Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página23/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-07012008-110009/

Nº de Classificação: 5157
GRIGOLLETO, Jamyle Calencio. Percepção de risco em relação a saúde bucal de indivíduos cadastrados em um núcleo de saúde da família de Ribeirão Preto-SP, 2006. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 197 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): TAKAYANAGUI, Angela Maria Magosso
RESUMO: O objetivo geral desta pesquisa foi conhecer a percepção de risco, relacionada à saúde bucal, de indivíduos cadastrados em um Núcleo de Saúde da Família (NSF), no município de Ribeirão Preto-SP, por meio da identificação das crenças, atitudes e conhecimentos desses indivíduos sobre os fatores de risco relacionados ao tema. Trata-se de uma pesquisa de campo, de caráter descritivo e exploratório, com variáveis quantitativas e qualitativas. A população do estudo foi constituída por 77 cuidadores de famílias cadastradas no NSF-1, da zona oeste do município. Os dados empíricos foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada e levantamento documental. A análise e organização dos dados coletados foram divididas em duas etapas. Os dados quantitativos foram apresentados em 4 partes: caracterização socioeconômica e cultural dos sujeitos; conhecimentos relacionados à saúde bucal; crenças/valores relacionados à saúde bucal; e, comportamentos/atitudes relacionados à saúde bucal. Alguns dados qualitativos foram agrupados em categorias de respostas e outros foram analisados pela metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), sendo subdivididos em 4 unidades temáticas. A maioria dos entrevistados era do sexo feminino (80,5%), mães (68,8%), com predomínio das faixas etárias entre 51 a 60 anos (31,2%) e de mais de 60 anos (33,8%). Entre os cuidadores pesquisados 49,4% apresentavam o ensino fundamental incompleto e 40,3% apresentavam renda entre R$1500,00 e R$3000,00. Grande parte dos sujeitos (71,4%) afirmou que não exercia nenhum trabalho fora de casa. Muitos entrevistados (63,6%) afirmaram ter algum problema de saúde; foi referida por 89,6% dos sujeitos da pesquisa a existência de uma relação entre saúde bucal e saúde geral dos entrevistados; 58,4% afirmaram não apresentar nenhum problema na boca. Com relação à durabilidade dental, 53,2% dos sujeitos responderam que esta dependia de cuidado. O creme dental foi citado por 40,2% dos entrevistados, como produto que contém flúor. O auto-exame para detecção de câncer bucal, segundo os entrevistados, nunca havia sido realizado por 88,3% deles. Mais da metade dos sujeitos (53,2%) disse que nunca tinha recebido orientação para evitar problemas bucais. A saúde bucal foi considerada boa por 40,3% dos entrevistados; no entanto, 58,4% afirmaram que necessitavam de tratamento dentário. O uso de alguma medicação diariamente foi relatado por 70,1% dos indivíduos. Quanto aos hábitos de higiene oral, 98,7% dos entrevistados afirmaram que escovavam os dentes, 97,4% dos sujeitos afirmaram que possuíam escova dental própria e 57,1% das pessoas relataram fazer uso do fio dental. O uso de prótese foi referido por 72,7% dos entrevistados; todos os sujeitos referiram já ter visitado o dentista alguma vez na vida, sendo que 50,6% afirmaram que a última ida ao dentista tinha sido há menos de 1 ano e 51,9% disseram que essa visita tinha sido a um serviço privado liberal. Somente 24,7% dos sujeitos afirmaram comer alimentos doces pelo menos 1 vez por dia; a ingestão de refrigerantes de 2 a 3 vezes por semana foi relatada por 31,2% das pessoas. A ingestão de café, chá ou leite com açúcar uma vez por dia, foi referida por 48,1% dos sujeitos. Os resultados sugerem uma percepção de risco dos indivíduos sobre saúde bucal positiva, embora ainda devam ser trabalhados alguns conceitos e crenças sobre o tema com essa população. Os conceitos de saúde e doença para os sujeitos da pesquisa, apesar de apresentarem fortes expressões do biologicismo, revelam influências do teocentrismo, do higienismo e preventivismo, em direção a uma concepção ampliada de Saúde.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-18042007-152553/

Nº de Classificação: 5158
DECESARO, Maria das Neves de. Dinâmica das relações familiares: compreendendo o convívio com familiar dependente de cuidados físicos. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 195 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): FERRAZ, Clarice Aparecida
RESUMO: A dinâmica das relações familiares apresenta-se como elemento importante a ser investigado, considerando a perspectiva da integralidade do cuidado às famílias. Partimos do pressuposto que, diante de uma situação de doença, o cotidiano e as relações familiares se alteram, desencadeando processos de desestruturação e estruturação, na busca de um equilíbrio, mesmo que conflitual, para dar sustentação à nova condição de vida. O objeto de estudo para esta pesquisa está delimitado à dinâmica das relações familiares, tendo em vista a compreensão de elementos centrais que participam ou estão presentes nesta dinâmica quando, inesperadamente, a família passa a conviver com um familiar adulto que se tornou dependente de cuidados físicos. Elegemos o referencial teórico-metodológico de Michel Maffesoli circunscrito à sociologia do cotidiano, considerando que nessa abordagem a vida é vista como uma rede sutil e complexa, feita de fatos miúdos e obscuros do dia-a-dia que se concretizam em um conjunto de relações sociais, entre as quais se destacam as relações familiares. A noção de convívio carrega a idéia de experimentar emoções, compartilhar ambientes, concordar e discordar de valores, viver com o outro uma harmonia que integra a desarmonia. A perspectiva metodológica adotada foi o formismo, referenciado por Maffesoli, para quem a forma é uma alavanca metodológica que possibilita modelar o dado social, na medida em que descreve seus contornos para tecer uma estrutura objetiva e subjetiva que promove a compreensão global do fenômeno estudado. Os dados foram coletados nos domicílios das famílias e a pesquisadora utilizou-se de entrevista individual aberta, entrevista semi-estruturada e grupos focais com os membros dos núcleos familiares. Os dados foram organizados em forma de genogramas que apresentam os vínculos entre os familiares, e as falas foram recortadas segundo categorias e subcategorias que revelaram: o presenteísmo da convivência familiar nas suas dimensões de alteridade e complementaridade; o senso do limite das famílias, apontando o trágico vivido e os manifestos de teatralização; os mecanismos de resistência grupal, apontando a astúcia, o jogo da representação e o silêncio como manifestações de força e potência para o viver; e, por último, a solidariedade grupal, que coloca em cena seus aspectos mecânico e orgânico da socialidade familiar. A compreensão da dinâmica das relações em família na convivência com a pessoa dependente de cuidados físicos traz aos profissionais enfermeiros a perspectiva de uma atuação que se situa nos horizontes da contemplação e da ação co-responsável, uma vez que se insere em um espaço-tempo domiciliar e familial, onde se vivencia uma contingência trágica, com possibilidades de desestruturação e reestruturação das relações familiares. No plano das políticas públicas de Saúde, este estudo contribui, particularmente, com a estratégia da Saúde da Família, na medida em que recupera o cuidado em sua ambiência pela via da subjetividade, explicitando que o imaginário e o simbólico são elementos fundamentais para a potencialização desta importante política que orienta uma rede de cuidados. A prática do cuidado de enfermagem na família acontece em um espaço físico e social singular, portanto heterogêneo, fluido, conflitual, de construção e de desconstrução das relações familiares, que requer tecnologias de cuidado sustentadas nos princípios da sensibilidade e da conjunção fundados na ética da estética.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-23042007-151113/

Nº de Classificação: 5159
CAIXETA, Camila Cardoso. Relações familiares e o processo de adoecimento em diabetes tipo 2. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 129 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): GALERA, Sueli Aparecida Frari
RESUMO: Dentre as doenças crônico-degenerativas encontra-se o diabetes tipo 2 que atinge cerca de 5 milhões de brasileiros. O diabetes é definido como urna síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade da insulina exercer adequadamente seus efeitos. Tem como conseqüência em longo prazo alterações micro e macrovasculares que levam a disfunção, dano ou falência de vários órgãos. Em termos de morbidade o diabetes representa, uma das principais doenças crônicas que afetam o homem contemporâneo e o aumento na incidência e prevalência pode estar associado às mudanças sociais tais como: maior taxa de urbanização, aumento da expectativa de vida, industrialização, dietas hipercalóricas e ricas em hidratos de carbono de absorção rápida, deslocamento de populações para zonas urbanas, mudanças de estilo de vida, inatividade física e obesidade. Atualmente não existe cura para o diabetes, pode se pensar no bom controle dessa doença através da alimentação, atividade física e uso de medicamentos. Acredita-se que, se a pessoa diabética atinge o controle glicêmico é possível prevenir as complicações e favorecer a qualidade de vida. Nota -se, ao discutir os cuidados da pessoa diabética relacionados ao plano terapêutico, que há uma estreita relação com o apoio familiar e o cuidado com a doença Assim, constitui-se objeto de estudo compreender corno as relações familiares influenciam no processo de adoecimento da pessoa diabética e é influenciada por ele. Trata-se de um estudo fundamentado nos princípios da abordagem sistêmica e do interacionismo simbólico, realizado no período de fevereiro a maio de 2006. Participaram do estudo seis famílias de pessoas diabéticas tipo 2, em seguimento no Grupo de Educação em Diabetes do Centro de Educação para Adultos e Idosos da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Os dados foram obtidos por meio de análise dos prontuários, observação não participante, registros no diário de campo e entrevista familiar, no domicílio. Os dados são apresentados em duas fases. A primeira corresponde à análise do sistema familiar segundo os aspectos estrutural, de desenvolvimento e funcional. E em segundo a apresentação das entrevistas transcritas e submetidas à análise de conteúdo latente, descritas através de categorias. A análise do sistema familiar permitiu observar que das seis famílias participantes, todos os pacientes eram idosos, cinco coabitavam com seus respectivos cônjuges e uma era viúva A análise das entrevistas demonstrou dois momentos importantes no manejo do diabetes que se apresentaram de forma temporal e que se entrelaçam pelas relações familiares estabelecidas neste processo de adoecimento: a descoberta e em seguida o convívio com a doença. Os resultados nos permitiram concluir que olhar para o contexto, para a dinâmica e para a forma de organização familiar em que a pessoa diabética está inserida, facilita o processo de entendimento dos fenômenos relacionados ao controle glicêmico. Entende-se que é imprescindível ao profissional de saúde, considerar a família como unidade de cuidado a pessoa diabética, assim corno utilizar a correlação entre família e controle dos valores glicêmicos como ferramenta para a melhoria da assistência prestada.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-13032007-112431/

Nº de Classificação: 5160
RANGEL, Alexandre Leite. Desenvolvimento de um sistema de apoio à decisão para a elaboração da escala periódica de pessoal de enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 79 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): MARTINEZ ÉVORA, Yolanda Dora
RESUMO: Neste trabalho é apresentado o software de geração automática da escala periódica de trabalho dos profissionais da enfermagem. Este software tem a forma de uma Intranet, o que facilita a implantação do sistema, sendo desnecessário a instalação de softwares clientes do banco de dados ou qualquer outro tipo de configuração nas máquinas dos usuários. Outra característica relevante deste sistema é que ele se classifica como um Sistema de Apoio à Decisão, pois de posse das informações dos funcionários da instituição, ele gera uma sugestão da escala periódica de trabalho, uma vez que o enfermeiro encarregado da confecção dela pode, a qualquer momento, alterá-la manualmente. A escala é gerada para períodos, normalmente de um mês de duração. Cada funcionário está vinculado a um local de trabalho e a um cargo. No momento da geração da nova escala, é necessário informar, portanto, qual o período, qual o cargo e qual o local de trabalho para os quais se deseja elaborar a escala de trabalho. Para a elaboração da escala, utilizou-se a Programação 0/1, uma técnica de Programação Linear Inteira. Nesta técnica, as variáveis podem receber apenas dois valores, zero ou um. São geradas variáveis que representam cada uma, um funcionário em um dia do período e um turno do dia, onde se esta variável receber o valor 1, significa que o funcionário irá trabalhar e se receber o valor zero, significa que ele irá folgar no dia e turno indicados pela variável. Foram levantadas treze restrições para a geração da escala periódica de trabalho de acordo com Regulamento de Recursos Humanos da Instituição onde se desenvolveu o software. Estas restrições são regras que devem ser respeitadas pelo sistema ao gerar a escala de trabalho. Elas são descritas em um arquivo que é exportado para software LINGO, software que gera uma solução para problemas de Programação Linear e Não-Linear, desenvolvido pela LINDO Systems Inc, Chigago, USA e, que é o aplicativo capaz de resolver o problema de Programação 0/1 e calcular em quais dias e turnos cada um dos funcionários irá trabalhar. Após a geração deste arquivo, o software efetua o cálculo e um arquivo com os dados de resposta, que é importado para o sistema de geração automática da escala de trabalho e então disponibilizado em forma de tabela para consulta dos profissionais. Ao término do processo de geração, os funcionários podem avaliar o resultado do cálculo e, sugerir modificações, pois, se as informações que geram o arquivo de restrições forem modificadas, o resultado final consequentemente será outro. Por fim, a geração da escala de periódica de trabalho ficou reduzida a, em média, cinco segundos.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-22032007-165341/

Nº de Classificação: 5161
FIGUEIREDO, Glória Lúcia Alves. Experiências de famílias sobre a vacinação de crianças menores de dois anos: subsídios para o cuidado de enfermagem. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 95 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): MELLO, Débora Falleiros de
RESUMO: Este estudo tem por objetivo compreender as experiências de famílias com a vacinação de crianças menores de dois anos, fundamentado no cuidado em saúde, buscando subsídios para o cuidado de enfermagem. O reconhecimento da relação entre cuidado em saúde e a prática de vacinação permite enriquecer nossas intervenções. As bases conceituais estão centradas nos estudos sobre o cuidado e a reconstrução das práticas de saúde de J.R. Ayres. O substrato empírico consiste de entrevistas gravadas nos domicílios de 19 famílias moradoras na área de abrangência de duas unidades básicas de saúde do município de Franca-SP. A partir de abordagem qualitativa, na perspectiva hermenêutica, os dados foram analisados e agrupados ao redor de quatro temas: o cotidiano do cuidar da criança; conhecimentos práticos e científicos sobre vacinação de crianças; responsabilidade e obrigatoriedade da vacinação de crianças; e ampliação das práticas de vacinação de crianças. De modo geral, espontaneamente, a vacinação não é lembrada entre os cuidados familiares dispensados às crianças. As práticas em vacinação se estabeleceram numa relação de obrigatoriedades e, nessa construção, vários aspectos influenciaram as relações nas salas de vacina entre famílias e trabalhadores de saúde, particularmente de enfermagem. A prática de vacinação aparece descolada dos cuidados cotidianos da criança. A análise permitiu identificar elementos potenciadores da não vacinação: a inexperiência e dependência no empenho dos pais, estado civil solteira, excesso de tarefas, recusa de aplicações simultâneas de vacinação e a relação com os serviços de saúde (assistência fragmentada, ausência de diálogos, discriminação, falsas contra-indicações e relação embasada na obrigatoriedade) e elementos potenciadores da vacinação: ter experiência e realização pessoal no papel de ser pai/mãe, temor ao adoecimento, reconhecer como um bom cuidado, possuir conhecimento prático e científico de vacina e de manejo com eventos adversos e a relação com os serviços de saúde (acesso assegurado, flexibilidade do horário, vínculo, divulgação, gratuidade, posse do cartão de vacinas, campanhas de vacinação, disponibilização de vacinas e profissionais). As famílias entrevistadas sugerem as seguintes estratégias de aproximação às crianças/famílias que faltam à vacinação: informações pelos meios de comunicação, cartazes, seguimento de crianças, visita domiciliar e envolvimento de profissionais e serviços de outras áreas. O modo como as famílias cuidam da vacinação das crianças pode estar ligado ao modo de ser daquelas pessoas e ao modo como as práticas estão organizadas, demonstrando a necessidade de integração entre prática de vacinação e cuidado à saúde da criança nos serviços de atenção primária à saúde. Nesse sentido, é preciso reconstruir a prática de enfermagem em salas de vacinação, com vistas a articular saberes técnicos e saberes práticos.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-15052007-091813/

Nº de Classificação: 5162
CASTRAL, Thaíla Corrêa. O contato materno pele a pele no alívio da dor em prematuros durante o teste do pezinho. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. 161 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): SCOCHI, Carmen Gracinda Silvan
RESUMO: Avanços na medicina e o desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento na sobrevida dos prematuros, no entanto, em virtude da sofisticação dos recursos, um maior número de procedimentos invasivos se faz necessário, incluindo a dor como um custo à sobrevida desses pacientes. O objetivo deste estudo foi testar a efetividade do contato pele a pele na diminuição das respostas comportamentais e fisiológicas de dor no prematuro, durante a punção de calcâneo para coleta do Teste do Pezinho. Trata-se de um estudo analítico-experimental randomizado, realizado na unidade de cuidado intermediário neonatal de um hospital universitário de Ribeirão Preto - SP. A amostra constituiu-se de 59 prematuros submetidos à coleta do Teste do Pezinho, divididos aleatoriamente em dois grupos: experimental (n=31), submetido ao contato materno pele a pele por 15 minutos antes e durante todo o procedimento, e controle (n=28) cujos bebês eram mantidos no berço ou incubadora durante todo o procedimento. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição, e o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foi firmado com as mães ou responsáveis pelos prematuros. As variáveis comportamentais (mímica facial, estado de sono e vigília e choro) foram registradas continuamente pela filmagem por uma câmera durante a coleta de dados. A variável fisiológica (freqüência cardíaca) foi mensurada por um monitor cardíaco. A coleta foi dividida em sete períodos: basal, tratamento, antissepsia, punção, ordenha, compressão e recuperação. Como não se comprovou a normalidade das variáveis quantitativas, fez-se a comparação entre os dois grupos utilizando-se o teste não-paramétrico para duas amostras independentes, Mann-Whitney. Para as variáveis qualitativas, utilizou-se o Qui-Quadrado ou Teste Exato de Fisher. Na comparação dos resultados dos escores do Neonatal Facing Coding System (NFCS), do estado de sono e vigília e da média da freqüência cardíaca intra-sujeitos e entregrupos, utilizou-se a ANOVA com medidas repetidas. Nas comparações do NFCS entre os grupos, utilizou-se a ANCOVA e estratificação direta. Os valores médios do NFCS foram inferiores no grupo experimental em todos os períodos com diferença estatisticamente significativa nos períodos de punção e ordenha em comparação ao grupo controle, mesmo ao se controlar a idade corrigida, idade pós-natal, experiência prévia de dor e o sexo. O choro foi o estado de sono e vigília mais incidente na punção e ordenha em ambos os grupos, sendo que, na ordenha, os bebês do grupo controle permaneceram chorando em maior proporção do que no experimental (85,7 vs 58,1%). Na recuperação, 71,0% do grupo experimental estavam em sono profundo em comparação com 21,4% no controle. O tempo médio de choro diferiu significativamente entre os grupos, sendo maior no controle. Houve elevação da freqüência cardíaca como resposta ao procedimento, mas a diferença não foi estatisticamente significativa entregrupos, todavia no grupo experimental houve retorno próximo ao valor médio basal na recuperação; no controle manteve-se acima de 160 bpm da antissepsia à recuperação. Comprovou-se a efetividade do contato pele a pele no alívio da dor em prematuros, constituindo-se em medida simples e natural, sem custos adicionais, podendo ser aplicada em diversas situações de dor aguda.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-22032007-103207/

Nº de Classificação: 5163
FONSECA, Luciana Mara Monti. Semiotécnica e semiologia do recém-nascido pré-termo: desenvolvimento e validação de um software educacional. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2007. [186] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): SCOCHI, Carmen Gracinda Silvan
RESUMO: Tanto na formação de enfermeiros como na capacitação de profissionais que atuam na assistência ao pré-termo, há escassez de material didático-pedagógico sobre semiotécnica e semiologia. A revisão da literatura sugere que este tema seja ministrado aos alunos, utilizando tecnologia que permita a aproximação máxima da realidade. Desta forma, é importante elaborar estratégias e instrumentos que apresentem, gradativamente, a complexidade e a especificidade do recém-nascido pré-termo. Na era da informática, vislumbra-se as inúmeras possibilidades do uso do computador na educação. Assim, o objetivo do presente estudo é desenvolver e validar um software educacional sobre a semiotécnica e semiologia do recém-nascido pré-termo. Para tal, utilizou-se o referencial pedagógico da problematização e a metodologia de desenvolvimento de software de Bernardo. O software foi desenvolvido utilizando tecnologia avançada, informatizada, interativa e com simulações. Por meio de recursos de hipertexto apresenta-se uma série de mídias integradas, como fotos, figuras, vídeos e sons. O conteúdo foi organizado em quatro partes: 1. apresentação, que inclui também a justificativa e o objetivo do software educativo e uma lista das abreviaturas utilizadas; 2. semiotécnica, contendo conceitos teóricos e práticos das técnicas de inspeção, palpação, percussão e ausculta utilizadas na avaliação clínica; 3. semiologia, contendo aspectos conceituais e históricos, o contexto da avaliação clínica na unidade neonatal (o recém-nascido pré-termo, o avaliador, o ambiente e a família) e os tipos de avaliação (ao nascimento, de transição e sistemática). A avaliação clínica sistemática foi organizada por necessidades humanas básicas (psicobiológica – oxigenação, circulação, termorregulação, alimentação e hidratação, eliminação, integridade tecidual, sono e repouso, sexualidade e percepção sensorial; psicossocial – segurança, amor e aceitação, gregária e atenção; e psicoespiritual); 4. simulações, com 143 questões de múltipla escolha e respectivos feedback de resposta certa ou errada, visando testar os conhecimentos adquiridos com o uso do software, que são apresentadas aleatoriamente, considerando-se que houve aprendizado adequado quando o estudante acertar pelo menos 70% das questões. O software apresenta também os links galeria, referências e ficha técnica. A validação de conteúdo e aparência do software foi feita com a participação de três especialistas em informática, dois técnicos em audiovisual e onze enfermeiros (docentes e enfermeiros assistenciais). A grande maioria dos itens avaliados no software recebeu conceitos bom e muito bom de mais de 70% dos avaliadores, sendo portanto validado sua aparência e seu conteúdo. Assim, consideramos que o produto desenvolvido está adequado para ser disponibilizado para uso no ensino de enfermagem sobre a semiotécnica e semiologia do recém-nascido pré-termo, inserido no referencial pedagógico da problematização.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande