A terra e a lua



Baixar 0.8 Mb.
Página13/16
Encontro07.10.2019
Tamanho0.8 Mb.
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   16

(Prosseguimento)
É bem verdade que por tais meios grande número de operários perderam seu emprego e até mesmo se tornaram mendigos. O lavrador perdeu pedaço de seu terreno sendo prejudicado em sua safra. Os cocheiros perderam seu lucro e vários hospedeiros mais humanos entraram no rol dos desumanos. Materialmente falando só perdeu muito quem tinha muito.

Ferreiros que antigamente não podiam ser satisfeitos, trabalham mais modestamente.

Daí se deduz que até mesmo materialmente ninguém perdeu em demasia. Mas o açoite é bom e será ainda melhor no decorrer dos tempos. Assim como os hanoquitas abriram as comportas da Terra e foram afogados pelas águas, as pessoas de hoje se prejudicam voluntariamente. Diante disso digo: Vamos em frente! Quem não se satisfizer com o solo calmo e frutífero da Terra, procure as águas do mar e aprenda a diferença entre paz e tempestade. Além da água prossegue solo firme assim como ao lado dessas Revelações ainda existe a Palavra Antiga de Deus (Bíblia), inclusive Minha Graça para quem a procura.

Quanto às reclamações acerca do sacerdócio, elas nem atingem Meus Ouvidos; fuinha Ordem permite que toda pessoa possa se apossar de Meu Verbo, basta querer.

Daí todos poderão concluir facilmente que para Mim só vale um coração puro, amoroso e uma fé Justa em Mim. Quem preferir a palavra de um pregador religioso àquilo que Eu Mesmo disse, continue em sua tolice. Quem sentir agrado com o açoite ao invés de Minha Graça, que se deixe açoitar. Quem achar que uma igreja suntuosa é mais santa e elevada que um coração puro, templo do Espírito Divino, procure receber a bênção eclesiástica.

As criaturas sentem grande agrado nas cerimônias tolas, cansam-se em escrever e falar acerca da suntuosidade do Vaticano e ainda gastam grandes somas para sua conservação e enfeite sob a afirmação de que: Tudo isto é feito para maior Glória de Deus! Quem quiser ser ignorante que o seja. Como poderia uma catedral e iodas as catedrais do mundo aumentar a Minha Glória?

Nunca procurei no mundo a Minha Honra, mas apenas Fé e Amor. Em virtude disso, as outras manifestações de honra, que fazem de Mim um ídolo, são apenas um horror para Mim. Quero ser adorado no coração, em espírito e verdade, isto é, que os homens Me reconheçam como seu Deus e Pai, amem-Me acima de tudo e a seu próximo como a si mesmos.

Quem quiser admirar Minha Força e Magnitude, procure as catedrais dentro da natureza, no Céu estelar e terá o suficiente para descobrir a Glória do Pai.

Na contemplação de uma montanha não se pode descobrir uma estrutura gótica, romana, jônica, frigia ou babilônica. Também não apresentam estátuas e pinturas de mestres famosos. Em compensação nota-se a Mão do Pai e, em vez de estátuas e quadros, lá vivem verdadeiras criaturas e seres, e no lugar dos ornamentos vêem-se maravilhosas florestas e campos cobertos de erva útil, e tudo isso dá testemunho do Poder, Magnitude e Sabedoria do Mestre Eterno.

Tais observações animam o coração humano para a Maior Glória do Pai. Entrementes as pessoas despendem grandes somas, fazem doações e heranças. Elas acreditam com isto fazerem algo em Minha Honra. Que dizer a isso tudo? Perguntam certas pessoas por que não faço chover enxofre e fogo para queimar os milhares de santinhos e outras tolices mais. É verdade, Sodoma e Gomorra sucumbiram; em compensação ergueu-se babilônia. Também aqui muito fogo foi atirado ao paganismo, como em tempos idos. Ainda assim ele ressurge. Deixemos então o trigo crescer junto com o joio, pois o tempo da separação virá.


66° CAPÍTULO


A CERIMÓNIA ECLESIÁSTICA
De que adiantam todas as lamúrias e reclamações e a tola apostasia daquilo que uma igreja abarrotada de paganismo prescreve? Tudo isto de nada adianta. Quando um rio se tornou por demais forte, é tarde querer-se impedir seu curso, pois haveria de encher ainda mais e arrebentar os diques e afogar o país todo.

Também seria irrisório nadar-se contra tal rio caudaloso, pois ninguém conseguiria avançar. É preferível deixar que corra seus trâmites e afastar-se no coração seguindo o caminho seguro da Verdade pura. Convém ser prudente e virar o manto com o vento e não em direção oposta.

Além disso Eu só considero o íntimo da pessoa, de sorte que todo cristão honesto pode assistir ao ofício religioso, mantendo seu coração Comigo e nada o prejudicará. Quem se aborrecer com a cerimônia, não deve entrar, pois ninguém é forçado a tanto. Se tal fosse o caso, não levaria prejuízo, porquanto é melhor encontrar-se dentro de Uma igreja a procurar a caça em dias de feriado ou uma casa de jogo e outras coisas.

Além das cerimônias, costuma-se fazer algum sermão respeitando a leitura de alguns trechos do Evangelho. Se o sermão não agrada, os versículos do Evangelho servirão para que a criatura chegue à Vida Eterna, caso se disponha a seguí-los.

No Meu tempo, o templo em Jerusalém era totalmente pagão. Não se podia cogitar de uma Casa de Deus, pois Jehovah lá não estava, senão esporadicamente quando doutrinava. Mas Eu, como o Próprio Jehovah, não proíbo a quem quer que seja a visitá-lo e fazer sua oferenda, pois Eu Mesmo o fazia para doutrinar e também perdoei o pecado da adúltera. Também Meus discípulos não tinham recebido proibição de visitá-lo, muito embora fosse um templo pagão. Por que então alguém haveria de se aborrecer se hoje o vizinho entrasse numa igreja? Se o fizer em Meu Nome, Eu o acompanharei e enquanto Eu suportar aquele ambiente, a pessoa também o suportará. Ninguém deve pedir raios e chuva de enxofre dos Céus, enquanto Eu não assim agir, pois sei perfeitamente quando tal momento é chegado.

Aliás a situação não é das piores se uma multidão de pessoas se alegra a sustentar esse paganismo, pagando missas, fazendo doações, construindo igrejas e capelas, órgãos e sinos, mandando celebrar missas fúnebres, organizando peregrinações dispendiosas e lidando com irmandades negociadoras. Por que isto deveria ser apagado como uma bolha de sabão, se proporciona tanta alegria à humanidade? Quem quiser continuar tolo e ignorante, alegrando-se com tais cerimônias competidoras de grande brilho de ouro e pedras preciosas, — que continue tolo como é. Que agrado posso sentir num mundo cheio de tolos? Muito menos que um oleiro sente diante de uma obra defeituosa, que pode ser quebrada quando assim o quiser. Do mesmo modo Eu não alimentarei uma tristeza no Coração por um mundo cheio de ignorantes como se fosse difícil Eu criar outro mundo cheio de anjos sábios.

Caso alguém Me procurar, há de Me encontrar e Eu o aceitarei fazendo tudo que ele merece. Se portanto não reajo em virtude da situação estúpida das coisas mundanas, provo que estou pouco ligando para elas.

Encontrando vez por outra algumas pessoas que se interessam por Mim, valem mais que o mundo inteiro e Eu deixarei que se satisfaçam totalmente com Minha Graça, pois para Mim o valor de uma criatura boa representa muito mais que um mundo cheio de tolos. Quantas vezes já se cortou a erva dos campos Que importa, se ela volta a crescer? O mesmo acontece com as pessoas desta Terra que insistem a ser tolas. Passaremos agora para um ensinamento oculto.

67° CAPÍTULO
OS SONHOS E SUA INTERPRETAÇÃO
A que espécie de fatores ocultos acabei de Me referir acima? Terá provas externas? Não, e ainda que tivesse, ninguém lhes daria crédito. Tais fatores ocultos consistem geralmente em certas visões que podem se originar dos Céus bem como do inferno, razão por que é importantíssimo receberdes orientações seguras e providências certas para saber como se portar em tais momentos. As visões são variadas. As mais comuns e conhecidas de todos são os sonhos.

Quem sonha e que representam os mesmos? Num sono comum apenas a alma sonha e se trata de visão confusa de seu próprio mundo sem ligação entre si, como os quadros de um calidoscópio em que eles nunca se repetem na mesma forma. Tal visão desconexa das relações e quadros consiste no fator de que a alma se acha desligada tanto do mundo exterior quanto de seu próprio espírito. Essa espécie de visões não têm outra utilidade senão a que deve se lembrar de seu estado psíquico.

Caso se consiga juntar os sonhos e possivelmente anotá-los, a alma pode receber um ótimo quadro de si mesma, pois demonstram o que ela é, quais suas tendências principais, seu zelo e principalmente seu estado total quando se encontrar fora da carne.

Tais sonhos não são produtos de espíritos infernais, muito menos celestes, mas produtos próprios da alma dos quais se lembra mais ou menos, o que depende principalmente do seu fluido nervoso. Inclinando-se para a alma, a criatura se lembrará de quase todos os sonhos. Pendendo mais à carne e dormindo junto dela, a pessoa pouco ou mesmo nada se lembrará, fato comum nos sensuais e materialista.

Coisa diferente se dá com sonhos claros em que a pessoa tem impressão de realidade, de sorte que ao acordar não sabe responder se foi sonho ou fato real. Tais visões não pertencem à alma, mas aos espíritos que a cercam, bons ou maus. Sendo maus, a alma e seu corpo acordarão totalmente extenuados; sendo obra dos bons, ambos se encontrarão num estado de disposição. Ambas as espécies se tornam úteis e não prejudiciais à alma. As visões desagradáveis devem constituir uma advertência; as boas, um fortalecimento para ela.

Tais visões são tão nítidas porque efetuadas pelos espíritos que primeiro soltam o fluido nervoso de sua incumbência material e o ligam à própria alma. Em tal estado a alma tem a sensação de naturalidade porque se encontra ligada ao fluido nervoso, portanto é mais forte a fim de assimilar os quadros mais importantes dentro de si.

A tal classe de visões pertencem as dos sonambúlicos, como também as visões durante a anestesia. Elas Já têm certa ligação e ordem, porque a alma recebe orientação exata dos espíritos que a cercam. Não raro eles proporcionam a noção de acontecimentos futuros, pois conhecem a ordem das coisas em que ocorrem infalivelmente e além disto são os próprios representadores das visões.

É o mesmo que alguém de vós chegasse a uma casa estranha, desconhecendo o que o anfitrião pretende fazer nos dias seguintes; mas ele o sabe pois está ciente das condições caseiras. Deste modo ignorais o que os espíritos ainda realizarão durante esse ano porque sois estranhos na casa deles. Uma vez que fizerem tal revelação, a alma estará informada. A fim de que isto seja possível, a alma tem que ser preparada, e tal preparação é aquilo que foi dito acima.

Tais visões podem ser levadas em consideração. Mas ninguém deve toma-las qual destino irremediável como faziam os pagãos, pois não pode haver impedimento do livre arbítrio. Quem desejar algo diferente daquilo que os espíritos demonstraram durante a visão, basta dirigisse a Mim pedindo modificação dos acontecimentos que tal pedido será considerado, pois Eu posso transformar todas as coisas num instante.

Se Eu Mesmo afirmasse: "Amanhã farei isso ou aquilo!", mas através de teu amor e confiança Me pedisses que sustasse Minha Determinação, Eu te atenderia sem prejuízo teu. Posso aproveitar todas as condições, situações e coisas de tal forma que milhares de espíritos Me servem como um só, e um dia será qual ano e mil anos como um dia.

Por tal motivo ninguém se deve assustar com visões raramente permitidas. Se forem boas, tudo estará bem. Sendo ruins, podem ser alteradas. Mas a quem nelas crer e duvidar de Minha Força, acontecerá o "fiat".

A mente humana é de fato tão fraca que prevê de sonhos simples toda sorte de acontecimentos futuros e algumas pessoas já criaram certas regras segundo as quais devem suceder coisas certas após certos sonhos, e tudo isto é tão tolo como aquele que inventou as mesmas. Sonhos com água trazem a morte de um parente ou conhecido. Fogo promete uma mentira ou alegria. Sonhos com pão e casamento são vaticínios de morte na família. Sonhando com abelhas, acontecerá um incêndio. Com formigas, inundações ou preocupações. Gafanhotos, grilos e aves esvoaçantes significam guerra e outras tolices. Não se falando dos sonhos Ictéricos.

Tais quadros que se apresentam diante da alma são símbolos do estado psíquico, mas não predições de fatos futuros. O que é preciso a fim de que uma pessoa com grande número de parentes, amigos e conhecidos perfazendo os dias de um ano, não venha a perder alguns durante tal percurso? A crendice é um grande mal e prejudica muito a alma porque se habitua a desistir em tais momentos da confiança em Mim. Quanto maiores dúvidas acerca das visões ela alimenta tanto mais enfraquece sua confiança e amor para Comigo. Se bem que tais sonhos tolos pertençam apenas à alma, o tolo simbolismo pertence a uma falange de espíritos maus que se infiltram, em tais momentos, na carne humana, sugam dela tais visões psíquicas e sugestionam as tolices impedindo que um Raio de Minha Graça possa influenciar a alma.

Dou-vos essa explicação para saberdes no futuro o que deduzir dos sonhos e visões. Muito embora todo fenômeno tenha seu motivo correspondente e finalidade certa, não devemos cogitar de qualquer tolice imaginável. Prosseguiremos com outra explicação.

68° e 69.° CAPÍTULO
A SUPERSTIÇÃO
Uma terceira espécie de tais visões veio do paganismo: a suposição tola de que após fenômenos naturais sucedem acontecimentos futuros. Se bem que já tivesse feito menção em outra oportunidade, darei nova explicação mais concisa por causa do ridículo e freqüentes maldades que surgem dali.

Não é desconhecido de todos a que manipulações incríveis certas pessoas recorrem a fim de tirar algum proveito do futuro.

Os primeiros tolos são os fazedores de calendários que, sem um pingo de conhecimento, pretendem determinar o tempo e sua manifestação .meteorológica- para cada dia do ano. Alguns chegam a fixar certos dias de sorte. Que povo ignorante! Quem é o Senhor do tempo, Eu ou o dia de sorte? Não têm tais dias semelhança com as explicações de sinais de pagãos e judeus aos quais disse que devido ao nascer e por do sol qual atmosfera deveriam aguardar? Tolos, os sinais dos Céus sabeis interpretar, mas os sinais deste Tempo em que realizo diante de vossos olhos, não reconheceis. Assim também hoje as pessoas desconhecem o dia de sorte, imenso, em seu coração que lhes revelaria a época principal de sua' vida futura e eterna.

Mas o homem só agiria com justiça caso considerasse os estados de seu coração chegando à conclusão que lá se passam constante-mente dias de jogo, intemperança, ócio, de dureza e crítica ao próximo e outros mais.

Tais dias ele deveria considerar, evitando tempestades, raios, trovões, chuvas, saraiva e gelo em seu coração. Só então o espírito sairia de sua reclusão ao livre coração para revelar à alma o dia de sorte da Vida Eterna. Enquanto se enfurecem constantemente os tempos maus, o espírito permanece em sua reclusão e a criatura- continua a mesma.

Existem outras que consideram os fazedores de folhinhas como semi-deuses, uma espécie de feiticeiros em pacto com determinados demoniozinhos que predizem o tempo, em troca de suas almas. Ao invés de levarem a humanidade para a luz, enxotam-na para as trevas. Devem os fazedores de calendários incluir nas folhinhas aquilo que a ciência prova, mas desistir dos indícios ilusórios do tempo.

Além de suas previsões do tempo apresentam outras sob o título: recursos contra o mau tempo, pêlos quais se pode dispersar tempestades preditas e que de fato já se aproximam. A tais possibilidades pertencem em primeiro lugar as missas preventivas da época cristã em Roma. Se os pastores das comarcas desejam receber pagamento para muitas missas, basta entrarem em contacto com tais fazedores de folhinhas ou outros profetas meteorológicos a fim de que predigam bastantes chuvas, tempestades e saraiva.

Outro recurso é a bênção dos campos por parte do clero da cidade que todavia não é tão eficaz quanto a de um religioso mendicante. Um terceiro recurso é principalmente o repicar dos sinos quando a tempestade já se acha próxima, os tiros com pólvora benta, o queimar com velas bentas, o espargir dos campos com água benta e o levantamento de cruzes pintadas de vermelho nas quais as bruxas da tempestade esbarram e caem.

Quanto absurdo! Deste modo o homem simples deixa de acreditar que Deus seja o fazedor dos tempos e pedir a Ele a necessária ajuda. O pobre coitado toma o tempo como obra de bruxaria a qual se deve enfrentar com os antídotos correspondentes. Assim, uma tolice segue outra, geralmente sob a exclamação: Tudo isto é feito para maior Glória de Deus! Agradeço por tais honrarias que agradaram antigamente aos deuses de pedra e madeira e ainda hoje agradam aos santos pintados, mas Eu nada tenho a ver com isto.

Tudo isto pertence ao campo das visões, as piores, e tem tanta realidade quanto os passes mágicos de um artista de circo. Essa espécie de fantasias contém efeito péssimo de afastar da confiança a Deus os corações de pessoas de boa índole que depositam toda sua fé nas folhinhas e outras coisas. Eis um efeito do inferno que assim não só domina as almas de pessoas isoladas, mas de povos inteiros, prejudicando principalmente os inocentes de épocas passadas. Deve-se dar luz a um povo, todavia ele é cegado pêlos ignorantes. Mas em tempo justo Eu Mesmo acenderei uma Luz para todos que seguirão então o caminho da Verdade.

Outra espécie de visões sumamente tola consiste na concepção de certos sinais de sorte ou desgraça, principalmente na religião católica. O primeiro encontro de uma pessoa ao sair de casa é muito importante. Se for um homem, o agouro é bom. Se o indivíduo encontrar com uma mulher, é prova desfavorável para- aquele dia. Até mesmo os caçadores seguem esse critério e são poucos os sacerdotes que criticam tais absurdos.

O motivo disso é que tais absurdos em sua base não são conhecidos como males da alma- provocados pelos espíritos de origem pagã, que ainda não se acham maduros para o inferno desfrutando de livre permanência na superfície da Terra a fim de se tornarem mais evoluídos.

Tais espíritos Se juntam às criaturas, se agregam à sua carne e agem com seu paganismo dentro das raízes da psique no ponto em que está ligada ao corpo, com o que ela chega à aceitação de tais tolices.

Muitas pessoas reconhecem perfeitamente que nada de real existe naquilo. Mas quando acontece um caso nesse teor, acreditam ou chegam a um certo embaraço na suposição de que talvez haja algo de verdadeiro.

Num verdadeiro cristão nunca se devia descobrir tal tendência, porque não leva a algo bom, mas sempre para o mal.

Outra prova mística consiste na crença de que a- passagem de um gato preto ou de uma lebre, lhes traga azar. Que influência poderiam ter tais animaizinhos inocentes num empreendimento humano? Essa crendice também se baseia no paganismo provocando o mesmo prejuízo psíquico, portanto deve ser evitada.

Outros ainda costumam jogar chumbo derretido na água, ou abrir um ovo na água, procurar tesouros por meio de varas mágicas e através do pêndulo fazem perguntas a respeito da saúde, idade etc.; tais recursos para desvendar o futuro são por demais tolos para se fazer qualquer comentário. Se um homem inteligente não pode prever seu futuro, como poderia isto ser possível a um metal? Ainda bem que tais bobagens são praticadas mais por distração que por motivo de superstição.

Uma maneira .muito pior é o estudo das cartas, pois por esse meio muitas pessoas ficaram infelizes para sempre. Na casa de quem isto é feito, habitam tantos demônios quanto existem cartas, e se tal cartomante adivinha as vezes algo verdadeiro, isto apenas é conseguido com ajuda de Beelzebub. Fugi dessas pessoas como se foge da peste, — do contrário sereis presas do inferno. Ultimamente se procura o recurso do sonambulismo para descobrir o futuro. Nesse tratamento, caso o magnetizador deseje ajudar o sonâmbulo, nunca deve ele fazer perguntas mas anotar apenas o que é dito de livre vontade. Perguntas só devem ser feitas quando o instrumento se externou algo mal pronunciado. Aliás deve essa espécie de passe ser empregada somente por pessoas de fé às de igual mentalidade. Se qualquer peralta sem religião ou fé magnetiza uma moça de mente fraca para receber certas orientações ou fazer experiências científicas, como espetáculo pago, — já se trata de um demônio em forma humana. Seria preferível se a moça fosse tomada de um espírito verdadeiro em vez de um magnetizador inescrupuloso.

Para tais pessoas se deveria construir as prisões mais seguras como Se fossem assaltantes ou incendiários, pois a pior escravidão é se um homem se atreve não só a apossar-se do corpo do próximo, mas também de sua alma e espírito por lucro material ou infernal. Tal ultraje receberá seu justo castigo aqui e no além. Demonstro tal fato apenas para saberdes como vos portar em casos futuros.

Hei de abençoar todo magnetizador que em Meu Nome apuser suas mãos num enfermo, mas também amaldiçoarei quem procurar lucro miserável por tal recurso sem fé e amor para beneficiar um doente.

Precavei-vos e ensinai a todos a não quererem receber revelações a respeito de seu futuro enquanto a pessoa não estiver amadurecida para tanto. Não é apenas prejudicial para a alma como também sumamente tolo porque não existe em parte alguma um futuro certo. Este se amolda sempre ao livre arbítrio dos homens cuja finalidade nesta Terra consiste em organizar sua vontade. O destino individual é dependente da vontade individual. Como então pode um tolo sem fé, fazer crer a outros o que sucederá?

Além do mais dei a todos um espírito livre por cujo renascimento têm que se preocupar. Quando tal renascimento ocorrer, o futuro da pessoa estará esse fato revelado. Procurai antes de mais nada o Reino de Deus; todo resto virá por si só.


70° CAPÍTULO


O REINO DE DEUS E O RENASCIMENTO
Existem de fato pessoas que afirmam: Não se poderia contestar nada contra a procura do Reino de Deus caso fosse mais facilmente encontrado e se numa Igreja ou outra congregação cristã houvesse um caminho certo para o Reino de Deus. No entanto fala a Igreja católica: Eu sou o único caminho certo, e outras mais dizem o mesmo de si. Se a pessoa andar por um ou outro caminho indicado ao Reino de Deus, encontra-se tudo menos o que promete em verdade. Então pergunto: Quem é culpado de não encontrá-Lo e até mesmo deixar de procurar? O próprio interessado, se não procurar o Reino de Deus onde pode ser encontrado.

Claro que Roma, Londres, Berlim e Petersburgo não são o caminho para lá, pois se lê nitidamente que o Reino de Deus não Se aproxima do homem com pompa externa porquanto se encontra dentro dele. Sua Base é o Cristo Deus Único e Senhor de Céus e Terra dentro do Espaço e do Tempo. É preciso que o coração creia Nele, ame-O acima de tudo e o próximo como a si mesmo.

Se a criatura tiver realizado essa exigência tão simples em seu coração, o Reino de Deus já foi encontrado. Pelo resto ela pouco precisa Se preocupar, pois lhe será dado por acréscimo quando tiver necessidade.

Quem precisar de sabedoria, recebê-la-á onde e quando for preciso. Se necessitar de recursos externos para o sustento material, eles lhe serão encaminhados em tempo e medida justas. Se em oportunidade especial precisar de forças peculiares, ele as receberá. Conselho e conforto também lhe serão dados quando estiver necessitando.

Quem, em momento especial, for obrigado a usar de um idioma estrangeiro, será auxiliado e caso queira ajudar a um enfermo, basta pronunciar o Meu Nome e apor suas mãos.

Tais vantagens não serão TOTALMENTE LIVRES nas mãos do homem encarnado mesmo que tivesse renascido há cem anos, mas somente QUANDO NECESSITAR de fato de um ou outro recurso. É compreensível Eu não transmitir Minha Graça para simples distração,"pois o renascido, ainda que tiver encontrado o Reino de Deus por dez vezes, tem que vir a Mim quando quiser algo, assim como também Eu Mesmo quando vivi na Terra, não pude fazer o que queria, mas somente o que era da Vontade Daquele Que Me enviou. Embora estivesse em Mim e Eu Nele, era Ele o Espírito de Deus como Pai de Eternidade, mas Eu fui e sou Sua Alma. Ela possui Seu Conhecimento e Capacidades Individuais, como Alma mais elevada e perfeita de todas. Todavia não podia fazer o que desejava, mas somente o que queria Aquele de Quem partiu. Se a Alma quisesse afastar de Si o ultimo cálice amargo. tal não era da Vontade Daquele Que estava dentro de Mim; por isso minha Alma fez o que Ele quis.

Por tal motivo não deveis imaginar numa pessoa renascida um benfeitor permanente em todas as coisas, muito menos a alguém que pela conquista do Reino de Deus se apresenta com uma auréola inventada, conforme costumais pintar vossos santos.

Do mesmo modo não se descobrem, após a morte de um renascido, quaisquer sinais milagrosos especialmente devotos pela ler. da católica, ou até mesmo ausência total de deterioração do corpo.

Isto tudo não se descobre num renascido e se assim fosse, bastaria a criatura se perguntar para que finalidade serviria. Qual seria a vantagem de um espírito bem-aventurado caso na Terra lhe fossem conferidos tais privilégios, tanto inúteis para ele, quanto mais ainda prejudiciais a seus irmãos? Os que descobriram o Reino de Deus nada possuem deste jaez, mas apenas Minha Graça é visível quando dela necessitam.

Não deveis considerar os renascidos como eremitas ou trapistas que se ocupam apenas com o rosário, missas e ladainhas, jejuns ridículos, desprezo ao sexo feminino, maldição dos pecadores e como distração particular, a observação de sua futura tumba.

Esses não são sinais do renascimento, mas provas da projeção das trevas dentro de si. A Luz do Renascimento desconhece os lados obscuros da vida, pois neles só há em toda parte a Luz do Dia.

Caixão e sepultura não são emblemas de um renascido no Reino de Deus; lá isto tudo não existe porque não há mortos, mas apenas ressurreição e Vida Eternas. O renascido já vive constantemente em seu espírito e considera a perda do físico tão pouco uma morte quanto alguém que à noite tira seu paletó ou um carregador que se desfaz do peso quando chega à meta final.

Por este motivo não existe morte para um renascido, como prova maravilhosa do renascimento interno e não externo. As demais provas também existem somente dentro da criatura e se apresentam apenas quando necessárias.

Quem tiver o dom da predição, o manifestará somente quando necessário e se Me pedir constantemente, pois ninguém pode vaticinar, senão Eu. Se Eu depositar as Palavras no coração do renascido, ele profetizará; fora isso falará como qualquer outro. O mesmo acontece com os outros dons.

Pessoas com o dom da visão não devem ser consideradas como renascidas, pois esse fenômeno é efeito de seu sistema nervoso pelo qual a alma transfere, por intermédio do fluido nervoso, percepções de seu reino ao corpo, porque esses nervos facilmente excitados não se tornam empecilho para tanto. Criaturas de nervos fortes, raras vezes ou nunca possuem o dom da visão. A capacidade da visão não é algo bom nem mau, mas uma espécie de doença à qual as criaturas chegam por certos acontecimentos desagradáveis na vida.

Tristeza profunda, pavor prolongado e grandes sustos etc., são geralmente causas disto, às vezes também meios artificiais como: magnetismo, entorpecimento por ervas e êxtases provocados por narcóticos.

Em suma, a visão não deve ser considerada como prova de renascimento, pois geralmente é relatada como surgiu diante de si, sem conexão e base. Por isto não se deve considerar milagres tolos como conseqüência do renascimento, e sim frutos naturais de um espírito sadio e uma alma curada por ele. Todo resto faz parte do manicômio.

Quem pretender alcançar o renascimento por causa das qualidades milagrosas, pode estar certo de que não receberá tal Graça, pois seria o mesmo que atirar pérolas aos porcos.

Amor para Comigo e todas as pessoas, bondade do coração são uma justa prova do renascimento. Onde faltam e onde a humildade não está preparada para todos os golpes, de nada adiantam os padres, auréolas e visões espirituais, pois tais pessoas estão mais distantes do Reino de Deus que muitas outras de fisionomia mundana.

Deveis considerar as palavras de um renascido que só dá o que recebe, e se alguém disser: Tal é minha obra!, ainda que falasse em Meu Nome não acreditai, pois faz tudo por conta própria...

71° CAPÍTULO



1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   16


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal