Analec e os mercadores de liçÕES



Baixar 2.76 Mb.
Página16/37
Encontro24.10.2017
Tamanho2.76 Mb.
1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   ...   37

Para o texto: O PUMA E O CONDOR (T1592064)


De: Marco Aurelio Vieira

Apagar

22/09/2010 07:44

Bom dia, nobre colega Silvano. Vim aqui em seu: "SER FELIZ", em primeiro lugar para parabenizá-lo por ser um recantista. Em segundo para lhe dirigir minhas congratulações por ter me visitado, e em terceiro, para dizer-lhe que temos algo em comum. Isto por que sou um admirador da cidade de Divinópolis, onde já fui dezenas de vezes. Tenho amigos bons por aí. Dois deles são o Daniel, e sua irmã Queila. São proprietários de uma distribuidora de sacarias e manutenção de caminhões e encerados, aí pela beira da pista, ao oeste de sua bela cidade. Também acredito que temos algo em comum quanto a amar a natureza. Sou um ambientalista ativista do GP, e tenho feito tudo para cumprir minha filosofia de preservar o meio ambiente. Infelizmente a gente briga por esse fator, mas sempre acaba perdendo. Pelo seu perfil percebi que você tem também um grande carinho para com a natureza, enfim, caro amigo, é bom saber que pessoas inteligentes têm as mesmas tendências de pensamentos quanto a preservar nosso planeta. Se quiser me visitar indico-lhe: "AS MARGENS CALCINADAS", "O MEIO AMBIENTE", ou ainda "ÁUREA CONVICÇÃO" e até uma recente crônica, onde evidenciei a letra P em sua composição. Leva o título de "PÊSSEGOS E PEPINOS". Aceite um abraço do filósofo Luzirmil.

Para o texto: Ser feliz... (T2430065)


De: Silvanio Alves

Apagar

21/09/2010 23:14

Esse conto, não tem nada de conto, cara Regina! É uma terrível realidade que está acontecendo vinte e quatro horas por dia. Tenho combatido muito fogo nesses últimos dois meses. Os cerrados e as matas estão sendo sumariamente destruídos por toda a região do Vale e Sertão Veredas, inclusive nas reservas florestais em Brasília. Tomara que acontecesse com todos os incendiários, quer culposos ou dolosos, o que ocorreu com seu personagem fumante. Parabéns pelo indicativo e aceite um abraço afetivo do filósofo Luzirmil.

Para o texto: A CONSEQUÊNCIA - (Conto Minimalista n.48) - Silvia Regina (T2511830)


De: Silvia Regina Costa Lima

Apagar

21/09/2010 22:24

Nunca! Adjetivo, cujo sinônimo quer dizer JAMAIS, na equação o seu maravilhoso "PARADOXO", ficaria assim: O que jamais será vai ser e o que jamais foi deixou de ser. Que gozado, não? E sua dúvida, Minino, sobre Deus estar aqui, ali e acolá? Perguntas ou afirmas que Ele não está em lugar nenhum? Se perguntas nunca jamais saberemos, se afirmas nunca jamais o encontraremos! Pois Ele é o Nada, é entretanto, o Tudo invisível. Se perguntas: Deus é o Nada! se afirmas Deus é o Tudo oculto, porém pelo Nada. Mas não te confundas. Em 2 de provérbios, na Bíblia Sagrada, podemos decifrar a questão. O importante é que o seu Nunca, ficou bom nos dois aspectos. Visite um texto meu: "NUNCA É TARDE PARA SABER". Não me recordo do que escrevi lá, mas deve ser alguma filosofia relativa aos meus pensamentos. Vou lá pra ler agora. Pois o seu "Nunca Será", de tão bom que ficou, me me fez esquecer do que escrevi. Visite-me em "UM MERISMA PARA OS POETAS". Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: PARADOXO (T2505319)


De: minino caldas

Apagar

21/09/2010 16:20

Congratulações, querida Marlene. Volto em suas páginas, contente por tê-la encontrado nos meus enfileirados Pês, do texto sobre pêssegos e pepinos. Parabenizo-lhe pelo lindo soneto: "LEMBRANÇAS", Sua escalada de recordações abrange uma larga gama de minhas lembranças, voltadas lá em meu tempo de criança e se estendendo até poucos dias passados; isto por estou vivendo um período em que os fatores e acontecimentos ficam por pouco tempo na mente, mas ficam! Visite-ma mais. Ontem escrevi "A ASA DELTA". Compus também um cordel com o título: "PESADELO NA ESTRADA". e não me esqueça. Seu seu admirador. Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: Lembranças (T2197783)


De: MVA

Apagar

21/09/2010 16:04

Boa tarde J. Estanislau. Estive numa das páginas da jovem Elaine e vi lá um indicativo para que ela lesse seu texto"ELA". como gosto de ler os indicados vim aqui e achei a coluna de palavras, maravilhosa! Retrata perfeitamente uma poesia minha colocada no RL por título "A FEITICEIRA". Entendi que passei pelos mesmos caminhos de suas colocações. Ah! como vai Contagem? Até uns três anos atrás eu sempre estava por aí fazendo algum trabalho técnico nas firmas terceirizadas fornecedoras da FIAT. Mas com o advento de minha aposentadoria parei de viajar entre Ribeirão e a Capital Mineira. Mas tenho reais saudades. Visite-me em "a feiticeira" ou em qualquer texto meu (Luzirmil) por exemplo nos cordéis. Indico-lhe "ZECA LADÃO" ou "JOÃO BOA VIDA" e me escreva indicando mais alguns antigos seus. Abraços amigos do filósofo Luzirmil.

Para o texto: ELA (T1211719)


De: J Estanislau Filho

Apagar

21/09/2010 15:30

Puxa vida, Elizabeth! Você passou apertado com a tríplice sugestividade! Pelo que pude captar, pintar o cabelo fora uma sugestão (antiga) de terceiros. Tomar um ante alérgico, teria sido a segunda, também sugestionada, desta vez pela amiga, e por fim, sua própria sugestão em se acondicionar a um ostracismo irresoluto! Engraçado! Para cada assunto que leio no RL me lembro de algum fator relativo ocorrido em minhas visitas, sejam nas escolas ou para consertar órgãos musicais eletrônicos nos templos, nas várias igrejas, entre elas, algumas evangélicas. Num desses atendimentos a organista (que se dizia ser crente) estava nervosa, pois os dirigentes, dizendo-se guiados por Deus proibira a todas elas de pintarem o cabelo. Eu consertara o órgão e tentei consertar-lhe a mente, aconselhando-a, pois dizia-se proposta a brigar com o pastor, ou sei lá com quem! O fato é que ela deixou de tocar, pois, conforme citou, de maneira alguma deixaria de pintar os cabelos! Bem, dei-lhe razão, pois cada um tem seu *livre arbítrio. Penso que pintar o cabelo, não tem nada a ver com o bom testemunho da pessoa. Paro por aqui o assunto sobre tintas e cabelos para dizer-lhe que gostei de sua crônica, mas vamos falar um pouquinho sobre sua procura. Não estaria ela oculta num tratado meu, publicado aqui no Recanto, com o título: "POR QUE EXISTIMOS?". Procure. Há também um conto sobre um sonho que tive (sou muito sonhador) ao qual dei o título: "O MENINO DO RIO E A BÍBLIA". Se seu email para contato estiver funcionando vou lhe enviar um poema cujo título é: "AS NUVENS E O FIRMAMENTO". Por fim para não estender mais este comentário, envio-lhe minhas sinceras congratulações pelo apreço e consideração para com o filósofo Luzirmil. Abraços.

Para o texto: SOS!!! VIREI UM COGUMELO!!! (T2495813)


De: ELISABETHDOVITAL

Apagar

21/09/2010 11:41

Que massa!! Sua poesia tem um calor profundo, além de conter a luz dos sentimentos! Parabéns Elaine. Gostei de seu "ENIGMA". É assim que se faz! Sua indicação foi-me propícia para imediatamente te ler. Gostei das palavras sabiamente arranjadas. Vá nessa força de vontade que Deus lhe dará sucessos futuros. Aceite mais um abraço do Luzirmil, o filósofo crianção!

Para o texto: Enigma (T2511308)


De: Elaine Regina

Apagar

21/09/2010 11:32

Se você perguntou para um comentarista filósofo, cá estou para lhe responder! Penso que para alguém se tornar uma pessoa vitoriosa deve aplicar as palavras de uma conhecida musica: "levanta, sacode a poeira de dê a volta por cima". Ah! querida Lary, ser vitorioso nesse mundo, só mesmo observando suas palavras virtuosas dos dois últimos indrisos interpostos! Que inteligência criativa, a sua! Visite-me. Indico-lhe: "LAMENTO NA ESPERANÇA","LUZES DO FIRMAMENTO" "O ANCIÃO E O PEREGRINO", e até um divertido cordel "A CADELA E A MATILHA". Poderás ler também meu sofrimento com uma flor: "A FLOR FEITICEIRA". Indique-me textos seus para que eu possa escolher, aqui e ali. Abraços de Luzirmil, o filósofo.

Para o texto: O que faz uma pessoa ser vitoriosa? (T2511320)


De: Lary Anne de Freitas Mariz

Apagar

21/09/2010 11:14

Bom dia Julio. Sua composição me fez lembrar de um texto meu "O VIOLINO DE METEORO" em que um menino e seu genitor estava num assunto sobre as casas das estrelas, cujas portas eram o próprio tempo, momento em que caiu um meteoro próximo deles, tendo aquele, o formato de um violino. Pelos seus colocados em sua prosa poética, tudo que citas aqui, pai e filho tiveram fatorialmente alguma ocorrência análoga. Peço suas visitas, para nos tornarmos conhecidos. Vá lá em "AS TRÊS FORÇAS", ou "LEMBRANÇA - VEÍCULO DO TEMPO",ou ainda no cordel: "JOÃO BOA VIDA". Indique-me algum seu também que vou ler com muita atenção. Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: Poeta (T2511286)


De: Julio Almada

Apagar

21/09/2010 10:59

Lindo poema! meu caro Lima. Metricamente arranjado e com palavras tradicionalmente usadas pelos grandes mestres da poesia! Além do inteligentíssimo arranjo, floreaste o poema com a filosofia dos sofismas aventureiros daqueles que buscam apenas o prazer, esquecendo-se que na torrente dos dias, com o passar deles, mais se aprofundam na desilusão dos passageiros momentos em que mais esvaziam a vida. Somados, evidentemente aos constantes arrependimentos, dos quais não há como ficar livre, é só tristeza! A profundidade de seu poema "VIDA VAZIA" tende a nos direcionar para a meditação transcendente, em que a presença de uma outra vida se espelha na esperança de termos futuramente outra, entretanto nova e CHEIA alegrias eternas! Visite-me, caro Lima; seja no cordel "NO TEMPO DAS GARRUCHAS" na prosa poética "A FLOR FEITICEIRA" ou nos pensamentos: "PENSAMENTO ILUMINADO" Etc. Escreva-me indicando alguns seus. Abraços do filósofo Luzirmil

Para o texto: Vida vazia... (T2511241)


De: LimadeCastro

Apagar

21/09/2010 10:42

Meus parabéns, cara Kátia, pela colocação poética em favor das benditas árvores. Na qualidade de um ambientalista praticante, me senti, assim como as árvores, agraciado por suas suas palavras. convido-te a visitar-me num cordel, cujo título denominei de "O MEIO AMBIENTE", ou "AS MARGENS CALCINADAS" ou ainda: "O ANCIÃO E O PEREGRINO". Se gostar de crônicas, visite "A ASA DELTA". Perdoe-me por indicar, mas prefiro ler os que me são indicados também, mesmo por que existem alguns textos antigos muito bons e só conseguimos lê-los sob indicação. Um abraço do filósofo Luzirmil.

Para o texto: 560 _ UMA ÁRVORE! (T2511215)


De: KÁTIA PÉROLA

Apagar

21/09/2010 09:18

Ah! Flor. Os enigmas da vida são nossas provações. a solidão é um desses enigmas. Abraços do filósofo Luzirmil. Visite-me em "a feiticeira".

Para o texto: CONVERSANDO COM O CORAÇÃO*! (T2511058)


De: A Flor Enigmática

Apagar

21/09/2010 09:14

Seriam fatores prismáticos oriundos de sua felicidade, caro Fernando? Gosto de filosofia, e encontrei em seu previdente texto algo fundamental para mais pensamentos meus, relativos futurologia sobre o arco-íris. Visite-me, nobre colega. Indico-lhe: "A HISTÓRIA DE ÊNIO" ou o cordel, "O ANCIÃO E O PEREGRINO", ainda poderás me ler em "ZECA LADÃO" e outros mais. Indique-me os seus também. Os antigos geralmente são esquecidos. Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: LUZES MULTICOLORIDAS (T2511046)


De: FERNANDO PELLISOLI

Apagar

20/09/2010 21:59

Sentimentos de afeto por um cajueiro, traduzem a benevolente posição da alma do poeta Victor em favor de uma árvore nobre. Parabéns, amigo poeta. Tenho uma breve história sobre um cajueiro alto no quintal de uma casa lá na cidade de Água Doce, ao norte do estado do Maranhão. Estando um amigo, cujo nome é Tião, e eu passando na rua em frente a dita árvore, ele viu um grande caju, madurinho, porém lá na copa do cajueiro. Acreditamos que estava a uns dez metros de altura. -Olha lá Luzirmil, que belo caju - disse ele. -Pena que os pássaros é que vão saboreá-lo! -Quer que eu o apanhe pra você comê-lo? - perguntei. -Ora da altura em que se encontra ninguém consegue acertar alguma pedrada nele para derrubá-lo! Na verdade nem eu nem ele ou outra pessoa qualquer, jamais conseguiria acertar um objeto qualquer na fruta para derrubá-la. Mas por incrível que parece quando lancei a primeira pedrada ela acertou em cheio no talo da fruta madura, que por outro golpe de sorte caiu certinho nas mãos do Tião. Aquilo foi uma possibilidade rara de uma por cem, pois em cem pedradas talvez uma acertaria. O importante é que o Tião saboreou o cajuzão imediatamente após desejá-lo. Aquele fato ficou como um erro de pontaria, pois nunca fui bom no negócio de apanhar frutas com pedradas. Sempre precisei jogá-las umas dez ou mas vezes até que uma acertasse, numa manga, laranja, goiaba, ou que fruta fosse! Enchi seu espaço, caro Victor. Visite-me em: "O VIOLINO DE METEORO" ou o cordel "AS BORBOLETAS E UM PEREGRINO". Abraços, caro colega.

Para o texto: Meu pé de caju (T2510298)


De: Victor da Silva Pinheiro

Apagar

20/09/2010 20:20

Mas buscar o que nesta "LOUCA PROCURA"!? Bem, vim aqui para acabar de completar meu comentário interrompido pelos relâmpagos e trovões nos céus de Ribeirão Preto. Então, como eu ia dizendo: o "drepa" don juan, ganhava, não todas, porém as mais carentes. Eram solteironas que diziam ensinar o catecismo e as boas maneiras aos adolescentes. Na catedral havia um velho órgão que era meu cliente, pois eu tinha, e ainda tenho, a profissão de consertar tais instrumentos. (na atualidade com hoby e por gostar de tocar neles) Era assim que todas as vezes que eu ia fazer lá algum atendimento técnico,eu já contava com as visões das maravilhas amorosas do artista com as artistas. Tudo era arte! Bem paro por aqui, porém indicando-lhe:"A FLOR FEITICEIRA", ou "AS MARGENS CALCINADAS", ou ainda: "PINGO NA PINGA" enfim leia-me para que eu possa ficar conhecido e conhecer também as pessoas talentosas como você e outras mais. Hoje escrevi uma crônica: "ASA DELTA". Comente e indique-me textos seus. Geralmente os antigos são esquecidos e uma indicação os trazem à mostra. Gostei do romance "padreco safado". Abraços afetivos do filósofo Luzirmil.

Para o texto: LOUCA PROCURA (T2501295)


De: ELISABETHDOVITAL

Apagar

20/09/2010 19:22

Gol de placa, Elisa! Que romance emocionante! Tem colegas que acham ruim a gente indicar, mas se você não me indicasse esse texto eu jamais me deliciaria com tão nobre novela! Conheci um "drepa" que mantinha a catequista de sua preferência sempre ocupada na catedral do amor sacerdotal. E o danado causava-me inveja. as vezes eu ia na igreja consertar o órgão e lá estavam eles aos beijos. Olha vou voltar para comentar mais, está chovendo e relampeando por aqui e tenho cuidado com o meu CP. Até

Para o texto: PADRECO SAFADO. (T1816259)


De: ELISABETHDOVITAL

Apagar

20/09/2010 16:08

Belas colocações dentro da áurea filosofia sobre o tempo, caro Genofre. Suas palavras dão encaixes sistemáticos no entender as lógicas dos *três fatores preponderantes do tempo. Tenho um amigo jornalista cujo pseudônimo é Ramathi Ogrub Mhar, isto por ter achado ele, a previdente maneira de escrever seu nome de trás para a frente. Em razão dele ter prefaciado alguns livros meus, resolvi usar seu insólito peseudônimo, na composição dos *três fatores de um deles,(livro de 186 páginas) cujo título é: "OUVINDO O FALAR DO TEMPO". Assim denominei o passado de: OGRUB (BURGO), o presente de: RAMATI (leia do I para o R) e o futuro de: MHAR (RHAM). Diante da equação exposta, surgida à luz de sua bela composição poética: "O TEMPO", temos: Fatores: PRESENTE, PASSADO E FUTURO, ou seja: RAMATI, OGRUB E MHAR. Perdoe-me por estender, Genogre, é que gostei de suas palavras poeticamente bem colocadas, e, além dos fatores tempo englobar a criação inédita do pseudônimo do meu amigo jornalista, engloba também a saudade que tenho de um outro amigo que foi delegado de polícia em Franca, lá por 1968/9. Dr. Genofre, inesquecível amigo. Era atencioso para com os radialistas (da PRB5 - RÁDIO HERTS) entre os quais, na época eu era um deles. Peço escusas pelo prolongamento, saiba porém que tudo que escrevi adveio de sua inteligente poesia. Eu prolongaria mais, se fosse falar do tempo em trabalhei em Santo Andre, e peregrinei por estes lados de Ribeirão Pires trabalhando de motorista de um caminhão basculante (no ano de 1964). Ia diariamente buscar areia numa jazida aí por perto. Deus seja contigo. Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: FILOSOFANDO (T2509605)


De: Genofre

Apagar

20/09/2010 13:35

Sim yago. no que pude entender ali no comentário do Minino, você que deve ser um ator, sabe que a vida é uma comédia, vivida em um palco de Ps, como segue: Porventura para podermos praticar peças pitorescas pelos palcos providos pelas platéias públicas, pintadas pelos pigmentos pretos por Pedros e Paulos pintores e pedreiros pragmáticos, para por portas para as pessoas poderem passar pelas paredes penetrando pelos pequenos páteos, pedindo porém para parar pelas palavras proferidas pelo P. Abraços do filósofo Luzirmil, caro Yago.

Para o texto: O SER... (T2437936)


De: Yago Carvalho

Apagar

20/09/2010 13:16

Vixi, caro Minino! Meu coração é tão fraco que nem leio textos eróticos! Qualquer excitaçãozinha o bicho começa a pular de lado. Bem, vou lhe enviar mais um pouco de Ps, pois você pediu, eis aqui: Para poder pautar por puro prazer o pedido pendente praticado pelo pedinte Pinino (le-se Minino) propus-me preparar palavras propondo pintar pitorescas pinturas praticadas por Pedro pintor parado: primeiro pela parede pintada de preto, porém por princípio periódico, Pedro parou para poder pintar a parte preta para por a placa por parapeito pelo plenário platéico. Para poder parafusar Pedro pediu pelos parafusos, porém Paulo pediu para Pedro parar, pois parafusos praticamente perderam-se pouco a pouco. Para perpetrar o pensamento pensado por Paulo precisou Pedro perder parte preponderante

Para o texto: OS CAFAJESTES (T2435855)


De: minino caldas

Apagar

20/09/2010 12:07

Gosto de crônicas semelhantes a que publicaste aqui, ó cara P Label. Meus parabéns pelo assentamento de palavras, cujo grau de filosofia alcança patamares elevados. E já que tens tendências profundas sobre; como sermos algo no mundo, se não o vivermos; convido-te a visitar um cordelzinho simples meu, cujo título é "O ARTISTA". Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: Somos e Vivemos (T2509215)


De: P Label

Apagar

20/09/2010 11:46

Ora. Você... é o grande Cavenatti! Estava com saudades de ti rapaz! Obrigado pela visita, e quanto ao tempo, é interessante que a gente fala tanto nesse vocábulo, mas tirando dele os *noves fora, acaba ficando só mesmo a incógnita! Visite-me em "O ANCIÃO E O PEREGRINO". Abraços do filósofo Luzirmil.

Para o texto: ??? ...... EU. (T2244223)


De: cavenatti

Apagar

20/09/2010 11:24

Acabei foi rindo bastante, caro companheiro. Mas você fez uma profunda analogia de *nossa existência! Ela tem que ser assim mesmo, mesclada, contrastada e cheia de contramarchas. Encontrei-te em minha filosofia sobre "A convicção em crer em Deus" e danei-me a procurar um artigo seu para ler, pois não me indicaste algum, foi assim que encontrando "ESTE É MEU MUNDO" pus-me a lê-lo. Que história linda! e além disso, com um final pitoresco! Ah! dando-me a conhecer, sou um filósofo peregrino, e sempre gostei de escrever meus pensamentos, que embora variados, entretanto creio em nosso Criador de uma forma mais convicta, pois já lutei com a morte algumas vezes (ocorrências do cotidiano como qualquer ser humano luta), e Deus me deu de vencê-la. Mas falando sobre o outro lado, (o lado do além) penso que nossos seres são ENATs, (Energia de Atuação) eternas, e que futuramente estarão ordeiramente fazendo parte de um arco-íris eterno, cuja luz central será o próprio Deus. Todavia quedo-me num trecho bíblico que diz: "Os caminhos de Deus, não são como nossos caminhos; assim como Seus pensamentos não são como nossos pensamentos". Agradeço-lhe imensamente pela visita e o convido a ler meu cordel; "O ANCIÃO E O PEREGRINO",ou o: "PESADELO NA ESTRADA", ou ainda: "ZECA LADÃO". Volte a me visitar com seus comentários, eles me enriquecem. Abraços a você e a todos os seus entes queridos. De seu amigo, filósofo Luzirmil.

Para o texto: ESTE É MEU MUNDO (Jesus Cristo) (T2503592)


De: Espirito Santo

Apagar

20/09/2010 09:20

Touro indomável suscita-me a pensar num bravio animal, quando num circo de tourada faz um grande alarde. Seu touro indomável no entanto quedou-se ao ser espinhado por uma roseira, cuja filha, a rosa, tirou-lhe a índole, fazendo-o curvar-se e arrastar-se, até que se dobrou, certamente ao perfume inebriante da flor. Parabéns pela profundidade, caro E Silva. E como você disse no comentário de minhas reflexões sobre as "duas horas": se não houver amor, não adianta haver tempo e nem seus horizontes. Abraços e grato pelo comentário. Visite-me em "O ANCIÃO E O PEREGRINO" e estimo sua volta com suas observações.

Para o texto: TOURO INDOMAVEL (T2501350)


De: E Silva

Apagar

20/09/2010 07:29

Bom dia professora Cássia. Como vai. Ficou com raiva do Luzirmil?Há mais de um mês que não tens dado notícias. Não tem me visitado, certamente não tens tido gosto em me ler, eu todavia sempre leio algum publicado seu e parei neste para reclamr sua presença. Como vão as coisas em Santo Antônio de Pádua? Tem chovido por aí? Por favor, faça uma visita em algum cordel recente meu, por exemplo "O ANCIÃO E O PEREGRINO" ou "O PESADELO DA ESTRADA" e me envie notícias pelo comentário. Um abraço pra você, cara professora Cássia.




1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   ...   37


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal