervenção. O trabalho de campo contou com a participação de dois musicoterapeutas, sendo um observador e outro assistente. Enquanto procedimento realizamos entrevistas individuais iniciais com os sujeitos da pesquisa, levantamento do histórico sonoro-musical dos participantes e registro dos depoimentos dos mesmos ao longo dos 4 meses de intervenção e atuação. As produções de sentidos dos portadores a partir deste processo revelaram a importância da experiência de ser e conviver em grupo como parte dos valores de saúde mais significativos e urgentes na vida dos usuários. Os valores e sentidos de vida compartilhados e mencionados pelos portadores como necessários para o resgate da saúde mental foram: a) existir e ser reconhecido, em seu valor e vida, por outro ser humano; b) relações humanas solidárias como possibilidade concreta de acesso à uma dimensão real de saúde; c) o sentido de saúde mencionado é entendido como vivência e partilha de amizade, amor e encontro genuíno entre dois seres humanos; d) a busca das relações e do outro como o desejo mais profundo dos portadores no resgate da sua saúde mental e, finalmente e) a vivência do canto e das danças circulares como importantes veículos da saúde existencial e de valores noéticos na vida dos portadores.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-19102007-131820/

Nº de Classificação: 5194
MOURA, Fabiana Elias Goulart de Andrade. O cuidado materno e a estruturação do vínculo mãe-filha nos transtornos alimentares. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 93 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): RIBEIRO, Rosane Pilot Pessa
RESUMO: Os transtornos alimentares (TA) vêm sendo descritos atualmente como uma síndrome que atinge principalmente adolescentes e adultos jovens do sexo feminino e apresenta etiologia multifatorial, envolvendo fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sócio-culturais e familiares. As relações familiares apresentam características muito particulares nesses casos. São relatados na literatura um grande número de casos onde as relações das mães com as pacientes apresentam características de simbiose e por vezes dificuldades de individuação. O contato com estas mães por um grupo de apoio aos familiares de pacientes com TA (GRATA-HCFMRP-USP), bem como a constatação de que desde muito antes do aparecimento do sintoma, suas filhas já apresentavam algumas diferenças marcantes, conduziram-nos a pensar que alguma compreensão a respeito do quadro pudesse vir da investigação de um período precoce do desenvolvimento das filhas. O objetivo deste estudo foi portanto, conhecer como as mães experienciaram o processo de cuidar de suas filhas desde a gestação até os 2 (dois) anos de idade, incluindo a questão alimentar como forte elo entre um bebê e sua mãe, procurando investigar a influência que estas vivências tiveram (ou não) no aparecimento futuro da doença. Foram entrevistadas 7 (sete) mães de pacientes com TA em atendimento ambulatorial no GRATA- HCFMRP-USP. As entrevistas foram semi-estruturadas e áudio-gravadas e em seguida transcritas na íntegra. As questões norteadoras foram previamente estabelecidas levando-se em conta os seguintes temas: gravidez, parto, pós-parto/puerpério, amamentação/ alimenta-ção e características da filha. Os dados foram analisados baseando-se nos preceitos da teoria psicanalítica como proposto por Klein e por Winnicott. Encontramos relatos de muito sofrimento e impotência, com grande dificuldade de 'reverie' por parte das mães. Por outro lado, as crianças foram descritas como intensamente vorazes, o que nos sugere que também teriam muita dificuldade em assimilar o cuidado oferecido por suas mães. Parece ter ocorrido um encontro entre uma mãe com dificuldades em oferecer continência psíquica às condições básicas de sua filha e uma criança com dificuldades em receber seus cuidados. Essa dinâmica relacional pode ter sido um importante fator de influência das vicissitudes vinculares ulteriores. O sintoma alimentar, portanto, poderia ser entendido como uma tentativa da filha de retomar essa relação complexa e sofrida, a partir de uma equação simbólica na qual o alimento, transformado em equivalente simbólico da função materna internalizada de forma ambivalente, deve ser evitado ou eliminado.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-13082007-154832/

Nº de Classificação: 5195
GARCÍA VALENZUELA, María Leticia Rubí. Auto-imagem, auto-estima e relacionamento conjugal como dimensões da qualidade de vida de um grupo de mulheres mexicanas mastectomizadas: uma visão sociocultural. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 162 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): MAMEDE, Marli Villela
RESUMO: Estudo de abordagem qualitativa que fundamentou-se em referenciais socioculturais, tomados da antropologia e apoiu-se no interacionismo simbólico, com o objetivo de identificar se a mastectomia realizada num grupo de mulheres mexicanas com câncer de mama interferiu na sua qualidade de vida. Foram entrevistadas vinte mulheres que são assiatidas no Centro Estatal de Atenção Oncologica da cidade de Morelia, Michoacán no México, para seu tratamento e controle da enfermidade. Os dados coletados das entrevistas foram submetidos à análise de conteúdo e foi utilizada a técnica de análise temática. Assim, foram identificadas unidades temáticas que convergiram na auto-imagem, auto-estima e relacionamento conjugal, antes e após a mastectomia, com características positivas, que fornecem, e com características negativas, que debilitam a qualidade de vida nestes aspectos. Assim, antes da mastectomia elas sentiam-se satisfeitas com o próprio corpo e felizes por cumprirem os seus papéis sociais. O aspecto que diminuiu a qualidade de vida antes da mastectomia, caracterizou-se por uma desvalorização de suas identidades. Após a mastectomia, observaram-se aspectos positivos como a atitude de superação, a adoção da estratégia do autocuidado e a importância que elas dão ao suporte social. Os aspectos que influenciaram de forma negativa na qualidade da auto-imagem e auto-estima são descritos por elas como um processo de luto pela perda da mama, o isolamento e estigma a que foram submetidas, a desesperança vivida por elas, em muitas ocasiões e a incerteza de estarem livres da enfermidade. O relacionamento conjugal também apresenta características que fortalecem ou diminuem a qualidade de vida. Antes da mastectomia, esteve caracterizado pela minoria como uma atitude de aproximação social e sexual dos cônjuges. A maioria apontou aspectos negativos como o distanciamento social, emocional e sexual. Após a mastectomia o aspecto positivo caracterizou-se pela proximidade conjugal e pelo suporte social que favoreceram nas mulheres a sensação de alivio e bem-estar. O aspecto negativo definido por uma parcela considerável delas, foi a distância sexual,geradora de estresse pessoal e de muito sofrimento e pesar.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-13082007-110448/

Nº de Classificação: 5196
RAMOS, Luciana Aparecida Ribeiro. Sistematização da assistência de enfermagem: um estudo com auxiliares e técnicos de enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 131 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): CARVALHO, Emília Campos de
RESUMO: Trata-se de um estudo de natureza descritiva, com o objetivo de caracterizar o processo de trabalho dos auxiliares e técnicos de enfermagem quanto aos seguintes aspectos da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE): informação sobre essa metodologia durante sua formação profissional; informação sobre a SAE no setor de trabalho; informação quanto à aprovação legal para participar da SAE; a percepção desses profissionais sobre a sua participação nas fases da SAE; a contribuição da SAE na organização do seu serviço, conhecer as atividades realizadas por estes profissionais vinculadas às fases da SAE e a freqüência das mesmas. A população foi composta de 70 auxiliares e 07 técnicos de enfermagem. Um questionário com perguntas estruturadas e uma escala do tipo Likert foram utilizados como instrumento de coleta de dados. Os principais resultados revelaram: a) 93,5% dos sujeitos reconhecem a utilização dessa metodologia no setor onde trabalha. b) 74,0% receberam treinamento para seu uso, destes, 67,7% afirmaram ter sido após a formação profissional. c) 46,8% referiram saber quais são as fases da SAE, destes, 33,3% citaram a coleta de dados, 33,3% a avaliação, 25,0% o diagnóstico de enfermagem, 25,0% a implementação, 27,7% o planejamento de enfermagem, 52,7% responderam de forma incorreta. d) 67,5% consideram que participam da SAE. e) 75,0% não identificam em quais fases participam da SAE. f) 33,8% acreditam ter respaldo legal para participar, 3,9% que não tem autorização, 13,0% referiram não saber e 44,2% não responderam. g) 94,8% consideram que a SAE melhora a qualidade de sua assistência. Quanto às atividades desenvolvidas: a) 81,8% referem que fazem a admissão do paciente. b) 77,9% dos sujeitos solicitam informações sobre o problema de saúde atual; 70,0% sobre antecedentes pessoais; 66,2% sobre antecendentes alérgicos; 87,7% sobre o uso diário de medicamentos. b) quanto a coleta de dados, 93,5% observam a freqüência respiratória; 93,5% a presença de dispnéia; 92,2% a presença de tosse; 77,9% alterações na oxigenoterapia; 67,5% nunca realizam a ausculta pulmonar; 89,6% verificam a pressão arterial; 81,8% alterações na infusão venosa, 81,8% verificam freqüência de pulsos periféricos; 76,6% avaliam a presença de edema; 76,6% a perfusão periférica; 87,0% referem avaliar alterações no nível de consciência e 81,8% a orientação no tempo e espaço; 98,7% verificam a temperatura; 90,9% observam a presença de lesões; 85,5% a freqüência e características da urina, 83,1% o tipo e aceitação da dieta; 80,5% o débito urinário; 76,6% a freqüência e características das fezes; 85,7% não auscultam o abdome. c) quanto ao diagnóstico de enfermagem, 85,7% referem nunca realizar esta atividade. d) quanto ao planejamento 87,0% referem nunca participar da prescrição; e) quanto a implementação: 97,4% executam a prescrição e 98,7% checam a prescrição; 98,8% informam alterações observadas durante o cuidado. e) quanto à alta hospitalar, 75,3% anotam condições de deambulação do paciente; 97,4% as condições de dreno. Concluímos que estes profissionais, embora sem saberem, têm uma importante participação nas fases do processo, executando atividades assistenciais previstas em lei, como admissão, observação, descrição e anotação de sinais e sintomas, execução do plano de cuidados e relatório de enfermagem.



1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal