A terra e a lua


RECONDUÇÃO E SALVAÇÃO DE SATANÁS



Baixar 0.8 Mb.
Página11/16
Encontro07.10.2019
Tamanho0.8 Mb.
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   16

RECONDUÇÃO E SALVAÇÃO DE SATANÁS
Se a situação é essa. alguém poderia afirmar: Por esse meio a desejada regeneração do primeiro espírito caído e de seus asseclas é deveras problemática, pois se sobrará de certo modo a parte mais perversa de sua alma como sedimento e escória de toda matéria, base de uma nova criação, certamente o espírito também ficará aprisionado. Nunca um espírito abandona sua alma, seja ela substancial ou material.

De fato será um problema penoso a regeneração e recondução desse espírito e seus asseclas. Existe precisamente uma fagulha- de possibilidade, mas tão pequena que mal pode ser vista por um microscópio que aumentasse trilhões de vezes. Essa possibilidade será demonstrada após um teste especial, pelo qual esse espírito chegará à conclusão nítida que lhe fora tirado todo elemento psíquico e ter sido encaminhado à Glória de Deus. Então não existirá nenhum sol e nenhuma Terra no vasto Espaço da Criação. Todos os corpos visíveis terão sido entregues e não se encontrará matéria alguma, — com exceção da espiritual, de um novo Céu e de uma nova Terra. A Tem antiga murchará qual maçã apodrecida e seca. Isto será tudo que sobrará de toda matéria, quer dizer, o último resíduo de partículas psíquicas de maldade infernal que o espírito não abandonará com seus afins.

Predizer a época desse acontecimento não seria de utilidade para quem quer que seja. No mundo natural ninguém o assistirá, e no espiritual nenhum espírito perfeito se preocupará com o destino desse detrito, — assim como neste mundo entre milhões não haverá uma criatura que se preocupasse com a expulsão dos excrementos de 30 anos atrás. ESSE detrito ainda seria melhor que o outro.

Acontecerá o seguinte: esse espírito será atirado ao Infinito com seu invólucro de escória duríssima e sua queda jamais terá fim. Na maior profundeza de todas as profundezas ele cairá eternamente e seu sofrimento aumentará à medida de sua queda no mar da ira sem fim.

Muito embora tal mar de fogo seja o fogo de todos os fogos, jamais destruirá essa morada e então constará: Toda maldade sucumbiu no eterno abismo e foi tragada para sempre e jamais haverá outra maldade em todos os espaços do Infinito!

Mas enquanto a Terra subsistir, todo espírito terá a possibilidade de palmilhar o caminho do remorso, da humildade e regeneração, portanto também ele tem essa oportunidade. O tempo se escoando, ta! chance de uma regeneração será cancelada para tempos eternos.

Levará muito tempo até que a Terra tenha- libertado todos os prisioneiros, pois é um planeta bastante grande. Passarão alguns milhões de anos terráqueos até que ele faça sua última prova de fogo no fogo solar. O que, em tal ocasião, for dissolvido, alcançará a liberdade. O que o fogo solar não conseguir dissolver, não se tornando líquido, continuará eternamente resíduo, prisão do espírito mais maldoso e isto constituirá sua morte final e eterna.

Como já falamos muita coisa acerca desse espírito aprisionado nesta Terra, será interessante, se bem que não de grande utilidade, saberdes onde se acha o local do espírito pior. Basta Eu vos levar ao centro do planeta, não propriamente o coração ou outro órgão dele, pois estes consistem como todo o resto de almas, nas quais aliás ele age, mas também existem os bons espíritos na supremacia — que limitam a ação maldosa.

O local deste espírito é o ponto centrai e mais sólido do planeta que recebe toda pressão a fim de que não se movimente com violência e destrua a natureza terráquea. Bastaria deixá-lo um pouco à vontade e num só momento terá destruído não apenas a Terra, mas toda Criação visível. Existe nele uma força monstruosa que só pode ser contida por laços pesadíssimos que somente Eu, o Senhor, posso forjar. Ainda que seja tão fortemente algemado, não perde a oportunidade de soprar sua maldade nos elementos específicos em evolução o que prova q morte de todas as criaturas da Terra. Todo organismo é perecível e toda matéria é capaz de dar a morte e provocar a destruição. Tudo isso provém do hálito emanado da vontade do espírito do mal cuja maldade não sois capazes de imaginar. A menor idéia do mesmo será tão mortal que nenhuma criatura estaria em condições do pensá-la e continuar viva. Se Eu fosse descrever a menor parcela de maldade, ela vos mataria instantaneamente. Tudo que já ouvistes falar sobre este espírito é apenas uma sombra envolta por Minha Graça protetora e suficiente para imaginardes a natureza dele.

Um contacto mais direto com esse ser seria muitíssimo prejudicial. Podeis ter um pequeno vislumbre de sua crueldade nas várias aparições na superfície da Terra. Observai as plantas venenosas nos países tropicais. Basta que alguém se aproxime numa distância de algumas horas para que caia fulminado. Ainda assim tal vegetal tem apenas um diminuto elemento específico dentro de si que surge das proximidades desse espírito que sobe e se manifesta perturbando a ordem do arbusto.

A visão de um tigre também é um exemplo. Esse animal possui igualmente apenas um átomo de elementos nocivos da proximidade psíquica do local deste espírito e é bastante para transformá-lo em o animal mais cruel, pois ele é astuto, não teme e nem poupa nada.

Do mesmo modo são as serpentes e cobras. Quando famintas atacam tudo que aparece no seu caminho. Uma pedra que se desloca do alto destrói tudo com ódio cego. Desses exemplos pode-se reconhecer um mínimo da ira inclemente do espírito original. Em vez de travarmos um conhecimento direto com ele, observaremos outros pontos importantes nesta esfera.

56° CAPÍTULO
NATUREZA E NOME DE SATANÁS

Já ouvistes e lestes os diversos nomes desse espírito, acompanhado de grande número de asseclas que se chamam "diabos". "Satanás, Satã, Leviatâ, Beelzebub, Gog, Magog, a serpente, o dragão, o animal do abismo, Lúcifer etc., se referem a esse espírito. Seu nome original foi "Lúcifer" ou "Portador da Luz". Como Satanás era igual ao pólo oposto de Deus, assim como a mulher o é referente ao homem. A Divindade teria criado na natureza dela Suas Idéias Eternas e sem fim para amadurecerem em Sua Luz concentrada, e deste modo teria surgido uma criação de seres da luz deste espírito na máxima clareza e todo Infinito teria sido povoado constantemente. No Espaço Infinito caberia o Infinito e eternidades jamais haveriam de preencher o mesmo.

Como este espírito recebera uma finalidade tão imensa, quer dizer, tornar-se um segundo deus ao Meu lado, ele teve que passar por um teste de liberdade que, como sabeis, ele não conseguiu porque quis se elevar acima da Divindade e submetê-La à sua vontade.

Uma competição de posto foi o primeiro pecado que ele cometeu contra a Divindade. Como Esta não concordou em lhe conferir a primazia e submeter-Se a ele, Lúcifer incendiou-se em sua ira e quis destruir a Divindade, para o que não lhe faltava poder, caso Deus não o tivesse aprisionado em todas as partículas. Soa algo estranho que neste espírito existisse tamanho poder de reagir contra a Divindade Eterna a ponto de Ela finalmente ser obrigada a ceder e também deixar-Se aniquilar para sempre, o que seria o mesmo Mas o problema se torna compreensível considerando que a Divindade havia depositado um Segundo Eu neste espírito que embora criado temporalmente, possuía a mesma força criadora em todos os espaços infinitos.

Esse espírito, no qual Deus havia concentrado Sua Luz, se estendia também por todo o Espaço de sorte que seria bem possível dominar o Criador. Precisamente neste pensamento de amor-próprio despertou nele a grande vaidade e o agrado consigo mesmo, com sua luz e infinita altivez e força. Deste modo esqueceu-se de Deus e consolidou-se na vaidade. Eis que Deus o prendeu em todas as partículas de sua natureza, tirou-lhe a identidade específica e transformou-a em corpos cósmicos, envolveu o espírito com laços poderosíssimos e prendeu-o na profundeza da matéria.

Nesta situação esse espírito não se chama mais "Satanás", e sim, "Satã" porque se libertou da Ordem Eterna e Divina, quer dizer, pólo idêntico à Divindade. Sabeis que duas polaridades jamais se atraem, porém se repelem. Nisto se baseia o motivo pelo qual essa entidade é em tudo a mais distante e oposta de Deus. Eis porque sua maldade.

Pela expressão "Leviatâ" pretendia-se denominar apenas seu poder e força, segundo um antigo monstro marinho, o maior, mais forte e indestrutível de toda Terra. Seu tamanho parecia o de um país, sua forma a de um dragão gigante tão forte que suportava em suas entranhas um forte fogo que as vezes se projetava por suas narinas. Por esse motivo esse espírito era comumente chamado de "Dragão de Fogo" ou "Dragão do Abismo".

O espírito, liberto de sua alma e somente preso em sua natureza intrínseca, fez várias tentativas de se regenerar, sob condição, que também teria sido possível neste estado, liberto de suas tendências maldosas. Exigiu adoração divina e caso entendesse que tal veneração não lhe agradasse mais, ele se regeneraria para um espírito puro. Tal exigência lhe foi concedida e todo paganismo prova isto, pois é quase tão antigo como a Humanidade. Por isso o Senhor escolheu apenas um pequeno povo para Si. Todo o resto, sem prejuízo para a liberdade, pôde ceder ao desejo dele igual aos animais. Desta relação nasceram as diversas denominações dessa entidade venerada como um deus.

Não satisfeita com isto, mas fazendo crescentes violações na Ordem Divina ao invés da regeneração prometida, ele foi impelido numa prisão mais intensa. Como no decorrer dos tempos uma quantidade de espíritos afins se haviam desenvolvido do gênero humano, ele agiu através desses seus anjos. Um diabo ou demônio nada mais é que um espírito criado e desenvolvido na escola de Satanás.

Não que tais espíritos tivessem sido educados naquela escola, eles se formavam automaticamente em virtude dos elementos específicos que haviam assimilado durante a prisão dele. Tais espíritos, contendo igualmente a maldade original, chamam-se "diabos", "discípulos de Satanás", todavia se diferenciam muito dele. Neles, apenas a parte psíquica é homogênea com ele, mas seu espírito, embora dura mente preso, é porém puro, enquanto o espírito de Satanás é o próprio mal. Por isto pode acontecer que todos os diabos se venham salvar antes que Satanás seja obrigado a empreender e grande viagem para sua queda final.

57° CAPÍTULO
IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DO MAL
Sei perfeitamente que esse relato fortemente infernal não é do agrado de muitos leitores e também sei que venham descobrir algum contra-senso. Mas não importa se souberem algo amargo para a alma, que todavia é muito salutar para o espírito. Se já é difícil lutar-se contra um inimigo visível e conhecido, quanto mais não será uma luta contra um adversário invisível e desconhecido.

Uma vez o trigo separado do joio e recolhido no celeiro, a palha pode ser queimada sem prejuízo para o trigo e o celeiro. Se alguém tiver encontrado Misericórdia junto a Mim, terá sido guardado no melhor celeiro, como trigo da vida espiritual, e caso sua palha física receber alguns rasgos por parte de Satanás, isto em nada prejudicará ao espírito.

Dispensa qualquer prova de que deixa de ser algo agradável ao Transmissor da Palavra tão pouco ao ouvinte, defrontar-se com situações e efeitos satânicos. Um bom farmacêutico não só deve lidar com essências vitais, mas também com venenos diversos. Portanto é de suma importância para a vida eterna do espírito conhecer-se o inferno tanto quanto o Céu partindo de sua base.

Quem seria tão tolo de buscar uma lavadeira para roupa limpa? Toda pessoa procura uma lavadeira para a roupa suja, pois está dentro da ordem e do dever sua lavagem.

De igual modo os anjos não existem para limpar e varrer o Céu e sim, somente aquilo que sempre foi imundo. Por isso é mais necessário conhecer-se o local da imundície que deve ser trabalhado. Uma vez limpo, o Céu se estabelece por si só.

Seria também um ensinamento tolo caso uma sociedade emitisse uma lei que exaltasse apenas e louvasse suas benfeitorias. Mas ninguém deveria pensar no mal e talvez criticá-lo. O bem dispensa exaltação e louvor, pois o faz por si só. Mas é sumamente necessário que toda criatura venha atacar e extinguir seus pensamentos maldosos, desejos e atitudes para que se concretize o ditado: E se tiverdes feito tudo, confessai que fostes servos inúteis.

É realmente preferível dizer-se: Senhor, sê Benigno e Misericordioso para comigo, pobre pecador!, em vez de: Senhor, agradeço a Ti, de eu não ser como os outros, publicanos e pecadores! Do contrário a pessoa se assemelha ao fariseu orgulhoso ou talvez a um peregrino que caminha para visitar uma imagem milagrosa, enquanto bate q cruz diante do diabo como o faz diante do crucifixo.

É de fato mais agradável e edificante estudar-se o Céu estelar do que o solo terráqueo, cheio de detritos e podridão. Não é, como já disse, um prazer travar-se conhecimento com o inferno e seus demônios, mas se alguém for obrigado a conviver na casa deles por certo tempo a fim de conhecer o lugar de sua futura ocupação, inclusive seus patrões perversos, seria a maior tolice bater-se uma cruz e trancar-se num casulo para se esconder, quando se deveria aumentar toda sua atenção para não perder nenhuma qualidade de seus donos.

Quem quiser evitar o mal terá que conhecê-Io primeiro, do contrário fará papel de criança que não faz diferença entre pedra e pão, colocando ambos na boca.

Eu vos direi que tal temor se origina na compreensão a respeito do inferno ensinada pela Igreja Católica, pois seus dirigentes só sabiam impressionar os adeptos pela condenação ao inferno descrito '-tão horrivelmente que imporia respeito ao próprio diabo. Por isso convém conhecer-se o mal em sua base para saber-se quando a pessoa se acha perto dele. Para tal fim recebereis alguns tópicos importantes acerca desse assunto que de modo algum merece terdes medo.

58.° CAPÍTULO
FANTASMAS E POSSESSÕES

A literatura sempre se aproveitou de relatos acerca de possessões. Por acaso sabeis como se origina a possessão, de onde e quando ocorre? Uma explicação teorética seria trabalho inútil porque já recebestes várias explicações a respeito. A fim de apresentar esse problema com dramaticidade passaremos a relatar um caso especial.

Satanás que já conta com grande número de adeptos, faz com que se misturem entre o gênero humano para prender todos usando os recursos indispensáveis para a captação de uma alma para a corte do príncipe das trevas. Com tal ordem, os asseclas sobem à superfície da Terra por caminhos tortuosos e escondem suas intenções de tal forma que não venham a despertar suspeitas de qualquer espírito mais evoluído. Se forem Inquiridos de sua presença, respondem com todo respeito e suplicam aos guardas poderosos a deixá-los subirem para reparar certos erros praticados, atingirem sua regeneração e final-mente ingressarem na verdadeira Luz da Vida.

No reino dos espíritos, bons ou maus, nada sendo tão respeitado quanto o livre arbítrio enquanto não alimentarem intenções perversas, eles são deixados subir sob constante vigilância oculta a fim de não poderem jamais afirmar: Quisemos palmilhar o caminho da regeneração mas não nos deixaram.

Recebendo permissão para diversas oportunidades que geralmente são abusadas, nada têm a reclamar se forem obrigados a voltar num estado pior que dantes. Tão logo cheguem à superfície se aproveitam de todos os meios para realizarem sua intenção oculta para a corte de Satanás. Alguns que talvez se originam de pessoas que anteriormente foram donos de terias muito orgulhosos dirigem-se aos burgos ainda existentes, fazem papel de fantasmas e querem chamar q atenção às pessoas presentes que em tal castelo Se encontra um tesouro enterrado. Se alguns tolos foram interessados, começam a evocar os espíritos para lhes demonstrarem o local do tesouro e a maneira de chegar-se a ele.

Se tal habitante infernal do burgo percebe que os homens podem ser atraídos por essas manifestações fantasmagóricas, ele lhes aponta o local do suposto tesouro; então as criaturas começam a cavar e naturalmente não encontram nada, o que de maneira alguma os impede de prosseguirem, mas o fazem com maior zelo. Em tais ocasiões acontece que esse companheiro infernal escolhe sua vítima para apossar-se de seu físico, o que se torna fácil através de alimentos e bebidas. especialmente quando não foram abençoadas em Meu Nome. Uma vez alcançado seu intento, o mau espírito deixa de se manifestar.

Em compensação, ele procura sondar o coração de sua vítima e não demora descobrir suas fraquezas e começa a influenciar suas próprias tendências, desejos e vontades. Se forem aceitas com agrado, ele permanece calmo na carne da pessoa fazendo-se o expectador de como aos poucos "ela começa a agir segundo suas inspirações infernais.

Tão logo tiver preenchido a medida da vontade do mau espírito, este provoca uma moléstia mortal e procura o mais depressa possível arrancar a alma pervertida de sua carne e entregá-la ao seu senhor.

Todavia tal processo não ocorre de acordo com o plano dele, pois no momento em que a alma abandona sua carne — seja" ela boa ou má — ela é recebida imediatamente pêlos anjos. O mau espírito é sensivelmente punido e repelido para junto de seu mestre, onde recebe outra punição atroz. Deste modo, tal espírito tão desajeitado, não será tão facilmente enviado de novo ao campo de ação.

A alma é então levada com seu espírito a TAL estado no qual aos poucos reconhece sua situação na Terra. Caso pretenda se converter ela sobe espiritualmente. Se for teimosa, sua queda- a levará a punições muito sensíveis. Se essas também não provocam sua regeneração, poderá fazer uma viagem de experiência para o inferno, segundo sua vontade. Caso não lhe agrade aquele estado, poderá voltar, — o que ocorre muito raramente por ser o inferno repleto de seduções que tudo prometem, mas nada realizam. Existem fantasmagorias em quantidade com o fito de levar tal psique cada vez mais perto da própria natureza de Satanás a fim de se tornar uma parte homogênea com ele. Isto jamais poderá acontecer porque cada alma já possui seu próprio espírito e não se poderá livrar dele, — pólo contrário do espírito de Satanás.

Se essa alma quiser aproximar-se dele, seu próprio espírito se apresenta como juiz, vingador e punidor e a castiga como se fora um fogo interno e esse sofrimento afasta a alma novamente do espírito do mal podendo então passar para um 'estado melhor. Querendo seguir esse caminho, sua situação se tornará gradativamente mais fácil à medida que se aproximar da pureza de seu espírito.

Essa regeneração prosseguindo, a alma pode chegar a bem-aventurança pela identificação com seu próprio espírito. Eis a diferença entre bem-aventurança e condenação: na bem-aventurança a alma passa totalmente ao espírito que então se torna sua individualidade. Na condenação, a alma quer expulsar o espírito e aceitar o de Satanás. No último caso ela se tornará o pólo contrário do espírito que exerce aquela força oposta de Satanás e que este procura repelir constantemente. À medida que uma alma se aproxima da natureza satânica, tanto maior é a reação do espírito. Tal reação é para a alma a sensação mais dolorosa de onde se destacam o sofrimento e dor infernais, como também se manifesta qual fogo simbólico. Eis o verme na alma que não morre e cujo fogo não se apaga e pode ser comparado ao fogo que produz a máxima ventura no anjo e a maior infelicidade no demônio.

Dessa explicação podeis ter uma idéia mais concreta acerca da natureza do inferno e as ações de Satanás. Mas isso não é tudo que ele e seus asseclas empregam para conquistar uma alma. Seus asseclas, que geralmente consistem em almas maldosas, desejam melhorar e não são impedidas de tomar posse da carne humana, inclusive de crianças inocentes. Mas em tais casos, a alma é cuidadosamente protegida e o coração preservado de tentações.

Se tal emigrante infernal, mas menos mau, deseja fazer o bem, pode participar da Graça e Misericórdia que tal homem saboreia constantemente. Agindo inconvenientemente e praticando suas maldades na carne, ele é expulso ou levado à calma por outros meios.

Às vezes vários espíritos podem se apossar de um só corpo, quando então têm que demonstrar antes que procuram nisto sua salvação. Isto lhes é concedido porque tais espíritos não seguem ao conselho dos anjos de se dirigirem diretamente ao Senhor, mas insistem, afirmam e provam que só podem chegar a Ele por ESTE caminho. Então são atendidos, pois os anjos ensinam tudo pelo caminho da experiência.

Os resultados são variados, razão por que tal permissão é sempre concedida uma só vez, e raras vezes numa segunda. Então surge outro caminho, da condenação, punição, sofrimento e dor. Uma alma orgulhosa suporta muita coisa. Mas quando excede sua força, ela volta, ao menos por algum tempo.

O defeito principal de uma alma — por insuflação de Satanás — são as reprimendas feitas a si mesma, não de remorso, mas por se ter assustado com o sofrimento. Se tivesse tido força de suportar o mal, ter-se-ia unido ao poder de Satanás, terminando a Glória do Senhor. Em virtude desse engano ela cai -em maldades piores, pois no inferno mais ínfimo existem almas que não desistem de seus sofrimentos e dores encontrando uma sensação de triunfo frente ao Senhor. Mas não importa, época virá em que serão levadas à força. E aquelas cuja teimosia é tão enorme que a medida plena do fogo da ira não consegue regenerar, terão que se submeter à viagem da perdição eterna após afastamento de seu espírito, no que pouco se perde. Eu sei despertar para Abraão filhos melhores das próprias pedras.

Não é preciso vos preocupardes tanto com a obsessão, pois quase toda pessoa tem tais hóspedes em sua carne. Na próxima vez veremos a causa disto.

59.° CAPÍTULO
A SENSUALIDADE
É de vosso conhecimento que certas pessoas de ambos os sexos são muito atormentadas pelo sexo, enquanto outras se mantém totalmente indiferentes. O motivo de tal tendência, principalmente sendo muito forte, se baseia geralmente na possessão de um ou vários espíritos deste jaez.

As próprias criaturas favorecem oportunidades múltiplas. Tais elementos residem em bebidas alcoólicas, especialmente nas águas ardentes. Quando os homens se embriagam, recebem um ou vários diabos sensuais que nada mais são que almas impuras que também se entregavam à bebida ou ao sexo. O motivo de seu ingresso numa pessoa é a tendência de regeneração; mas como o sexo fora seu elemento, sua ação dentro do obsedado é pior que antes na carne.

À medida que se inflamam na volúpia, provocam geralmente as moléstias mais perigosas, ou sejam, as diversas manifestações sifilíticas. Os anjos protetores o permitem para que a alma de tal pessoa não venha a sucumbir em tal tendência. Vimos que as bebidas representam o primeiro caminho pelo qual esses demônios ingressam no corpo humano.

O segundo, tão perigoso quanto o primeiro, são os locais de dança públicos, onde sempre Se encontram dez vezes mais almas invisíveis que encarnadas. Por esse meio penetram facilmente na carne excitada portanto muito disposta à aceitação de tal gentalha psíquica. Por esse motivo as pessoas sentem uma aversão por tudo que seja elevado, após tal baile, perturbando principalmente os estudantes.

Muitos até desistem de seus estudos, ou então estudam apenas para conseguir um sustento e casar-se quanto antes com sua dançarina preferida, seja como for. Esse casal é tudo, menos um verdadeiro casal.

Nos primeiros tempos se entregam apenas à satisfação da carne, de sorte que todos os elementos destinados à procriação são gastos até zero. Em seguida dá-se uma total perda de vigor, principalmente dos órgãos genitais. Em tais casos o demônio morador desse casal procura um regresso através da perturbação no rins, insuflando ao parceiro a procura de outra companheira. Com isto, o homem se torna um asco para a mulher, e vice-versa. Ela começa a se interessar por jovens amigos da casa, enquanto o marido pretende tomar ar fresco à noite e se for bem situado, fará viagens para mudança de ar. E assim a situação continua até que o casal se torna tão enfadonho a ponto de se separar, com ou sem justiça. Tratando-se de uma família distinta, entra-se num acordo em que cada parte vive sua vida segundo seu gosto. Esses casos tão comuns são apenas frutos de diversões e os efeitos da obsessão de espíritos sensuais.

Essa obsessão não se manifesta no princípio com tanta violência como nos que absorveram maus espíritos pela bebida, se bem que esses facilmente podem ser expulsos por meio de preces quando então volta o estado normal. Mas os de diversões públicas não são tão fáceis de afastar e necessário será muito jejum, oração e renúncia com o que a alma volta a se unir ao espírito que enxota tais elementos de sua casa.

Muitos dançarinos que assimilaram elementos em grande número definham em pouco tempo. Quando estes não acham lugar nos órgãos reprodutivos, se estabelecem nos rins, baço, fígado ou pulmões. Se tal emigrante conseguir isto, mata de certo modo a carne, e as conseqüências são endurecimentos do baço, e do fígado, tuberculose e tísica.

A maioria das moléstias deriva dos habitantes do homem que lhes abriu pessoalmente a porta. Trata-se de verdadeiros filhos do mundo, e para eles começa cedo a escola para o inferno. A fim de que não percebam abrigarem elementos estranhos da pior espécie, os espíritos não só procuram tentar a carne, mas agem igualmente sobre a alma que começa a sentir agrado nas coisas mundanas.

Trata-se dos seguintes apetrechos: a moda que precisa envolver o corpo segundo o último modelo; os cabelos têm que ser encrespados, a pele tratada com cremes perfumados. Nos homens não pode faltar o cigarro infernal e muitos tolos, quando possuem algum dinheiro, fumam o tanto com que poderiam comprar pão a um pobre.

Os maus elementos procuram habituar a alma ainda em vida ao mau cheiro do inferno para na hora da morte não perceberem de pronto que está sendo levada para lá. Se bem que fora dito que cada alma, após a morte, entra em contacto com os anjos onde seus maus companheiros são obrigados a fugir, ela não permanece nessa situação.

É ela levada a um estado que lhe possibilita seu complemento, num lugar onde por uma certa atividade livre pode reconquistar os elementos específicos necessários para sua formação. Tal lugar é destinado para a aproximação da companhia maldosa, sem que ela o perceba. Não obstante tais seres infernais emanem odor pestilento para uma psique mais pura, podendo notar sua presença, o olfato dela é tão prejudicado que ela não nota os mesmos. A visão não lhe traz grande ajuda porque ela possui pouca luz e além disso é um fator interno pelo qual ela só vê o que está dentro e não fora dela.

Tais espíritos se encontram fora da alma, por isto ela não os vê, mas pode notar sua presença pelo olfato e também localizá-los e isto feito, ela pode se retrair no seu espírito que a ilumina imediatamente e ela percebe onde se encontram seus inimigos e qual sua intenção. Quando eles vêem a face da alma, fogem imediatamente, pois um espírito infernal suporta tudo menos o olhar de uma alma pura, muito menos a de um anjo. Para se proteger diante de MEU Olhar, serão chamadas montanhas para cobri-lo!

Por aí deduzireis facilmente porque critiquei por diversas vezes o vício do fumo e além disto sabeis como surge a sensualidade no homem, para onde leva e como pode se preservar.


60° CAPÍTULO



1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   16


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal