Associação Brasileira de Enfermagem Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem cepen



Baixar 3.08 Mb.
Página15/58
Encontro18.09.2019
Tamanho3.08 Mb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   58

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0572-T.pdf

Nº de Classificação: 5090
MEINCKE, Sonia Maria Könzgen. A construção da paternidade na família do pai adolescente: contribuição para o cuidado de enfermagem. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. [275] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): CARRARO, Telma Elisa
RESUMO: Este estudo versa sobre o adolescente do sexo masculino, um ser humano em plena fase de mudanças e transformações, ou seja, enfrentando uma metamorfose entre a infância e a idade adulta e, conjuntamente, vivenciando a paternidade nessa etapa do desenvolvimento humano. A paternidade está emergindo como foco de interesse dos pesquisadores, uma vez que os estudos sobre a temática são recentes, no Brasil, surgindo nos anos de 1970. Já a paternidade na adolescência é mais contemporânea, razão pela qual são encontrados escassos estudos, quando comparados com os que abordam a maternidade nessa etapa da vida. Esta tese objetivou compreender a construção da paternidade nas famílias do pai adolescente. A fundamentação teórica deste trabalho está ancorada na Abordagem Bioecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner, da qual emerge a valorização de compreender o ser humano, a partir de seu contexto baseado nas interações dos processos proximais que desenvolve na família, ao longo das gerações, bem como com outros contextos. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, desenvolvida no Município de Pelotas, no estado do Rio Grande do Sul – Brasil, com famílias de pai adolescente nas suas três gerações, ou seja, com o pai adolescente, seus pais/mães e seus avós. Para percorrer os preceitos éticos, o projeto foi encaminhado para o Comitê de Ética da Universidade Federal de Santa Catarina, tendo sido aprovado. O referencial metodológico está embasado nas entrevistas narrativas e proposta de análise de Schütze, sendo utilizadas para a coleta de dados as entrevistas narrativas, genogramas e ecomapas. Da análise do conhecimento emergiram as dimensões: valores e sentimentos expressos pelas famílias com a paternidade, bem como a legitimação e a reflexão da paternidade na adolescência, nas famílias; a partir dessa análise foram ordenados os recortes das histórias narradas e, posteriormente, traçadas comparações entre as histórias das famílias. O evento da paternidade/maternidade para os pais adolescentes deste estudo era uma incógnita em suas vidas, no entanto, o enfrentaram, apesar das dificuldades e obstáculos. Os posicionamentos assumidos pelos mesmos oscilaram em grau, natureza e intensidade e estão embasados na história familiar da co-construção da paternidade. Desse modo, o sentir-se pai variou desde a notícia da gravidez, até o sentir-se pai após o nascimento da filha. Ao comparar as trajetórias das famílias, evidencia-se que elas proporcionaram a vivência da paternidade e a sua constante co-construção. Os resultados desvendam alternativas de como esse processo acontece a partir do saber empírico das famílias que o vivenciam através das gerações. E reforçam a valorização da figura do homem grávido, em especial o homem-adolescente e do homem que é pai, estimulando a inclusão do mesmo como participante em todas as fases do ciclo gravídico-puerperal. Cuidar do pai adolescente na família significa inseri-lo no desenvolvimento dos cuidados prestados ao(a) filho(a) e à 10 namorada/mãe de seu(sua) filho(a). Dessa maneira, foi confirmado o pressuposto de que a família é uma co-construtora de valores e sentimentos que influenciam na construção da paternidade. O embasamento proposto pela Abordagem Bioecológica do Desenvolvimento Humano nesta tese comprovou ser uma possibilidade viável que ofereceu sustentação necessária para efetivá-la.

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0580-T.pdf

Nº de Classificação: 5091
KERBER, Nalú Pereira da Costa. A atenção domiciliária e direito à saúde: análise de uma experiência na rede pública de saúde no Brasil. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. 335 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): KIRCHHOF, Ana Lúcia Cardoso

VAZ, Marta Regina Cezar


RESUMO: A atenção domiciliária está se mostrando como uma promissora perspectiva na área da saúde, compondo uma estratégia reorganizacional de atenção, que valoriza o ambiente do cliente e o potencializa como espaço de cuidado. Entendendo a importância desse tema, o objeto do presente estudo foi a análise de uma iniciativa bem sucedida de atenção domiciliária, desenvolvida na rede pública de serviços de saúde, com o objetivo de refletir de que forma esta tem contribuído na saúde da população. A tese que deu sustentação a todo o processo investigativo foi que a atenção domiciliária, como uma dimensão do trabalho em saúde, contribui para a saúde da população, na medida em que os trabalhadores desenvolvem seu processo de trabalho segundo as diretrizes da Atenção Primária de Saúde (APS); trabalhadores e gestores seguem os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS); os usuários são percebidos e se percebem como cidadãos plenos de direitos e deveres; e a população desenvolve vínculo com o serviço oferecido. Para chegar à apreensão dessa tese sinalizada transitou-se por alguns caminhos que a guiaram, como a produção acadêmica sobre a atenção domiciliária, a visualização desta como um trabalho em saúde e, a atenção domiciliária inserida no sistema de saúde, particularmente, no nível de APS. Foi realizado um estudo de caso, na forma de uma pesquisa qualitativa, com a coleta de dados desenvolvida com usuários trabalhadores e gestores de um serviço de atenção domiciliária, por meio da observação, de entrevistas individuais e de pesquisa documental, no período entre março e julho de 2006, em uma unidade de atenção primária à saúde do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, em Porto Alegre. Os resultados foram sistematizados a partir dos indicadores formulados e mostraram que os trabalhadores e gestores têm compreensão da atenção domiciliária como extremamente relevante para a saúde da comunidade, porém, não objetivam essa compreensão na sua prática de trabalho. Isso tem possibilitado uma integração insuficiente entre os sujeitos nele envolvidos e um trabalho desconectado da sua filosofia, inicialmente traçada e referida nos discursos. Foi identificado que a prática da atenção domiciliária tem sido realizada com foco na doença, tem como objeto de trabalho um sujeito individual, enfatiza o cuidado curativo e não desenvolve ações intersetoriais da forma desejada. Porém, busca resolutividade no primeiro contato, apresenta baixos custos, presta atenção contínua e longitudinal, tem território definido, promove as relações interpessoais (trabalhadores e usuários) e atua visando um cuidado humanizado. O maior limitador apresentou-se como a grande demanda na unidade de saúde, que faz com que os trabalhadores não possam estender essa prática de trabalho a um maior número de usuários e, também, colabora com a falta de tempo para uma maior atenção aos usuários em atenção domiciliária. A realização deste estudo, no momento em que abrigou uma reflexão geral sobre o sistema de saúde e sua operacionalidade, oportunizou melhor conhecer a inserção da prática de atenção domiciliária nesse contexto e as possibilidades e limites de desenvolvimento da mesma.

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0564-T.pdf

Nº de Classificação: 5092
SILVA, Luzia Wilma Santana da. A dinâmica das relações da família com o membro idoso portador de diabetes mellitus tipo 2. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. [312] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): GONÇALVES, Lúcia Hisako Takase
RESUMO: Estudo de abordagem qualitativa apoiado na interdisciplinaridade dos pressupostos epistemológicos do novo-paradigma da ciência pós-moderna, cujo objetivo foi desvelar e compreender a dinâmica das relações da família com o idoso portador de Diabetes Mellitus tipo 2, no aspecto da compreensão da dinâmica de inter-relações do sistema familiar em sua dimensionalidade contextual com a doença crônica, o diabetes. Fundamentado no pensamento sistêmico subsidiado por Bertalanffy, Capra e Vasconcellos e na transversalidade com outros autores sistêmicos, sua orientação metodológica derivou-se da observação naturalística desenvolvida na perspectiva de Lincoln e Guba, que convergiu num processo de análise de categorias criadas a partir do próprio discurso das famílias segundo modelo interativo de Huberman e Miles. Para alcançar a compreensão da dinâmica de relações da família foram utilizadas entrevistas em profundidade, genograma e ecomapa com trinta e sete subsistemas individuais de nove famílias que tinham a experiência quotidiana da vivência com a doença no Município de Jequié, Bahia, e cujos dados foram coletados no período de julho/2005 a janeiro/2006. A partir dos instrumentos genograma e ecomapa foram sendo identificados os subsistemas que exerciam influência real ou simbólica na estrutura organizacional dos vínculos no sistema familiar que eram importantes para a compreensão da influência na dinâmica familiar e com os quais foram realizadas as entrevistas. A análise foi desenvolvida num processo de idas e vindas apoiada em Huberman e Miles: redução antecipada, redução concomitante e redução a posteriori. Do resultado dessa análise emergiram oito grandes temas que expressaram o movimento circular e em espiral das inter-relações das famílias e que foram sendo configuradas nas categorias: implicações da doença na dinâmica familiar; influências externas no processo da mudança; a família em busca do “balance” na sua dinâmica; a família e o contexto de suas relações circulares; o sistema familiar e a necessidade de retroalimentação; estratégias de adaptação da família à doença; a família e suas relações de parentesco – maneiras que busca para garantir o cuidado; a relação intergeracional na dinâmica familiar e cada qual com suas dimensões. Os resultados mais expressivos mostraram que: a doença influencia o processo de viver das famílias no quotidiano de suas inter-relações; cada família, como unidade, manifesta uma característica própria influenciada pelo complexo contexto histórico e sociocultural, entre outros; o cuidado familial torna-se essencial num sistema de saúde.

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0575-T.pdf

Nº de Classificação: 5093
SANTOS FALCÓN, Gladys Carmela. Promovendo a saúde: desvelando ordem, desordem e auto-organização de um novo modo de ensinar/aprender para cuidar em saúde. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. [286] f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): ERDMANN, Alacoque Lorenzini
RESUMO: Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, cujos objetivos foram: Compreender os significados construídos pelos alunos e docentes sobre promoção da saúde no processo de ensinar/aprender o cuidado nas disciplinas Processo de Viver Humano I e Processo de Viver Humano II de um curso de graduação em enfermagem e Construir um modelo teórico representativo dessa vivência de ensinar e aprender. Utilizou-se o referencial teórico da Teoria da Complexidade, sobretudo os aspectos educativos tratados por Morin e outros autores que seguem essa linha de pensamento. Tal referencial ajudou-nos a entender a complexidade, as interconexões e a multidimensionalidade do processo de ensinar e aprender focado para promover a saúde. A trajetória metodológica foi baseada na Teoria Fundamentada nos Dados, que nos auxiliou na construção do Modelo Teórico considerando-se as categorias causais, o contexto, as condições intervenientes, as ações/estratégicas e as conseqüências do fenômeno. Obtidas as categorias, fizeram-se várias conexões entre si e entre elas e as subcategorias, organizando-se os dados e estruturando-se o fenômeno central. Foram entrevistados treze alunos e quatro docentes das duas disciplinas, formando-se três grupos amostrais; complementou-se a coleta de dados com as observações em sala de aula e nas reuniões dos docentes do Curso de Enfermagem. Para a análise, foi usada a codificação proposta por Strauss & Corbin (2002), em seus três momentos: aberta, axial e codificação seletiva. Do resultado dessa análise emergiram dois fenômenos: Levando o aluno a compreender a complexidade da saúde e sua inter-relação com a sociedade e o meio-ambiente e Procurando possibilidades para a atuação de enfermagem na promoção da saúde. Esses dois fenômenos constituíram, mediante a codificação seletiva, o fenômeno central: CONSTRUINDO O ENSINAR E APRENDER NA ORDEM, DESORDEM E AUTO-ORGANIZAÇÃO PARA UMA NOVA FORMA DE CUIDAR PROMOVENDO A SAÚDE. Os resultados mais expressivos estão no processo do tetragrama descrito por Morin (2003): Ordem – desordem - interação e organização, no qual, alunos e docentes desenvolveram uma série de significados que vão des(construindo), construindo e reconstruindo ao longo do processo. Nele se apresentam intercorrências que são enfrentados pelos docentes, utilizando uma série de estratégias, visando formar o aluno para uma prática ampliada, considerando a promoção da saúde. Como conseqüência do fenômeno central, os alunos começam a inter-relacionar a saúde com a sociedade e meio ambiente, passando a vislumbrar outras práticas de cuidar em saúde.

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0566-T.pdf

Nº de Classificação: 5094
OLIVEIRA, Maria Emilia de. A poesia de cuidar do recém-nascido pré-termo: uma conexão entre o sensível, o intuitivo e o científico. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. 191 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)



Orientador(es): MARTINS, Cleusa Rios
RESUMO: Esta tese tem como objetivo evidenciar a sensibilidade e a intuição na prática diária dos profissionais de uma equipe de Enfermagem de uma Unidade de Internação Neonatal, bem como, compreender como se dá a inserção do sensível e intuitivo como tecnologia na prática de cuidar do recém-nascido pré-termo. O referencial teórico utilizado foi o método filosófico-intuitivo-sensível de Henri Bergson aliado a idéias de outros autores sobre a temática intuição e sensibilidade. Utilizei-me também de autores que discutem o cuidado de Enfermagem e o desenvolvimento comportamental e social do recém-nascido. O método utilizado foi a Sociopoética por tratar-se de um método dialógico que aceita uma pluralidade de vozes, permitindo desta forma, uma construção coletiva, a partir da escuta sensível. A coleta de dados constou de entrevista individual e observação do cuidado prestado, sendo que na análise utilizei-me do discurso do sujeito coletivo (DSC). O DSC é um método que permite a descrição do imaginário de um grupo sobre um determinado tema, mostrando-se como um caminho que possibilitou a elucidação dos termos intuição e sensibilidade no cuidado de Enfermagem ao recém-nascido pré-termo. Ao trabalhar com o imaginário individual, ou seja, o discurso de cada um dos profissionais de Enfermagem, pude produzir a soma dos discursos, o significado que a equipe de Enfermagem dá aos termos intuição e sensibilidade no cuidado. Pode-se perceber nos discursos dos profissionais da equipe de Enfermagem e na observação do cuidado prestado, que a intuição e a sensibilidade são utilizadas diariamente, e que o uso destes elementos propicia um cuidado mais individualizado, sendo que a rotina mecaniza o cuidado. A equipe de Enfermagem considera ainda que o uso da intuição e da sensibilidade devem ser características inerentes a todos os profissionais da saúde. No entanto estes elementos são pouco valorizados, e por isto mesmo, na grande maioria das vezes, ignorados no cuidado. Sobre o registro do uso destes elementos, a equipe de Enfermagem no seu discurso, deixa claro que mesmo considerando importante, não tem o hábito de anotar devido ao fato da intuição e da sensibilidade serem pouco valorizadas e não serem reconhecidas como científicas pela equipe de saúde. Por outro lado, considera que se passasse a fazer este tipo de registro haveria uma valorização da profissão de Enfermagem e possibilitaria o estabelecimento de novas rotinas. Refere ainda, que seria necessário um treinamento específico para poder colocar em prática este tipo de conduta. Cabe salientar que a equipe de Enfermagem considera que só poderá evidenciar os elementos sensibilidade e intuição no cuidado, se forem cuidados da mesma forma pela instituição. Na busca do seu imaginário, a equipe de Enfermagem rompeu com os conceitos rígidos e indo além dos limites de sua razão, entrelaçou realidade e imaginação, compondo em discursos sensíveis e poéticos as suas considerações sobre a sensibilidade e a intuição. Entendo que a equipe de Enfermagem a partir do refletido, mergulhando no seu mundo real e imaginal, mostra-se estimulada e se propõe a caminhar na composição da poesia de cuidar do recém-nascido pré-termo e sua família, reconhecendo a intuição e a sensibilidade como tecnologia do cuidado.

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0576-T.pdf

Nº de Classificação: 5095
ESPINOZA, Lita Miriam Moore. A práxis educativa de enfermeira no cuidado hospitalar: discursos de enfermeiras. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. 200 f.

Tese (Doutorado em Enfermagem)

Orientador(es): PRADO, Marta Lenise do

SOUZA, Maria de Lourdes de


RESUMO: A questão da educação em saúde não deve ser compreendida como uma medida coerciva de controle social, mas sim, como um instrumental e recurso que garanta aos clientes a compreensão de si mesmos enquanto cidadãos. A enfermeira tem o compromisso ético-profissional de educar para a saúde no seu cotidiano, educar pressupõe interação e defendo as ações educativas como inerente e indissociável ao cuidado cotidiano da enfermeira, para isso, a profissional não precisa de um tempo específico para educar o cliente, já que constantemente está educando ou tem a possibilidade de educar no dia-a-dia de suas ações no cuidado. A pesquisa tem por objetivos compreender e analisar a consciência da práxis educativa das enfermeiras no cuidado hospitalar, bem como, identificar o nível de práxis que as enfermeiras apresentam acerca das ações educativas no cuidado hospitalar, avaliar se as ações educativas das enfermeiras, no cuidado contemplam os conceitos de diálogo, participação, açãoreflexão- ação, conscientização e transformação e, analisar as razões que impedem o desenvolvimento das ações educativas das enfermeiras no cuidado hospitalar. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, caráter exploratório, realizado com 6 enfermeiras assistenciais das unidades de Clínica Cirúrgica e de Clínica Médica de um hospital geral do sul do Brasil. O suporte teórico-filosófico foi com base nos níveis da práxis preconizada por Adolfo Vásquez e os conceitos da Educação Libertadora de Paulo Freire. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista, a partir de um roteiro semi-estruturado. As entrevistas foram gravadas e transcritas para posterior análise de conteúdo (Bardin, 2004). A partir das mesmas foram estabelecidas três categorias: (1) A dimensão do cuidado da enfermeira, agrupados nas subcategorias: O que é cuidado segundo as enfermeiras, importância e finalidade, características da enfermeira no cuidado, fundamentação teórica do cuidado, Enfermeira: cuidado de si/não cuidado de si; (2) A dimensão educativa no cuidado da enfermeira, agrupados nas subcategorias: O que é educação em saúde/ação educativa enfermeiras, importância e finalidade da educação, características da ação educativa, fundamentação teórica da educação e tipos de educação e o processo ensino-aprendizagem e, (3) A consciência das enfermeiras e o nível de práxis das ações educativas no cuidado, evidenciando-se as seguintes subcategorias: inerência educação e cuidado; consciência da enfermeira sobre o cuidado e as ações educativas no cuidado, razões e dificuldades para o desenvolvimento das ações educativas no cuidado hospitalar, os modos educativos das enfermeiras e os níveis de práxis. Conclui-se que é passível o modo de pensar a educação como um elemento inerente e indissociável no cuidado hospitalar da enfermeira, bem como, sua contribuição para uma melhor qualidade no atendimento ao cliente nos serviços de internação e um processo de viver mais saudável. Esta ligação educação & cuidado acontece por acreditar que os mesmos possibilitem às enfermeiras assistenciais o exercício de uma práxis inovadora, consciente, ética e crítica com os clientes em regime de internação sobre seus cuidados profissionais.

Acesso ao texto integral: http://www.tede.ufsc.br/teses/PNFR0577-T.pdf

Nº de Classificação: 5096
CARDOSO, Renata da Silva. Programa de humanização no pré-natal e nascimento: avaliando e construindo para avançar. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, 2007. 200 f.

Dissertação (Mestrado em Enfermagem)



Orientador(es): ERDMANN, Alacoque Lorenzini
RESUMO: A instituição do Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento (PHPN) definiu estratégias de melhoria da qualidade da atenção obstétrica na qual o paradigma conceitual foi a humanização, na perspectiva dos direitos da mulher. Sua implementação proporcionou amplas discussões uma vez que se mostrou um processo implexo e indutor de avaliações sobre a assistência pré-natal, em todos seus aspectos: conceituais, formais e de organização da assistência. A ciência da complexidade tem sido o foco das atenções dos investigadores nos últimos anos, pois se trata ainda de uma ciência em construção. As pesquisas acerca da complexidade trarão respostas para muitos questionamentos que surgem no cotidiano da atenção básica de saúde. E esse foi o referencial teórico escolhido para a fundamentação do estudo. Através do conhecimento deste referencial e da visualização dos Centros de Saúde sob esta ótica, surge então o questionamento: como ocorre o processo de implementação do PHPN no município de São José, SC, e como as equipes de saúde têm se organizado para garantir a eficácia deste programa? Mediante esta indagação o estudo tem como objetivo: construir um modelo representativo de estratégias adaptativas de organização da produção de serviços a partir de uma avaliação da operazionalização do PHPN. O referencial metodológico escolhido foi a Grounded Theory - Teoria Fundamentada nos Dados (TFD), que permite a geração de teorias a partir dos dados obtidos, analisados e comparados de maneira sistemática e concomitante. O primeiro momento trata-se de um estudo com caráter quantitativo, exploratório e descritivo, por meio do qual foi realizada uma análise documental. Fez-se um levantamento das informações operacionais do PHPN no Município de São José, SC, de janeiro de 2003 a janeiro de 2007. A análise dos indicadores aponta que à medida que são agregados os critérios assistenciais, os percentuais diminuem, indicando que é a realização do conjunto das atividades o maior desafio na atenção pré-natal. O segundo momento da pesquisa possui um enfoque qualitativo e foi realizado junto a quatro Centros de Saúde selecionados após avaliação específica por unidade local de saúde. Para modelar o fenômeno de forma que represente a realidade, consideraram-se as dimensões da: autonomia e organização; cooperação e agregação entre a equipe; inter-relação com gestantes; dependência e interdependência entre os sistemas e feedback. As unidades de saúde são vistas como organizações em rede formadas por inúmeros agentes, os quais são elementos ativos e autônomos, cujo comportamento é determinado por um conjunto de regras e pelas informações a respeito de seu desempenho e das condições do ambiente imediato. Estes agentes adaptativos interagem com o meio (gestante, familiares e profissionais), aprendem com a experiência e adaptam-se como resultado, pois é através desta inter-relação com o outro que a história do cuidado no pré-natal é construída. A avaliação de políticas públicas necessita ser de fato um dentre outros dispositivos possíveis dentro do universo de possibilidades para interferir na renovação de serviços, programas e como subsídios para construção de estratégias de mudanças organizacionais em vários níveis de ações de saúde.



1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal