A indústria madeireira teve um faturamento 11, 3% maior em fevereiro de 2011 em relação ao mesmo mês no ano anterior, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (cni)



Baixar 6.27 Kb.
Encontro04.06.2018
Tamanho6.27 Kb.

Engenharia Industrial Madeireira
Dos móveis à construção civil, uma atividade versátil
Localização do curso facilita estágios e atividades extracurriculares no meio empresarial
A indústria madeireira teve um faturamento 11, 3% maior em fevereiro de 2011, em relação ao mesmo mês no ano anterior, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Tal crescimento supera a média das empresas do setor de transformação, com expansão da ordem de 10,5%. Esses dados demonstram o dinamismo do setor no Brasil, um dos principais países exportadores de produtos florestais.

Com a preocupação de um desenvolvimento sustentável, há também o avanço dos mercados e produtos que utilizam a madeira de reflorestamento. O eucalipto, que era utilizado basicamente na produção de carvão e celulose, passa a marcar presença também na serraria, movelaria, construção civil. Surgem ainda indústrias de compensados e novos produtos, como o MDF (medium density fiberboard) e o OSB (oriented strandboard).


Diante deste cenário, o engenheiro industrial madeireiro deve estar atento às novas tecnologias e demandas de um mundo globalizado por inovações econômicas com menor impacto ambiental. O profissional deve ter uma formação ampla para atuar nas atividades de gerenciamento de processos de fabricação, na execução de projetos industriais, na manutenção e no desenvolvimento de produtos e equipamentos voltados para o setor.
O curso de Engenharia Industrial Madeireira do Câmpus de Itapeva oferece uma infraestrutura que reúne biblioteca, salas de aula, anfiteatro e diversos laboratórios: de informática, química experimental, física experimental, anatomia da madeira, química instrumental, mecânica dos fluidos, preservação da madeira, secagem da madeira, propriedades físicas e mecânicas da madeira, celulose e papel, mobiliário, serraria, afiação de ferramentas de corte, projetos industriais, processamento e usinagem da madeira, painéis e derivados da madeira.
Com esses recursos, o Câmpus dá aos alunos a oportunidade desenvolver pesquisas nas áreas de Controle Ambiental, Celulose e Papel, Processamento, Propriedades Físicas e Mecânicas da Madeira, Mobiliário, Aproveitamento de Resíduos, Otimização de Processos, Secagem e Preservação. Os estudos podem ser feitos com bolsas de programas da Universidade e de agências de fomento, sob a orientação dos professores. Em 2010, o curso recebeu 4 estrelas (de 5 possíveis) do Guia do Estudante, da Editora Abril.
A localização dessa unidade universitária é um atrativo para aqueles que buscam uma formação aliada à prática. Ela está situada na região sudoeste do Estado de São Paulo, em um pólo industrial voltado para a produção de madeira, papel e celulose, madeira serrada, extração de resina e energia a partir da biomassa florestal. A região distingue-se ainda pelas áreas de reflorestamento.
Dentro desse contexto, os estudantes são estimulados a realizar estágios e atividades extracurriculares. Assim, vivenciam situações práticas e aplicam os conhecimentos adquiridos.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal