Ano/semestre: 2012/1 curso: História fase: 3



Baixar 73.19 Kb.
Encontro07.10.2019
Tamanho73.19 Kb.


Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

Centro de Ciências Humanas e da Educação – FAED




PLANO DE ENSINO


  1. DEPARTAMENTO:


História

ANO/SEMESTRE:

2012/1
  1. CURSO:


História

FASE: 3a.




DISCIPLINA:

Prática Curricular Imagem e Som I

TURNO: Vespertino




CARGA HORÁRIA:

144h

CRÉDITOS: 8




PROFESSOR(A):

Michele Bete Petry e Rafael Hagemeyer
      1. 1 EMENTA


Formas contemporâneas de expressão da imagem. Fontes visuais, história visual. O som e seus sentidos. Formas de registro e difusão sonoras. Projeto de história visual e/ou expressão sonora em instituição escolar.


      1. 2 HORÁRIO DAS AULAS

                  1. DIA DA SEMANA

        HORÁRIO

        CRÉDITOS

        Sexta-feira

        13h30/17h50

        4

        Créditos (4h) a cumprir no espaço do Laboratório de Imagem e Som e nas Instituições Escolares

        Durante a semana no LIS e em horário a definir nas escolas ou outras Instituições

        4

      2. 3 OBJETIVOS



3.1 OBJETIVO GERAL

Capacitar o aluno a produzir meios de narrativa histórica para além da produção textual.


3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Capacitar o aluno a utilizar artefatos didáticos visuais e auditivos em sala de aula para o ensino de História.

Estimular a reflexão crítica para perceber e identificar o anacronismo das produções de reconstituição histórica (atlas históricos, gráficos, música, filmes de ficção e documentário), contextualizando-os devidamente.

Promover a produção de narrativas e conhecimento na área de história utilizando-se de mídia digital audiovisual e sonora .

Projetar e implementar projetos culturais utilizando-se destas linguagens, destinados a escolas, associações, empresas e outras instituições.




      1. 4 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO


Unidade 1: A imagem estática: gravuras, pinturas e fotografias na construção da história.

Unidade 2: Projeto; levantamento de fontes, discussão teórica e metodologia.

Unidade 3: O audiovisual: ficção, documentário e gêneros híbridos de vídeo-história.

Unidade 4: Roteiro e edição: o plano, a montagem e a ideia de História.






      1. 5 METODOLOGIA


Aulas expositivas e dialogadas.

Atividades em grupos/dinâmicas

Oficinas relacionadas à produção, captura, edição e difusão de imagem e som.

Elaboração de podcasts

Avaliações individuais e de grupo.

Elaboração de Projeto Cultural.





      1. 6 CRONOGRAMA DAS AULAS

            1. Mês

Dias

Fevereiro

17 – Apresentação da disciplina e do Plano de Enisno.

24 – Organização de equipes, projetos e campos de estágio.



Março



02 – Introdução à pesquisa com Imagem e Som

Avaliação de produções anteriores na disciplina – Relatório de questões

09 – A Pesquisa iconográfica e a Escola de Viena

Fichamento iconográfico e crítica das fontes

16 – Metodologia de elaboração de projetos

23 – Feriado Florianópolis

30 - A produção videográfica: a fotografia e o audiovisual

Animação de imagens




Abril

.


06 – O rádio: música, notícia e História

Pesquisa e produção musical, narração e dramatização

13 – Sexta-feira Santa

20 – A História documental: fontes e indícios

Roteiro de Documentário e gravação de entrevistas

27 – Prova




Maio

04 – A Ficção histórica: o limite do verossímil

Roteiro de ficção histórica

11 – História e teatro: a reencenação da História

Dramatização e cenário

18 – História e narração: contando a história

Gravação em estúdio

25 – Edição das imagens: ritmo e seqüência de argumentos

Edição de vídeo



Junho

01 – Edição do som: sincronização e ambientação sonora

Edição de áudio

08 – Recesso Corpus Christi

15 – Finalização dos trabalhos

22 – Apresentação dos produtos audiovisuais e dos projetos

29 – Finalização e entrega dos projetos




Observação importante

Parte significativa das atividades práticas será realizada no contra-turno, durante a sexta-feira ou no sábado pela manhã.



      1. 7 AVALIAÇÃO


ATIVIDADE

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

PESO

Avaliação individual – prova



Clareza, objetividade, coerência na argumentação e referência à bibliografia discutida no curso.


2.0


Processo de elaboração de projeto



Adequação formal do projeto, atenção aos prazos e às correções solicitadas, exeqüibilidade da proposta.


3.0

Participação individual nas oficinas e no estágio no contra-turno.

Assiduidade, comprometimento com as atividades programadas, pontualidade e envolvimento com o grupo.


3.0

Avaliação em aula - exercícios em sala e no Laboratório

Participação nas atividades programadas, bom emprego do tempo disponível para a atividade, envolvimento com o grupo.


2.0



      1. 8 BIBLIOGRAFIA


1. BÁSICA
AUMONT, Jacques et al. A estética do filme. Campinas, SP: Papirus, 1995.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Obras escolhidas, v. 2. São Paulo: Brasiliense,

_______. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas, v. 2. São Paulo: Brasiliense,

BERCHMANS, Tony. A Música do filme. A música do filme: tudo o que você gostaria de saber sobre a música de cinema. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

BORGES, maria Eliza Linhares. História & Fotografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BURKE, Peter. Testemunha Ocular: história e imagem. Bauru, SP: Edusc, 2004.

LIMA, Luiz Costa (org). Teoria da Cultura de Massas. RJ: Paz e Terra, 2002.

ROSENSTONE, Robert. A História nos filmes, os filmes na história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

DUBOIS, Phillipe. Por uma estética da imagem do vídeo. In: DUBOIS, Phillipe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac&Naify, 2004.

FERRO, Marc. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, ANO?

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia da história. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

MARTÍN-BARBERO, Jesus e, REY, Germán. Os exercícios do ver. Hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac edit.,

RAMOS, Alcides Freire. Canibalismo dos Fracos. Cinema e história do Brasil. Bauru, SP: EDUSC,

SÁ, Leonardo. O sentido do som. In: Rede Imaginária. Televisão e Democracia (Org. Adauto Novaes). São Paulo: Companhia das Letras, ANO?

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

VALENTE, Heloísa de A . Duarte. As vozes da canção na mídia. SP: Via Lettera/Fapesp, 2003.

_______ . Os cantos da voz: entre o ruído e o silêncio. São Paulo, Edit. Annablume, 1999.

WHITE, Hayden. Meta-história. A imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Edusp, 1992.

WARBURG, Aby. Imagens da região dos índios Pueblo na América do Norte. Tradução de Jason Campelo e revisão técnica de Roberto Conduru. Revista Concinnitas, ano 6, volume 1, número 8, julho de 2005.

WÖLFFLIN, Heinrich. Conceitos fundamentais da história da arte. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terras, 2005.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. São Paulo, Edit. HUCITEC, 1997.



2. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CALABRE, Lia. O rádio na sintonia do tempo: radionovelas e cotidiano (1940-1946). Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2006.

DIAS, Marcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Editora Boitempo, 2000.



Dossiê Música & Indústria Fonográfica. In: Revista ArtCultura: Revista de História, Cultura e Arte, v. 10, n. 16, jan.-jun. 2008 – Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de História.

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 2006.

GOMBRICH, E.H. A história da arte. Tradução de Álvaro Cabral. 16ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

LEITE, Sidney Ferreira. Cinema Brasileiro: das origens à Retomada. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2005. (Coleção História do Povo Brasileiro)

MORAES, José Geraldo Vinci de. História e música: canção popular e conhecimento histórico. In: Revista Brasileira de História, São Paulo, ANPUH/Humanitas Publicações, vol. 20, n.39, 2000, pp.203-21.

NAPOLITANO, Marcos. História & Música – história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

SACKS, Oliver. Alucinações musicais. Relatos sobre a música e o cérebro. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PANOFSKY, Erwin. Significado nas artes visuais. Tradução de Maria Clara F. Kneese e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2009.

ULHÔA, Martha Tupinambá de. A pesquisa e análise da música popular gravada. In: Projeto Matrizes Musicais Brasileiras (http://wwww.unirio.br/mpb/matrizes/atividades.htm)

VALENTE, Heloísa de A . Duarte. (Org.) Música e Mídia: novas abordagens sobre a canção. São Paulo: Via Lettera, Fapesp, 2007.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naif, 2007.

3. SITES E BLOGS


Fundação Franklin Martins: http://www.franklinmartins.com.br/
Museu da Imagem e do Som / RJ: http://www.mis.rj.gov.br/
Instituto Moreira Salles: http://ims.uol.com.br/
Chiadophon: http://chiadofone.blogspot.com/
Cinemateca Brasileira: http://www.cinemateca.com.br/
História da Rádio no Brasil: http://www.locutor.info/






©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal