Aal atm adaptation layer, camada de adaptação atm


Binary synchronous communication



Baixar 5.88 Mb.
Página14/111
Encontro07.10.2019
Tamanho5.88 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   111

Binary synchronous communication. Protocolo da camada de enlace orientado a caracteres para aplicativos half duplex. Com freqüência é chamada simplesmente de bisync.

BSD

Berkeley Standard Distribution. Termo usado para descrever uma variedade de sistemas operacionais do tipo UNIX baseados no sistema operacional UC Berkeley BSD.



BT

Burst Tolerance, tolerância de burst. Parâmetro definido pelo ATM Forum para o gerenciamento de tráfego ATM. Para as conexões VBR, a BT determina o tamanho do burst máximo de células contíguas que podem ser transmitidas. Consulte também VBR.

buffer

Área de armazenamento usada para tratar de dados em trânsito. Os buffers são usados em internetworking para compensar diferenças na velocidade de processamento entre dispositivos de rede. Os bursts de dados podem ser armazenados em buffers até que eles possam ser tratados por dispositivos de processamentos mais lentos. Às vezes chamado de buffer de pacote.



buffer de pacote

Consulte buffer.



buraco negro

Termo de roteamento de uma área de internetwork onde os pacotes entram mas não saem, devido às condições adversas ou à configuração precária do sistema dentro de uma parte da rede.



burst garantido

O maior burst de dados acima da taxa garantida que será temporariamente permitido em um PVC e não etiquetado pela função de policiamento de tráfego para ser largado no caso de congestionamento de rede. O burst garantido é especificado em bytes ou células. Compare com burst máximo. Consulte também taxa garantida.



burst máximo

Especifica o maior burst de dados acima da taxa garantida que será permitido temporariamente em um PVC ATM, mas que não será abandonado pela função de policiamento de tráfego, mesmo que exceda a taxa máxima. Essa quantidade de tráfego será permitida apenas temporariamente. Na média, a fonte de tráfego precisa estar dentro da taxa máxima. Especificado em bytes ou células. Compare com burst garantido. Consulte também taxa máxima.



burst tolerance

Consulte BT.



BUS

Broadcast and unknown server, servidor de broadcast e desconhecidos. Servidor multicast usado em ELANs que é usado para enviar o tráfego endereçado a um destino desconhecido e para encaminhar tráfego de multicast e broadcast aos clientes apropriados. Consulte também ELAN.

bus and tag channel

Canal IBM, desenvolvido nos anos 60, incorporando tecnologia de fios múltiplos de cobre. Substituído pelo canal ESCON. Consulte também canal ESCON e canal paralelo.



Bus Interface Gate Array

Consulte BIGA.



byte

Termo usado para se referir a uma série de dígitos binários consecutivos que são operados como uma unidade (por exemplo, um byte de 8 bits).

C

CA

Consulte impedimento de congestionamento.



cabeamento backbone

Cabeamento que fornece interconexões entre wiring closets, wiring closets e POP e entre prédios que façam parte da mesma LAN. Consulte cabeamento vertical.



cabeamento da Categoria 1

Uma das cinco classificações de cabeamento UTP descritas no padrão EIA/TIA-568B. O cabeamento da Categoria 1 é usado para comunicações telefônicas e não é adequado à transmissão de dados. Compare com cabeamento da Categoria 2, cabeamento da Categoria 3, cabeamento da Categoria 4 e cabeamento da Categoria 5. Consulte também EIA/TIA-568B e UTP.



cabeamento da Categoria 2

Uma das cinco classificações de cabeamento UTP descritas no padrão EIA/TIA-568B. O cabeamento da Categoria 2 é capaz de transmitir dados em velocidades de até 4 Mbps. Compare com cabeamento da Categoria 1, cabeamento da Categoria 3, cabeamento da Categoria 4 e cabeamento da Categoria 5. Consulte também EIA/TIA-568B e UTP.



cabeamento da Categoria 3

Uma das cinco classificações de cabeamento UTP descritas no padrão EIA/TIA-568B. O cabeamento da Categoria 3 é usado em redes 10BaseT e pode transmitir dados em velocidades de até 10 Mbps. Compare com cabeamento da Categoria 1, cabeamento da Categoria 2, cabeamento da Categoria 4 e cabeamento da Categoria 5. Consulte também EIA/TIA-568B e UTP.



cabeamento da Categoria 4

Uma das cinco classificações de cabeamento UTP descritas no padrão EIA/TIA-568B. O cabeamento da Categoria 4 é usado em redes Token Ring e pode transmitir dados em velocidades de até 16 Mbps. Compare com cabeamento da Categoria 1, cabeamento da Categoria 2, cabeamento da Categoria 3 e cabeamento da Categoria 5. Consulte também EIA/TIA-568B e UTP.



cabeamento da Categoria 5

Uma das cinco classificações de cabeamento UTP descritas no padrão EIA/TIA-568B. O cabeamento da Categoria 5 é usado para executar CDDI e pode transmitir dados em velocidades de até 100 Mbps. Compare com cabeamento da Categoria 1, cabeamento da Categoria 2, cabeamento da Categoria 3 e cabeamento da Categoria 4. Consulte também EIA/TIA-568B e UTP.



cabeamento vertical

Cabeamento de backbone. Consulte cabeamento de backbone.



cabeçalho

Informações de controle localizadas antes dos dados quando se encapsula dados para a transmissão de rede. Compare com trailer. Consulte também PCI.



cabo

Meio de transmissão de fio de cobre ou fibra óptica coberto por uma capa protetora.



cabo blindado

Cabo com uma camada isolante blindada para reduzir EMI.



cabo coaxial

Cabo que consiste em um condutor cilíndrico externo oco que envolve um condutor de um único fio interno. Dois tipos de cabos coaxiais são atualmente usados em LANs: cabo de 50 ohms, que é usado para sinalização digital, e cabo de 75 ohms, que é usado para sinal analógico e sinalização digital de alta velocidade.



cabo de drop

Geralmente, um cabo que conecta um dispositivo de rede (como um computador) a um meio físico. Um tipo de AUI. Consulte também AUI.



cabo de fibra óptica

Meio físico capaz de conduzir transmissão de luz modulada. Comparado com outros meios de transmissão, o cabo de fibra óptica é mais caro, mas não é suscetível à interferência eletromagnética e pode atingir taxas de dados mais altas. Às vezes chamado de fibra óptica.



cabo de transceiver

Consulte AUI.



cache de nomes

Método pelo qual os nomes de hosts descobertos remotamente são armazenados por um roteador para uso em decisões futuras de encaminhamento de pacotes para permitir acesso rápido.



calha

Tipo de canal pregado na parede com tampa removível usado para suportar cabeamento horizontal. A calha é suficientemente grande para conter vários cabos.



California Education and Research Federation Network

Consulte CERFnet.



CAM



1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   111


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal