A vigilância de Algumas Doenças Preveníveis por Vacinação



Baixar 111.43 Kb.
Encontro14.09.2019
Tamanho111.43 Kb.

A Vigilância de Algumas Doenças Preveníveis por Vacinação

1. Poliomielite

1.1. O Que é?

A poliomielite, conhecida como paralisia infantil, é uma doença infecciosa e transmissível causada por um micróbio chamado poliovírus, que ataca o sistema nervoso. Existem três tipos de poliovírus: o tipo 1, o tipo 2 e o tipo 3. O tipo 1 é o mais relacionado com as formas paralíticas graves da doença e com as epidemias.

Em geral, quando o poliovírus entra no organismo de uma pessoa, causa apenas uma infecção localizada na garganta ou no intestino que nem é percebida pela pessoa. É a chamada forma inaparente, que ocorre em nove de cada dez indivíduos infectados.

Outras vezes, a pessoa começa a apresentar, uns sete dias depois, febre, dor de cabeça, dores na barriga e nos músculos (principalmente nas pernas), a pessoa vomita e sente mal-estar geral. Muitas vezes, a doença fica só nisso, caracterizando a forma febril não paralítica. Em alguns casos, porém, o poliovírus invade o sistema nervoso, causando paralisias flácidas que permanecem pelo resto da vida. A ocorrência de paralisias é mais freqüente nas pernas e unilateral, mas podem ser afetados até os músculos da respiração,

levando à morte. Tanto o adulto como a criança podem ter a poliomielite. No Brasil, até o ano de 1989, essa doença atacava mais as crianças que tinham menos de cinco anos de idade.
1.2. Como a Poliomielite se Transmite de uma Pessoa Doente para

Outra Sadia?
O poliovírus sai do organismo pelas fezes ou quando o doente tosse, espirra ou fala (eliminação de gotículas de muco da orofaringe). A pessoa sadia pega a poliomielite quando tem contato direto (ingerindo água ou alimentos contaminados pelas fezes com poliovírus). Também se pega a doença pelo contato direto com o doente, mesmo que ele não apresente paralisia. Isso caracteriza a forma de transmissão fecal-oral, que é a mais importante. As más condições habitacionais e de saneamento, a higiene pessoal precária e o elevado número de crianças numa mesma habitação são fatores que favorecem a transmissão dos poliovírus.
1.3. O Que se Pode Fazer para Evitar a Transmissão da Poliomielite?
Para evitar a transmissão da poliomielite é preciso:

amamentar todas as crianças, de modo exclusivo, até o sexto mês, pois os anticorpos maternos, que são transmitidos pelo leite materno, protegem as crianças nas primeiras semanas de vida;

vacinar, rotineiramente, todas as crianças a partir dos dois meses de idade, com vacina oral contra a poliomielite, observando o número de doses e os intervalos preconizados entre as doses;

vacinar todas as crianças menores de cinco anos em todas as campanhas de vacinação;

intensificar a vigilância da poliomielite, isto é, ficar atento ao aparecimento de pessoas com paralisia e comunicar estes casos ao serviço de saúde mais próximo;

intensificar a vigilância das paralisias flácidas agudas e também comunicar a ocorrência das mesmas aos serviços de saúde.



    1. O Que Se Pode Fazer para Manter a Erradicação da Poliomielite?

Antes das Campanhas Nacionais de Vacinação, a poliomielite deixava centenas de deficientes físicos a cada ano. Hoje está erradicada em virtude das ações de vacinação e vigilância epidemiológica, fortalecidas na década de 80 até o presente momento pelo Programa de Erradicação da Poliomielite. Após o recebimento do “Certificado de Erradicação”, em 12 de outubro de 1994, o desafio para o setor saúde no Brasil é o de

manter uma vigilância epidemiológica e uma cobertura vacinal capaz de impedir a reintrodução da circulação do poliovírus selvagem no território nacional, e isto não depende somente dos profissionais de saúde, mas também de toda a população.

Apesar da poliomielite ter sido erradicada do continente americano, é importante sabermos que ainda hoje ocorrem inúmeros casos em outros países do mundo. Há necessidade, portanto, de se manter a vacinação de rotina e as campanhas, bem como o de se investigar todo caso suspeito de Paralisia Flácida Aguda (PFA). Portanto, todo caso de deficiência motora flácida que tenha início súbito deve ser investigado até 48

horas após o conhecimento do caso:

em pessoas menores de 15 anos, independente do diagnóstico médico; e

em pessoas de qualquer idade, se a suspeita for poliomielite.

Observação: Os casos de paralisia ocular e paralisia facial periférica não devem ser investigados. Qualquer pessoa que souber de alguma suspeita de paralisia infantil deve comunicar imediatamente à Unidade de Saúde mais próxima, para que providências sejam tomadas em relação ao suspeito e, também, com relação às outras crianças da comunidade, como por exemplo:

colher duas amostras de fezes do caso suspeito, com a finalidade de confirmar o diagnóstico e identificar se houve a reintrodução do poliovírus selvagem na região. A 1ª amostra de fezes deve ser coletada no 1º contato do paciente e, a 2ª, com intervalo mínimo de 24 horas após a primeira;

obter informações detalhadas e uniformes para todos os casos, preenchendo a ficha

epidemiológica de casos de PFA;

fazer visita domiciliar para buscar outros casos suspeitos, e, se necessário, coletar amostra de fezes dos contatos dos casos;

realizar vacinação de bloqueio, ou seja, vacinar todas as crianças menores de cinco anos que moram na área onde ocorreu o caso de paralisia (bairro, distrito, cidade);

realizar a revisita do caso, para avaliação de seqüela, 60 dias após o início da deficiência motora. Os hospitais, as clínicas particulares, os médicos, os laboratórios, os profissionais de saúde, os donos de farmácias, os benzedeiros e as parteiras devem colaborar, comunicando ao serviço de saúde quando houver suspeita de que uma criança ou outra pessoa foi infectada pela poliomielite. Só assim é possível evitar que essa doença se espalhe na comunidade.

2. Tuberculose

2.1. O Que é?

Tuberculose é uma doença infecciosa, transmissível, causada por uma bactéria - o bacilo da tuberculose. Em geral, a infecção inicial produz o complexo primário da tuberculose pulmonar, que é assintomática e autolimitada, na maioria das crianças. (A atenção à vacinação, o mais precocemente possível, deve ser uma preocupação de todos). Quando não tratada, um a seis meses após a infecção inicial podem aparecer algumas manifestações como aumento de gânglios mediastinais, cervicais ou outros e complicações hematogênicas, meningite tuberculosa, tuberculose miliar (disseminação local em pulmão com aspecto de grãos de milho) e outras que são consideradas graves, sendo a meningite tuberculosa a mais séria de todas. No início da doença, a febre vespertina é persistente e a perda de peso é constante. Surgem então tosse metálica, lembrando às vezes a coqueluche.

A radiografia do tórax e o exame do escarro são fundamentais para o diagnóstico da doença, somando- se também o PPD como método auxiliar, sobretudo nas pessoas não vacinadas. A tuberculose continua sendo um grande problema de saúde pública nos países em desenvolvimento.

No Brasil, ocorrem cerca de 100.000 casos novos a cada ano e o número de mortes pela doença é cerca de 4.000 a 5.000 por ano.

Desde que surgiu a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA), os casos de tuberculose têm aumentado muito. Principalmente as formas disseminadas da doença.
2.2. Como a Tuberculose se Transmite?
A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa pelas gotículas de secreção, expelidas no ato de falar, tossir e espirrar dos doentes, uma vez que essas gotículas estão contaminadas pelos bacilos. Os bacilos aspirados por uma pessoa sadia vão ao pulmão e ocasionam a infecção primária da doença
2.3. O Que se Pode Fazer para Evitar a Tuberculose?
Em primeiro lugar, deve-se vacinar com BCG todas as crianças ao nascer, prevenindo principalmente as formas disseminadas, mais graves da doença, que ocorrem principalmente na primo infecção. Deve administrar uma dose de reforço a partir de seis anos de idade, com o objetivo de prevenir a ocorrência de formas graves da tuberculose em adultos jovens. É fundamental fazer o diagnóstico dos casos o mais cedo possível para se iniciar logo o tratamento do doente e a proteção das pessoas que estiverem em contato com o doente. Deve-se fazer acompanhamento rigoroso do paciente por ocasião do tratamento para evitar que o paciente abandone o tratamento, o que a cada dia é mais freqüente.

Para as pessoas em contato com o doente é recomendado fazer o tratamento profilático ou quimioprofilaxia, com Isoniazida, por seis meses.

A quimioprofilaxia é indicada em:

comunicantes de bacilíferos, menores de cinco anos, não vacinados com BCG, reatores à prova tuberculínica, com exame radiológico normal e sem sintomatologia clínica compatível com tuberculose;

recém-nascidos coabitantes de foco bacilífero. Nesses casos, a Isoniazida é administrada por três meses e, após esse período, aplica-se o PPD. Se a criança for reatora, a quimioprofilaxia deve ser mantida até o 6º mês; se não, interrompe-se o uso da Isoniazida e vacina-se com BCG;

indivíduos soropositivos para HIV, nos seguintes casos:

−comunicantes intradomiciliares ou institucionais de pacientes bacilíferos, independentemente de prova tuberculínica;

−reatores ao PPD (induração de 5mm ou mais) e assintomáticos;

−não reatores ao PPD (induração menor de 5mm) com CD4 menor que 350 células/mm3 ou linfócitos totais menor que 1000 células/mm3; e

−portadores de lesões radiológicas cicatriciais ou com registro documental de ter sido

reator ao PPD;

imunodeprimidos por uso de drogas ou por doenças imunossupressoras e comunicantes intradomiciliares de bacilíferos, sob criteriosa decisão médica.

Além disso tudo, é muito importante esclarecer à comunidade sobre a doença, o seu tratamento e o uso da vacina.

Todo caso suspeito de tuberculose deve ser logo comunicado ao serviço de saúde que tomará as providências para fazer o tratamento do paciente e também para as medidas já citadas anteriormente.



3. Rubéola

3.1. O Que é?

A rubéola é uma doença infecciosa transmissível, muito contagiosa, aguda, causada pelo vírus da rubéola. A doença provoca manchas vermelhas (exantema) com características de máculas e pápulas difusas, começando na face, couro cabeludo e pescoço e espalhando-se a seguir para o tronco e membros. Além disso, ocorre febre baixa e “caroços” (gânglios) atrás da orelha e pescoço, cinco a dez dias antes do exantema, coriza e conjuntivite discretas.

Formas inaparentes são muito comuns, principalmente em crianças. Em adolescentes e adultos, a doença pode se manifestar com febre baixa, dor de cabeça e dores generalizadas nas articulações (artralgias) e nos músculos (mialgias), conjuntivite, coriza e tosse. Sua forma mais importante é a Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) ou infecção pré-natal, que atinge o feto e recém-nascidos de mães que se infectaram durante a gestação, acarretando inúmeras complicações como: abortos, natimortos, surdez, problemas cardíacos, lesões oculares e outras.
3.2. Como a Rubéola se Transmite de uma Pessoa Doente para Outra

Sadia?

A infecção ocorre pelas vias respiratórias.

A pessoa que contrai a rubéola tem o vírus nas secreções do nariz e da garganta (catarro e saliva). Esses vírus saem do organismo doente junto com as gotículas das secreções quando ele tosse, espirra, fala, ou, simplesmente, quando respira, sendo essas secreções a principal fonte de contágio para as pessoas sadias. Embora não seja muito freqüente, a transmissão do vírus da rubéola pode se dar por objetos (mamadeiras, chupetas, bicos, etc.) contaminados pelas secreções do doente.

3.3. O Que se Pode Fazer para Evitar a Rubéola?

O único meio disponível para evitar esta doença é a vacina tríplice viral (sarampo - caxumba - rubéola) ou vacina contra rubéola, e o objetivo principal é prevenir a infecção materna e subsequente acometimento dos fetos e recém-nascidos. As duas estratégias de vacinação contra rubéola usadas em alguns países são: universal e seletiva.



a) Estratégia de vacinação universal

Visa interromper a circulação do vírus selvagem pela vacinação de crianças pequenas de ambos os sexos, diminuindo, assim, o risco de infecção em gestantes suscetíveis.

É essencial garantir altas taxas de cobertura para o sucesso dessa estratégia e para que não ocorra deslocamento da doença para outras faixas etárias.

b) Estratégia de vacinação seletiva

A população-alvo é constituída de pessoas do sexo feminino, com idade de dez a 14 anos, grupo de maior risco. Junta-se a este modelo o rastreamento de mulheres em idade fértil, vacinando-se as que não estão protegidas. Outra forma é vacinar as mulheres logo após o parto ou aborto. O Programa Nacional de Imunizações recomenda a última estratégia. Da mesma forma que é feita para outras doenças também se utiliza a vacinação de bloqueio, que visa vacinar os comunicantes de um caso, evitando-se assim a ocorrência de novos casos, e eliminando a circulação do vírus e a existência de bolsões de baixa cobertura.

A vacinação deve ser seletiva e se estender aos contatos diretos do caso, como: familiares, colegas, contatos no trabalho, entre outros, não se esquecendo das mulheres em idade fértil. É importante identificar se a mulher está grávida e, nesse caso, não vaciná-la. Se não estiver grávida, orientá-la para que evite a gravidez no primeiro mês após a vacinação.

É importante, também, que o serviço de saúde seja avisado sempre que aparecer um caso suspeito de rubéola/SRC na comunidade. Esse aviso vai indicar ao pessoal de saúde o que deve ser feito para evitar que a doença se espalhe.

Nesses casos, o serviço de saúde precisa investigar: quando começou a doença, o nome, a idade, o sexo e o endereço do doente; se o doente era vacinado ou não. Além disso, é preciso, também, vacinar as crianças que não foram vacinadas e mulheres em idade fértil. Com isto, o serviço estará fazendo a vigilância da rubéola.

Atualmente, todos os casos de doenças exantemáticas são investigados para diagnóstico. Para isso, é feita a detecção de anticorpos no sangue. A primeira coleta se dá no momento do atendimento e, a segunda coleta, com 14 e 21 dias após a primeira. Nos casos de contatos, a segunda amostra será coletada 21 a 28 dias após a primeira (para realização do teste de Hemaglutinação por Imunofluorescência). E quando há a disponibilidade do teste de Elisa, colhe-se amostra única após o sétimo dia do início dos sintomas, e, nos contatos, 14 dias após a possível contaminação.



4. Sarampo

4.1. O Que é?

O sarampo é uma doença infecciosa, transmissível, muito contagiosa, causada pelo vírus do sarampo, e que passa de uma pessoa para outra com muita facilidade.

O vírus do sarampo entra no organismo da pessoa apenas pela boca e o nariz. Quando isso acontece, alguns dias depois, essa pessoa apresenta febre, dor de cabeça, irritação nos olhos, lacrimejamento e olhos avermelhados. A luz incomoda muito (fotofobia), tem espirros freqüentes e tosse que no princípio é seca e depois, fica com catarro. Após esse período, que dura de três a sete dias, surgem as manchas vermelhas (exantema). Essas manchas aparecem, inicialmente, atrás das orelhas, depois no rosto, e, a seguir, espalham-se por todo o corpo, permanecendo por quatro ou seis dias.

O sarampo é doença grave, porque deixa o organismo fraco, o que facilita o aparecimento de complicações oculares, auditivas, neurológicas, respiratórias, digestivas, podendo causar seqüelas importantes:

cegueira, surdez, etc. O problema fica mais grave quando a criança já é fraca e desnutrida, podendo, nesta situação, até morrer. Como a maioria das pessoas pensa que o sarampo “é uma doença comum na infância”, que é “até bom pegar”, muitas vezes nem desconfiam que ocorrem muitas mortes em crianças vítimas do sarampo.

Em 1992, o Brasil implantou o Plano Nacional de Eliminação do Sarampo, cujo marco inicial foi a realização da 1ª Campanha Nacional de Vacinação indiscriminada contra o sarampo para as crianças de nove meses a 14 anos de idade. A cobertura vacinal alcançada foi de 96%. O objetivo deste Plano é alcançar a eliminação do sarampo até o ano 2000 e suas estratégias básicas são as ações de imunização, vigilância epidemiológica e diagnóstico laboratorial. É preciso nos esforçarmos para que todas as crianças menores de cinco anos sejam vacinadas e assim, eliminar o sarampo de nosso País.


4.2. Como o Sarampo se Transmite de uma Pessoa Doente para Outra

Sadia?

A pessoa que contrai o sarampo tem vírus nas secreções do nariz e da garganta (catarro, saliva). Esses vírus saem do organismo do doente junto com as gotículas das secreções, quando ele tosse, espirra, fala ou respira. Quando uma pessoa não vacinada contra o sarampo entra em contato direto com uma outra pessoa doente, ela vai adoecer, mostrando quase todos os sintomas já vistos anteriormente, ao contrário da rubéola,

em que é mais comum a doença se manifestar sem que as manchas vermelhas (exantema) apareçam. A transmissão ocorre desde seis dias antes do aparecimento do exantema até quatro dias após.
4.3. O Que se Pode Fazer para Evitar o Sarampo?

O único meio disponível de se evitar essa doença é a vacina. A vacina é usada na rotina a partir dos nove meses de idade e é capaz de proteger 80% a 85% das crianças vacinadas, tendo em vista os anticorpos maternos transferidos às crianças. Por isso, tem sido adotada uma 2 ª dose aos 15 meses de idade, garantindo assim a proteção daqueles 15% a 20% que ficarem sem proteção após a administração da 1ª dose da vacina.

Além de precisarmos vacinar a totalidade das crianças menores de cinco anos, também é preciso investigar todo caso suspeito de sarampo que aparecer; esclarecendo o diagnóstico por meio de exames clínico e laboratorial, tomando providências necessárias para evitar que a doença se espalhe e ataque mais crianças e/ou adultos numa comunidade.

É preciso saber quando começou a doença, o nome, a idade, o sexo, o endereço e se o doente era ou não vacinado. Ele freqüenta escola, creche ou mora em orfanatos, etc.? Tudo isso é importante para que na escola, creche ou orfanato sejam vacinadas as crianças ainda não-vacinadas, a fim de “bloquear” a transmissão de novos casos nesses lugares. (Essa vacinação deve ser administrada até 72 horas após o contágio).

Afinal, se o sarampo se transmite, como já vimos, pelo contato direto, então podemos ter casos novos nestes locais, se não adotarmos essas medidas.

5. Difteria

5.1. O Que é?

A difteria, também conhecida como “crupe”, é uma doença infecciosa, transmissível e grave, causada por uma bactéria que se localiza nas vias respiratórias superiores (amígdalas, faringe, laringe) ou na pele. A doença começa como se fosse um resfriado; a criança tem dor de cabeça e dor de garganta. No local de sua instalação, a bactéria começa a produzir “um veneno”, que é a toxina diftérica, responsável pelo aparecimento de placas acinzentadas ao redor das quais se forma uma área inflamada de cor vermelha,

característica desta doença, predominando sua presença na garganta e no nariz. As placas impedem a passagem do ar do nariz para os pulmões, deixando o paciente asfixiado e podendo levá-lo à morte. A toxina produzida pela bactéria, quando na corrente sangüínea, provoca também outros problemas como: cardíacos, neurológicos ou renais. Nos casos mais graves, ocorre intenso inchaço (edema) do pescoço, com aumento dos gânglios, o hálito do doente cheira mal; o doente fica com a fala diferente e com dificuldade para respirar. Algumas vezes, a bactéria que causa a difteria se instala no organismo e a pessoa não adoece, não apresenta os sinais e sintomas. São os chamados portadores sadios.

5.2. Como a Difteria se Transmite de uma Pessoa Doente para uma Pessoa

Sadia?

A transmissão acontece quando o doente tem contato direto com a pessoa sadia. A bactéria sai do organismo do doente quando ele tosse, espirra ou fala. A transmissão pode ocorrer, também, pelo contato com objetos contaminados pelas secreções do doente. Os portadores sadios, ou seja, as pessoas que têm a bactéria e não apresentam os sintomas, são, também, importantes fontes de transmissão da doença.



5.3. O Que se Pode Fazer para Evitar a Difteria?

Para evitar a difteria, todas as crianças menores de sete anos precisam tomar a vacina tríplice - DTP. A vacinação dupla (dT), tipo adulto, deve ser utilizada na vacinação dos maiores de sete anos, contatos de doente de difteria e no bloqueio de surtos. Anticorpos também são transferidos das mães para seus filhos e estão presentes até o sexto mês de vida. Os serviços de saúde precisam ser avisados para que providências sejam tomadas para evitar que a doença se espalhe na comunidade. Logo após a descoberta de um caso suspeito de difteria, deve ser feita a visita domiciliar e nas escolas, creches, pré-escolas, etc. (quando for o caso) para vacinação de todos os contatos (familiares ou colegas) não vacinados, faltosos em DTP ou dT ou naqueles que não sabem informar se são vacinados ou não. Todos, nessas condições, deverão receber uma dose da vacina DTP ou dT, conforme a idade, e ser orientados para dar segmento ao esquema vacinal.

É importante também realizar uma investigação na comunidade, a fim de verificar se estão ocorrendo mais casos e também para verificar a situação vacinal da população, atualizando suas vacinas e, assim, evitando o acúmulo de suscetíveis.

A difteria é uma doença muito fácil de passar de uma pessoa para outra. É importante descobrir onde começou a doença, pois existe o portador sadio que pode passar o micróbio para outras pessoas. Além de atualizar a vacinação de todos os familiares, crianças que freqüentam as mesmas escolas, creches ou pré-escola do caso suspeito, é preciso tentar descobrir, por meio de exame laboratorial, quem tem a bactéria no nariz e na garganta mas não ficou doente (portadores) e fazer o tratamento dos mesmos. Assim, estaremos fazendo a vigilância da difteria e controlando a doença na comunidade.




6. Coqueluche
6.1. O Que é?

A coqueluche, também conhecida como “tosse comprida”ou “tosse braba”, é uma doença causada por uma bactéria que afeta os brônquios e os pulmões, e seus sintomas iniciais se assemelham aos da gripe. A criança tem febre, tosse e o nariz escorre.

Quando a doença se agrava, a tosse vai ficando forte e o doente tem crises freqüentes - paroxismos de tosse. Ao final dessas crises, observa-se na respiração um assobio forte como se fosse um guincho. Quando ocorrem esses acessos, o doente pode vomitar uma gosma branca. Essa fase da doença pode durar de um a dois meses ou mais. A partir daí, os sintomas vão diminuindo gradualmente. Qualquer pessoa pode adoecer de coqueluche, mas, no Brasil, ela ataca, principalmente, as crianças menores de quatro anos, sendo mais grave nas que têm menos de seis meses de idade.

Esses menores de seis meses apresentam freqüentemente parada respiratória, cianose, convulsões e morte. Por isso, se um bebê está com gripe muito forte, com os olhos inchados e crises freqüentes de tosse, é preciso levá-lo, imediatamente, a um serviço de saúde, principalmente, se existir alguma outra criança com coqueluche na família ou próximo à casa.

A coqueluche é uma doença grave porque a tosse repetida, o choro e a febre desidratam e desnutrem a criança, a tal ponto que ela pode enfraquecer, adquirir pneumonia e morrer. O bebê tem dificuldade para mamar e, algumas vezes quando come, vomita. Muitas mães têm, também, o costume de suspender a alimentação da criança achando que a comida faz mal. O certo é continuar com a alimentação normal, principalmente após as crises, porque as substâncias dos alimentos aumentam a resistência e ajudam a sarar mais depressa. O alimento deve ser dado em pequenas quantidades e em maior número de vezes.
6.2. Como a Coqueluche se Transmite de uma Pessoa Doente para Outra

Sadia?

A transmissão da bactéria acontece diretamente do doente para o sadio ao tossir, espirrar ou falar. Os objetos contaminados pelas secreções do doente também podem ser fonte de transmissão da doença.


6.3. O Que Fazer para Evitar a Coqueluche?

Para evitar a coqueluche, é preciso vacinar a criança, a partir dos dois meses de idade, com a vacina tríplice (DTP), que também protege contra a difteria e o tétano.

Além de vacinar todas as crianças a partir dos dois meses de idade, é preciso estar atento ao aparecimento de casos de coqueluche e avisar ao serviço de saúde para que ele tome medidas de controle da doença. Quando aparecem muitos casos de coqueluche, o serviço de saúde precisa controlar a doença, evitando que a mesma se transmita a outras crianças. Nesses casos, é necessário tratar os doentes, vacinar as crianças menores de sete anos que não estão vacinadas, completar o esquema daquelas que tomaram apenas uma ou duas doses e aplicar o reforço nas crianças que tomaram as três doses. Nos contatos íntimos domiciliares é importante fazer tratamento quimioprofilático.

7. Tétano

7.1. O Que é?

É uma doença neurológica muito grave, caracterizada por espasmos musculares fortes, causada pela toxina do bacilo do tétano, um micróbio que vive na terra, na poeira da rua e nas fezes de pessoas e animais.


7.2. Como se Pega?

O tétano não se transmite de uma pessoa para outra, mas qualquer pessoa ao se ferir com pregos, latas velhas, cacos de vidros, arame, etc. pode contrair a doença. Mesmo os ferimentos provocados por objetos que parecem limpos, como agulha, tesoura ou espinho de planta, podem causar o tétano. O tétano aparece geralmente, por causa de furos, cortes, raladuras, arranhões e queimaduras que não são tratados corretamente.

O aparecimento do tétano também está ligado ao tipo de trabalho que a pessoa faz, sendo mais comum entre agricultores. As crianças, em idade escolar, também são vítimas freqüentes dessa doença pelo tipo de vida que levam, sujeitas a quedas, cortes, arranhões, etc.

Alguns dias (de três a 21) depois que o bacilo do tétano entra no organismo, por qualquer um desses ferimentos, os músculos ficam duros (espasmos musculares), principalmente os do queixo, e a pessoa não consegue abrir a boca e nem engolir. À medida que a doença se agrava, a pessoa fica irritada e sente muita dor. O barulho ou qualquer movimento com o doente estimula a ocorrência dos espasmos musculares.

O tétano que ataca a criança pequena (recém-nascido) é conhecido como tétano neonatal ou “mal-de- sete-dias”. Ele acontece pela contaminação do umbigo do recém-nascido quando não é bem cuidado, ou seja, quando o cordão umbilical foi cortado com tesoura não esterilizada, ou quando são colocadas substâncias estranhas, como teia de aranha, fumo ou fezes de animal, e se a mãe não está protegida com a vacina contra o tétano.

O recém-nascido com o tétano neonatal deixa de comer, pois tem dificuldade para chupar o seio ou a mamadeira. Além disso, chora sempre e fica com as pernas esticadas, os braços dobrados junto ao peito e com as mãos fechadas por causa dos espasmos musculares.


7.3. O Que se Pode Fazer para Evitar o Tétano?

Para evitar o tétano é preciso vacinar crianças e adultos, utilizando as vacinas tríplice (DTP), dupla (dT e DT) ou Toxóide tetânico (TT), de acordo com o faixa etária a ser vacinada. Um grupo que merece especial atenção é o das mulheres em idade fértil (15 a 49 anos), principalmente as grávidas. Se as gestantes estiverem todas vacinadas desde o primeiro mês da gravidez, o recém nascido não terá tétano, porque suas mães já transferiram pela placenta a proteção contra a doença. Assim, ficam protegidos até começarem a receber a DTP aos dois meses de idade. Além da vacinação, para evitar o tétano são importantes os cuidados de limpeza com o umbigo do recém-nascido e com a ocorrência de ferimentos, queimaduras e cortes. O umbigo da criança deve ser bem cuidado. A tesoura que corta o cordão umbilical deve ser esterilizada e guardada em local limpo. Além disso, não se deve colocar no umbigo fumo, teia de aranha, fezes de

animais ou outra coisa qualquer. Até cicatrizar, o umbigo deve ficar seco e ser limpo com álcool a 70%. Outros ferimentos, como raladuras, arranhões e cortes devem ser limpos e lavados com água e sabão. Se possível, usar água oxigenada 10 volumes. Depois, deve-se procurar um serviço de saúde para tratar o ferimento e verificar se a pessoa precisa ser vacinada com o toxóide tetânico, ou tomar soro antitetânico, segundo as normas do PNI para a profilaxia do tétano. O tétano é uma doença que só pode ser tratada no hospital. Quando se desconfia que uma pessoa tem o risco de ter a doença, é preciso levá-la, imediatamente, a um hospital para começar o tratamento, pois, depois que o micróbio ataca o organismo, é muito difícil a pessoa curar-se.

Quando alguém adoece ou morre de tétano, o serviço de saúde precisa ser avisado. Esse aviso é importante, pois o serviço precisa colher algumas informações, tanto no hospital, como na casa do doente. Nesses casos, o serviço de saúde precisa saber, entre outras coisas, se a pessoa foi vacinada, qual foi a causa do tétano e como o ferimento foi cuidado e tratado. Quando o tétano ocorrer em recém-nascido, é preciso saber se a gestante tomou a vacina, quem fez o parto, o lugar onde o parto foi feito e quais as condições de higiene deste lugar, quais os cuidados de limpeza que foram dados ao coto umbilical.

O serviço de saúde ao ser informado de casos de tétano promoverá intensificação da vacinação dos grupos de risco e ações educativas sobre prevenção de acidentes, cuidados com ferimentos e sobre a importância da vacinação.

8. Raiva

8.1. O Que é?

A raiva é uma doença transmissível causada por um vírus que ataca o sistema nervoso. É uma doença sempre fatal pois conduz à morte tanto o homem como os outros animais atingidos. No homem, a raiva apresenta como primeiros sintomas: ansiedade, dor de cabeça, febre, mal-estar, formigamento, pontadas, dormência, calor ou frio no local da lesão (mordedura ou arranhadura). A evolução da doença provoca paresia e paralisia, produzindo espasmos nos músculos da deglutição, seguindo-se delírios e convulsões. Nessa fase há uma extrema sensibilidade, principalmente à luz, ao som e às correntes de ar, dilatação das pupilas e aumento da salivação. A morte ocorre por paralisia dos músculos respiratórios. No animal a doença pode se apresentar sob duas formas clínicas: raiva furiosa e raiva paralítica.



8.2. Como se Transmite?

A raiva se transmite pelo contato com a saliva de animal raivoso, por intermédio da mordedura, arranhadura e lambedura em ferimentos e mucosas. A transmissão de homem a homem não está confirmada.



8.3. O Que se Pode Fazer para Evitar a Raiva?

Por ser a raiva uma doença de evolução fatal, depois de o vírus ter atingido o sistema nervoso, o tratamento das pessoas expostas ao risco de contrair a doença deve ser iniciado imediatamente após o contato com o animal raivoso. Esse tratamento consiste na eliminação do vírus e proteção específica (imunização ativa e/ou passiva).

A eliminação ou neutralização do vírus deve ser mais rápida e completa, com a limpeza rigorosa de qualquer ferimento produzido por animal. A assepsia deve ser feita com água e sabão, evitando-se curativos compressivos e suturas, por impedirem a exposição desejável dos ferimentos (se a sutura for absolutamente necessária, fazê-la frouxa, permitindo drenagem do ferimento). Pode-se utilizar soluções anti-sépticas de conteúdo alcoólico, com exceção do timerosal (Merthiolate), ao qual o vírus da raiva é resistente. Os cuidados com o ferimento incluem a prevenção do tétano sempre que necessário. O tratamento preventivo será iniciado o mais cedo possível. Entretanto, deve ser feito mesmo que tenha decorrido muito tempo desde o contato. O tratamento está fundamentado nas características do ferimento e nas condições do animal agressor que, em se tratando de cão ou gato, deverá ser mantido em observação por um período de dez dias, sempre que possível. Não há contra-indicações para o tratamento preventivo por doenças intercorrentes ou gravidez. Deve ser suspensa a administração dos corticosteróides ou outros imunossupressores.


9. Meningites

9.1. O Que é?

Infecção das membranas que envolvem o sistema nervoso central. Esta infecção pode também atingir o próprio sistema nervoso, determinando casos mais graves.

O doente pode apresentar febre elevada, vômitos, dor de cabeça e, às vezes, convulsões; podendo evoluir para coma e morte. Vários agentes são responsáveis pela doença e entre eles se encontram bactérias e vírus. A confirmação do diagnóstico é feita pelo exame do líquido cefalorraquidiano colhido por meio de punção lombar. Em Saúde Pública, três tipos de agentes são considerados de importância especial - o meningococo, o bacilo da tuberculose e o haemophilus influenzae b. O meningococo causa a doença meningocócica, que se caracteriza por início brusco e com mortalidade

elevada e precoce. Às vezes, se manifesta apenas por sintomas localizados no nasofaringe ou não apresenta sintomas. Outras vezes, a infecção é restrita às meninges, caracterizando uma meningite pura. E as formas mais graves são caracterizadas por septicemia ou meningococcemia, que representa invasão generalizada da circulação sangüínea e de todo o organismo pela bactéria. O bacilo da tuberculose causa meningite como resultado de disseminação hematogênica do bacilo, portanto, nem sempre secundária a um foco pulmonar primário. A doença se instala lentamente, ao contrário da meningite meningocócica. O início é com febre, vômitos e dor de cabeça evoluindo com tontura, alterações da consciência, coma e descerebração. O haemophilus influenzae b, causa infecção invasiva, como pneumonia, laringite, celulite, artrite, meningite e outras; e afeta as crianças menores de cinco anos, principalmente as menores de um ano.



9.2. Como se Transmitem essas Meningites?

Os meningococos são transmitidos de pessoa a pessoa, a partir das secreções orais e nasais. Os bacilos da tuberculose se transmitem principalmente por via aérea, inalados a partir da sua eliminação pelo escarro de doentes não tratados.



9.3. O Que se Pode Fazer para Evitar essas Meningites?

Os casos de meningite tuberculosa podem ser evitados iniciando-se o tratamento imediato dos casos de tuberculose pulmonar diagnosticada e mantendo altas coberturas vacinais com BCG. Para as meningites meningocócicas devem ser feitos:

diagnóstico precoce e tratamento imediato;

tratamento quimioprofilático dos contatos de casos confirmados;

controle de portadores (assintomáticos) que são fontes importantes de contágio;

vacinação: indicada em situações de epidemia e de acordo com o tipo de meningococo responsável pela doença. As vacinas disponíveis são contra os tipos A, C (isolada ou combinada), B combinada com C, ACYW135 (vacina quadrivalente), esta disponível nos Estados Unidos da América.

Para as meningites por haemophilus influenzae b devem ser feitos:

diagnóstico precoce e tratamento imediato;

tratamento quimioprofilático do comunicante, quando estiverem envolvidas crianças menores de cinco anos;

vacinação de rotina em menores de dois anos;

vacinação pós-meningite.

Estudos ainda estão sendo realizados para melhor conhecimento sobre o uso das vacinas contra as meningites, principalmente com relação à duração da proteção, eficácia e idade indicada. Além dessas medidas, é necessário esclarecer à população para que as pessoas informem rapidamente às unidades de saúde sempre que houver suspeita dessas doenças. Somente a partir do conhecimento dos casos é possível instituir tratamento e outras medidas de controle.



10. Hepatites Virais

10.1. O Que é?
Doença infecciosa, transmissível, causada por vírus que atingem o fígado. Entre os mais conhecidos estão os vírus A, B, C, D e E. A importância em saúde pública se dá pelo elevado risco do desenvolvimento de cirrose e carcinoma do fígado, tardiamente, em pacientes que se infectaram pelo vírus da hepatite B, tendo ou não adoecido e/ou que se tornaram crônicos. As manifestações da doença podem incluir: febre, icterícia, mal-estar geral, anorexia (falta de apetite), vômitos, cansaço, dor abdominal na altura do fígado, fezes claras e urina avermelhada. Para fazer o diagnóstico são necessários exames específicos do sangue da pessoa suspeita. No Brasil, as áreas consideradas de risco estão abaixo discriminadas e, nelas, vacina-se toda a população menor de 15 anos, na rotina:

Amazônia Legal (AC, AM, AP, RR, RO, TO, PA, MA, MT);

Espírito Santo;

Santa Catarina;

Distrito Federal;

Paraná.

No restante do País, vacina-se na rotina todos os menores de um ano de idade e os grupos considerados de risco (relacionados no item 10.2).
10.2. Como as Hepatites se Transmitem?
As hepatites A e E se transmitem via fecal-oral, ou seja, de pessoa a pessoa, em conseqüência de contaminação fecal e ingestão oral de alimentos e água contaminados.

As hepatites B, C e D são de transmissão pelo contato com sangue (transfusões, feridas, injeções) e pela atividade sexual.

A hepatite D só ocorre em pacientes com infecção pelo vírus B da hepatite (sintomático ou portador). As mães infectadas pelo vírus B podem transmitir o vírus para seus filhos durante o parto e, mais raramente, ainda no útero; e estes podem se tornar portadores crônicos. Os viciados em droga são de alto risco para a hepatite B, pelo uso endovenoso, e também aqueles com atividades heterossexuais e com múltiplos parceiros. Também os profissionais de saúde são de elevado risco, pelo contato com sangue e ferimentos de pacientes infectados.

Pacientes que necessitam de transfusões e hemodiálise são também de alto risco para hepatite B, como também os contactantes domiciliares de pacientes portadores.

Em resumo, conforme definido pela Comissão Nacional de Hepatites, em 10.03.1997, em reunião com o Programa Nacional de Imunizações e o Comitê Técnico Assessor em Imunizações, considerou-se o grupo de risco:

profissionais da área de saúde;

estudantes da área de saúde;

policiais militares e corpo de bombeiros;

forças armadas;

portadores de doenças hematológicas;

candidatos ao uso e usuários de máquinas de diálise;

presidiários;

comunicantes domiciliares de casos de Hepatite B;

homossexuais;

indivíduos com multiparceria sexual;

usuários de drogas injetáveis.



10.3. O Que se Pode Fazer para Evitar e/ou Controlar as Hepatites Virais

e o Problema do Câncer do Fígado?
Todos os casos de pessoas que apresentam os sintomas citados, como manifestações da doença, devem ser informados às unidades de saúde para que sejam tomadas as medidas apropriadas. Será feita a investigação de cada caso para identificar o tipo de hepatite e adotar medidas específicas. Serão identificados os comunicantes nos domicílios e a história de contato com outros casos, para a interrupção da cadeia epidemiológica.

Os pacientes serão orientados para acompanhamento médico em ambulatório, como também para evitar a propagação do vírus - lavar as mãos, usar um sanitário individual (se for possível), por três semanas. Isso no caso das hepatites A. Se for hepatite B ou C, deve ser usado hipoclorito de sódio para desinfecção do sanitário após o uso do mesmo.

Vacinar as pessoas que ainda não estão protegidas.

É importante que os hemocentros, bancos de sangue e laboratórios informem sobre os casos de portadores identificados por eles, para que se adotem as medidas adequadas.

A água limpa (tratada ou fervida) é eficaz para o controle das doenças de veiculação hídrica, entre as quais as hepatites pelos vírus A e E.

Com relação específica à hepatite B, os profissionais de contato mais direto com sangue e mucosas dos pacientes, tais como dentistas, enfermeiros, técnicos de laboratórios, médicos e estudantes dessas áreas, devem se proteger usando luvas, lavando as mãos após atendimento de cada paciente e, sobretudo, estar vacinados.

Os instrumentos/equipamentos devem ser desinfectados/esterilizados após o uso em cada paciente.

Deve haver orientações educativas sobre o uso de camisinha nas relações sexuais; e não-reutilização das seringas descartáveis. No caso de filhos de mães contaminadas ou doente de hepatite B, eles devem receber imunoglobulina específica nas primeiras 12 horas após o nascimento e iniciar vacinação contra hepatite B até sete dias após o nascimento. Outras pessoas expostas ao vírus da doença também devem receber esta orientação e colher sangue para exames e determinar a continuidade da vacinação.

A vacinação ao nascer é o meio mais importante para o controle da hepatite B, reduzindo posteriormente possibilidades de câncer do fígado e cirrose hepática, com morte precoce. A imunoglobulina também tem sua indicação em pessoas suscetíveis e que tiveram contato sexual recente com portadores ou doentes, e ainda nas pessoas que tiveram acidentes com instrumento perfurante ou cortante contaminado pelo vírus da hepatite B.

11. Febre Amarela

11.1. O Que é?

Doença infecciosa aguda, transmissível e febril, causada pelo vírus da febre amarela que determina um quadro grave de insuficiência renal e hepática, podendo levar rapidamente à morte.


11.2. Como se Transmite?
A febre amarela urbana é transmitida, principalmente, pela picada do mosquito Aedes aegypti, que é infectado ao picar um doente na fase inicial da doença. Já a febre amarela silvestre é transmitida pela picada de espécies de mosquitos silvestres do gênero haemagogus. O Aedes albopictus possui a capacidade de combinar os ciclos silvestre e urbano da febre amarela.
11.3. O Que se Pode Fazer para Evitar a Febre Amarela?
a) Vacinação

Toda a população deve estar vacinada, brasileiros e estrangeiros, especialmente aqueles que residem e/ou viajam para as áreas consideradas de risco: no Brasil, a Amazônia Legal (Acre Amazonas, Amapá, Rondônia, Roraima, Tocantins, Pará, Maranhão e Mato Grosso), Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal; no exterior, ver Regimento Sanitário Internacional/Organização Mundial da Saúde. A vacina é oferecida para qualquer idade, dose única, com proteção após 10 dias. Requer uma dose de reforço a cada 10 anos. Em casos de situações epidemiológicas críticas (como surtos), o Ministério da Sáude, preconiza a antecipação da idade mínima de vacinação para 6 meses de idade.



b) Medidas de controle do vetor

Medidas de controle mecânico: evitar a manutenção de criadouros favoráveis à prolife

ração do Aedes, tais como latas, pneus, tampas de garrafa, vasos ou quaisquer objetos

que possam coletar água. Estas medidas também incluem a técnica que identifica o índice de larvas do mosquito existente, auxiliando as equipes de campo a identificar ruas ou bairros onde a população de mosquitos Aedes



Medidas de controle químico: São aquelas dirigidas especificamente contra o vetor,

pelo uso de inseticidas para eliminar as larvas e/ou o mosquito alado.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal