As crianças com de Síndrome de Down apresentam, de modo geral, piores condições de higiene bucal; possivelmente, devido ao fato delas próprias realizarem a sua higiene e muitas vezes associa-se a esse fato uma grande permissividade por parte dos pais



Baixar 40.49 Kb.
Encontro31.10.2017
Tamanho40.49 Kb.


Avaliação da incidência de cárie em pacientes com síndrome de Down após sua inserção em um programa preventivo
Evaluation of the incidence of dental caries in patients with Down syndrome after their insertion in a preventive program
Resumo

O objetivo deste trabalho foi verificar a incidência de cárie dentária por meio dos índices CPO-D, CPO-S, ceo-d e ceo-s em indivíduos com síndrome de Down regularmente matriculados em um programa preventivo. Foram examinados 24 indivíduos com síndrome de Down de ambos os sexos, com idade entre um e 48 anos. A prevalência (situação experimental inicial) e incidência (situação experimental final) de cárie dentária foram verificadas utilizando-se os índices CPO-D, CPO-S, ceo-d e ceo-s iniciais e finais dos participantes. Dos 24 indivíduos examinados, 10 (42,0%) eram livres de cárie. A prevalência de cárie dentária mostrou valores de CPO-D= 2,33; CPO-S= 3,60; ceo-d= 1,75 e ceo-s= 2,80; enquanto que a incidência de cárie apresentou valores de 2,33; 3,80; 1,10 e 1,90, respectivamente. Os indivíduos com síndrome de Down avaliados neste estudo apresentaram baixos índices de cárie e pequena incidência de novas lesões, enfatizando a importância da manutenção destes pacientes em programas preventivos.

Palavras-chave: cárie dentária, síndrome de Down, programa preventivo
Introdução

Indivíduos com síndrome de Down apresentam, de modo geral, piores condições de higiene bucal; possivelmente, devido ao fato de que eles próprios realizam a sua higiene e muitas vezes, associa-se a esse fato uma grande permissividade por parte dos pais em função da presença da síndrome1.

O acesso aos cuidados de saúde bucal pelos pacientes com necessidades especiais é limitado; seja pela incapacidade dos cuidadores em identificar a causa ou avaliar adequadamente a condição bucal do paciente, seja pela incapacidade dos mesmos em expressar seu desconforto ou dor ou ainda pela incapacidade de receber atendimento por alguns cirurgiões-dentistas que não se julgam aptos a realizar o tratamento odontológico nestes indivíduos 2.

Os programas de promoção de saúde bucal são ferramentas coadjuvantes no controle da cárie dentária, pois promovem um impacto positivo no controle da doença e, consequentemente, reduzem os valores dos índices de cárie 3, 4

O estudo realizado por Araújo5 mostrou que as crianças com síndrome de Down são susceptíveis à cárie dentária como qualquer outra criança e enfatizou a necessidade de acompanhamento odontológico desde o primeiro ano de vida. Neste estudo, 85% das crianças recebiam atenção odontológica e 15% não recebia, sendo que o maior número de dentes cariados foi observado neste último grupo.

Sabe-se hoje que, o esforço do paciente, a motivação do dentista e um programa preventivo de saúde bucal bem planejado, são fatores relevantes para o sucesso da prevenção de doenças bucais em indivíduos com síndrome de Down6.

A carência de dados com relação à incidência de novas lesões cariosas, assim como a efetividade destes programas e, especialmente, programas direcionados aos indivíduos com síndrome de Down que, comprovadamente apresentam piores condições de higiene bucal e necessitam de auxílio para a promoção de saúde bucal, são fatores indispensáveis para a verificação da qualidade dos serviços oferecidos e instigam esta investigação.

Assim, em função das piores condições de higiene bucal destes indivíduos e, conseqüentemente, sua maior vulnerabilidade às patologias bucais, este estudo tem como objetivo avaliar o impacto de um programa preventivo na incidência de cárie dentária em indivíduos com síndrome de Down.



Material e métodos


Grupo Experimental

A amostra foi composta por 24 indivíduos com síndrome de Down, de ambos os sexos, com idade entre um e 48 anos, regularmente matriculados no Programa de Assistência Integral ao Paciente Especial (PAIPE), sem distinção de raça ou cor, independente dos hábitos de higiene bucal ou alimentação. Destes indivíduos, dezoito eram crianças e seis eram adultos.

Esta amostra corresponde a 72,0% dos indivíduos com síndrome de Down participantes do PAIPE. Cinco indivíduos foram excluídos do estudo, pois tiveram três faltas consecutivas e, portanto, não participaram efetivamente do programa de prevenção. O restante foi excluído porque apresentava deficiência mental severa, impossibilitando a realização do exame clínico, ou porque seus responsáveis não devolveram o termo de consentimento assinado. Os indivíduos com aparelho ortodôntico fixo ou móvel e aqueles que fizeram uso de antibiótico sistêmico ou outros medicamentos que pudessem interferir nos resultados, mascarando-os, também foram excluídos desta amostra. Estes dados foram obtidos por meio de uma entrevista prévia realizada com os responsáveis pelos pacientes.

Este projeto foi submetido ao Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade (processo nº046/06) e, somente após sua aprovação e autorização dos pais ou responsáveis pelos pacientes, iniciou-se a pesquisa.


Determinação da prevalência de cárie

Previamente aos exames clínicos intrabucais foram feitos o treinamento e a calibragem do profissional no mês anterior ao do exame, de acordo com a OMS, sendo examinado pelo menos 13% da amostra, duas vezes, em dias consecutivos7, para que a calibração intra-examinador pudesse ser comprovada pela aplicação do teste Kappa, que é considerado como concordância “ótima” quando está no intervalo de 0,81 – 0,99 8.

Os exames clínicos foram realizados em 24 indivíduos por um único examinador previamente calibrado (k= 0, 92), duas vezes. O objetivo do exame clínico foi obter os índices de cárie CPO-D, CPO-S, ceo-d e ceo-s 9, utilizando-se sonda exploradora nº 5 com ponta romba para remoção de debris e espelho bucal plano, sob luz artificial e após secagem prévia do elemento dentário com jato de ar.

O índice CPO-D mede o ataque de cárie dental à dentição permanente. Suas iniciais representam respectivamente: dentes cariados (C), perdidos (P), obturados (O) e a medida de unidade que é o dente (D). Os perdidos subdividem-se em extraídos (E) e extração indicada (Ei). O índice ceo-d é correspondente ao CPO-D em relação à dentição temporária e inclui somente os dentes cariados (c), com extração indicada (e) e obturados (o). Exclui os extraídos, levando-se em conta as dificuldades para identificar os dentes perdidos devido à cárie ou pelo processo natural de esfoliação dentária 9.

O CPO-D e o ceo-d médios para um determinado grupo foram obtidos pela divisão de todos os dentes atacados pelo número de indivíduos examinados. Os índices de cárie CPO-S e ceo-s são uma alternativa mais refinada para a avaliação do acometimento de cárie, cuja unidade de medida é a superfície dental (s), e os critérios de avaliação foram similares aos do índice CPO-D e ceo-d.

Nenhuma recomendação quanto à dieta e higienização foi dada previamente ao exame inicial e as condições dentárias foram anotadas em fichas individuais. Não foi realizado exame radiográfico complementar.

Posteriormente, os pacientes foram submetidos à rotina de prevenção estabelecida no PAIPE constituída por profilaxias profissionais mensalmente, orientações de higiene bucal (técnicas de escovação e uso de fio dental) ao paciente e aos seus responsáveis.
Determinação da incidência de cárie

Decorridos 12 meses do exame clínico inicial, nova avaliação dos índices de cárie foi realizada, como já descrito no item anterior, com o objetivo de se verificar a incidência de novas lesões cariosas. Os dados anotados nas fichas apropriadas permitiram a comparação das condições inicial e final.


Análise dos resultados


Os dados obtidos através do exame clínico bucal foram tabelados no programa Windows Excel para fins de comparação das situações inicial e final.

Resultados


Valores baixos dos índices de cárie CPO-D, CPO-S, ceo-d e ceo-s foram observados e uma alta porcentagem de indivíduos livres de cárie. Dos 24 indivíduos examinados, 10 (42,0%) eram livres de cárie, sendo 09 crianças e 01 adulto.

Os valores médios dos índices de cárie CPO-D, CPO-S, ceo-d e ceo-s iniciais e finais do grupo experimental estão apresentados na Tabela 1.

A prevalência de cárie dentária foi verificada por meio dos índices CPO-D, CPO-S, ceo-d e ceo-s que tiveram valores médios de 2,33; 3,60; 1,75 e 2,80, respectivamente, representada pela situação experimental inicial.

Para verificar a incidência de cárie, utilizou-se os mesmos índices; entretanto os valores encontrados foram 2,33; 3,80; 1,10 e 1,90, respectivamente, representada pela situação experimental final.

Os resultados mostraram a incidência de 04 novas lesões de cárie, demonstrada apenas pelo índice CPO-S, no período de avaliação.

Não houve incidência de cárie nos demais índices utilizados.


Discussão


Sabe-se que a cárie dentária é uma doença infecciosa multifatorial e que muitos fatores podem influenciar potencializando ou amenizando a ocorrência da mesma; sendo a presença do biofilme bacteriano imprescindível para a ocorrência desta doença10. Desta forma, a implantação de programas preventivos, com foco na educação em saúde bucal e na remoção mecânica deste biofilme, torna-se um importante aliado no controle deste agravo, principalmente em populações, como a enfocada neste estudo, de indivíduos portadores de síndrome de Down, onde as condições clínicas locais e sistêmicas podem ser dificultadoras deste controle.

A avaliação das condições bucais em portadores de síndrome de Down, com relação à prevalência de cárie, doença periodontal entre outros agravos e sua relação com a própria patologia ou com as condições locais/ambientais tem sido objeto de inúmeros estudos 1,3-6,11-17. Entretanto, poucos descrevem a respeito da incidência desta doença na síndrome de Down.

Fracasso et al.3 relacionaram a presença de cárie e a eficácia de um programa de promoção de saúde bucal nestes pacientes. Estes autores verificaram que o índice de cárie foi menor além de maior porcentagem de crianças livres de cárie. Isto também foi aqui constatado, onde a incidência de cárie nos indivíduos com síndrome de Down participantes do PAIPE foi baixa e quase a metade deles estavam livres de cárie, no período experimental aqui proposto, com apenas quatro lesões cariosas novas, na dentição permanente, perceptível apenas pelo índice CPO-S.

Os índices CPO-S e ceo-s, para superfícies cariadas, são utilizados como uma alternativa mais refinada para a avaliação do acometimento de cárie 9. Os valores aqui encontrados parecem ser compatíveis com a realidade, uma vez que, verificamos a ocorrência de cárie por superfície e não apenas por dente afetado. Contudo, estes índices não puderam ser comparados com outros estudos; pois, nenhum deles utilizou este critério de avaliação.

Sabe-se que a idade dos indivíduos pode influenciar nos valores dos índices de cárie devido ao fator cumulativo destes índices18 ou ao maior tempo de exposição dos dentes na cavidade bucal. No levantamento epidemiológico da OMS9, a prevalência de cárie aumentou em função da idade dos participantes. No nosso estudo, seis indivíduos eram maiores de 12 anos e destes, dois apresentaram novas lesões de cárie, refletidos pelo aumento no CPO-S, de 3,60 para 3,80. Desta forma, a idade dos participantes pode explicar a incidência, mesmo que pequena, de cárie observada neste estudo.

A carência de dados na literatura de estudos que abordam a incidência de cárie em um determinado período, com o objetivo de medir o impacto de uma abordagem preventiva, como o que foi aqui proposto, dificulta a comparação com os resultados aqui obtidos, porém Moura et al.4 também verificaram a presença de cárie dentária em crianças que freqüentavam um programa preventivo. Os autores observaram que o programa teve um impacto positivo no controle da doença cárie, pois as crianças apresentaram baixo CPO-D, apesar da presença de novas lesões.

Este impacto positivo, com mudanças significativas do padrão de higiene bucal dos participantes deste estudo, bem como de seus responsáveis na importância dada às questões de saúde bucal, deve ser evidenciado. Embora com dificuldades para o comparecimento freqüente nas consultas agendadas, a incidência de novas lesões cariosas nestes indivíduos foi baixa, após o início do acompanhamento. Este fato deve ser entendido como alerta para que se destine mais atenção a determinados indivíduos, necessitando em muitas vezes a diminuição no intervalo entre as consultas e a busca de possíveis causas que possam estar propiciando o aparecimento de novas lesões, significando que a doença cárie não está controlada.

Devido à extensa faixa etária dos pacientes que compuseram esta amostra, optou-se pela avaliação de acordo com a presença das dentições decídua e permanente, e não apenas pela idade cronológica dos indivíduos. Assim, o valor do CPO-D de 2,33, menor que o do ceo-d de 3,60, aqui encontrados diferem dos resultados encontrados por Moraes et al. 12, com CPO-D de 2,68 e ceo-d de 1,15, onde os indivíduos que participaram do estudo não recebiam atendimento odontológico na ocasião do exame clínico ou porque foram divididos por faixa etária (3-9, 10-17, 18-28 anos), o que, provavelmente, interferiu nos valores dos índices de cárie analisados.

A relação entre o índice de cárie e a condição do paciente em ser institucionalizado ou não foi avaliada por Giro et al.15, onde verificaram que indivíduos com necessidades especiais institucionalizados ou não apresentaram valores altos de CPO-D (8,39 e 5,96; respectivamente). Dos institucionalizados, apenas 7,7% eram livres de cárie e 34,7% dos não institucionalizados estavam nesta condição. A população avaliada em nosso estudo não era institucionalizada, porém a porcentagem de indivíduos livres de cárie foi muito maior do que aquela do estudo de Giro et al.15. Esses valores se devem, provavelmente, à participação desses indivíduos no programa preventivo-educativo em questão, com envolvimento efetivo de seus responsáveis, evidenciando a importância da cumplicidade entre paciente-profissional-família em busca de um objetivo comum.

A intensificação das orientações de educação e higiene bucal aos pacientes e/ou responsáveis, pelos profissionais do PAIPE tem sido uma prática rotineira, com envolvimento dos responsáveis, tornando-os parceiros e com o propósito de fazer com que o trabalho de prevenção da cárie dentária se estenda ao ambiente domiciliar e não fique restrito apenas às visitas ao consultório odontológico. Neste sentido, evidencia-se a importância da relação harmoniosa profissional-família, sendo que o envolvimento efetivo dos cuidadores destes pacientes com as rotinas do programa é fundamental para a manutenção da sua saúde bucal.

A literatura apresentada evidencia a necessidade e importância dos programas preventivos para a promoção e manutenção da saúde bucal da população e demonstra a escassez não apenas dos referidos programas, mas também de estudos direcionados aos pacientes com necessidades especiais.
Conclusão

Os indivíduos com síndrome de Down avaliados neste estudo, apresentaram índices de cárie baixos com incidência de novas lesões praticamente desprezíveis no período avaliado. Os resultados encontrados enfatizam a importância da implantação de programas preventivos contínuos para controle da cárie dentária, direcionados não apenas aos indivíduos com síndrome de Down, mas também àqueles com outras necessidades especiais, a fim de se promover a saúde bucal e a qualidade de vida desta população.


Abstract

The aim of this study was verify the incidence of dental caries using DMF-T, DMF-S, dmf-t and dmf-s indexes in Down syndrome individuals regularly registered in a preventive program. Were examinated 24 Down syndrome individuals both gender, aged 1 to 48 years old. The prevalence (initial experimental situation) and the incidence (final experimental situation) of dental caries were verified by initial and final DMF-T, DMF-S, dmf-t and dmf-s indexes. Ten (42.0%) individuals were caries free. The prevalence of dental caries showed values of DMF-T=2.33, DMF-S=3.60, dmf-t=1.75 and dmf-s=2.80, while the values to the incidence were 2.33, 3.80, 1.10 and 1.90, respectively. Down syndrome individuals had low caries indexes and little incidence of new lesions. These results emphasize the importance of supporting the patients in a preventive program.



Key words: dental caries, Down syndrome, preventive program
Referências

  1. Pinazo JDC, Vianna, MIP, Lopes FL. Cárie dentária e a placa bacteriana em crianças de 07 a 14 anos portadoras da síndrome de Down, matriculadas em instituições públicas e privadas do município de Salvador-Bahia. Rev Fac Odont UFBA 1998;17:15-24.

  2. Hennequim M, Faulks D, Roux D. Accuracy of estimation of dental treatment need in special care patients. J Dent 2000; 28:131-6.

  3. Fracasso MLC, Rios D, Provenzano MGA, Goya S. Efficacy of an oral healh promotion program for infants in the public sector. J Appl Oral Sci 2005; 13(4):372-6.

  4. Moura LFAD, Moura MS, Toledo OA. Dental caries in children that participated in a dental program providing mother and child care. J Appl Oral Sci 2006; 14(1):53-60.

  5. Araujo NCBI. Prevalência de cárie dentária em crianças portadoras de Síndrome de Down na faixa etária de 0 a 60 meses. J Bras Odontopediatr Odontol Bebe 2000; 3 (12):147-57.

  6. Shapira J, Stabholz A. A comprehensive 30-month preventive dental health program in a pre-adolescent population with Down's syndrome: a longitudinal study. Spec Care Dentist 1996; 16(1):33-7.

  7. Levantamentos Básicos em Saúde Bucal. 4. ed. São Paulo: Ed. Santos, 1999. 66p.

  8. Pereira MG. Epidemiologia teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. 596 p.

  9. Organização Mundial de Saúde. Fichas de avaliação. In: Oral Health Surveys Basic Methods. 4. ed. Geneva; 1997. cap. 5, p. 21-50.

  10. Thylstrup A, Fejerskov O. Cariologia clínica. 3. ed. São Paulo: Santos, 2001. 421p.

  11. Ulseth JO, Hestnes A, Stovner LJ, Storhaug K. Dental caries and periodontitis in persons with Down syndrome. Spec Care Dentist 1991; 11(2):71-3.

  12. Moraes MEL, Bastos MS, Moraes LC, Rocha JC. Prevalência de cárie pelo índice CPO-D em portadores de síndrome de Down. Pós-Grad Rev Odontol 2002; 5(2):64-73.

  13. Vazquez CR, Garcillan MR, Rioboo R, Bratos E. Prevalence of dental caries in an adult population with mental disabilities in Spain. Spec Care Dentist 2002; 22(2):65-9.

  14. Bradley C, Mcalister T. The oral health of children with Down syndrome in Ireland. Spec Care Dentist 2004; 24(2):55-60.

  15. Giro EMA, Orrico SRP, Campos JADB, Lorena SM, Cortez LMS. Caries prevalence in institucionalized and non-institucionalized disable patients: consumption of simple carbohydrates. Rev Odontol UNESP 2004; 33(2):75-9.

  16. Lee SR, Kwon HK, Song KB, Choi YH. Dental caries and salivary immunoglobulin A in Down syndrome children. J Paediatric Child Health 2004; 40: 530-3.

  17. Fung K, Allison P. A comparison of caries rates in non-institutionalized individuals with and without Down syndrome. Spec Care Dentist 2005; 25(6):302-10.

  18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em Saúde Bucal: 1ª etapa – cárie dental – projeto. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.


TABELA 1 - Valores médios dos índices CPO-D, CPO-S; ceo-d; ceo-s, da população estudada.





Inicial

Final

CPO-D

2,33

2,33

CPO-S

3,60

3,80

ceo-d

1,75

1,10

ceo-s

2,80

1,90







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal