Aal atm adaptation layer, camada de adaptação atm


Request/response unit, unidade de solicitação/resposta



Baixar 5.88 Mb.
Página91/111
Encontro07.10.2019
Tamanho5.88 Mb.
1   ...   87   88   89   90   91   92   93   94   ...   111

Request/response unit, unidade de solicitação/resposta. Mensagens de solicitação e resposta trocadas entre NAUs em uma rede SNA.

ruído

Sinais indesejados em canais de comunicações.



S

SAC

Single-attached concentrator, concentrador de ligação única. Concentrador FDDI ou CDDI que se conecta à rede sendo encadeado a partir da porta principal de outro concentrador FDDI ou CDDI.

salto

Termo que descreve a passagem de um pacote de dados entre dois nós de rede (por exemplo, entre dois roteadores). Consulte também contagem de saltos.



SAP

1.) Service access point, ponto de acesso ao serviço. O campo definido pela especificação IEEE 802.2 que faz parte de uma especificação de endereço. Assim, a destinação mais o DSAP definem o destino de um pacote. O mesmo se aplica ao SSAP. Consulte também DSAP e SSAP.


2.) Service Advertisement Protocol, protocolo de divulgação de serviço. Protocolo IPX que fornece um meio de informar os clientes da rede, através de roteadores e servidores, sobre os recursos e serviços de rede disponíveis. Consulte também IPX.

SAR

Segmentation and reassembly, segmentação e remontagem. Uma das duas subcamadas da CPCS da AAL, responsável por dividir (na fonte) e reagrupar (no destino) os PDUs transmitidos pelo CS. A subcamada SAR pega os PDUs processados pelo CS e, depois de dividi-los em pedaços de 48 bytes de carga de dados, os transmite à camada ATM para posterior processamento. Consulte também AAL, camada ATM, CPCS, CS e SSCS.

SAS

Single attachment station, estação de ligação única. Dispositivo ligado somente ao anel principal de um anel FDDI. Também conhecido como estação classe B . Compare com DAS. Consulte também FDDI.

SBus

Tecnologia de barramento utilizada nas estações de trabalho e servidores baseados no SPARC. A IEEE adotou a especificação SBus como nova especificação de barramento.



SCR

Sustainable cell rate, taxa de célula sustentável. Parâmetro definido pelo ATM Forum para o gerenciamento de tráfego do ATM. Para as conexões VBR, o SCR determina que a taxa de célula média de longo prazo pode ser transmitida. Consulte também VBR.

SCTE

Serial clock transmit external, relógio de transmissão externa serial. Sinal de temporização que o DTE ecoa para o DCE para manter a contagem de tempo. O SCTE é projetado para compensar a mudança de fase do relógio em cabos longos. Quando o dispositivo DCE usa o SCTE ao invés do seu relógio interno para testar dados do DTE, é recomendável testar os dados sem erro mesmo se houver mudança de fase no cabo. Consulte também mudança de fase.

SDH

Synchronous Digital Hierarchy, hierarquia digital síncrona. Padrão europeu que define um conjunto de padrões de taxas e formatos que são transmitidos por sinais ópticos através de fibra. O SDH é parecido com o SONET, com uma taxa SDH básica de 155,52 Mbps projetada em STM-1. Consulte SONET e STM-1.

SDLC

Synchronous Data Link Control, controle de enlace de dados síncrono. Protocolo de comunicações da camada de enlace do SNA. O SDLC é um protocolo full duplex serial orientado por bit que gerou inúmeros protocolos similares, incluindo HDLC e LAPB. Consulte também HDLC e LAPB.

SDLLC

Recurso que executa conversões entre SDLC e IEEE 802.2 tipo 2.



SDSU

SMDS DSU. DSU para acesso ao SMDS através de HSSIs e outras interfaces seriais.

SDU



1   ...   87   88   89   90   91   92   93   94   ...   111


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal