Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página21/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   58

Acesso ao texto integral: http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000430507

Nº de Classificação: 5139
SALVADORI, Anita Moda. Desenvolvimento de instrumento de coleta de dados para pacientes com câncer de pulmão em quimioterapia ambulatorial. Campinas. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Departamento de Enfermagem, 2007. 76 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): LAMAS, José Luiz Tatagiba
RESUMO: No Brasil, o câncer é a segunda causa de morte por doença, sendo que o pulmão tem uma elevada mortalidade, pois grande parte dos pacientes o descobre em um estágio avançado. Seu tratamento pode ser cirúrgico, quimioterápico, radioterápico ou uma combinação destes. O tratamento quimioterápico traz diversos efeitos colaterais para os pacientes. A enfermeira deve estar apta a lidar com essas angústias e efeitos dos medicamentos, de modo que o paciente consiga realizar seu autocuidado em casa. Para isso necessita de uma assistência de enfermagem individualizada e efetiva. A presente dissertação, inserida na linha de pesquisa Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem, teve os objetivos de elaborar um instrumento de coleta de dados para pacientes com câncer de pulmão em quimioterapia ambulatorial baseado na teoria de Dorothea Orem, avaliar o conteúdo do instrumento e avaliar a confiabilidade do instrumento. A elaboração do instrumento foi baseada na revisão da literatura, na características clínicas e necessidades dos pacientes com câncer de pulmão e na teoria de Dorothea Orem. Os dados foram coletados no Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, no ambulatório de quimioterapia. Inicialmente o instrumento foi analisado por cinco juízes, peritos no assunto e submetido ao coeficiente de Kappa, teste de Friedman e teste de concordância de Kendall. Uma vez modificado, em função dos resultado da análise estatística, o instrumento foi submetido ao pré-teste. Os resultados do pré-teste deram a nova reformulação, após a qual se procedeu à avaliação da confiabilidade pelo método da equivalência. A análise estatística destes dados foi realizada por meio do coeficiente Kappa e teste de Wilcoxon. O instrumento foi dividido em duas partes: a primeira foi composta de dados pessoais e requisitos de autocuidado universais e a segunda parte pelo exame físico, na qual se utilizou a concordância entre dois observadores para a coleta de dados. Pudemos observar que houve discordância em poucos itens, muitos deles relacionados à subjetividade do observador. A concordância entre observadores se mostrou alta. A conclusão é que o instrumento se mostrou eficaz para a coleta de dados de pacientes com câncer de pulmão em quimioterapia ambulatorial.

Acesso ao texto integral: http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000432623

Nº de Classificação: 5140
ZUZA, Daniele Cristina. Estudo sobre a identidade do enfermeiro em uma instituição hospitalar cooperativista. Campinas. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Departamento de Enfermagem, 2007. 98 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): SILVA, Mauro Antônio Pires Dias da
RESUMO: As práticas do trabalho, como enfermeira, desencadearam inúmeras inquietações quanto às ações que estruturam a profissão. Muitas vezes, atendendo às exigências das instituições hospitalares, os enfermeiros executam ações de caráter administrativo gerencial, consideradas por muitos como não específicas da enfermagem, distanciando-se das atividades relacionadas à assistência aos pacientes. Através do enfoque qualitativo, este estudo pretendeu desvelar as percepções dos enfermeiros sobre o trabalho em um hospital cooperativista e descrever a adaptação de identidade do enfermeiro para a adequação ao exercício profissional. A entrevista semi-estruturada foi utilizada para manter a atenção no foco da questão sem limites, além de favorecer a expressão espontânea das idéias dos informantes. Os referenciais teóricos adotados sobre identidade foram fundamentados na Psicologia Social e em autores de enfermagem que desenvolveram pesquisas sobre o tema. Coletamos e identificamos os discursos em Unidades Temáticas e Estruturas Relevantes. A partir dos recortes dos depoimentos estabelecemos as análises, relacionando-as com referenciais bibliográficos que permitissem discussões e inferências sobre o assunto. Na discussão da Unidade Temática I as questões relacionaram-se à dualidade de ser enfermeiro assistencial ou administrativo, ser enfermeiro por ideal e ser enfermeiro líder. Na Unidade Temática II as estruturas relevantes enfocaram as contradições entre a teoria e a prática para ser enfermeiro. Na Unidade Temática III as ações do enfermeiro receberam o enfoque da ausência de autonomia. As dificuldades e facilidades na execução do trabalho estiveram presentes nos relatos dos enfermeiros e presentes na Unidade Temática IV. Para finalizar as discussões que permitiram compreender a identidade dos enfermeiros na realidade estudada, abordamos na Unidade Temática V as características profissionais e pessoais que foram modificadas. O estudo sobre a identidade do enfermeiro nesta instituição hospitalar cooperativista, permitiu compreender que as adaptações de identidade ocorrem, principalmente para corresponder às expectativas da instituição, mas elas devem ser percebidas pelos enfermeiros para que suas condutas não sejam gessadas.

Acesso ao texto integral: http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000416702

Nº de Classificação: 5141
GOYATÁ, Sueli Leiko Takamatsu. Diagnósticos de enfermagem de pacientes adultos que sofreram queimaduras e de seus familiares no período próximo à alta hospitalar. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. [323] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): ROSSI, Lídia Aparecida
RESUMO: Este estudo teve como objetivos identificar os diagnósticos de enfermagem de pacientes adultos queimados e de seus familiares no período próximo à alta hospitalar e verificar as percepções de familiares sobre os problemas apresentados pelos pacientes no mesmo período. Trata-se de um estudo descritivo e exploratório em que se utilizou como método de investigação a estratégia de estudo de casos. Para a etapa de coleta de dados foram elaborados dois instrumentos: um para a avaliação do paciente e outro do familiar. O instrumento de coleta de dados do paciente foi elaborado com base no referencial teórico de Imógene King e o familiar foi baseado nesse referencial e no Modelo Calgary de Avaliação da Família proposto por Wright e Leahey. Para o alcance do terceiro objetivo proposto neste estudo, os dados foram coletados através de entrevistas semi-estruturadas com os familiares, utilizando-se a análise temática descrita por Minayo. Foram avaliados 10 pacientes adultos queimados e 10 familiares desses pacientes, durante o período de abril a agosto de 2004, na Unidade de Queimados do Hospital João XXIII da cidade de Belo Horizonte (MG). Após o levantamento dos dados, utilizou-se um processo raciocínio para o estabelecimento dos diagnósticos de enfermagem, sendo esses nomeados de acordo com a Taxonomia II da NANDA (North American Nursing Diagnosis Association) e a interpretação da Taxonomia I da NANDA realizada por Carpenito. Os dados coletados e os diagnósticos de enfermagem estabelecidos pela pesquisadora foram analisados por duas enfermeiras com experiência na assistência ao paciente queimado e conhecimento específico em diagnostico de enfermagem e, posteriormente, revisados pela pesquisadora e confirmados por essas enfermeiras. Foram identificados, pela pesquisadora, nove diferentes diagnósticos de enfermagem nos pacientes adultos queimados com percentual igual ou superior a 50%: integridade tissular prejudicada, dor aguda, ansiedade, padrão de sono perturbado, conhecimento deficiente, imagem corporal perturbada, mobilidade física prejudicada, déficit no autocuidado para banho/higiene e risco para infecção. Nos familiares foram identificados 11 diagnósticos de enfermagem distintos: conhecimento deficiente, ansiedade, padrão de sono perturbado, tensão devida ao papel de cuidador, sentimento de pesar disfuncional, conflito no desempenho do papel de pai/mãe, comportamento para elevar o nível de saúde, disposição para enfrentamento familiar aumentado, processos familiares disfuncionais: alcoolismo, manutenção do lar prejudicada e enfrentamento familiar comprometido. Em relação aos problemas apresentados pelos pacientes, percebidos pelos familiares, os que obtiveram congruência igual ou maior que 30% quando comparados com os diagnósticos identificados pela pesquisadora foram: integridade tissular prejudicada e risco para infecção, dor aguda, imagem corporal perturbada, mobilidade física prejudicada, déficit no autocuidado para banho/higiene, vestir-se/arrumar-se, higiene íntima e síndrome de déficit no autocuidado, ansiedade e medo, sentimento de pesar disfuncional e tristeza crônica.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-02022007-153506/

Nº de Classificação: 5142
MATTOS, Edlivia Dias de. Ocorrência de infecções em idosos residentes em uma instituição de longa permanência no Município de Londrina/PR. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. 128 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): ANDRADE, Denise
RESUMO: A longevidade, em decorrência da expansão e disponibilização dos cuidados primários de saúde, dos avanços da medicina representado pelos mais variados recursos profiláticos, terapêuticos e métodos de diagnósticos precoces, e à queda da fecundidade, vêm ocasionando o envelhecimento populacional em âmbito mundial. È notório que o envelhecimento associado as comorbidades e aos fatores ambientais, predispõe a infecção. Este estudo de segmento objetivou avaliar a ocorrência das principais infecções em idosos institucionalizados em uma unidade de longa permanência do município de Londrina-PR. Para tanto, utilizou-se dos critérios diagnósticos dos casos de infecção estabelecidos em 1991 por McGeer e colaboradores. Os dados foram coletados prospectivamente no período de março a novembro de 2004 por meio de entrevista, exame clínico e avaliação de portuários. As informações obtidas receberam codificação apropriadas e foram lançadas em planilha do Excell. De uma média de 111 idosos institucionalizados a taxa global de infecção foi de 1,8% a 18,9%, com incidência acumulada de 76,3. A densidade de incidência foi de 0,60 a 6,10 por 1000 residentes-dia. Houve predomínio das infecções de pele (DI= 1,2; RI= 0,77), seguido das respiratórias (DI= 0,81; RI=0,54) e urinárias (DI= 0,52; RI= 0,23). As comorbidades associadas aos episódios de infecção foram, alteração do estado nutricional, doenças de base , sexo e incapacidade para as atividades de vida diária. Esta investigação evidenciou que a combinação entre idosos e institucionalização resultou em altas taxas de infecção e de colonização por microorganismos multirresistentes e epidemiologicamente importantes no cenário de infecção. Esta situação é uma conseqüência da crise assistencial no setor saúde, particularmente relacionada à atenção ao idoso.

Acesso ao texto integral: não localizado e não temos o CD

Nº de Classificação: 5143
SARTORI, Nely Regina. Lesão medular traumática: torna-se deficiente e as dificuldades vivenciadas no retorno ao lar. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. 111 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): MELO, Márcia Regina Antonietto da Costa
RESUMO: A medula espinhal é responsável por conduzir informações enviadas do cérebro aos nervos e músculos do corpo e vice-versa. Uma agressão à medula espinhal pode resultar em alterações de função motora, sensitiva e autonômica. A lesão medular é uma das formas mais graves entre as síndromes incapacitantes que pode acometer um indivíduo, pois este, além de ter desregulada suas funções sensitivas e motoras, desenvolve um comprometimento fisiológico, sexual, psicológico e social. A equipe de saúde tem um papel fundamental em “tentar” ou possibilitar ao paciente enfrentar essa nova condição de uma forma mais amena ou menos sofrível. Estes estudos teve o objetivo de caracterizar demograficamente o portador de lesão medular, sua patologia clínica e de identificar as dificuldades vivenciadas no retorno ao lar. Trata-se de uma pesquisa não experimental ex-pós-fato, na qual priorizamos o discurso dos sujeitos e as falas foram instrumentalizadas e operacionalizadas através da análise de conteúdo segundo Bardin (1977). Coletamos os dados através de entrevista gravada com roteiro semi-estruturado. Fizeram parte deste estudo 13 indivíduos do sexo masculino, idade predominante jovem (30 a 40 anos) e a altura torácica foi a região do trauma mais acometido. Os resultados encontrados permitiram identificar quatro categorias que demonstraram que os portadores de lesão medular encontraram dificuldades em relação às alterações psicológicas, alterações fisiológicas ( respiração, nutrição, sexualidade e eliminação vesical e intestinal), alteração familiar (família e lar) e alterações sociais (cidade) após o trauma. O estudo também permitiu verificar que o processo de reabilitação vivenciado por alguns dos sujeitos possibilitou um maior aprendizado a respeito da patologia e apresentaram uma maior independência em relação aos indivíduos não reabilitados. Também aceitamos que os portadores de lesão medular sofrem inúmeras modificações sendo essas fisiológicas, psicológicas, sociais e familiares, e que nós enfermeiros, enquanto profissionais responsáveis pelo cuidado, temos o dever de tentar amenizá-las, mesmo não possuindo um centro específico para reabilitá-los. Considerando que Ribeirão Preto é um centro de referência no âmbito da saúde, necessitamos políticas institucionais interligando todos os serviços de saúde oferecidos em nossa cidade para proporcionar uma assistência completa e eficaz. Precisamos nos conscientizar no nosso papel profissional e de nossa responsabilidade, notarmos que a qualidade de vida que esses indivíduos terão após o trauma medular dependerá muito da nossa assistência e do preparo oferecido a eles e seus familiares durante a internação, uma vez que nem todos têm a oportunidade de participar de programas de reabilitação.

Acesso ao texto integral: não localizado e não temos o CD

Nº de Classificação: 5144
GONÇALVES, Jurema Ribeiro Luiz. Atendimento ao familiar-cuidador em convívio com o doente mental através da técnica de solução de problemas. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. [167] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): VILLAR LUIS, Margarita A.
RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo utilizar uma técnica de solução de problemas baseada na Terapia cognitivo-comportamental, através de um instrumento: manual de instrução para familiares adaptado para saúde mental. Trata-se de um estudo descritivo. Do qual participaram 20 familiares-cuidadores divididos em 4. Para cada grupo realizaram-se 3 reuniões onde foram trabalhados temas como: alterações do comportamento; esgotamento de quem cuida; a busca de ajuda e por fim a avaliação do curso. Desses encontros emergiram sentimentos que a situação alterações do comportamento mobiliza e a importância do tratamento; autocuidado do cuidador através do compartilhamento das responsabilidades com familiares e outros; internação como forma de solução; e crítica aos serviços de saúde. Os participantes do estudo consideraram positiva a intervenção proposta, pois possibilitou a reflexão acerca de suas vivências e o seu potencial para manejar dificuldades. O instrumento mostrou-se de fácil aplicação permitindo o desenvolvimento de uma intervenção em curto prazo.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-17052007-112534/

Nº de Classificação: 5145
AMARAL, Marcos Antonio do. Exodontia e a manutenção de um ambiente biologicamente seguro. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. 100 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): ANDRADE, Denise de
RESUMO: A exodontia dentre as atividades executadas pelos odontólogos, representa uma prática invasiva, de alta complexidade técnica-científica e de alta ocorrência. Este estudo descritivo-exploratório tem como propósito avaliar a manutenção de um ambiente odontológico biologicamente seguro na exodontia com vistas a propor um protocolo de assistência com ênfase nos riscos biológicos. Inicialmente foi elaborado e validado um roteiro do procedimento de exodontia e, posteriormente, utilizado como guia de observação não-participante em Unidades Básicas de Saúde do município de Londrina-PR. Assim, o roteiro foi estruturado tipo check-list contendo 26 itens distribuídos em 3 fases (pré, trans e pós-exodontia). No total observou-se 15 procedimentos de exodontia realizadas por diferentes odontólogos. O instrumento elaborado é considerado adequado e útil na avaliação dos riscos biológicos na exodontia e, conseqüentemente, permitirá a apontar os possíveis fatores de risco à infecção exógena. Os resultados da observação estruturada apontaram uma variabilidade de condutas as quais posem predispor a diferentes riscos. Com relação aos escores de acertos totais segundo as fases pré, trans e pós exodontia correspondeu a uma média de 63,8, mediana de 57,7 e desvio padrão de 12,6. E, os escores de acerto de acordo com tempo de atuação, superior a 16 anos demonstrou os melhores resultados (69,2 média; 73,1 mediana e 10,2 desvio padrão). Os dados obtidos reforçam a necessidade de rever o ensino e a assistência odontológica no sentido de intensificar as atividades que promovam as mudanças de comportamento em prol da manutenção de ambiente de saúde biologicamente seguro.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-29062006-105149/

Nº de Classificação: 5146
ARAÚJO, Lylian Dalete Soares de. A construção de um novo olhar no ensino do aleitamento materno: uma contribuição da educação crítico-reflexiva. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. 278 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): NAKANO, Ana Márcia Spanó
RESUMO: A denúncia da falência do modelo do ensino tradicional para atender as demandas requeridas na compreensão do aleitamento materno, pressupõe o anúncio de um novo modelo, que o considere como uma prática biologicamente determinada, porém, socioculturalmente condicionada, uma categoria híbrida natureza-cultura. Esta pesquisa buscou a construção de um arcabouço teórico sobre a educação crítico-reflexiva que sustentasse a proposta do ensino do aleitamento materno em uma metodologia problematizadora. Trata-se de uma pesquisa qualitativa construída a partir de dois eixos temáticos, a educação e o aleitamento materno. Para o desenvolvimento deste estudo, foi apresentada a proposta utilizada para o ensino do Aleitamento Materno no Currículo Integrado do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina, analisada sob duas óticas: a análise do plano de profundidade da proposta pedagógica e a análise da entrevista de quinze alunos sobre a vivência nesta proposta. Desta análise emergiram três categorias: o processo ensino/aprendizagem, o significado do aleitamento materno e a práxis. Este estudo enfatiza a necessidade de uma nova concepção no ensino do Aleitamento Materno, para que se atenda as demandas atuais de complexidade, necessárias à tomada de consciência da rede sociobiológica da amamentação para o estabelecimento de uma nova práxis, crítica, criativa e integral.

Acesso ao texto integral: não localizado e não temos o CD

Nº de Classificação: 5147
POLETTI, Nadia Antonia Aparecida. O ensino da prevenção e tratamento de úlceras por pressão em escolas públicas do Estado de São Paulo. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. 178 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): CALIRI, Maria helena Larcher
RESUMO: O processo acelerado de modernização científica e tecnológica tem gerado novas formas de conhecimento, o que tem levado instituições a rever o modo de formação dos profissionais. Dentre as várias características necessárias para este “novo” profissional, destacam-se a capacidade de buscar e utilizar novas informações, saber comunicar-se (nacional e internacionalmente), usar os recursos tecnológicos para a melhoria de vida, desenvolver a crítica e desempenhar a profissão de forma contextualizada e em equipe. Podemos afirmar então que o cuidado de enfermagem precisa ter uma abrangência maior. E assim, ao considerar a formação do enfermeiro, é que buscamos conhecer a situação atual do ensino, no que se refere à prevenção e tratamento de úlceras por pressão, nos cursos de graduação em enfermagem de oito Instituições Públicas de Ensino Superior do Estado de São Paulo. Foi realizada uma pesquisa descritiva do tipo inquérito, da qual participaram 36 docentes, a maior parte do sexo feminino (97,2%), casados (75%), com idade entre 41 a 45 anos, com um tempo de formado variando de 16 a 25 anos, com aperfeiçoamento, 22,2%, especialização, 86,1%, mestrado 83,3% e doutorado 52,7%. Tinham experiência anterior à docência 94,4%, sendo a área mais freqüente a assistencial (47,2%). Foram citadas 2 disciplinas obrigatórias e 3 eletivas sobre o tema. Dentre os docentes, 28% ministram conteúdo teórico em sala de aula, 75,6% em estágio curricular e 15,6% teórico-prático em laboratório. O modo de preparação para o ensino ocorreu por meio de publicações científicas 88,9%, pela prática profissional anterior a docência 80,6% e em cursos de extensão 61,1%. As publicações incluíram 13 títulos de livros, 7 revistas nacionais e 10 revistas internacionais. O método mais utilizado em sala de aula foi aula expositiva (44,4%), em laboratório de ensino foi a demonstração pelo professor (58,3%), e no ensino clínico foi um aluno faz o procedimento e os demais observam (83,3%). Com relação aos recursos computacionais, 87,5% das instituições possuem laboratórios de informática e 100% possuem servidor. A relação aluno/computador no curso variou de 5,3 a 26,6. O tema mais abordado sobre prevenção foi: “Fatores de risco” (91,7%), e sobre tratamento “Métodos de limpeza, desbridamento, coberturas, alívio da pressão e controle da dor” (91,7%). Quanto ao preparo do docente para o ensino do tema, 58,3% se sentem preparados e 41,7%, não. Os comentários e sugestões dos docentes evidenciaram a necessidade de um enfoque maior na prevenção de UP e maior divulgação de inovações entre docentes.

Acesso ao texto integral: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-22102007-101717/

Nº de Classificação: 5148
BETIOL, Maria Tereza. Anemia em mulheres grávidas assistidas pelo SUS no Município de Irati-PR 2004. Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005. [63] f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)

Orientador(es): ALMEIDA, Ana Maria de
RESUMO: Este estudo teve como objetivo estimar a prevalência de anemia em mulheres grávidas inseridas no Programa Pré-Natal do Sistema Ùnico de Saúde do Município de Irati-PR, no ano de 2004. Foi realizado um estudo descritivo do tipo transversal retrospectivo, utilizando-se dados secundários. Para melhor caracterizar as gestantes foram coletadas informações sócio-demográficas, obstétricas e período de realização da dosagem de hemoglobina (Hb) e hematócrito (Ht) durante o pré-natal. Os dados foram analisados pelo programa Statistical Package for Social Science (SPSS). Os testes estatísticos utilizados foram o Teste t de Student (teste t pareado) e a Correlação de Pearson. Fizeram parte da população as 550 gestantes atendidas pelo Programa Pré-Natal. Destas, 48 apresentaram Hb<11g/dL, perfazendo uma prevalência de anemia de 8,7%. Em relação ao total de gestantes estudadas (48), a média da idade materna foi de 25 anos (d.p. 7 anos), 31,3% eram adolescentes, 49,9% eram adultas e 18,8% eram gestantes idosas. Quanto à escolaridade, 14,6% das gestantes tinham menos de 4 anos de estudo, sendo que 4,2% eram analfabetas, 35,4% tinham de quatro a sete anos de estudo e entre as 29,2% das mulheres com mais de 11 anos de estudo, apenas 4,2% tinham nível superior completo. Das 48 gestantes anêmicas, 50% eram casadas, 35,4% eram solteiras, enquanto o restante vivia em união estável (14,6%). Os testes estatísticos mostraram diferença estatisticamente significante entre Hb 1 e 2 e Ht 1 e 2. Pôde-se observar que entre as gestantes anêmicas, a maioria delas teve redução de Hb e Ht, nos dois momentos de realização dos exames, durante o pré-natal. Este estudo mostrou uma baixa prevalência de anemia entre as gestantes estudadas , porém, este dado pode estar subestimado em função dos métodos utilizados. No entanto é expressiva a prevalência de anemia entre as gestantes adolescentes. O que vem a demonstrar a necessidade de desenvolver ações e programas específicos para a prevenção de anemia em gestantes particularmente adolescentes.




1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal