A importância do estágio em farmácia hospitalar na formaçÃo acadêmica



Baixar 51.97 Kb.
Encontro28.12.2017
Tamanho51.97 Kb.



A importância do estágio em Farmácia Hospitalar na formação acadêmica


RAMOS, Mônica Aparecida Nascimento.

VICENTINO, Rosimary Souza.
Travessa Padre Manoel Rodrigues nº 45, Bairro do Carmo.

CEP: 36200-477 Barbacena/MG

(32) 3331-7472 e (32) 9983-2985

SUMÁRIO



RESUMO ......................................................................................................................................... 3

1- INTRODUÇÃO ........................................................................................................................... 4

2- MATERIAIS E MÉTODOS........................................................................................................ 5

3- RESULTADOS ........................................................................................................................... 6

4- DISCUSSÃO ............................................................................................................................... 8

5- CONCLUSÃO ............................................................................................................................. 8

6- AGRADECIMENTOS ................................................................................................................ 9

7- Anexos ..................................................................................................................................... 9

8- REFERÊNCIAS ........................................................................................................................ 11


RESUMO

Os dados apresentados fazem parte de um estudo sobre a importância do estágio em Farmácia Hospitalar, obtidos por meio de questionários aplicados aos alunos do último período do curso de Farmácia da Universidade Presidente Antonio Carlos – Barbacena, Universidade Federal de Juiz de Fora, Universidade Federal de Minas Gerais e aos Farmacêuticos Hospitalares das cidades de Barbacena e Belo Horizonte. Objetivou-se destacar a importância do estágio e traçar o modelo de grade curricular aplicado pelas universidades. Com este trabalho, acredita-se confirmar que o estágio em farmácia hospitalar proporciona ao aluno uma visão mais clara e ampla desse ramo, para que possa ser capaz de reunir conhecimento teórico, clínico e administrativo. Detectou-se um problema associado às grades curriculares vigentes nas instituições devido a não obrigatoriedade do estágio em Farmácia Hospitalar, que podem ser evitados por meio da inclusão do mesmo, o que garantiria a formação de um profissional competente e qualificado para atuar no âmbito hospitalar.


Palavras-chave: Farmácia Hospitalar; estágio; farmacêutico.


4



1- INTRODUÇÃO

De forma pioneira, em 1975, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), introduziu no currículo do curso de Farmácia a disciplina Farmácia Hospitalar. Desde então, essa tornou-se uma realidade em diversas universidades. Foi criada em 1995 a Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar (SBRAFH) que vem contribuindo intensamente para a dinamização e desenvolvimento da profissão 8, 5.

De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), pela resolução nº 300, de 30 de janeiro de 1997, regulamenta o exercício profissional em farmácia de unidade hospitalar, de natureza pública ou privada. Segundo essa resolução, a farmácia de unidade hospitalar é um órgão de abrangência assistencial, técnico-científica e administrativa, onde se desenvolvem atividades ligadas à produção, armazenamento, controle, dispensação e distribuição de medicamentos e correlatos às unidades hospitalares 3.

Diante do contexto citado, conclui-se que o farmacêutico hospitalar é um membro da equipe multidisciplinar, cujas funções técnicas, gerenciais e assistenciais são indispensáveis para garantir o sucesso da terapia farmacológica, melhorando a qualidade de vida do paciente e contribuindo para redução dos custos 2, 10.

Desta forma, para atender às exigências na área de Farmácia Hospitalar, os cursos de graduação vem oferecendo estágios em hospitais, para que o graduando conheça e esteja preparado para atuar na Farmácia Hospitalar, quando formado 6.

Na estrutura curricular do curso de Farmácia, o estágio tem exigências de natureza conceitual e legal, esse é parte do processo de formação do aluno, estabelecendo a interlocução entre o percurso acadêmico e o fazer profissional. Pois, antes, o conhecimento adquirido em uma universidade era combustível suficiente para os próximos 20 anos de trabalho, mas, atualmente, quando se contrata um farmacêutico, não é para assumir um cargo, mas para solucionar desafios. E isso está alterando profundamente o perfil desses profissionais. Para acompanhar essas necessidades, os cursos de graduação, por meio de estágios, promovem a capacitação profissional, integrando o jovem no mercado de trabalho, propiciando, assim, o desenvolvimento de habilidades, postura ética, atitudes e competências individuais 7, 12.

A
5

5
proposta inicial do estágio é proporcionar ao graduando uma visão de suas atividades no âmbito hospitalar. Durante a execução desse, procura-se desenvolver práticas relacionadas à administração farmacêutica, ao gerenciamento de estoque e à logística hospitalar, à farmacotécnica, participação em comissões de farmácia e terapêutica e infecção hospitalar, e monitorização do tratamento prestado ao paciente, que é considerado o principal objetivo da Farmácia Hospitalar pela SBRAFH 9.

O estágio em Farmácia Hospitalar possibilita aos alunos o contato com a rotina prática, permitindo-lhes que instituam um conceito do que foi adquirido para que possa ser incrementado ou adaptado às instituições em que venham a atuar, solidificando o conhecimento do aluno e proporcionando-lhe uma visão prática e vasta da atuação do farmacêutico no hospital 9.

O presente trabalho tem como objetivo destacar a importância do estágio em Farmácia Hospitalar, tanto para os graduandos quanto para os profissionais que já atuam no âmbito hospitalar, além de traçar o modelo de grade curricular do curso de Farmácia aplicado por algumas universidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Barbacena.

A seguir, focalizam-se os métodos e materiais empregados.


2- MÉTODOS E MATERIAIS

O presente trabalho, é de um estudo descritivo sobre a Importância do estágio em Farmácia Hospitalar para os alunos do 8º período de Farmácia e profissionais farmacêuticos, baseado em um referencial teórico e pesquisa de campo 4, 1.

Foi utilizado como instrumento, para coleta de dados, dois questionários estruturados nos quais havia informações sobre: a) tipo de faculdade e hospital, b) presença da disciplina e estágio em Farmácia Hospitalar durante o curso, c) carga horária do estágio, d) adaptação ao trabalho, e) atividades desempenhadas no hospital e f) sistema de distribuição de medicamentos adotado.

Foram aplicados 40 questionários, sendo 10 aos alunos da Universidade Presidente de Antônio Carlos – Barbacena, 5 aos alunos da Universidade Federal de Juiz de Fora e 5 aos alunos da Universidade Federal de Minas Gerais, do 8º período de Farmácia. E os outros questionários aos profissionais farmacêuticos hospitalares da cidade de Barbacena e Belo Horizonte.

P
6
ara êxito no estudo, foram incluídos os alunos que estão freqüentando o último período do curso de Farmácia e os farmacêuticos que atuam ou atuaram em Farmácia Hospitalar, com seus respectivos questionários .

Através disso obteve-se os seguintes resultados.



3- Resultados

Dos 20 alunos entrevistados, que cursam o oitavo período de farmácia, 50% são da instituição privada e 50% da pública. Todos os alunos relataram ter a disciplina de Farmácia Hospitalar em sua matriz curricular. Mas, em relação ao estágio, percebe-se que 50% das faculdades não o tem como obrigatório, conforme Figura 1.


Figura 1: Inclusão do estágio de Farmácia Hospitalar na matriz curricular.

Os gráficos seguintes apontam para a realidade dos farmacêuticos entrevistados.

Em 20 farmacêuticos hospitalares entrevistados, os resultados preliminares mostraram que, em relação ao tipo de hospital, a maioria trabalha em instituição pública (45%), de acordo com a figura 2.

Em relação ao período em que estudavam, 75% relataram ter feito a disciplina de Farmácia Hospitalar e 60% correlacionado a todos os entrevistados realizaram o estágio, em sua maioria por conta própria, e não por exigência da faculdade, expondo que o estágio contribuiu, de forma positiva, para adaptação ao trabalho e dos 40% que não realizaram o estágio, 87% relataram dificuldade em se adaptar ao trabalho. As informações são apresentadas nas figuras 3, 4 e 5.

7

Figura 2: Tipos de Hospitais.


Figura 3: Inclusão da disciplina de Farmácia Hospitalar na matriz curricular


Figura 4: Realização do estágio em Farmácia Hospitalar


Figura 5: Adaptação ao Trabalho


C
8
om base nisso, apresenta-se a seguinte discussão.

4- Discussão

Foi possível notar que os estudantes das faculdades que possuem o estágio na matriz curricular têm a oportunidade de desenvolver atividades comuns do dia-a-dia do profissional farmacêutico hospitalar como: a) padronização e seleção de medicamentos; b) controle de psicotrópicos e entorpecentes; c) controle de estoque; d) aquisição e armazenamento de medicamentos; e) dispensação de medicamentos aos pacientes; f) manipulação de medicamentos estéreis e não estéreis; g) análise de informações sobre medicamentos; h) atenção farmacêutica; i) assuntos administrativos; j) controle de infecção hospitalar, o que denota uma visão do meio e das condições de trabalho em uma farmácia hospitalar 2.

A participação do farmacêutico na equipe multidisciplinar de um hospital ainda não é uma realidade difundida no Brasil. Em muitos hospitais, ele participa somente de atividades gerenciais e administrativas, distanciando-se da equipe de saúde e do paciente. Na equipe multidisciplinar, o profissional de farmácia e outros da área de saúde devem acompanhar e avaliar a resposta do paciente à terapêutica, de forma a melhorar a qualidade de vida desse 11.

O ensino farmacêutico, na área hospitalar, vem sendo reformulado, para se adequar à realidade, em razão da atual política de saúde no Brasil. Os presentes dados confirmam que a maioria das faculdades possui a disciplina de Farmácia Hospitalar em sua matriz curricular, mas, em muitas, o estágio continua sendo uma opção do universitário 6.



5- Conclusão

O estágio é uma forma de aperfeiçoamento que proporciona ao aluno maturidade e conhecimento. Na Farmácia Hospitalar, este proporciona condições de desenvolver habilidades, analisar criticamente situações sobre a terapêutica medicamentosa dentro dos critérios éticos profissionais, prestar atenção farmacêutica com qualidade, atendendo à carência do paciente e participar da rotina hospitalar.

A introdução do estágio em Farmácia Hospitalar, nas grades curriculares, sugere a formação de um profissional competente e qualificado, além de proporcionar a ele uma visão clara e ampla desta área de exercício profissional que desperta a polivalência e a capacidade de combinar conhecimento técnico, clínico e administrativo.


9


6- AGRADECIMENTOS
Aos professores da Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC, Regina Celi, Carlos Neves e Rodrigo Geoffroy; aos farmacêuticos hospitalares e aos alunos do curso de Farmácia, pela colaboração prestada.
7- Anexos
A) Questionário para os alunos do 8º Período de Farmácia


  1. Estuda em faculdade:

 Pública  Privada


  1. Em sua matriz curricular tem a disciplina de Farmácia Hospitalar?

 Sim  Não


  1. Em sua matriz curricular tem o estágio em Farmácia Hospitalar?

 Sim  Não


  1. Qual é a carga horária do estágio?

 50hs  100hs  200hs  mais de 200hs


  1. O estágio é em hospital:

 Público  Privado  Filantrópico


  1. Que tipos de atividades são ou foram realizadas no hospital? Assinale com um x as atividades realizadas:




 Padronização e seleção de medicamentos
 Controle de psicotrópicos e entorpecentes
Controle de estoque
 Aquisição e armazenamento de medicamentos

 Dispensação de medicamentos aos pacientes


 Manipulação e produção de medicamentos estéreis e não estéreis
 Análise de informações sobre medicamentos
 Atenção farmacêutica
 Assuntos administrativos

10
Controle de infecção hospitalar




  1. Durante o estágio de Farmácia Hospitalar, você teve participação na equipe multidisciplinar?

 Sim  Não


  1. Qual o sistema de distribuição adotado pelo hospital?




 Coletivo

 Individualizado indireto

 Individualizado direto

 Dose-unitária

 Misto ou combinado

 Centralizado

Descentralizado


  1. O estágio contribui ou está contribuindo de forma positiva para sua formação?

 Sim  Não

B) Questionário para os Profissionais Farmacêuticos





  1. Trabalha ou trabalhou em Hospital:

 Público  Privado  Filantrópico


  1. Em sua matriz curricular teve a disciplina de Farmácia Hospitalar?

 Sim  Não


  1. Realizou o estágio em Farmácia Hospitalar na época em que estudou?

 Sim  Não


  1. Se não realizou o estágio, foi fácil adaptar-se ao trabalho?

 Sim  Não


  1. Se realizou o estágio, você acha que contribuiu de forma positiva para sua adaptação ao trabalho?

 Sim  Não


  1. Quais atividades desempenha ou desempenhou no hospital?




 Padronização e seleção de medicamentos
 Controle de psicotrópicos e entorpecentes
 Controle de estoque
 Aquisição e armazenamento de medicamentos
 Dispensação de medicamentos aos pacientes
 Manipulação e produção de medicamentos estéreis e não estéreis
 Análise de informações sobre medicamentos
 Atenção farmacêutica

11
Assuntos administrativos
 Controle de infecção hospitalar




  1. Qual o sistema de distribuição adotado pelo farmacêutico?




 Coletivo
 Individualizado indireto
 Individualizado direto
 Dose-unitária

 Misto ou combinado


 Centralizado
 Descentralizado


8- Referências bibliográficas
1 ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho cientifico. 7 ed. São Paulo: Atlas. 2005.
2 BRANDÃO, A. Nova pulsação no coração da Farmácia Hospitalar. Revista Pharmacia Brasileira. São Paulo. Nov/dez. 2004. p. 6-11.
3 CAVALLINI, M. E. & BISSON, M. P. Farmácia Hospitalar: um enfoque em sistema de saúde. São Paulo: Manole, 2002.
4 CERVO, A. L. & BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Prentice Hall. 2002.
5 CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Farmácia Hospitalar: onde tudo começou... Revista do Farmacêutico. São Paulo. n. 75. 2005. p. 44.
6 CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Trajetória do Ensino Farmacêutico no Brasil. Revista do Farmacêutico. São Paulo. n. 82. 2006. p. 21.
7 EMBRAPA. Manual do estagiário e do bolsista. Disponível em: http://www.cpac.embrapa. br/estagio/doc_18.pdf. Acesso em: 15 out. 2006.
8 GOMES, .M. J. V. M. & REIS, A. M. M. Ciências Farmacêuticas: uma abordagem em Farmácia Hospitalar. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2003.
9 GRECO, K. V. Farmácia Hospitalar e Farmácia Clínica. Disponível em: http://www. racine.com.br. Acesso em: 15 out. 2006.
1
12
0
NOVAES, M. R. C. G. SBRAFH decide em congresso implementação da política nacional das farmácias hospitalares. Revista Meio de Cultura. São Paulo. v. 8. n. 28. 2005. p. 6-8.
11 [s.a.] Equipe Multidisciplinar: decisiva no tratamento e na promoção de ações sociais. Revista Meio de Cultura. São Paulo. v. 7. n. 26. 2004. p. 17-20.
12 [s. a.] Relatório que apresenta os resultados do estudo realizado sobre a realidade do estágio na Universidade Federal do Rio Grande do Norte para subsidiar a formulação de uma política de estágio para a instituição. Disponível em: http:// http://www.prograd.ufrn.br/conteudo/ documentos/manuais/relatorio_completo_estagio.doc. Acesso em: 15 out. 2006.




 Os questionários aplicados aos alunos e farmacêuticos estão no anexo a , b.

Aplicou-se dois tipos de questionários, sendo um específico para os alunos e outro aos farmacêuticos hospitalares.





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal