Analec e os mercadores de liçÕES



Baixar 2.76 Mb.
Página29/37
Encontro24.10.2017
Tamanho2.76 Mb.
1   ...   25   26   27   28   29   30   31   32   ...   37

Para o texto: EU PENSO QUE ... (T2112246)


De: Fernanda Xerez

Apagar

11/08/2010 12:12

Parabéns Silvia. Ah! Penso que ser mar nestas condições deve ser bom! Mas você sabia que a vida é um mar com todas as características do grande oceano? Entretanto não vou dissertar sobre ele não. Dois mil caracteres é pouco! Paro aqui, porém desejando-lhe tudo de bom no mar de sua vida. Abraços e minhas leais congratulações por ter me retornado.

Para o texto: MAR DOS MEUS DESEJOS - (Série Pequenos Poemas n.106) - Silvia Regina(T2431156)


De: Silvia Regina Costa Lima

Apagar

11/08/2010 09:17

Aqui estou Fernanda, para lhe enviar mais algumas palavras. Tenho muito carinho com quem tem amizade com Deus. São vasos preciosos e devem ser cuidadosamente tratados, vistos e admirados. Li suas orações e me senti refeito de algum sentimento de tristeza. Tem dia que a gente acorda triste e não sabemos a razão. Ah! mas agora, ao terminar de ler alguns textos espirituais vindos de ti, me senti emergindo de um fundo de nostalgia e elevado a uma nuvem de alegria. Muito obrigado por escrever orações no recanto. Eu as aprecio muito, aliás, vivo espiritualmente alimentado por elas e pelas que eu também faço. É gratificante ter a amizade de Deus nesse mundo devasso, mormente na área da comunicação global. Quanta falta de caráter! Bem, quero lhe dizer que fiquei muito contente com seu retorno, usando a página do burro Tufão. Foi um tempo inesquecível, quando eu perambulava pelas fazendas nas proximidades da querida Itirapuã. As olarias me encantavam. Se você quiser ler uma emocionante redação sobre os oleiros e o burro Tufão, visite em e-livros uma literatura minha por nome "OS OLEIROS DO HORIZONTE". Pobre casal de oleiros! tiveram um final em abandono. Se você ler faça lá um pequeno comentário, pode ser uma frase, vindo de ti, ficarei contente. Envio-lhe abraços fraternos e desejo que continue a ser amiga de Deus. E que Ele seja sempre a luz de teus caminhos, querida Fernanda!

Para o texto: UMA ORAÇÃO PARA TODOS OS RECANTISTAS (T2005556)


De: Fernanda Xerez

11/08/2010 04:35

Kleber, você teve uma idéia e tanto! Estou plenamente de acordo com os comentaristas Márcio, Tereza, Henricabilho e José Cláudio. Nunca ninguém pensou na pobre Branca de Neve vivendo em nossos dias! Sua imaginação foi genial, rapaz! Você é tão jovem e com esse belo talento! Parabéns do Luzirmil. Certamente a adorável mocinha sabia controlar o CP também, afinal se a velha rabugenta sabia, quanto mais uma jovem inteligente como a Branca. Por enquanto, mais a título de lhe enviar algumas palavras por aqui, só li seu pequeno romance, mas vou ler mais de seus escritos e prometo comentá-los. Mais uma vez, dou-lhe meus parabéns e agradeço pela consideração que teve em visitar minha escrivaninha. Receba um fraternal abraço, meu jovem amigo, e continue nessa escalada. Será muito bom ter seus artigos nas páginas do Recanto. Que Deus te ilumine sempre.

Para o texto: Branca de Neve ? (T2401730)


De: Kleber Parra

Apagar

10/08/2010 21:39

De Vila Velha vim para Tangará da Serra. Boa noite Noeli. Vi um comentário seu na página do Renato e tendo apreciado suas palavras vim fazer-lhe uma visita. Li alguns compostos seus e parei neste belíssimo poema"MEU AMOR, MINHA PAIXÃO" que para mim significa "AS ESTRELAS DO MEU UNIVERSO" pois todos a quem amo são minhas estrelas. Olha, você comentou o sonho do Renato e gostei de suas reflexões a respeito. Eu sou um sonhador! Tanto tenho sonhado dormindo, como acordado. Me preocupo com eles a ponto de achar que esta vida em que vivemos é um sono, composto de bons sonhos e horríveis pesadelos. Talvez seja isto. Estamos dormindo e um dia acordaremos; os sonhos devem ser relances de nosso acordar futuro. Não seria isso? querida poetisa Noeli. Bem, seja como for, gostei de suas palavras na apreciação da composição do Renato e deixo-lhe um carinhoso convite para visitar-me, dizendo-lhe que vou continuar lendo seus belos poemas. Abraços fraternos a você e a todos seus entes queridos.

Para o texto: Meu Amor, Minha Paixão! (T2423648)


De: Noeli Lazarotto

Apagar

10/08/2010 21:22

Renato! Que beleza de cordel, Rapaz! Seus criativos me fascinam. Olha, venho agradecer-lhe pela visita ao "BURRO TUFÃO", entretanto ante seus versos, eu me acanho em publicar os meus. Mas enfim é assim mesmo, uns com mais dons, outros com menos, mas vamos de braços dados nesta caminhada da poesia, dos cordéis, assim como das prosas e outros agregados literários. O importante é participar e tratar os amigos com o carinho que merecem. Você é realmente nota dez rapaz! E como vai a velha Vitória, isto é: Vila Velha. Estive por aí em abril de dois mil e sete. Um ano após passei por perto, a caminho de Aracruz. Lá chegando tendo (pensei que tinha) apenas um número de telefone da pessoa com quem eu deveria tratar de alguns assuntos técnicos, mas fiquei foi meio perdido na cidade quando me informaram que eu deveria seguir em frente, para um tal bairro Guaraná. Por ser tarde da noite estava difícil acertar a casa de meu contato. Eu já estava resolvido a pernoitar na condução, quando vi um orelhão em frente a uma venda deserta, que por ser tarde estava fechada. Fui pegar o número na carteira, mas ele havia sumido! fiquei deveras preocupado, eu não havia decorado o número e por conseguinte me seria difícil realizar minha tarefa. De repente me passou à mente de fazer uma oração por ali. Quando terminei, o telefone do orelhão tocou. Me vi no dever de atender, vindo um homem pedir informação se a venda estava aberta, indiquei-lhe que não e perguntei se ele conhecia um fulano de tal por aquelas imediações, momento em que ele disse. Sou eu. A partir daquilo tudo deu certo, caro Renato. Em instantes ele foi ao meu encontro lá no orelhão e conduziu-me à sua residência, onde pude pernoitar e no outro dia realizar a missão pela qual eu havia ido na região de Aracruz. A oração foi como um sonho que jamais esqueço! Bem, chega. Um abração pra você, caro colega.(por favor, ignore as erratas)

Para o texto: sonhos (T2248016)


De: Renato Lima

Apagar

10/08/2010 20:28

Boa noite, querida colega do Recanto, Elenite. Encontrei um comentário seu no "ANÚNCIO DA SANFONA" e vim ler alguns textos seus. Li diversos, e entrando nesta página, após ler todos os seus crocrantes e deliciosos humorísticos, voltei neste "EMBRULHO QUE NÃO TEM GRAÇA". Que triste, minha filha! Olha, não dá pra falar bem do embrulhão que embrulhou os picolés, embrulhando com aquilo, a coitada da mulher. Foi tudo uma embrulhada mesmo! Mas você sabia que quem embrulha o próximo, um dia será embrulhado também? Nem que seja de pano roxo e uma porção de flores soltas em volta do embrulho! Ei, chega de tanto embrulho, não é Elenite? Mas viu como seu embrulho deu cria numa porção deles! Bem, como gosto de comentar, vou começar pela sua foto: Deu-me quase uma quebra de pescoço na tentativa de ver sua sorridente face, bela por sinal, mas virada assim, por uma questão da presença do espírito ser nos olhos, a gente não consegue captar a essência do olhar; isto por que ela só se apresenta quando olhamos nos olhos em sintonia. Nesse caso aqui, para captar a beleza de seu olhar eu tive que virar meu rosto até o pescoço estralar! Bem, quero falar um pouco de onde você mora: Diadema. Em 1964 trabalhei por aí, numa metalúrgica. Tenho gratas recordações dessa região do ABC. Também morei em Santo André; fui sonoplasta da Radio Cacique de São Caetano do Sul, fui operador dos projetores no cine Utinga; enfim minha nobre Elenite, perambulei bastante por aí naquela década. Fui muitas vezes na vila Pires, e até em Ribeirão Pires e Cubatão. Mas minha maior parada foi na Rua Rio Grande do Norte em Santo André, onde me radiquei no quartinho de uma indústria de tacos, que além de ser eletricista da firma, eu era uma espécie de guarda noturno; isto por que todas as noites eu pernoitava solitariamente no estreito aposento. Olha! Lá se foram 1990 caracteres. Tiau, querida poetisa. Vou continuar lendo suas deliciosas criatividades. Abraços fraternos pra você e seus entes queridos.

Para o texto: Embrulho.Isso não tem graça!!! (T2404100)


De: elenite araujo

Apagar

10/08/2010 12:26

Legal, Vitor. Essa tem que ir para os textos das piadas!Por aqui tem barbeiros um pouco mais asseados, mas assim mesmo eles enchem a boca da gente de espuma. Obrigado por visitar minha página. Rapaz! Você está longe de São Paulo! Tenho vontade conhecer Manaus. Até Alcântara eu já fui, lá pela foz da grande rio Amazonas, mas na capital até hoje, só tive vontade. Envio-lhe um abraço

Para o texto: A MELHOR BARBEARIA DO MUNDO (T2419535)


De: VITOR SERGIO

Apagar

10/08/2010 11:04

Oi Rosa. Agradeço-lhe com um sincero coração pela sua visita em minhas páginas. Lendo alguns de seus textos fiz uma parada neste "A VIDA" para responder-lhe, assim como enviar minhas apreciações às suas composições. Vi, que assim como os demais colegas, você também é nota dez. Suas frases e poesias, pelo menos as que pude ler, transmitem a profundeza de teus raciocínios. Neste daqui, se a gente pensar profundo, vamos ver que a vida é realmente um livro. Penso que cada um de nós a temos escrita pelo destino; sendo que o momento de sua leitura é o tempo presente. Acredito que Deus pode mudar o enredo lá na frente, para nosso bem ou mal. Isso vai depender do que lhe falarmos em alguma oração. Você fez um comentário sobre o meu "julgamento da consciência". Achou lógica em minhas idéias? Penso que Deus não vai jogar ninguém fora, mas sim nossa própria condição de acusados, isto se nos desviarmos das vias do caráter. Bem, eu quero lhe agradecer e pedir que me visite sempre. Fico feliz quando encontro visitantes em minha escrivaninha, tanto é que me ponho a escrever longos comentários, trazendo assuntos que muitas vezes fogem da real razão do existir desse espaço. Mas fazer o que? Afinal temos dois mil caracteres à nossa disposição, vamos pois usá-los, não é? É evidente que vamos enchendo nossa sacola de bits, concedida pelo Recanto, mas quando encher a gente pára, não será assim? Olha se não me falha a memória eu já escrevi-lhe algum comentário, ou talvez existam muitas rosas por aqui! Sobre rosas mulheres tenho um belo trecho escrito em um livro meu, comparando uma delas com as deliciosas mangas rosas. Bem, vou encerrando por aqui antes que os caracteres acabem e os assuntos fiquem inacabados.Abraços afetivos pra você. E procure ignorar as erratas havidas aqui, certo?

Para o texto: A Vida (T874351)


De: RosaAmbiance

Apagar

10/08/2010 10:18

Olá José. Bom dia. Estamos retornando à sua escrivaninha para lhe agradecer pelas duas visitas, uma começada outra completada. Vim aqui no "CORRETOR AZARADO" onde encontrei certa identidade com fatos ocorridos comigo. As vezes a gente elogia uma coisa que não poderia ser prestigiada, pois acaba resultando em prejuízo nosso. Muito boa a sua crônica humorística, assim como os seus demais textos relativos. Abraços a você, nobre amigo do Recanto. E dê um abraço no Rio por mim. Há mais de um ano que não tenho ido nesse beira mar. Espero em breve ir até Niterói e São Gonçalo, passando por aí.

Para o texto: CORRETOR AZARADO (T3231)


De: Jose Carlos Cavalcante

Apagar

10/08/2010 09:49

Bom dia Estranha. Achei um comentário seu em minha escrivaninha e venho lhe enviar um abraço apertado. Li seu perfil e achei muita sinceridade nas colocações. Abri aqui no "Velho Horácio", já que tive um conhecido, também velho, que era muito divertido. Essa quadrinha da farinha é de fazer a gente desopilar o fígado. Parabéns querida colega. Olha, você não é nada das pessimidades que citou no perfil, viu. Você é muito valorosa, isto sim. Gostei de sua postura em querer ser ouvida e ouvir, evidentemente aqui entre nós, traduzidos nas letras. Achei um pouco chocante seus dois peseudônimos, por isto coloco um antônimo nas duas palavras: Linda-bela e Conhecida. Fiquei muito grato pelo honrosa visita. Espero receber mais, para também ser ouvido e respondido!Acho que já passei por Guanhães, se não e engano fica na via entre Cerro e Santa Maria do Saçuí? Ou me engano? Recordo-me que eu regressava de Ladainha, por estas vias, já que optei me desviar da capital, mas passei num encravadouro de dar medo, antes de Santa Maria. Lá precisei tomar banho e trocar de roupa pelo barro que me lambrequei todo na tentaiva de sair do atoleiro. Ufa! como foi difícil: só com a ajuda de uns ralís que por ali passaram é que pude me safar do local. De Santa Maria fui sair em Gouveia, rumando dali para Curvelo e vindo pra casa.

Para o texto: Velho Horácio, o Sofredor (T2345084)


De: Exdrúxula Extranha

Apagar

10/08/2010 09:21

Puxa vida! Sílvia. Você realmente fez uma redoma incisiva! Mas digo que pelo seu palavreado és superdotada. Inteligentemente colocou frases pró cinismos, sobre você, mas eu acho o contrário: És uma estrela brilhante no universo da poesia! Nem tenho palavras para fazer um alinhamento de sua capacidade em compor; entretanto me convém dizer que sua profunda ideologia intelectual pode ser demonstrada em seus compostos até aqui! 1371 textos! És realmente laboriosa! Pretendo ler muitos deles. Olha, aceite mais um abraço do peregrino ambientalista; tanto pela sua inteligente participação no Recanto, quanto pela valorosa visita à minha escrivaninha. Deus seja sempre sua luz.

Para o texto: REDOMA - Série Cinismo n.36 - Silvia Regina (T2428307)


De: Silvia Regina Costa Lima

Apagar

09/08/2010 22:05

Alô, Fernanda. A cena acima aconteceu em sua cidade? Desculpe-me por visitá-la sem convite, mas vi um comentário seu na página de uma visitante minha e me vi incentivado a lhe dirigir algumas palavras de carinho por seus belos pensamentos. Li todos eles e voltei neste aqui por ver a foto de ruas alagadas e você perguntando se era choro da Natureza. Certamente é isto mesmo! Eu sou ambientalista e tenho me preocupado bastante com a combustão mundial. Ela está consumindo nosso ar respirável e transformando-o parte em água e parte em monóxido de carbono. É evidente que os bilhões de barris de petróleo queimados, o que transforma o combustível e comburente em água, só pode surgir mesmo estes desbalanceamentos ambientais que estamos a assistir ultimamente. Mas fazer o que? é o progresso, mas...será também nosso fim, se não houver um consenso contra a combustão no mundo. Abraços a você e mais uma vez parabéns por seus textos.

Para o texto: NATUREZA CHORANDO (T2087316)


De: Fernanda Xerez

09/08/2010 21:45

Ah! É Verdade Maria Helena! Vida sem poesia é como árvore seca, sem vida! Gostei desse texto ao qual deste o nome de "VAZIO" Retratas em suas linhas uma variedade de palavras chaves, fundamentadas num tema com fundo de simplicidade. Falando em poesia, tenho alguns arquivos aqui em meu CP cheio delas, reescritas através de suas teclas, (que as vezes prendem, como você tem citado) de meus cadernos de um tempo em que eu fazia poemas para uma jovem que continha esse mesmo nome seu. Eu a chamava de menina da face rosada. todas a achavam a mais bonita do grupo escolar; isso foi lá por 1956/7, os únicos dois anos que frequentei escola. A menina da face rósea era admirada por todos, mas eu era por demais! Eu tanto a admirava a ponto de me fazer seu escravo para carpir o quintal da casa onde ela morava. Aquilo era mais para vê-la perto de mim. Mas qual! Olha vou deixar aquele tempo antigo pra lá e vou falar um pouco de Lagamar. Fica perto de Vazante, não é? Já passei por aí diversas vezes, quando de Patos de Minas eu ia para Guarda Mor, ou Paracatu. Mas já faz um bom tempo que não vou por esses lados; tenho passado porém, (ainda esse final de semana que passou) nas imediações de Coromandel, dali para Guarda Mor, Paracatu e finalmente regiões de Arinos no Sertão Veredas. Bem, agradeço pelas suas duas visitas em minhas trovas. Minha alegria está cada vez mais brilhante pelas visitas de todos vocês, meus amigos do recanto. Abraços a você e a todos os seus entes queridos.

Para o texto: Vazio (T2035202)


De: Maria Helena Camilo

Apagar

09/08/2010 21:17

Olá professora Malu. Eis-me aqui novamente. Primeiramente quero felicitá-la pela sua previdente colocação sobre protegermos a natureza. Em segundo quero dizer-lhe que fiquei fora do recanto por quatro dias. Aproveito esta frase sua sobre o meio ambiente para retratar um pouco do que passei sábado e domingo, dias 7 e 8 respectivamente. Tive que fazer uma viagem pra trabalho voluntário na área ambiental. Nesses dias está havendo muitas queimadas irregulares nos serrados e fui convocado para prestar meus serviços para ajudar a combater alguns focos de incêndio. Você sabia que o fogo consome, ou melhor transforma nossa atmosfera respirável? Pois é isso que está acontecendo no mundo! A combustão desenfreada, seja dos automóveis, aeronaves, dos fogões, das indústrias, enfim de toda espécie de queimadas, está crescendo numa escala geométrica fazendo com que decresça o nível do ar vital aos nossos pulmões! O povão pensa que é só a poluição que prejudica a atmosfera, mas o consumo desenfreado do oxigênio é que nos será fatal. É simples fazer o cálculo: Para surgir o fogo, famoso pela energia do mundo, é necessário dois compostos e um fator, ou seja: Combustivel, comburente e reação. O primeiro todo mundo sabe o que é, desde gasolina até lenha, o segundo é o ar vital para nosso sangue: o Oxigênio. Este elemento está sendo consumido muito mais rápido do que pensamos. Certo é que existe o trabalho da fotossíntese das plantas e das algas marítimas, mas o fogo está demais no mundo, e esta reposição não está sendo feita a contento. Bem, vamos deixar do jeito que está pra ver como é que fica. Abraços, querida professora e obrigado por me retornar. (ignore as erratas que houver por aqui)

Para o texto: Meio Ambiente (T2291142)


De: malu Dab

Apagar

09/08/2010 20:51

Olá Beckhauser, foi bom te descobrir! moço! Quanta coisa inteligente há em suas páginas! Até nas ilustrações. Achei interessante uma pata cachorra. Caramba! Cada coisa que a gente vê por aqui. Você é dez, doutor! Essas dos limites são todas boas. Reflexões e outros papos, tudo é nota dez, meu amigo. Ah! você fez uma visita lá no meu furto do pedaço de queijo. Sabe onde foi o limite daquilo? Foi uma dor de barriga que senti por mais de vinte e quatro horas! Nem gosto de me lembrar. Obrigado pela sua valorosa visita nas minhas humildes trovas. Já voltei a ler mais conteúdos seus e creio que vou ler muito mais, pois com isto irei aprendendo e vendo mais coisas interessantes. Obrigado e um grande abraço pra você. (ignore as erratas, por favor)

Para o texto: "Os limites da minha língua são os limites do mundo!" (T485015)


De: Beckhauser

Apagar

09/08/2010 18:35

Gosto de comentar assuntos sobre a amizade. Meus parabéns Flor da Vida. Estou aqui de novo me comunicando com os amigos depois de quatro dias, sendo dois ocupados com uma longa viagem de ida e volta, lá pelos confins de Minas, nas regiões do médio São Francisco. Fiquei contente em ler suas palavras em meu recanto. Obrigado por ter sentido minha falta, um mero peregrino que sou, me senti engrandecido. Estive sábado e domingo num batente danado para ajudar no combate a um incêndio num serrado. Volto a comentar mais poemas seus em breve. Aguarde.

Para o texto: Abraço de amizade ((Marcial e Flor)) (T2398512)


De: Flor da Vida

Apagar

09/08/2010 18:17

Muito bom seu soneto, querida Silvia. Estive quatro dias fora justamente a serviço da ecologia. Fui planejar estratégias para dirigir uma pequena brigada para apagar fogo num serrado, a mil quilômetros de minha cidade. Lá onde estive(no sertão Veredas) tem um rio o qual denominei de "RIO MISTERIOSO" Nesses dias ele está com pouquíssima água. Seu mistério se consiste na enorme quantidade de areia que ele transporta para o rio São Francisco. Seu belo soneto me fez lembrar da nascente do velho Chico, no alto da serra da Canastra. Ele começa num terreno úmido contendo uma moita de árvores desconsoladas, entremeadas de capim, tipo savana. Dali começa a correr um filamento, primeiramente no sentido sul no chapadão da serra, uns seis quilômetros depois, a pouca água despenca numa queda de aproximadamente 150mt de altura. Dali suas águas seguem para o nordeste, e vai recebendo pequenos afluentes, porém antes da cidade de Três Marias, já se tornou um rio de porte médio, e assim por diante. Conheço o São Francisco em toda sua extensão. Pirapora, São Romão, Januária, Bom Jesus da Lapa, Sobradinho, Chingó e por fim seu encontro com o mar, lá em Penedo, onde estive alguns dias. O seu soneto dá certinho para classificar a trajetória e o sofrimento do querido rio São Francisco. Agradeço sua prestimosa visita em minha página. Sou um poeta sonhador e me sinto realizado quando leio comentários como o seu e de outros colegas, falando alguma coisa de minhas composições. Bom, vou encerrando, dizendo que constantemente tenho fugidas do recanto pois sou ativista voluntário em conservação ambiental e inimigo das queimadas, por cujos deveres sou constantemente solicitado para prestar meu trabalho de ajuda na conservação. Meus sentimentos entretanto é saber que pouco está adiantando, pois a humanidade em geral não está nem aí, com o futuro de nosso habitat. É fogo pra todo lado!Um abraço afetivo e fraternal para você, ó nobre poetisa Silvia.

Para o texto: O RIO ... (Filho da Terra) - (Soneto n.149) - Silvia Regina (T2421465)


De: Silvia Regina Costa Lima

Apagar

06/08/2010 07:41

Ah! Esqueci-me de dizer-lhe que estarei saindo daqui a pouco para uma longa viagem ao Sertão Veredas na qual ficarei envolvido por uns seis dias. Portanto caso você mandar mais algum comentário só vou respondê-lo a semana que vem. Abraços

Para o texto: Saudades do Mar (T2397180)


De: Eliana Santos

Apagar

06/08/2010 07:37

Ah! "Saudades do Mar" da Bahia de Guanabara e outros tantos lugares lindos do Rio. Da ilha de Itacuruçá, com seus recifes limpinhos! É isso mesmo, cara Eliana! Já andei muito por este Rio afora. Na mais recente peregrinação que fiz por aí tive que fazer um desvio em razão de haver caído uma ponte em Campos. Minha meta era Vila Velha - ES. Mas vamos aos comentários. Li suas poesias da primeira página e voltei nesta da "Saudade", pois qualquer poeta tem nesse substantivo abstrato, praticamente o acompanhando em toda a sua vida. Quando você cita "mar aberto" "ondas" "livre para sonhar", enfim são palavras com sons temáticos de machucar a alma! Você me visitou em "O Piloto Louco", era eu mesmo quando fazia um curso de pilotagem, sempre fui meio pirado, porém sempre fui equilibrado e nunca deixei minha aeronave cair não. Bem, chega de encher espaço com palavras sem futuro. Ah! Mas digo porém, que pelo menos para mim tem futuro, pois no momento em que escrevo me sintonizo na pessoa de minha meta. É evidente que, *tipo assim, no teu caso, ao ler você me enviará radiações de seus pensamentos inteligentes, os quais receberei com muito contentamento. Bem, mesmo sem querer tenho que parar. Aceite meu abraço afetivo, cara Eliana, e apareça sempre. (*frase dos jovens)




1   ...   25   26   27   28   29   30   31   32   ...   37


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal