Análise crítica – comparativa entre o “velho do restelo”



Baixar 24.3 Kb.
Encontro07.10.2019
Tamanho24.3 Kb.

ANÁLISE CRÍTICA – COMPARATIVA ENTRE O “VELHO DO RESTELO” (CAMÕES) E “REI LEAR”(SHAKESPEARE)

Beatriz Teixeira Fiquer


INTRODUÇÃO: Rei Lear
O Rei Lear - provavelmente escrito no final de 1605 ou no início de 1606 – é considerado pela crítica literária umas das quatro mais importantes obras do autor (as demais são Hamlet, Otelo e Macbeth) e conta a história de um rei, o rei da Bretanha Celta, que decide dividir seu reino entre suas três filhas, usando como critério de divisão o valor da lisonja que estas lhe fariam.

Pode-se dizer que Rei Lear mostra a fragilidade das relações humanas, e a que ponto é possível chegar para obter o que se deseja, que atrocidades são possíveis cometer para alcançar tão sonhados altos postos.



PONTOS EM COMUM COM O “VELHO DO RESTELO”





  • Shakespeare liga-se a um ato de transgressão contra a natureza: não há nada de errado em dividir seu reino entre as filhas: onde ele erra, onde transgride a natureza, é na recusa em compreender o justo amor de Cordelia, preferindo acreditar nas bajulações de Goneril e Regan, e deserdando a caçula;

  • Glaucester (conde): perde visão e filho legítimo (Edgar) por acreditar no filho bastardo e ambicioso, Edmund. Este, personagem maligno de conduta fingida, luta para alcançar o patamar social que o seu ciúme clama: quer igualdade de direitos com Edgar.

Edmund ganha a confiança das personagens para então as destruir, seja opondo Glaucester a Edgar, seja opondo Goneril a Regana, e mesmo Goneril ao Duque de Albânia; ou seja, ele trabalha uma rede de intrigas que garanta a sua almejada ascensão;

  • O erro de Lear desagrega a família, mas também abala o Estado, resultando em guerra civil, enquanto a grande guerra central, da tempestade, reflete o abalo da natureza;

  • Bobo da Tragédia: mais do que a de ser engraçado, a função do personagem é a de servir de consciência de Lear até este, depois da crise na tempestade, passar a ter ele mesmo consciência de seus atos. Até então, o Bobo não deixa, em momento algum, que o rei esqueça do engano que cometeu e de seu erro em relação a Cordelia. Todas as suas graças tem significado maior e são, via de regra, bastante cruéis para com o rei. Porém, no momento que o Bobo deixa de ser necessário – já que Lear passa a ter consciência de seus atos – ele pura e simplesmente desaparece.

  • Ambição de Cornwall ( marido de Regan) e Edmund.


INTRODUÇÃO : Os Lusíadas – Velho do Restelo
Os Lusíadas foi publicado em 1572, no auge do Renascimento literário em Portugal. A viagem de Vasco da Gama e sua descoberta do caminho marítimo para as Índias, entre 1497 e 1498, são o motivo central deste poema épico, através do qual Camões conta os grandes feitos da história de Portugal.

Todavia, imaginar que todo o compêndido d’Os Lusíadas trata pura e simplesmente da exaltação do povo português não é correto.



Analisando – se as falas do velho do Restelo pode-se compreender que o amor à pátria que levou o povo português a “aventurar – se” pelo mar desconhecido, na verdade nada mais é do que uma forma de justificar os reais motivos (ganância, cobiça, busca da fama por vaidade) que movem os argonautas a enfrentarem o mar que poderia ser seu aniquilamento, isto é, almejavam a glória, a fama de tornarem-se um povo heróico e viverem como “reis do mundo” ao passo que estariam buscando a morte, a destruição. Então, como poderiam viver a glória, ser um povo consagrado, ao mesmo tempo que todo esse povo estava sendo aniquilado? Seria como que se para obter a glória precisasse ser destruído.


PONTOS EM COMUM COM “REI LEAR”





  • Conflito de mundo com a natureza: homem insensato, descontente, almeja ser “Deus”: pecado da soberba, pois Deus é o conhecedor de tudo e de todas as verdades, o rei supremo que nos fez a sua imagem e semelhança. Assim, uma vez que o homem quer se aventurar pelo mar desconhecido, tornar-se conhecedor dos mistérios,está querendo ser Deus, e como se isto fosse um desafio do homem, Deus castiga- o com as tormentas e mortes que recaem sobre o povo português.

  • Povo ignorante e tolo, pois se ilude com a fama, é incentivado a enfrentar o mar desconhecido. É manipulado pelos reis que usam a ilusão (de ser um povo famoso, heróico e glorioso) como arma para induzir o povo a arriscar-se na busca do desconhecido.

  • A ambição gera inquietação da alma do povo, angústias e perturbações por causar abandonos e adultérios que destroem fortunas e Estados, podendo, assim, ser tida como pecado da ambição e da luxúria (devido aos adultérios). Essa mesma ambição causa, em suma, a destruição do povo português.

  • O Velho do Restelo é a consciência d’Os Lusíadas. Pode ser entendido como o contraponto à glorificação das navegações portuguesas narradas por Camões, isto é, no momento do ápice da narrativa, a passagem do velho do Restelo é a voz contraditória, que surge à aventura que Camões pretende glorificar. É como se mostrasse o lado obscuro dos grandes feitos portugueses, ou seja, a viagem e todo o desígnio que ela enfeixa aparecem como um desastre para a sociedade portuguesa: o campo despovoado, a pobreza, os homens mortos, e , por toda parte adultérios e orfandades.

Embora este ponto seja o que mais interessa na comparação deste trabalho, este episódio pode representar a expressão das idéias camonianas, divididas entre o Humanismo pacifista (condenação enfática da guerra, de acordo com o ponto de vista humanista, que era antibelicista), e o belicismo dos ideais da cavalaria e das Cruzadas, cujo espírito muito influenciou a visão camoniana de seu país.

COMENTÁRIOS


Analisando os pontos em comuns pode – se dizer que:

  1. Em ambas as obras há um conflito com a natureza;

  2. Várias pessoas (ou até mesmo uma nação inteira!) são ludibriadas por alguém (Edmund) ou algo (fama, glória), tendo como conseqüência a destruição, seja esta de uma única pessoa, de uma família ou de uma nação;

  3. O erro do Rei Lear destrói sua família e é responsável por uma guerra civil. N’Os Lusíadas, o erro dos homens - reis que iludem os lusitanos e sua ganância em obter o poder e glória - destrói o povo português que também torna–se ganancioso;

  4. Nas duas obras, há uma “consciência”: o Bobo é a consciência do rei insano, e o velho do Restelo é a consciência d’Os Lusíadas.

  5. Em ambas as obras há uma ambição pelo poder. Essa ambição pode ser exemplificada, em Lear, com Edmund e o Conde de Cornwall que fazem de tudo (conspirar, mentir, trair, e até matar) para atingir seus objetivos, e, no velho do Restelo, pelos reis que querem novas terras, riquezas, glórias e para tanto convencem todo um povo a pensar e agir de forma que passam a ser tão ambiciosos e soberbos quanto os reis.



RELAÇÃO COM OS DIAS ATUAIS

As fraudes, guerras violentas (como a do Iraque recentemente), disputas pelo poder, são comprovações que séculos se passaram, mas o comportamento humano, do ponto de vista da ambição e da cobiça, continua o mesmo, afinal, os tempos mudaram, a tecnologia avançou mas a mesquinhez e a vontade de ser, de certa forma, “o rei do mundo” permanece nos povos como é o caso dos E.U.A




BIBLIOGRAFIA

BELETTI, Silmara e BARBOSA, Frederico. Inês de Castro e o Velho do Restelo com explicação estrofe por estrofe. 1ª ed. Ed. Landy, 2001

BÍBLIA SAGRADA: Eclesiastes Cap. 1, vers. 2 e Cap. 7, vers. 5

CAMÕES, Luiz Vaz de. Os Lusíadas. 1ª ed. São Paulo: Klick, 1999.


HELIODORA, Bárbara. Falando de Shakespeare. 1.ª ed. Campinas: Ed. Perspectiva, 1998


MORE, Thomas. A utopia. Ed. Martin Claret, 2001

PEREIRA, João Frayze. O que é loucura. 10.ª ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2002. (Coleção primeiros passos)

SARAIVA, Antônio José et al. História da literatura portuguesa. 16.ª ed.. Porto (Portugal) Ed.Porto

SHAKESPEARE, Willian. Nota biográfica in: Hamlet; tradução de Mário Fondelli. RJ: Clássicos econômicos Newton, 1992.

SHAKESPEARE, Willian. Rei Lear; tradução Bárbara Heliodora. RJ: Lacerda Editores, 1998.

Teatro de Rei Lear com Raul Cortez – São Paulo, 2001.

THOMPSON, Ann. The critc’s debat. 1ª ed. Ed. Macmillan UK, 1988

Sites:


www.terra.com.br/ voltair/cultural/Shakespeare

www.madri.f2s.com
Catálogo: arquivo-morto -> edicoes anteriores -> anais14 -> Sem13
Sem13 -> Análise crítica – comparativa entre o “velho do restelo”
Sem13 -> Angústia: Uma Leitura Semãntico-Estilística
Sem13 -> Do linguístico ao discursivo: um percurso reflexivo
Sem13 -> O leitor e os caminhos de Memórias de Emília, de Monteiro Lobato
Sem13 -> É através da leitura diária – a principio feita pelo professor e sem cobrança – de poemas infantis de diversos poetas que os a
Sem13 -> Procedimentos de análise sintática utilizados por alunos do ensino fundamental
Sem13 -> Pontuação : Chave de Leitura do Texto Literário
Sem13 -> A força da simbologia e dos provérbios no discurso narrativo
Sem13 -> Em um momento em que muito se fala sobre os rumos do ensino de língua materna no primeiro e segundo graus nas escolas e sobre
Sem13 -> A categoria de gênero nos livros didáticos


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande