A traduçÃo audiovisual como ferramenta de apoio à aquisiçÃo de uma língua estrangeira



Baixar 0.52 Mb.
Página6/8
Encontro21.10.2017
Tamanho0.52 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8

I

Izard, N. 1992. La traducció cinematogràfica. Barcelona: Publicacions de la Generalitat de Catalunya.

Ivarsson, J. & Carroll, M. 1988. Subtitling. Simrishamn. Approved at the meeting of the European Association for studies in screen translation in Berlin (17.10.1998).

J

Jakobson, R. 2000 [1959]. « On Linguistic Aspects of Translation.Venuti, L. (ed.) The Translation Studies Reader. London. Routledge. Pp 113-118.

Jobard, G. La Lecture des Mots. In : HOUDÉ, O. Mazoyerb, B. ; Tzourio-Mazoyer, N. 2002. Cerveau et psychologie : introduction à l’imagerie cérébrale anatomique et fonctionelle. Paris : Presses Universitaires de France. Pp.499-520.

K

Karamitroglou, F. 1998. “A proposed set of subtitling standard in Europe”. Translation Journal 2(2). [http://accurapid.com/journal/04stndrd.htm]

Karamitroglou, F. 2000. Towards a Methodology for the Investigation of Norms in Audiovisual Translation. The Choice Between Subtitling and Revoicing in Greece. Amsterdam and Atlanta: Rodopi.

Karamitroglou, F. 2001. The Choice Between Subtitling and Revoicing in Greece. Norms in action. Target, 13:2, 305-315.

Kagan, A. Saling, M. 1997. Uma Introdução à afasiologia de Luria: teoria e aplicação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Kato, M. A. 2002. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Atica.

Kecskes, I. E Papp, T. 2000. English in Europe: The Acquisition of a Third Language, Multilingual Matters Ltd.

King, J. 2002. “Using DVD feature film in the EFL classroom”. ELT Newsletter 88: available at: www.eltnewsletter.com/back/February2002/art882002.htm

Kolb, D. 1984. Experiencial Learning – Experience as the Source Learning and Development. New Jersey: Prentice-Hall.

Koskinen; P.S., Wilson, R.M. e Jensema, C.J. 1985. Closed-Captioned Television: A New Tool for Reading Instruction, Reading World (24), 1-7.

Krashen, S. e Terrell, T. 1983. The Natural Approach: Language acquisition in the classroom. London: Prentice Hall Europe.

Krashen, S. 1985. The input hypothesis: Issues and Implications. London: Longman.

Krashen, S. 1996. Explorations in Language Acquisition and Use. The Taipei Lectures. Heinemann, Portsmouth, NH.

Koolstra, C. e Beentjes, W. 1999. Children’s vocabulary acquisitioT in a foreign language through watching subtitled television at home. Educational Technology, Research and Development, 47, 51-60.

Kuppens, A. 2008. “Incidental Language Acquisition From Television, Video Games and Music: An Empirical Study With Flemish Youngsters”. Paper presented ar the Annual Meeting of the International Communication Association. TBA, Montreal, Quebec, Canada, May 21, manuscrito.

L

Lacey, N. 2000. Narrative and Genre: Key Concepts in Media Studies. Basingstoke: Macmillan.

Lambert, W. E. and N. E. Holobow. 1984. “Combinations of printed script and spoken dialogues that show promise for beginning students of a foreign language,” Canadian Journal of Behavioural Science 16, pp. 1-11.
Levitt, T. 1995. A Imaginação de Marketing. São Paulo: Atlas.
Linebarger, D. L. 2001. Learning to Read from Television: the Effects of Using Captions & Narration, Journal of Educational Psychology 93 (2), 288-298.

Luria, A.R. Fundamentos de Neuropsicologia. (1981). São Paulo: EDUSP.


Luyken, G. M. et al. (eds). 1991. Overcoming Language Barriers in Television: Dubbing and Subtitling for the European Audience. Manchester: European Institute for the Media.

M

Machado, A. 2000. Neuroanatomia Funcional. 2 ed. São Paulo: Editora Atheneu.


Machado, L. Almeida e M. Simões (Eds). 2006. Avaliação Psicológica: Formas e contextos (vol. V, pp. 685-692). Braga: APPORT.
Maingueneau, D. 1996. Aborder la Linguistique. Paris : Seuil.
Maingueneau, D. 1990. Análise do Discurso : a questão dos fundamentos. in Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas. 19, pp. 65-74.
Mariet, F. 1989. Laissez-les regarder la Télé. Paris: Calmann Lévy.
Mast, Gerald and Marshall Cohen (eds). 1974. Film Theory and Criticism. Introductory Readings. New York, London, Toronto: Oxford University Press.

Mecacci, L. 1987. Conhecendo o cérebro. São Paulo: Nobel: Istituto Italiano di Cultura di São Paulo.

Miller, J. 1983. Many voices: bilinguism, culture and education. Great Britain: Billing & Sons.

Modard, D. 2000. Études de Linguistique Appliquée: Revue de didactique des Langues-cultures et de Lexiculturologie.

Morin, Edgar.1921. Os sete saberes necessários à educação do futuro/ Edgar Morin; tradução de Catarina Eleonora T. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho – 2.ed. – S. Paulo: Cortez/ Brasília, DF: UNESCO, 2000.
Munday, J. 2001. Introducing translation studies: theories and applications. London & New York: Routledge.
Munday, J. 2002. Systems in Translation: a systemic model for descriptive translation studies. In: Hermans, T. (Ed.). Cross-cultural transgressions: research models in translation studies II. Historical and ideological issues. Manchester, UK/Nothampton MA: St. Jerome:76-92.
N
Neuman, S. B. and P. Koskinen. 1992. “Captioned television as ‘comprehensible input’: Effects of incidental word learning from context for language minority students,” Reading Research Quarterly 27, pp. 95-106.
Neves, J. 2005. Audiovisual Translation: Subtitling for the Deaf and the Hard-of-Hearing. PhD Thesis. London: Roehampton University.

Neves, J. 2007. Guia de Legendagem para Surdos- Vozes que se Vêem. IPL, Instituto Politécnico de Leiria, CIID – Centro de Investigação Identidades & Diversidades.

Newson, J.; Currie, J. (ed.). 1998. Universities and Globalizations: critical perspectives. Education Resources Information Center. SAGE Publications.

Nord, C. 1997. Translating as a Purposeful Activity. Manchester, St. Jerome.

Nunan, D. 1991. Language Teaching Methodology. Hertfordshire: Prentice Hall.

Nunan, D. 1998. Teaching Grammar in Context. ELT Journal, 52 (2).



O

Orero, P. (ed). 2004. Topics in Audiovisual Translation. Amsterdam and Philadelphia: John Benjamins.



P

Pereira, S. 2007. Por Detrás do Ecrã. Televisão para crianças em Portugal, Porto: Porto Editora.

Pereira, S. 2007. A minha TV é um mundo. Programação para crianças na era do ecrã global, Porto: Campo das Letras.

Pym, A. 2007. Translation technology and training for intercultural dialogue: what to do when your translation memory won’t talk with you – Intercultural Studies Group – Rovira I Virgili University, Tarragona, Spain. Paper delivered to the Ecolotrain workshop, Ljubljana, 31 August- 1 September.



S

Santamaria Guinot, L. 2001. Subtitulació i referents culturals. La traducció com a mitjà d’adquisició de representations socials. PhD Thesis. Barcelona: Universidad Autónoma de Barcelona. [www.tdcat.cesca.es/TDCat-0726101-095437]

Sanvito, W. L. 1991. O Cérebro e as suas Vertentes. 2 ed. São Paulo: Roca.

Sapir, E. 1968. Selected writings of Edward Sapir in Language, Culture and Personality. Ed. David G. Mandelbaum. Berkeley: University of California Press.

Schleiermacher, F. 2001. Sobre os Diferentes métodos de Tradução. In: Guerini, A. et al. Antologia Bilingue. (1), pp. 26-87.

Schramm, W. 1965. The New Media – Memo to Educational Planners education. Resources Information Center.

Seron, X. e Jeannerod. M. 1994. Neuropsychologie humaine (pp. 336-359). Liège: Mardaga.

Snell-Hornby, M. 1988. Translation Studies : An Integrated Approach. Amsterdams: Benjamins.

Steiner, G. 1998. After Babel: aspects of language and translation. 3rd Ed. Oxford University Press.

Stibbard, R. 1998. The Principled Use of Oral Translation in Foreign Language Teaching.In Malmkjaer, K. (ed.). Translation and Language Teaching, Manchester: St. Jerome, 69-76.

Strecht-Ribeiro, O. 1998. Línguas Estrangeiras no 1º Ciclo: Razões, Finalidades, Estratégias. Lisboa: livros Horizonte.

T

Toury, G. 1995. Descriptive Translation Studies. Amesterdam: Benjamins.



V

Vanderplank, R. 1988. “The value of teletext subtitles in language learning,” ELT Journal 42-4, pp. 272-281.

Vanderplank, R. 1995. Applied Linguistics- Oxford, Oxford University Press.
Veiga, M.J. 2002. “Tradução para legendagem- estudo de um caso”; APROLÍNGUAS- Línguas: Futuro Mais–Que-Perfeito? Actas do IV Encontro da Associação Portuguesa de Professores de Línguas Estrangeiras do Ensino Superior (MOREIRA, Gillian & HOWCROFT, Susan (coords.)). Aveiro. Universidade de Aveiro. 2002, 223-236.
Venuti, L. 1998. Rethinking Translation. London.
Vinay, J. P. et Darbelnet, J. 1958. Stylistique Comparé du français et de l’anglais. Paris : Didier.
Vygotsky.L. 1993. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Matias Fontes.
W

Whorf, B. L. 1956. Language, Thought and Reality: Selected Writings. Ed. And Intro. John B. Carroll. Foreword Stuart Chase. Cambridge, MA: M.I.T. Press.



Y
Yuksel, D.; Tanriverdi, B. 2009. Effects on watching captioned movie clips on vocabulary development of EFL learners. The Turkish Online Journal of Educational Technology – TOJET April 2009 ISSN: 1303-6521 Volume 8, Issue 2, Article 4.

Webibliografia:



www.euroconferences.info/proceedings/2005_Proceedings/Diaz%20 cintas_jorge.pdf; consultada a 20 de Janeiro 2009.

European Commission. 2007. High Level Group on Multilingualism: http://ec.europa.eu/education/policies/lang/multireport_en.pdf; consultada a 19 de Fevereiro 2009.

LeVis project: http://levis.cti.gr; consultada a 10 de Março 2009.

MOLAN project: http://www.MOLAN-network.org; consultada a 26 de Março 2009.



FILMOGRAFIA
A Vida é Bela [La Vita È Bella]. Itália, 1997. 116 min. Roberto Benigni. Estúdio Melampo Cinematográfica. Miramax Films.
Atrás das Nuvens. Portugal, 2007. 83 min. Jorge Queiroga. Filmes do Tejo. Lusomundo Região.
Betty Blue [37º 2 Le Matin]. França, 1986. 116 min. Jean Jacques Beineix. Cargo Films/ Constallation. Flashstar Home Video.
Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos [Mujeres al Borde de un Ataque de Nervios]. Espanha, 1988. 85 min. Pedro Almodóvar. TF1 Films Productions. Prisvideo, SA.
O Nascimento de Cristo [The Nativity Story]. E.U.A. 2006. 101 min. Catherine Hardwicke. New Line Cinema.
O Tigre e o Dragão [Crouching Tiger, Hidden Dragon]. China, Taiwan, Hong Kong, E.U.A. 2000. 120 min. Ang Lee. Anamórfico.

APÊNDICES

APÊNDICE 1

QUESTIONÁRIO
Distribuído pelas escolas do 1º ciclo da Freguesia de Ermesinde, Concelho de Valongo, aos 3º e 4º anos de Escolaridade, a crianças com idades compreendidas entre os 8 e os 11 anos de idade.
Cara Professora, desde já agradeço a disponibilidade demonstrada. Este questionário servirá de base à elaboração de um estudo descritivo e comparativo dos hábitos de visionamento de Desenhos Animados e/ou séries de televisão, por parte de crianças com idades compreendidas entre os 8 e os 11 anos, no âmbito do Mestrado que estou a realizar – Tradução e Interpretação Especializada. É anónimo. Obrigado pela colaboração!
Idade: ______ Nacionalidade ______________ Sexo: Masc. _____ Fem. ______
1. Estás habituado(a) a ver Desenhos Animados ou séries, na televisão, em Língua Estrangeira?

Sim ____


Não ____

2. Dos Desenhos Animados abaixo indicados, assinala com um X aqueles que gostas mais de ver na televisão.

Winx ______

Power Rangers ______

Teenage Mutant Ninja Turtles ______

Pokemon ______

Bratz ______

Hannah Montana ______

No País dos Ozie Boo! ______

Sonic ______

My Melody ______

Bob, O Construtor ______

O Super Apresentador ______

Mermaid Melody ______

Barbie ______

Harry e o Balde de Dinossauros ______

Little Einsteins ______

O Mundo de Todd ______

Naruto ______

Tracey McBean ______

Shuriken School ______

Star Wars – Clone Wars ______

F-Zero ______

Tween Box: H2O ______

New Woody ______

GP Legend ______

GI Joe Sigma ______

Curious George ______

Dinosaur King ______

Doraemon ______

Spiderman ______

Fantastic Four ______

Ben 10 ______

Ninja Hatori ______

Outros: _______________________________________________________________
3. Achas que um filme/Desenhos Animados com legendas

Perturba o visionamento _______________

Ajuda o visionamento _________________

4. Achas que as legendas ajudam a compreender melhor os filmes/Desenhos Animados?

Sim_________ Não ________ Talvez ________



5. Achas que com as legendas aprendes mais vocabulário em Língua Estrangeira?

Sim_________ Não ________ Talvez ________


A responder pelo Professor da turma e pelo Professor de Língua Estrangeira, respectivamente.

6. Numa escala de 1 a 5, indique o nível de conhecimentos de LM desta criança.



1

2

3

4

5

7. Numa escala de 1 a 5, indique o nível de conhecimentos de LE desta criança.



1

2

3

4

5



OBRIGADO!


APÊNDICE 2
ENTREVISTA À DRA. TERESA PAIXÃO, RTP2

(Realizada nas instalações da RTP, em Lisboa, a 6 de Março 2009)
Guião


  1. Quais sãos os critérios para a selecção dos programas infanto-juvenis; saber as razões para os horários vigentes; perceber os critérios de categorização de programas (o que é infantil? Juvenil? Que idades estão contempladas em cada caso?); se estes factores são tidos em conta na hora de escolher entre a dobragem e a legendagem.

Os critérios de horários não têm a ver com quem escolhe os conteúdos, são da responsabilidade do Director de Programas que faz a grelha. Mas evidentemente que quem decide os horários tem em conta informações de várias fontes. Chamamos Infantil até aos 10 anos, pré-juvenil dos 11 aos 13, juvenil dos 14 aos 16 e jovem adulto a partir daí. Tem um pouco a ver com o percurso escolar. Não dobramos programa que se destinem a maiores de 14 anos.



2- Portugal é um país com tradição em legendagem de programas de LE. Esta afirmação pode ser considerada uma falácia no que respeita à Programação Infanto-juvenil?

Não me parece que tenha havido nenhuma tradição de legendagem. Até aos anos 80 produziu-se imenso em Portugal por isso os programas eram na língua materna (falada por pessoas que a falavam maravilhosamente como o Prof. Vitorino Nemésio, o Maestro Vitorino de Almeida, o Prof. David Mourão Ferreira…). E as séries estrangeiras legendavam-se sim, como agora. Para as crianças muito pequenas sempre se dobrou com vozes magníficas como Ana Zanatti e João Perry! De resto poucos tinham televisor, os que tinham sabiam ler e a percentagem de analfabetismo era enorme!




  1. Porquê que, na actualidade, muitos programas para o público infanto-juvenil são dobrados e não legendados (por ex., Postman Pat, Bob the Builder, …)? Porquê esta mudança? Em primeiro lugar porque se destinam a crianças que ainda não sabem ler. Depois porque sabemos que a maioria dos meninos os vê só com acompanhamento dos pais para lhes lerem as legendas. E porque é hoje quase impossível, com os privados, concorrer sem dobrar.




  1. Quem decide o tipo de prática a adoptar, uma vez que a dobragem implica mais custos, é mais morosa, etc? Eu decido quais os que se dobram e os que se legendam. Custa mais dinheiro mas dá mais empregos, a técnicos de som, a actores, a adaptadores musicais. É mais demorado mas isso é um problema de planeamento.




  1. Que política existe no campo do audiovisual? Dobragem ou legendagem? Quais os critérios de selecção? Na RTP existe ambas. Dobram-se uns produtos, legendam-se outros. O contrato de concessão de serviço público também recomenda que haja produção nacional programas perceptíveis pelos públicos a que são destinados.



  1. As crianças estão altamente motivadas para ver Desenhos animados. Porque não legendá-los e dar-lhes a hipótese de serem “imersos” noutras línguas e culturas, nomeadamente o Inglês? Acho que já respondi na 3.




  1. A Comunidade Europeia defende o ensino das línguas através do multilingualismo (= diversidade linguística, noção de um vida de “lifelong learning”.). Um projecto europeu, o MOLAN (motivation for languages) foi lançado, por um período de 4 anos (2007 -2010); mais de 40 instituições de Ensino Superior e escolas de 24 países europeus têm adoptado práticas de ensino/aprendizagem que envolvem o contacto com materiais audiovisuais. A televisão, que é vista como o verdadeiro reflexo da cultura de uma sociedade, com contexto em linguagem autêntica, funciona ou pode funcionar como uma ferramenta didáctica valiosa pois alia o entretenimento e a aprendizagem. Os jovens, em Portugal, sentem-se à vontade em ouvir o Inglês, mesmo antes de começar a aprender Inglês, formalmente, na escola; por isso, o impacto da televisão diariamente legendada deveria ser mais visível em termos da sua competência comunicativa. Acredita que as legendas contribuem positivamente para a aprendizagem de novas línguas e culturas? A minha experiência como espectadora de resmas de programas e leitora de resmas de legendas diz-me que sim. Aprendi mais inglês com as séries que vi na RTP do que nas aulas de inglês, até aprendi coisas que só saberia usar no contexto em que as vi, o caso das palavras “Objection” e “Sustained” repetido mil vezes nas séries sobre advogados e tribunais.



  1. A CEFR (Common European Framework of Reference) diz que “tv programmes with subtitles can be effective tools for language learning, in that they can promote functional literacy and receptive multilingualism (…)”. Acha que os canais de televisão se deveriam aliar a esta perspectiva defendida pela Comunidade Europeia?

Acho que ver televisão não é obrigatório por isso os canais tentam seduzir os espectadores e, por enquanto seduzem-nos melhor com programas na sua própria língua.


  1. A UE chega mesmo a falar de “edutainement”, educação através de entretenimento. Qual a sua opinião sobre este assunto?

A RTP 2 já usou esse termo para se identificar há 10 anos.
10. Estamos perante um paradoxo na sociedade portuguesa: existe a convicção que os Portugueses “falam bem” outras línguas, nomeadamente o Inglês; no entanto, o Eurobarometer desmente esta convicção, devido aos maus resultados oficiais dos exames finais de Secundário. Acha que a tão famosa tradição da prática da legendagem deveria afirmar-se mais ao nível do público infanto-juvenil permitindo, desta forma, aos espectadores a exposição às versões originais e daí a uma aprendizagem “incidental” da língua, fenómeno que acontece tão naturalmente num “early stage”? Acho que a televisão mais facilmente fará um programa para ensinar a língua do que legendar os programas para crianças por enquanto. Mas a escola pode muito bem fazer isto sobretudo com DVD.

11- Porque não colocar legendas intralinguísticas nas produções portuguesas? (ajuda todos os públicos – crianças surdas, com défice auditivo, melhorando a sua LM e a sua capacidade de leitura e, consequentemente, de aprendizagem.) – A RTP tem um serviço de teletexto.
12. “People should be encouraged to develop their own individual language profiles” (EU, 2007:9). Acredita que a televisão legendada, no público infanto-juvenil, pode resultar num conhecimento efectivo de LE? (Comentário: temos aqui tudo – motivação, incidental learning, internalized learning – “at an early stage”.). Se as crianças não mudarem de canal talvez. Mas elas têm vontades e direitos!

APÊNDICE 3
ENTREVISTA À PROF. DRA. SARA PEREIRA, Professora no Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho (UM) e Investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da mesma Universidade.

(Realizada nas instalações da UMinho, em Braga, a 24 de Abril 2009)
Guião


  1. Como caracteriza o público infanto-juvenil?

O público infantil é um público heterogéneo, no que diz respeito às faixas etárias que o integram, aos níveis de desenvolvimento cognitivo das crianças e aos contextos socioeconómicos e culturais de pertença. Prefiro falar em ‘públicos’ do que em ‘público’.


  1. Quais os programas que lhes são dedicados?

Temos de distinguir os programas que lhe são destinados dos programas que elas vêem, são coisas diferentes. De acordo com os dados audimétricos, as crianças vêem mais assiduamente os programas destinados à audiência familiar e aos adultos do que os programas que são especificamente pensados e emitidos para elas. Esses programas, que designo de programas para a infância e adolescência, são emitidos num espaço televisivo definido em termos horários no que aos canais generalistas diz respeito. Ou seja, olhando para uma grelha de programação dos quatro canais de sinal aberto que emitem em Portugal, é possível identificar a programação para os mais novos.

Nesse espaço é possível encontrar diferentes programas para as crianças, sendo a maioria do género ficção/animação.




  1. Quais foram as formas de apresentação utilizadas, na tradução audiovisual, no caso dos programas estrangeiros, a legendagem ou a dobragem? Há diferenças relativamente à faixa etária? Quais as razões?

A forma mais utilizada no tratamento dos programas estrangeiros é a dobragem, sem dúvida, independentemente da faixa etária. Julgo que para os mais pequenos a razão dessa opção se deve ao interesse em cativar a atenção das crianças pelos programas, disponibilizando-lhes programas que elas são capazes de compreender do ponto de vista da linguagem. Para o público juvenil é uma opção com menos interesse uma vez que os adolescentes e os jovens já dominam a língua materna e poderiam familiarizar-se com uma língua estrangeira, caso os programas não fossem dobrados.




1   2   3   4   5   6   7   8


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal