Aparelho reprodutor feminino



Baixar 27.67 Kb.
Encontro14.05.2018
Tamanho27.67 Kb.

Resumo Ciências

Aparelho reprodutor feminino:



1-Ovários (responsável pela produção de células sexuais - ovócito II)

2-Trompas de Falópio

3-Útero


4-Vagina

5-Vulva


6-clítoris
Dentro de cada ovárico situam-se milhares de células germinativas, os folículos que contém células que formaram o ovócito II. Na entrada das mulheres na puberdade estes amadurecem, a parede do ovário é corrompida e dá-se a ovulação posteriormente este passa para o útero. Quando o espermatozoide entra no ovócito II passa a chamar-se óvulo, a este processo denomina-se de fecundação.

O funcionamento do sistema reprodutor feminino é cíclico, pois engloba um conjunto destes processos, nomeadamente o ciclo ovárico (nos ovários), o ciclo uterino (no útero) e ao conjunto destes dá-se o nome de ciclo sexual ou ciclo menstrual.


Ciclo ovárico

Pode dividir-se em três fases:



1-Fase Folicular: É a fase inicial do ciclo ovárico e tem a duração aproximada de 14 dias. Os folículos ováricos começam a desenvolver-se. Um dos folículos completa o desenvolvimento produzindo um óvulo.
2-Ovulação: Corresponde à libertação do óvulo do folículo. Ao 14º dia, o folículo rompe-se, à superfície do ovário, dando-se a libertação, do óvulo imaturo, que vai ser recolhido pelo pavilhão da trompa de Falópio e encaminhado para o útero.
3-Fase corpo amarelo: após a saída do óvulo as restantes células do folículo, formam uma estrutura amarela denominada corpo amarelo. Se não houver fecundação, o corpo amarelo degenera. No caso de haver fecundação, mantém-se no ovário cerca de três a quatro meses.

Ciclo Uterino

Ocorre paralelamente às transformações sofridas no ovário em grande parte porque as hormonas produzidas pelo ovário (estrógenio e progesterona) na fase folicular regulam as alterações ocorridas no útero.


A sua principal finalidade é a preparação da camada mais interna do útero, o endométrio para a chegada do óvulo.

Pode também dividir-se em três fases, sendo a:



1ª A Fase Menstrual ou menstruação: Caso não haja fecundação, o endométrio entra numa fase de descamação acompanhada de hemorragias, devido ao rompimento dos vasos sanguíneos que se tinham desenvolvido. O produto da descamação e a respetiva hemorragia saem através da vagina a isto dá-se o nome de menstruação.

Esta fase dura geralmente 4 a 5 dias.


2ª A Fase Proliferativa: O endométrio inicia o aumento da espessura, através da proliferação de células, e os vasos sanguíneos reconstituem-se.
E a 3ª a Fase secretora: É a fase em que se verifica o maior desenvolvimento do endométrio, acompanhado pelo desenvolvimento de numerosas glândulas, preparando o útero para a receção do embrião no final desta fase. A parede de uterina atinge a sua máxima espessura.




Regulação hormonal


Quando se inicia a puberdade começa a produção de estrógenio e de progesterona que controlam grande parte da estrutura e funções dos órgãos do sistema reprodutor, nomeadamente:

- O crescimento de órgãos sexuais

- O aparecimento de carateres sexuais secundários

- Produção de ovócito II e

- Transformações no endométrio

Sendo o estrógenio produzido pelas células foliculares, este vai estimulando a proliferação das células do endométrio. Depois da ovulação, o corpo amarelo produz muita progesterona (responsável pela espessura do endométrio) e pouco estrógenio. Com o recuo do corpo amarelo e a pouca produção das hormonas ováricas a mucosa uterina deixa de ser estimulada e ocorre a descamação do endométrio e a rutura dos vasos sanguíneos.







Existe uma correlação hormonal entre os ovários e o complexo hipotálamo-hipófise, isto é, mecanismo de retroação. A variação da concentração das hormonas ováricas no sangue regula o funcionamento do útero e também a produção das hormonas hipofisárias. Estas por sua vez, controlam a produção das hormonas ováricas inibindo ou estimulando os ovários

Fecundação e nidação


Após uma relação sexual, os espermatozoides atingem a trompa de Falópio, apesar de somente um penetrar na parede do ovócito II. Ao processo de junção entre a célula sexual feminina e a célula sexual masculina dá-se o nome de fecundação, de isto resulta um ovo ou zigoto, esta célula rapidamente se divide continuando a avançar pela trompa até ao útero. Uma semana depois fixa-se na parede do endométrio (Nidação).

O ciclo sexual da mulher para e nas paredes do útero forma-se a placenta, que para estabelecer a ligação, forma-se um cordão umbilical, que fornece ao embrião o necessário para este (oxigeno, nutrientes, entre outros) e para o embrião libertar as suas toxinas (excrementos, dióxido de carbono, entre outros).

Só a partir das oito semanas de gestação, se passa a denominar-se de embrião e nas seguintes semanas de feto.

Métodos Contracetivos



Métodos Naturais

-Método do Calendário: consiste na contagem do período fértil de uma mulher sabendo desta forma que não pode ter relações sexuais nessa altura.

-Método da Temperatura: consiste na medição da temperatura da mulher, pois a temperatura da mulher sobe quando se dá a ovulação, sendo desta forma possível calcular o seu período fértil.

-Método de Billings: consiste na análise do muco cervical que quando a mulher está no período fértil o muco fica transparente, elástico e escorregadio.



Métodos Não Naturais:




Barreiras




Preservativo Masculino


Vantagens: É muito seguro, ajuda a impedir uma gravidez e protege das DST
Desvantagens: Se não for colocado corretamente pode rasgar-se durante o ato sexual ou ficar retido na vagina, o que anula a sua eficácia.

Preservativo Feminino


Vantagens: Ajuda a impedir a gravidez e protege das DST
Desvantagens: Apresenta algumas dificuldades na sua utilização. Não se encontra atualmente no mercado português

Diafragma:


Vantagens: Diminui o risco de doença inflamatória, pélvica e não interfere no ato sexual.
Desvantagens: Apresenta algumas dificuldades na sua utilização. Não se encontra atualmente no mercado português
Espermicidas


Vantagens: É de fácil utilização
Desvantagens: Interfere no ato sexual pode provocar reações alérgicas e tem uma alta taxa de insucessos

Dispositivo Intrauterino (DIU)


Vantagens: Não interfere no ato sexual. E é muito eficaz, reversível e de longa duração
Desvantagens: Não protege contra as DST e necessita de uma ida ao médico para ser colocado

Hormonais



Pílula combinada


Vantagens: Elevada taxa de sucesso, não interfere na relação sexual, regulariza os ciclos menstruais e não altera a fertilidade
Desvantagens: Exige a responsabilidade da mulher para a sua toma diária e não protege contra as DST

Minipílula



Contracetivos injetáveis



Adesivo
Implante subcutâneo



Anel Vaginal



Contraceção Cirúrgica – Esterilização (irreversível)




Laqueação das trompas


Vantagens: Possibilita uma contraceção segura, eficaz e definitiva
Desvantagens: É irreversível e não protege contra as DST

Vasectomia


Vantagens: Possibilita uma contraceção segura, eficaz e definitiva
Desvantagens: É irreversível e não protege contra as DST

Contraceção de emergência



Pílula do dia seguinte



Vasco Página 12-05-2018





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal