Academia brasileira de neurologia



Baixar 145.29 Kb.
Encontro17.11.2017
Tamanho145.29 Kb.




ACADEMIA BRASILEIRA DE NEUROLOGIA

Departamento de Neurologia da Associação Médica Brasileira - Filiada à World Federation of Neurology


Secretaria-Tesouraria Geral

R Capitão Cavalcanti 327 - 04017-000 – São Paulo - SP - Telefone e Fax: (011) 5084-9463

C.G.C. 43.185.230/0001-85


ACADEMIA BRASILEIRA DE NEUROLOGIA

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO MÉDICA


TREINAMENTO EM NEUROLOGIA E CREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS.

ELABORAÇÃO:




  • GETULIO DARE RABELLO

  • LISELOTTE MENKE BAREA

  • CARLOS MAURICIO DE CASTRO COSTA

  • JAIME OLAVO MARQUEZ

  • LUIZ ATAIDE JUNIOR

  • MARCOS RAIMUNDO GOMES DE FREITAS

  • SONIA MARIA BARROS DE PAULA

  • CARLOS EDUARDO SILVADO

  • PAULO NORBERTO DISCHER DE SÁ

  • ROBERTO LOW

  • MARIA VALERIANA L. MOURA RIBEIRO

CRITÉRIOS MÍNIMOS ADAPTADOS ÀS EXIGÊNCIAS DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA




RESIDÊNCIA EM NEUROLOGIA CLÍNICA

PRÉ-REQUISITO – MÉDICO FORMADO EM ESCOLA RECONHECIDA PELO MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO.



OBJETIVOS GERAIS

O MÉDICO AO TÉRMINO DA RESIDÊNCIA DEVE ESTAR APTO A:



  1. MANTER BOA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE.

  2. REALIZAR DETALHADA ANAMNESE GERAL E ESPECÍFICA.

  3. FAZER EXAME NEUROLÓGICO COMPLETO.

  4. DEFINIR DIAGNÓSTICO TOPOGRÁFICO, SINDRÔMICO E NOSOLÓGICO COM PRECISÃO E ESTABELECER DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS.

  5. PROPOR E ORIENTAR A INVESTIGAÇÃO NECESSÁRIA A CONFIRMAÇÃO DIAGNÓSTICA.

  6. DEFINIR O TRATAMENTO CLÍNICO MESMO QUE INTERVENCIONISTA OU ORIENTAR PARA TRATAMENTO CIRÚRGICO.

  7. ORIENTAR PARA PROGRAMAS ESPECÍFICOS DE REABILITAÇÃO.

  8. DAR ACOMPANHAMENTO NEUROLÓGICO DE LONGO PRAZO A PACIENTES CRÔNICOS.

  9. SER CAPAZ DE INTERPRETAR ELETRENCEFALOGRAMA NAS VÁRIAS PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS.

  10. SER CAPAZ DE INTERPRETAR EXAMES ELETRONEUROMIOGRÁFICOS E DEFINIR MIOPATIAS, NEUROPATIAS, PLEXOPATIAS, RADICULOPATIAS E DOENÇAS DA JUNÇÃO MIONEURAL.

  11. SER CAPAZ DE INTERPRETAR EXAMES DE IMAGEM INCLUINDO TOMOGRAFIA AXIAL COMPUTADORIZADA, RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA E ANGIOGRAFIAS.

  12. SER CAPAZ DE INTERPRETAR OS EXAMES CINTILOGRÁFICOS PARA PERFUSÃO CEREBRAL.

  13. SER CAPAZ DE INTERPRETAR EXAMES DE POTENCIAIS EVOCADOS.

  14. SER CAPAZ DE INTERPRETAR EXAMES DE ULTRASSONOGRAFIA E DOPPLER RELACIONADOS À ATIVIDADE NEUROLÓGICA

  15. SABER REALIZAR PUNÇÃO LOMBAR E CISTERNAL INTERPRETANDO MACROSCÓPICA E MICROSCOPICAMENTE O EXAME DO LCR


CRITÉRIOS GERAIS

1- DURAÇÃO MÍNIMA- TRÊS ANOS



  • PRIMEIRO ANO (R1) NA CLÍNICA MÉDICA EM TEMPO INTEGRAL

  • SEGUNDO E TERCEIRO ANO (R2 E R3) EM TEMPO INTEGRAL NA UNIDADE NEUROLÓGICA COM CARGA DE ESTÁGIOS OBRIGATÓRIOS E OPTATIVOS.

  • QUARTO ANO (R4) OPTATIVO EM ÁREA ESPECÍFICA (LIQUOR, EEG, NEUROENDOCRINOLOGIA, NEUROFTALMOLOGIA, ETC.)

2- 1 COORDENADOR DE RESIDÊNCIA EM NEUROLOGIA


3- RELAÇÃO PRECEPTORES/RESIDENTES 1:3

4- RELAÇÃO LEITOS COM PACIENTES NEUROLÓGICOS

NAS VÁRIAS UNIDADES HOSPITALARES/MÉDICOS RESIDENTES 5:1
5- SERVIÇO SOB SUPERVISÃO DE UM NEUROLOGISTA MEMBRO TITULAR DA ABN COM PELO MENOS DOIS NEUROLOGISTAS PORTADORES DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM NEUROLOGIA DA ABN.
6- EQUIPE NEUROCIRÚRGICA NA UNIDADE HOSPITALAR.
7- PARTICIPAÇÃO NA AVALIAÇÃO ANUAL DA ABN.
a)- O coordenador da residência deve ter residência médica completa na especialidade, de preferência, Título de Especialista. Ele terá a função de ficar em contato mais regular com os residentes, coordenar suas atividades, zelar pelo correto cumprimento do programa e estabelecer o elo de ligação com os níveis mais altos hierarquicamente do serviço.





ACADEMIA BRASILEIRA DE NEUROLOGIA

Departamento de Neurologia da Associação Médica Brasileira - Filiada à World Federation of Neurology


Secretaria-Tesouraria Geral

R Capitão Cavalcanti 327 - 04017-000 – São Paulo - SP - Telefone e Fax: (011) 5084-9463

C.G.C. 43.185.230/0001-85



RESIDÊNCIA EM CLINICA MÉDICA


PRIMEIRO ANO DA RESIDÊNCIA EM NEUROLOGIA POR ACESSO DIRETO
PRÉ-REQUISITO – MÉDICO FORMADO EM ESCOLA RECONHECIDA PELO MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO.

OBJETIVOS GERAIS

O MÉDICO AO TÉRMINO DO PRIMEIRO ANO DE RESIDÊNCIA DEVE ESTAR APTO A:

1.MANTER BOA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE.

2.REALIZAR DETALHADA ANAMNESE GERAL E ESPECÍFICA.

3.DEFINIR DIAGNÓSTICO TOPOGRÁFICO, SINDRÔMICO E NOSOLÓGICO COM PRECISÃO E ESTABELECER DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS.

4.PROPOR E ORIENTAR A INVESTIGAÇÃO NECESSÁRIA A CONFIRMAÇÃO DIAGNÓSTICA.

5.DEFINIR O TRATAMENTO CLÍNICO MESMO QUE INTERVENCIONISTA OU ORIENTAR PARA TRATAMENTO CIRÚRGICO.

6.SER CAPAZ DE INTERPRETAR ELETROCARDIOGRAMA.

7.SER CAPAZ DE INTERPRETAR EXAMES DE IMAGEM INCLUINDO TOMOGRAFIA AXIAL COMPUTADORIZADA, RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA E ANGIOGRAFIAS, DE INTERESSE NA ÁREA CLINICA.

CRITÉRIOS GERAIS

1- DURAÇÃO MÍNIMA- UM ANO



  • PRIMEIRO ANO (R1) NA CLÍNICA MÉDICA EM TEMPO INTEGRAL

2- 1 COORDENADOR DE RESIDÊNCIA EM CLINICA MEDICA


3- RELAÇÃO PRECEPTORES/RESIDENTES 1:5

4- RELAÇÃO LEITOS COM PACIENTES CLINICOS

NAS VÁRIAS UNIDADES HOSPITALARES/MÉDICOS RESIDENTES 5:1

a)- O coordenador da residência deve ter residência médica completa na especialidade, de preferência, Título de Especialista. Ele terá a função de ficar em contato mais regular com os residentes, coordenar suas atividades, zelar pelo correto cumprimento do programa e estabelecer o elo de ligação com os níveis mais altos hierarquicamente do serviço.


FORMAÇÃO TEÓRICA

RESIDENTE DE PRIMEIRO ANO – R1 (CLÍNICA MÉDICA)



  • SEMIOLOGIA CLÍNICA

  • ÉTICA MÉDICA

  • EMERGÊNCIAS EM CLÍNICA MÉDICA

  • TERAPIA INTENSIVA EM CLINICA MEDICA

  • NOÇÕES BÁSICAS DE CARDIOLOGIA CLINICA

  • NOÇÕES BÁSICAS DE PNEUMOLOGIA

  • NOÇÕES BÁSICAS EM ENDOCRINOLOGIA

  • NOÇÕES BÁSICAS DE GASTROENTEROLOGIA

  • NOÇÕES BÁSICAS DE ANTIBIOTICOTERAPIA

  • NOÇÕES BÁSICAS DE TRANSTORNOS HIDROELETROLÍTICOS E EQUILIBRIO ÁCIDO-BÁSICO



ESTÁGIOS OBRIGATÓRIOS: R1
ESTÁGIO CARGA HORÁRIA

  • PRONTO SOCORRO 550 HORAS 50 HORAS POR SEMANA

  • UNIDADES DE TER. INTENSIVA 550 HORAS 50 HORAS POR SEMANA

  • UNIDADES DE INTERNAÇÃO 320 HORAS 40 HORAS POR SEMANA

  • UNIDADES DE AMBULATÓRIO 320 HORAS 40 HORAS POR SEMANA

  • ESTAGIOS OPTATIVOS (3) 240 HORAS 40 HORAS POR SEMANA


ESTÁGIOS OPTATIVOS:R2-R3
ESTÁGIO CARGA HORÁRIA

  • CARDIOLOGIA MÁXIMO DE 60 HORAS

  • ENDOCRINOLOGIA MÁXIMO DE 60 HORAS

  • PNEUMOLOGIA MÁXIMO DE 60 HORAS

  • DOENÇAS INFECCIOSAS MAXIMO DE 60 HORAS

  • HEMATOLOGIA MAXIMO DE 60 HORAS

  • DERMATOLOGIA MAXIMO DE 60 HORAS

  • NEFROLOGIA MAXIMO DE 60 HORAS

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

TIPO DE ATIVIDADE CARGA HORÁRIA ANUAL R1


DISCUSSÃO DE CASOS CLÍNICOS 50
SESSÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS 12
SESSÕES ANÁTOMO-CLÍNICAS 12
CLUBE DE REVISTA ( ARTIGOS CIENTÍFICOS) 24
VISITA SUPERVISIONADA 200
DISCUSSÃO DE BEIRA DE LEITO 100
TOTAL DE ATIVIDADES CIENTÍFICAS 398
ATIVIDADES EM BIBLIOTECA 150
(O residente R1 deve participar de todas reuniões excluídas quatro do período de férias anuais admitindo-se ainda perda de 20% por motivos diversos. Deve haver estrito controle de freqüência)

PROCEDIMENTOS INDIVIDUAIS OBRIGATÓRIOS

PROCEDIMENTO (NÚMERO) R1


ENTUBAÇÃO ENDOTRAQUEAL 50
PASSAGEM DE INTRACATH 30
ENFERMARIA- SUPERVISÃO DE PACIENTES/ANO 300
AMBULATÓRIO- ATENDIMENTOS/ANO 500

INSTALAÇÕES MÍNIMAS


BIBLIOTECA ESPECIALIZADA DISPONÍVEL PARA OS RESIDENTES


20 LEITOS PARA PACIENTES CLINICOS NAS VÁRIAS UNIDADES DE INTERNAÇÃO (RELAÇÃO 5/RESIDENTE)
UNIDADE DE EMERGENCIA COM MOVIMENTO SUFICIENTE PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROGRAMA
UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM MOVIMENTO SUFICIENTE PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROGRAMA

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA 01 APARELHO NA UNIDADE HOSPITALAR


RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO
SERVIÇO DE ANGIOGRAFIA 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO
ULTRASSONOGRAFIA+ DOPPLER 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO

AVALIAÇÃO DO RESIDENTE

PROVA DE CONHECIMENTOS TEÓRICOS SEMESTRAL

PROVAS PRÁTICAS SEMESTRAL
CONCEITO POR DESEMPENHO CLÍNICO MENSAL
CONCEITO POR DESEMPENHO EM ENFERMARIA E P.S. MENSAL

(obs – notas de zero a dez – média aritmética com pesos iguais)



RESIDENTE DE SEGUNDO ANO – R2 ( PRIMEIRO ANO NA NEUROLOGIA)


  • NEUROANATOMIA

  • PROPEDÊUTICA EM NEUROLOGIA

  • FISIOPATOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO

  • DOR E CEFALÉIA

  • URGÊNCIAS EM NEUROLOGIA – ALTERAÇÕES DO ESTADO DE CONSCIÊNCIA E COMA

  • URGÊNCIAS EM NEUROLOGIA - INTOXICAÇÕES DO SISTEMA NERVOSO

  • URGÊNCIAS EM NEUROLOGIA – NOÇÕES DE TRAUMATISMO CRANIANO E RAQUIMEDULAR

  • DOENÇAS INFECCIOSAS DO SISTEMA NERVOSO

  • NOÇÕES DE NEUROLOGIA INFANTIL

  • EPILEPSIA I

  • DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS I

  • NOÇÕES DE NEUROIMAGEM I

  • ELETRENCEFALOGRAFIA I

  • ELETRONEUROMIOGRAFIA I



RESIDENTES DO TERCEIRO ANO – R3 ( SEGUNDO ANO NA NEUROLOGIA)

  • NEUROIMUNOLOGIA

  • TRANSTORNOS DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA NERVOSO

  • NEUROONCOLOGIA

  • IATROGENIA EM NEUROLOGIA

  • DOENÇAS GENÉTICAS DO SISTEMA NERVOSO

  • EPILEPSIA II – TRATAMENTO INTERVENCIONISTA

  • DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS II

  • TRANSTORNOS NEUROENDÓCRINOS

  • DEMÊNCIAS

  • TRANSTORNOS DO MOVIMENTO

  • DOENÇAS NEUROMUSCULARES

  • ELETRENCEFALOGRAFIA II

  • ELETRONEUROMIOGRAFIA II

  • NOÇÕES DE NEUROIMAGEM II

  • POTENCIAIS EVOCADOS

  • TRANSTORNOS DO SONO – POLISSONOGRAFIA


ESTÁGIOS OBRIGATÓRIOS: R2-R3
ESTÁGIO CARGA HORÁRIA

  • PRONTO SOCORRO (R2/3) 300 HORAS 50 HORAS POR SEMANA

  • PSIQUIATRIA (R3) 120 HORAS 40 HORAS POR SEMANA

  • NEUROFISIOLOGIA CLÍNICA (R3) 320 HORAS 40 HORAS POR SEMANA

  • NEUROLOGIA INFANTIL (R2) 400 HORAS 50 HORAS POR SEMANA

  • NEUROIMAGEM (R2/3) 100 HORAS 50 HORAS POR SEMANA

  • FISIATRIA E REABILILITAÇÃO (R3) 90 HORAS 45 HORAS POR SEMANA

  • NEUROCIRURGIA (R2) 180 HORAS 45 HORAS POR SEMANA

  • PUNÇÃO LCR E INTERPRETAÇÃO (R2) 50 HORAS NO TOTAL


ESTÁGIOS OPTATIVOS:R2-R3
ESTÁGIO CARGA HORÁRIA

  • OTORRINOLARINGOLOGIA MÁXIMO DE 60 HORAS

  • NEUROOFTALMOLOGIA MÁXIMO DE 60 HORAS

  • NEUROENDOCRINOLOGIA MÁXIMO DE 60 HORAS

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

TIPO DE ATIVIDADE CARGA HORÁRIA ANUAL R1 R2 R3


DISCUSSÃO DE CASOS CLÍNICOS -- 50 50
SESSÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS -- 12 12
SESSÕES ANÁTOMO-CLÍNICAS -- 24 24
CLUBE DE REVISTA ( ARTIGOS CIENTÍFICOS) -- 48 48
VISITA SUPERVISIONADA -- 200 200
DISCUSSÃO DE BEIRA DE LEITO -- 100 100
TOTAL DE ATIVIDADES CIENTÍFICAS -- 434 434
ATIVIDADES EM BIBLIOTECA -- 300 300
(O residente R2 e R3 deve participar de todas reuniões excluídas quatro do período de férias anuais admitindo-se ainda perda de 20% por motivos diversos. Deve haver estrito controle de freqüência)

UNIDADES DE TREINAMENTO

UNIDADE CARGA HORÁRIA ANUAL R1 R2 R3


AMBULATÓRIO -- 384 384
PRONTO SOCORRO -- 1152 1152
ENFERMARIA -- 1152 1152
Considerando-se:

  • Residente de primeiro ano na clínica médica

  • Dois ambulatórios semanais de 4horas cada para R2/R3 sendo um geral e outro de área específica ( vascular, cefaléia, transtornos do movimento, etc.)

  • Pronto Socorro de 24 horas semanais para o R2 e R3

  • Enfermaria: considerando-se 4 horas diárias para o R2 e R3.


PROCEDIMENTOS INDIVIDUAIS OBRIGATÓRIOS

PROCEDIMENTO (NÚMERO) R1 R2 R3


PUNÇÃO LOMBAR -- 100 nos 2 períodos
PUNÇÃO SUB-OCCIPITAL -- 48 nos 2 períodos
ELETRENCEFALOGRAMA (INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS) -- 50 200

POTENCIAL EVOCADO (INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS) -- -- 20

ELETRONEUROMIOGRAFIA (INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS) -- -- 20

ENFERMARIA- SUPERVISÃO DE PACIENTES/ANO -- 300 300

AMBULATÓRIO- ATENDIMENTOS/ANO -- 500 500
Considerando-se:


  • Exames eletrofisiológicos são aleatórios, número mínimo para uma base de interpretação, mas não o suficiente para se considerar um especialista. Neste conceito poderá haver um R4 opcional em área específica como, por exemplo, neurofisiologia, neuroendocrinologia, neuroftalmologia, etc.



INSTALAÇÕES MÍNIMAS


BIBLIOTECA ESPECIALIZADA DISPONÍVEL PARA OS RESIDENTES
20 LEITOS PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS NA VÁRIAS UNIDADES DE INTERNAÇÃO (RELAÇÃO 5/RESIDENTE)
ELETRENCEFALÓGRAFO 01 APARELHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL
ELETROMIÓGRAFO 01 APARELHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO
POTENCIAL EVOCADO 01 APARELHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA 01 APARELHO NA UNIDADE HOSPITALAR


RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO
SPECT 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO
SERVIÇO DE ANGIOGRAFIA 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO
ULTRASSONOGRAFIA+DOPPLER 01 APARÊLHO FUNCIONANTE NO HOSPITAL OU PERMITIR ACESSO À SUA REALIZAÇÃO

AVALIAÇÃO DO RESIDENTE

PROVA DA ACADEMIA BRASILEIRA DE NEUROLOGIA ANUAL


PROVA DE CONHECIMENTOS TEÓRICOS SEMESTRAL

PROVAS PRÁTICAS SEMESTRAL


MONOGRAFIA NO TÉRMINO DO R3
CONCEITO POR DESEMPENHO CLÍNICO MENSAL
CONCEITO POR DESEMPENHO EM ENFERMARIA E P.S. MENSAL

(obs – notas de zero a dez – média aritmética com pesos iguais)



CONTEÚDO TEÓRICO PROGRAMÁTICO MINIMO NA RESIDÊNCIA EM NEUROLOGIA
OBJETIVOS DOS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM


  1. Descrever a anatomia e as bases fisiológicas do exame neurológico

  2. Executar completa história e exame neurológico, e com as noções expostas no item A determinar os DIAGNÓSTICOS SINDRÔMICOS

  3. Usar os dados clínicos para localizar lesão (DIAGNÓSTICO LOCALIZATÓRIO)

  4. Caracterizar o processo em relação aos seus mecanismos fisiopatológicos, desenvolvendo diagnósticos diferenciais do problema (DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO)

  5. Avaliar a evolução temporal do problema e seu prognóstico, determinando a necessidade de rápida atuação médica, assim como de colaboração de outros profissionais da área das neurociências ou não.

  6. Formular plano racional de investigação e tratamento.


NEUROANATOMIA


  1. Explicar as relações anatômicas dos componentes do neuroeixo, incluindo o cérebro, cerebelo, tronco encefálico, medula espinal, raízes, plexos, nervos periféricos, junção neuromuscular e músculos.

  2. Listar os componentes dos compartimentos supra e infratentorial.

  3. Descrever as funções e a estruturação relacionadas a cada uma das partes do sistema nervoso central: lobo frontal, lobo parietal, lobo occipital, lobo temporal, gânglios da base, tálamo, sistema reticular, medula espinal.

  4. Descrever as vias visuais, incluindo retina, disco óptico, nervo óptico, quiasma, trato óptico, corpo geniculado lateral, radiação óptica, córtex occipital.

  5. Descrever as relações entre mesencéfalo, ponte, medula entre si e:

    1. localizar cada núcleo de nervo craniano a uma das três principais regiões do tronco encefálico

    2. localizar a via corticospinal através do tronco encefálico

  6. Descrever as funções clínicas relacionadas aos hemisférios cerebelares e verme cerebelar.

  7. Descrever o sistema circulatório do sistema nervoso central:

    1. Descrever a distribuição das artérias cerebral anterior, média e posterior

    2. Descrever o polígono de Willis

    3. Descrever o sistema vertebrobasilar

    4. Analisar a origem dos pequenos vasos intracranianos, notadamente as artérias lenticulo estriadas.

    5. Descrever o sistema venoso intracraniano e os grandes seios venosos

  8. Identificar os componentes do sistema ventricular, seus foramens de comunicação, suas interconexões, e relações com espaço subaracnóideo. Localizar a origem, fluxo e absorção do LCR.

  9. Revisar a anatomia da medula espinal

    1. Descrever as relações da medula espinal com a coluna vertebral, e identificar o nível vertebral no qual a medula espinal termina.

    2. Identificar os grandes tratos, as modalidades relacionadas, seus trajetos longitudinais, observando seus níveis de decussação (trato espinotalâmico, colunas dorsais, trato corticospinal, tratos espinocerebelares, tratos vestibuloespinais).

  10. Identificar os seguintes componentes do sistema nervoso periférico: raízes aferentes, raízes eferentes, gânglio da raiz dorsal, relações entre as raízes e foramens intervertebrais.

  11. Revisar o plexo cervical, braquial, lombosacral, e discutir as funções clinicas mais importantes dos seguintes nervos periféricos, incluindo funções relacionadas à motricidade e sensibilidade:

    1. Nervo radial

    2. Nervo mediano

    3. Nervo ulnar

    4. Nervo axilar

    5. Nervo músculo-cutâneo

    6. Nervo femoral

    7. Nervo ciático (nervo fibular e tibial)

    8. Nervo femorocutâneo lateral

    9. Nervo obturatorio

  12. Nomear os componentes da unidade motora e descrever a junção neuromuscular

  13. Revisar o sistema nervoso autônomo

    1. Descrever o sistema nervoso simpático (hipotálamo, coluna intermédio lateral, cadeia simpática

    2. Identificar os componentes da cadeia parassimpática

    3. Listar o impacto da disfunção autonômica na função sexual, função esfincteriana, pupilar e na sudorese

  14. Identificar e descrever todos os componentes relacionados às vias nociceptivas, incluindo as vias aferentes e sistemas supressores de dor.

  15. Descrever os grandes sistemas aferentes e eferentes através de todo o sistema nervoso central

  16. Descrever os principais grupamentos musculares e suas funções.


PROPEDÊUTICA NEUROLÓGICA


  1. Reconhecer que a história é a chave para o exame neurológico, fazer completa e competente história, notando os seguintes elementos básicos:

    1. Estabelecer o início, progressão, e características do quadro neurológico, identificando todos os sintomas relacionados e fatores precipitantes, agravantes e de melhora.

    2. Verificar antecedentes hereditários, traumatismos, problemas pré e pós-natais, epilépticos, comportamentais

    3. Executar uma revisão neurológica básica de sintomas relacionados à personalidade, memória, cefaléia, dor, crises epilépticas, alterações de consciência, visão, audição, linguagem, deglutição, coordenação, marcha, fraqueza muscular, alterações de sensibilidade, transtornos esfincterianos, movimentos involuntários.

  2. Avaliação da fácies e atitude, e sua caracterização.

  3. Realizar um exame de funções mentais incluindo:

    1. Nível de consciência – Saber aplicar a Escala de Coma de Glasgow

    2. Avaliação de afasia (expressão, compreensão, nomeação, repetição, leitura, escrita).

    3. Avaliação da presença de agnosias

    4. Avaliação da presença de apraxias

    5. Realização do Mini-exame do Estado Mental (Folstein & Folstein)

  4. Realizar completo exame dos nervos cranianos, incluindo fundoscopia

  5. Realizar exame de motricidade, incluindo:

    1. Força muscular (testes musculares mínimos, quantificação de déficit motor, manobras deficitárias)

    2. Avaliação do desvio pronador

    3. Tono

    4. Coordenação muscular, incluindo index-nariz, index-index, calcanhar-joelho, diadococinesia, manobras de rechaço, coordenação tronco-membros.

    5. Motricidade automática: respiração, deglutição, fala, marcha.

    6. Motricidade reflexa: reflexos miotáticos fásicos e tônicos e reflexos superficiais

    7. Movimentos anormais

  6. Realizar completo exame da marcha

    1. Equilíbrio estático e dinâmico

    2. Sinal de Romberg

    3. Marcha tandem

    4. Capacidade de levantar quando sentado

    5. Andar apoiado nos dedos e no calcanhar

  7. Realizar exame de sensibilidade, incluindo modalidades primárias (dor, temperatura, tato, posição, vibração) e modalidades secundárias/corticais (estereognosia, grafestesia, estimulação simultânea).

  8. Examinar com cuidado os elementos de uma síndrome álgica, incluindo: local da dor, irradiação da dor, parestesias, disestesias, pontos dolorosos, pontos gatilho, alodinea, hiperpatia, analgesia, hipoalgesia, hiperalgesia, distribuição espacial do fenômeno doloroso.

  9. Avaliar transtornos tróficos e neurovegetativos: atenção para Síndrome de Claude Bernard-Horner, atrofia muscular, fasciculações.

  10. Atenção para os componentes do exame geral de importância em neurologia

    1. Exame da pele

    2. Exame cardiovascular incluindo pressão arterial e sopros, inclusive intracranianos

    3. Meningismo e irritação radicular: rigidez de nuca, Kernig, Lasegue, Brudzinski, Bikele

    4. Palpação de artérias, inclusive artéria temporal superficial.


FISIOPATOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO


  1. Fisiopatologia da motricidade:

    1. Diferenciar os vários transtornos causadores de déficit muscular, incoordenação, e movimentos involuntários, pela medida da força muscular, massa muscular, alterações reflexas, alterações sensitivas, perda de coordenação e movimentos involuntários.

    2. Mecanismo da contração muscular e transmissão neuromuscular

    3. Diferenciar entre síndrome do neurônio motor central e síndrome do neurônio motor periférico

      1. Discutir a fisiopatologia das síndromes ligadas ao neurônio motor superior (hemiparesia, paraparesia, tetraparesia), descrevendo as alterações reflexas (profundos, superficiais, patológicos), e de que forma se diferenciam entre as lesões agudas e mais crônicas. Diferenciar entre paralisia facial tipo periférico e tipo central.

      2. Definir rigidez e espasticidade

    4. Fisiopatologia da coordenação, definindo ataxia, dismetria, marcha, e diferenciando entre as ataxias cerebelares, sensitivas, vestibulares e frontais.

    5. Fisiopatologia dos transtornos de movimentos, com atenção à anatomia dos ganglios da base e aspectos clinicos de: tremor (repouso x ação), rigidez x espasticidade, atetose, coréia, asterixis, distonia (incluindo câimbra do escrivão e torcicolo), mioclonias, tiques. Discutir os achados clínicos, laboratoriais e o tratamento de Doença de Parkinson (e outras formas de parkinsonismo), tremor essencial (e outras formas de tremor), discinesia tardia, coréia de Huntington (e outras formas de coréia), doença de Wilson.

  2. Fisiopatologia da sensibilidade:

    1. Compreensão de toda a via sensitiva e dos mecanismos fisiopatológicos envolvidos nas várias modalidades de sensibilidade (exteroceptiva, proprioceptiva e interoceptiva). Diferenciar transtornos sensitivos centrais dos transtornos sensitivos periféricos pela distribuição, modalidades afetadas, fenômenos associados e a presença ou ausência de dor.

    2. Para os transtornos centrais de sensibilidade, descrever e discutir os mecanismos de: hemihipostesia, nível sensitivo, síndrome de Brown-Sèquard, perdas sensitivas dissociadas, preservação da sensibilidade sacral, ataxias sensitivas.

    3. Listar os componentes da unidade motora e diferenciar as síndromes de radiculopatia, plexopatia, neuropatia, transtorno da junção neuromuscular, miopatia, pelos sintomas, alterações sensitivas, alterações reflexas, massa muscular e tono.

    4. Para os transtornos periféricos sensitivomotores, descrever e interpretar os seguintes achados: dor radicular, radiculopatia, mononeuropatia, mononeuropatia múltipla, polineuropatia, meralgia parestética, parestesia, disestesia, alodínea, hiperpatia, fasciculações.

    5. Compreender os mecanismos centrais envolvidos na sensibilidade, as áreas corticais envolvidas e os fenômenos de extinção, alestesia, dissociação vibratória-cinético postural. Compreender os mecanismos das gnosias.

    6. Fisiopatologia da dor.

  3. Fisiopatologia da visão e dos movimentos oculares:

    1. Via visual e conseqüências de sua lesão em vários pontos. Mecanismos periféricos e centrais da visão.

    2. Avaliar perda visual: perda visual monoocular, aumento de mancha cega, escotoma central, defeito hemianóptico, hemianopsia homônima e heterônima, quadrantanopsia, agnosias visuais.

    3. Diferenciar papiledema e papilite.

    4. Compreender os mecanismos envolvidos na motricidade ocular extrínseca e intrínseca: descrever a inervação e ação de cada um dos músculos extraoculares, manobras dos olhos de boneca e oculovestibulares, oftalmoplegia internuclear, paralisia do III nervo (com ou sem preservação pupilar), paralisia do IV nervo, paralisia do VI nervo, paresia ocular flutuante.

    5. Compreender as vias envolvidas no controle central da movimentação ocular e as conseqüências de sua lesão.

    6. Reconhecer nistagmo e estudar sua fisiopatologia.

    7. Avaliar transtornos pupilares: via simpática e parassimpática, síndrome de Horner e Adie, reflexo fotomotor direto e consensual e defeito pupilar aferente.

  4. Fisiopatologia da audição e do equilíbrio.

    1. Definir vertigem e diferenciá-la de outras formas de tonturas.

    2. Diferenciar as causas comuns de desequilíbrio (sem vertigem).

    3. Interpretar os seguintes achados do exame vestibular: nistagmo, manobras de Hallpike, testes calóricos (no paciente em coma e em vigília), diferenciar algumas patologias vestibulares (vertigem paroxística benigna, neuronite vestibular, doença de Menière, episódio isquêmico transitório de tronco encefálico com vertigem, neurinoma do acústico).

    4. Estudar a fisiologia da audição e aspectos de sua fisiopatologia: zumbido, perda auditiva, testes de Rinne e Weber, surdez de condução e neurossensorial.

  5. Fisiopatologia da gustação e olfação.

  6. Consciência e fisiopatologia das alterações dos estados de consciência:

    1. Estudar as estruturas anatômicas envolvidas na consciência e no sono

    2. Coma: lesões supratentoriais, infratentoriais e multifocais/difusas.

    3. Síndrome confusional aguda

    4. Estado vegetativo persistente

    5. Morte encefálica: aspectos médicos e legais envolvidos

    6. Retirada psíquica

    7. Síndrome do cativeiro

    8. Catatonia

    9. Sono

  7. Afasias, apraxias e agnosias.


CEFALEIA E DOR



  1. Cefaléia:

    1. Avaliação do paciente com cefaléia. Epidemiologia. Estruturas sensíveis ou não à dor. Critérios de investigação. Uso de TCC, RNM, LCR, velocidade de hemossedimentação. Impacto e custos da cefaléia.

    2. Classificação internacional das cefaléias da International Headache Society (1988). Cefaléias primárias e secundárias.

    3. Enxaqueca sem e com aura: diagnóstico, fisiopatologia e tratamento.

    4. Cefaléia tipo tensão: diagnóstico, fisiopatologia e tratamento.

    5. Cefaléia em salvas: diagnóstico, fisiopatologia e tratamento.

    6. Outras formas de cefaléia: hemicrania paroxística crônica e episódica, cefaléia hípnica, síndrome “SUNCT”, cefaléias de esforço, cefaléia das pontadas.

    7. Cefaléia crônica diária: diagnóstico, fisiopatologia e tratamento.

    8. Cefaléias secundárias: ligadas ao traumatismo craniano, patologias vasculares (hemorragia subaracnóidea, arterite temporal, hemorragia cerebral, isquemia cerebral, hipertensão arterial e encefalopatia hipertensiva, tromboses venosas), patologias não vasculares (meningites e encefalites, processos expansivos, hipotensão intracraniana, hipertensão intracraniana benigna), ligadas ao uso de drogas, ligadas a infecções não cefálicas, ligadas a transtornos clínicos e metabólicos, associadas a patologias de olhos, ouvidos, nariz, garganta, dentes, articulação temporomandibular, crânio, coluna cervical, neuralgias e outras formas de dores neuropáticas cefálicas (neuralgia de trigêmeo e glossofaríngea, outras algias cranianas, dor por desaferentação).

  2. Dor:

    1. Anatomia, fisiologia e fisiopatologia da dor: vias aferentes, vias eferentes, sistemas de modulação, transdução, transmissão, modulação, sensibilização periférica e central, inflamação, sistema simpático.

    2. Semiologia da dor: etiologia e classificação.

    3. Quadro clínico das dores: caracterização das dores nociceptivas e neuropáticas.

    4. Epidemiologia da dor.

    5. Tratamento das dores agudas e crônicas: tratamento farmacológico (analgésicos não opióides, analgésicos opióides, antidepressivos, antiespásticos e relaxantes musculares, anticonvulsivantes, neurolépticos, bloqueios), tratamento cirúrgico (ablativos e não ablativos, sistemas implantáveis), tratamento fisioterápico, cuidados paliativos.

    6. Dor cervical e na região lombar: diferenciar dor miofascial, radiculopatia, compressão da medula espinal. Avaliar a importância da dor lombar no câncer.


URGÊNCIAS EM NEUROLOGIA:

  1. Alterações do estado de consciência: Coma, Síndrome confusional aguda, Estado vegetativo persistente, Morte encefálica (aspectos médicos e legais envolvidos), Retirada psíquica, Síndrome do cativeiro, Catatonia, Sono.

  1. Medidas imediatas no tratamento do coma.

  2. Diferenciação das lesões supratentoriais, infratentoriais e metabólicas/difusas: padrão motor (paratonia, rigidez em decorticação, rigidez em descerebração), motricidade ocular extrínseca (paralisias de movimentos oculares, desvios conjugados, manobra oculocefalica, manobra oculovestibular), motricidade ocular intrínseca (pupila diencefálica, pupila mesencefálica, pupila tectal, pupila do III nervo, pupila da síndrome de Horner, pupila pontina), respiração (Cheyne-Stokes, hiperventilação neurogênica central, respiração apnêustica, respiração atáxica).

  3. Desenvolver capacidade de discriminar causas de coma com: hemiparesia sem sinais meníngeos, hemiparesia com sinais meníngeos, com sinais meníngeos apenas, hemiparesia e achados de tronco encefálico.

  1. Diagnóstico e tratamento da hipertensão intracraniana.

  1. Sinais e sintomas de HIC.

  2. Efeitos da herniação uncal: nível de consciência, atividade motora, movimentos extraoculares, reatividade pupilar.

  3. Indicações para TCC ou RNM antes da execução de punção lombar.

  4. Métodos de tratamento da HIC

  5. Hidrocefalia comunicante e não comunicante.

  1. Estado de mal epiléptico

  2. Infecções agudas do sistema nervoso central.

  3. Intoxicações do sistema nervoso central.

  4. Paralisias agudas: mielopatias, radiculopatias agudas, polineuropatias agudas, miastenia gravis, miosites, paralisias periódicas.

  5. Doença vascular cerebral.

  6. Noções de traumatismo craniano e raquimedular: concussão, contusão, hematoma subdural, hematoma extradural, hematoma intracerebral, hemorragia meníngea traumática, fistula liquórica, lesão axonal difusa, trauma raquimedular, tratamento clinico e cirúrgico.

  7. Álcool e sistema nervoso

    1. Síndrome de Wernicke-Korsakoff

    2. Abstinência alcoólica

    3. Delirium tremens

    4. Demência alcoólica

    5. Degeneração cerebelar

    6. Polineuropatias agudas e subagudas

    7. Degeneração combinada subaguda da medula espinal


DOENÇAS INFECCIOSAS DO SISTEMA NERVOSO:

  1. Diferenciar entre as várias patologias abaixo, do ponto de vista clínico, e saber listar os organismos causadores mais comuns.

    1. Meningite bacteriana aguda (recém-nascidos, crianças, adultos, imunossuprimidos e não imunossuprimidos).

    2. Meningite viral aguda

    3. Encefalite, incluindo herpes simples.

    4. Meningite crônica: neuroturberculose (incluindo tuberculose espinal), neurocisticercose, neurossifilis, doença de Lyme.

    5. Meningite neutrofílica persistente

    6. Empiema subdural e abscesso epidural

    7. Abscesso cerebral

  2. Manifestações neurológicas da Doença de Chagas, endocardite infecciosa, infecções ligadas ao uso de drogas imunossupressoras.

  3. Retroviroses (HIV e HTLV-I/II) e sistema nervoso

    1. Manifestações da infecção primária pelo HIV, incluindo encefalopatia, mielopatia, neuropatia, miopatia

    2. Infecções oportunistas do SNC

    3. Neoplasias associadas com HIV

    4. Complicações neurológicas do tratamento

    5. Manifestações clinicas, diagnóstico diferencial e tratamento da Paraparesia espástica tropical associada ao HTLV-I

D. Neuroparasitoses principalmente neurocisticercose e neuroesquistossomose

E. Neuroviroses de ação lenta

F Doenças priônicas
NOÇÕES DE NEUROLOGIA INFANTIL:


    1. Noções do exame neurológico na criança e do exame neurológico evolutivo

    2. Transtornos do desenvolvimento

    3. Diferenciação entre encefalopatias estáticas (paralisia cerebral) e declínio cognitivo progressivo

    4. Interpretação do aumento do perímetro cefálico

    5. Estabelecer os princípios genéticos principais que determinam transtornos neurológicos hereditários. Ter conhecimento das principais doenças autossômicas dominantes, autossômicas recessivas, ligadas a X, associadas com anormalidade genética especificamente localizada.

    6. Peculiaridades das epilepsias na infância

    7. Peculiaridades das cefaléias na infância


EPILEPSIA:

A. Avaliar os transtornos paroxísticos do sistema nervoso, incluindo epilepsia e síncope



B. Epilepsias

    1. Estudar os sistema de classificação internacional das crises epilépticas, distinguindo entre: crises generalizadas convulsivas, crises generalizadas não convulsivas, crises parciais simples, crises parciais complexas, crises parciais com generalização secundária

    2. Distinguir crises epilépticas e epilepsia

    3. Etiologia das epilepsias. Importância das faixas etárias.

    4. Estudar as mais importantes síndromes epilépticas

    5. Descrever as pseudocrises e sua diferenciação das crises epilépticas verdadeiras

    6. Fenômeno de Todd

    7. Investigação da primeira crise e de crises repetitivas e discriminação quanto ao tratamento ou não da primeira crise epiléptica

    8. Anticonvulsivantes: classes farmacológicas, ação, indicações, efeitos colaterais

    9. “Status epilepticus”: avaliação inicial, diagnósticos diferenciais, prognóstico e tratamento

    10. Tratamento intervencionista: identificar os critérios clínicos para o diagnóstico de epilepsia de difícil controle e exames complementares necessários para a seleção de pacientes para o tratamento cirúrgico (exame neuropsicológico, teste de WADA, SPECT critico e intercritico, RNM, VideoEEG, eletrocorticografia)

  1. Síncope: definição, causas, investigação e tratamento

  2. Distinguir entre narcolepsia e apneia obstrutiva do sono


DOENÇAS VASCULARES DO SISTEMA NERVOSO:

    1. Fatores de risco na doença vascular, incluindo fatores ligados a trombofilia

    2. Conhecer:

    1. Sopro assintomático de carótida

    2. Episódio isquêmico transitório

    3. Infarto isquêmico (embolização artério-arterial, embolização cardiogênica, trombose de grandes vasos)

    4. Infarto lacunar

    5. Infarto hemorrágico

    6. Hemorragia parenquimatosa

    7. Hemorragia subaracnóidea

    8. Amaurose fugaz

    9. Trombose venosa cerebral e dos grandes seios venosos

    1. Aspectos clínicos do infarto com distribuição em território de: artéria cerebral anterior, artéria cerebral média, artérias lenticuloestriadas, sistema vértebrobasilar

    2. Dissecção arterial

  1. Estudar as opções de tratamento profilático primário para fibrilação atrial e estenose de carótida significativa

  2. Tratamento de fase aguda do infarto cerebral: conhecimento de indicações e critérios para trombolise

  3. Tratamento profilático primário e secundário do infarto cerebral

  4. Hemorragia intracraniana

    1. Etiologias

    2. Sítios comuns e aspectos clínicos da hemorragia intracraniana hipertensiva

    3. Tratamento clinico e cirúrgico

    4. Hemorragia subaracnóidea: etiologia, quadro clínico, complicações, tratamento clinico e cirúrgico, correta determinação do tempo para os procedimentos

  5. Doenças vasculares da medula espinal

  6. Reabilitação em Doença vascular


NEUROIMAGEM:

Ser capaz de interpretar os achados de uma Tomografia Computadorizada normal e em trauma, Doença vascular, tumores, infeções SNC e AIDS, hidrocefalia, compressões radiculares e medulares e neurocisticercose. Ser capaz de interpretar os achados de uma Ressonância Magnética normal e em tumores, esclerose múltipla, epilepsia, siringomielia, compressões medulares e radiculares, Doença vascular, infeções SNC e AIDS, estados demenciais, transtornos do desenvolvimento. Ser capaz de interpretar os achados de uma angiografia cerebral normal e em oclusões vasculares, tumores, aneurismas e malformações vasculares.


ELETROENCEFALOGRAFIA:

Conhecer as indicações do EEG.

Ser capaz de interpretar os achados de um EEG normal (nos vários estados fisiológicos e sob os vários métodos de ativação), identificar o tipo e localizar a atividade epileptiforme e em estados comatosos (encefalopatia metabólica, morte encefálica, estado de mal não convulsivo, PLEDS), eventos não epilépticos e encefalopatias específicas (doenças priônicas, encefalites, panencefalites).
ELETRONEUROMIOGRAFIA:

Ser capaz de interpretar os achados de uma EMG / VCN e Teste de Estimulo repetitivo normais e em miopatias, neuropatias, plexopatias, radiculopatias e doenças da junção mioneural. Identificar os achados eletrofisiológicos nas neuropatias axonais, neuropatias desmielinizantes, bloqueio de condução, doenças do neurônio motor, miopatias adquiridas, miopatias hereditárias, doenças da junção neuromuscular.


POTENCIAIS EVOCADOS:

Conhecer as principais indicações e os achados característicos dos potenciais evocados: visual, auditivo, somatossensitivo, motor por estimulação magnética, nas doenças do sistema nervoso central e periférico.


NEUROIMUNOLOGIA:

  1. Discutir os critérios clínicos para o diagnóstico de Esclerose múltipla e outras doenças imunomediadas do sistema nervoso central e do sistema nervoso periférico

  2. Outras doenças desmielinizantes do sistema nervoso central

  3. Síndrome de Guillain-Barré

  4. Polineuropatia desmielinizante inflamatória crônica (CIDP)

  5. Miastenia gravis

  6. Arterites do sistema nervoso central e periférico

  7. Descrever os achados relevantes dos exames complementares para o diagnóstico das doenças imunomediadas

  8. Conceitos sobre o tratamento e suas intercorrências


TRANSTORNOS DO DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA NERVOSO:

  1. Transtornos neurológicos associados com deformidades cranioespinais: hidrocefalia, hidranencefalia, macrocefalia, cranioestenoses, microcefalia, raquisquise, malformação de Arnol-Chiari, platibasia e anormalidades craniocervicais, meningoceles, encefaloceles, meningoencefalocele

  2. Facomatoses: esclerose tuberosa, neurofibromatose, angiomatose cutânea

  3. Anormalidades restritas do desenvolvimento do sistema nervoso: Möbius, Horner.

  4. Anormalidades congênitas da função motora (paralisia cerebral)


NEUROONCOLOGIA:

  1. Identificar as principais manifestações clinicas dos tumores primários e metastáticos do sistema nervoso

  1. Pela localização: angulo pontocerebelar, região pituitária, hemisférios cerebrais, cerebelo, tronco encefalico9

  2. Tumores primários dos sistema nervoso central

  3. Tumores metastáticos do sistema nervoso central, incluindo metástases leptomeníngeas

  4. Tumores do sistema nervoso periférico

  5. Complicações da terapia dos tumores: cirurgia, quimioterapia e radioterapia

  6. Manifestações paraneoplásicas


IATROGENIA EM NEUROLOGIA:

Identificar as principais manifestações clínicas sobre o sistema nervoso central e periférico devidas a: transplantes de órgãos e imunossupressão, infecções iatrogênicas, manifestações neurológicas em pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, uso de drogas licitas e ilícitas, radioterapia e quimioterapia, medicações usadas no tratamento de doenças neurológicas, complicações de drogas e procedimentos utilizados nos transtornos do movimento.


DOENÇAS GENÉTICAS DO SISTEMA NERVOSO:

Noções sobre as doenças genéticas do sistema nervoso, não abrangidas nos outros temas


TRANSTORNOS NEUROENDÓCRINOS:

Manifestações neurológicas dos transtornos endócrinos: doenças da hipófise, tireóide, paratireóide, adrenal, insuficiência exócrina e endócrina pancreática, hipoglicemia.



DEMÊNCIAS:

  1. Avaliar alterações das funções nervosas superiores:

  1. Definir: demência, delirium, amnésia, confabulação, alucinação

  2. Diferenciar estado confusional agudo e demência

  3. Avaliar demências: escalas de avaliação, critérios diagnósticos, diagnóstico diferencial, exames subsidiários, tratamento

  4. Doença de Alzheimer: etiologia, quadro clínico, diagnóstico, tratamento

  1. Avaliar transtornos da comunicação:

        1. Definir: afasia e disartria

        2. Diferenciar as várias modalidades de afasia

        3. Diferenciar as várias formas de apraxia

        4. Diferenciar as várias formas de agnosia



TRANSTORNOS DO MOVIMENTO:

    1. Anatomia, fisiologia e fisiopatologia dos gânglios da base e dos sistemas de neurotransmissores

    2. Identificar as principais manifestações dos transtornos do movimento (síndromes parkinsonianas - Doença de Parkinson, parkinsonismo secundário, parkinsonismo plus, síndromes coreicas, atetose, tremores, síndromes distônicas, tiques, mioclonias, espasmos)

    3. Identificar as principais alterações dos exames complementares para o diagnóstico etiológico dos transtornos do movimento

    4. Tratamento dos transtornos do movimento


DOENÇAS NEUROMUSCULARES:

  1. Identificar as principais manifestações clínicas das doenças do neurônio motor, neuropatias periféricas (mononeuropatia, mononeuropatia múltipla, polineuropatia), doenças da junção neuromuscular, miopatias hereditárias e adquiridas

  2. Identificar os principais achados característicos das doenças neuromusculares na eletroneuromiografia, biópsia de nervo, biopsia de músculo e biologia molecular

  3. Tratamento farmacológico e não farmacológico das doenças neuromusculares.

  4. Reabilitação em doenças neuromusculares


TRANSTORNOS DO SONO:

    1. Identificar os principais transtornos do sono em adultos e crianças: insônias, hipersônias e parassônias

    2. Interpretar os achados neurofisiológicos da polissonografia para o diagnóstico diferencial dos transtornos do sono

    3. Terapêutica farmacológica e não farmacológica dos principais transtornos do sono



BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

1) Caplan LR and Adelman L - Neurological Education. WJM 1994; 161(3):319-22

2) Menken M, Hopkins A, Walton H - Statements on Medical Education in Neurology. Medical Education 1994; 28:271-4

3) Kroenk K et al - Bedside Teaching. Sothern Med J 1997; 90(11):1069-74

4) Ferri-de-Barros JE e Nitrini R - Que pacientes atende um Neurologista. Arq Neuropsiquiatia 1996; 54(4):637-44

5) D'Esposito M - Profile of a Neurology Residence. Arch Neurol 1995; 52:1123-26



6) Scherokman B, Cannard K, Miller JQ - What should a graduating medical student know about neurology. Neurology 1994; 44:1170- 76.


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande