A história da hanseníase: o impacto biológico e social



Baixar 14.46 Kb.
Encontro11.06.2018
Tamanho14.46 Kb.

Thais Oliveira Gaio [tha_s2og@hotmail.com]

A HISTÓRIA DA HANSENÍASE: O IMPACTO BIOLÓGICO E SOCIAL
Fernanda Andrade Santos1

Karolina Grzyb¹

Maiara Brey Alves dos Santos¹

Samantha Martins da Costa¹

Thais Oliveira Gaio¹

Leide da Conceição Sanches2


Segundo o Ministério da Saúde (2002) Hanseníase é uma doença crônica, granulomatosa, causada pelo Mycobacterium leprae, afetando pele, sistema nervoso periférico e, ocasionalmente, outros órgãos e sistemas. Porém por se tratar de uma doença muito antiga a Hanseníase foi durante muito tempo motivo de preocupação mundial, causando medo e muito preconceito. Atualmente com a evolução da ciência e a realização de pesquisas foi possível a descoberta da cura, sendo imprescindível diagnóstico precoce e o uso da poliquimioterapia farmacológica para que a infecção seja contida com sucesso. A hanseníase é uma doença infecto-contagiosa, causada pelo bacilo Mycobacterium Leprae, de evolução crônica. Os sinais e sintomas mais frequentemente observados nos pacientes acometidos pela infecção do M. leprae são manchas na pele, avermelhadas, esbranquiçadas ou marrons. Além da perda ou alteração da sensibilidade no local. Com menor freqüência observa-se também perda ou diminuição da força muscular, nódulos, úlceras de pele, mal estar geral, entre outros. A hanseníase possui tratamento definido e cura, o diagnóstico precoce é muito importante, pois, uma vez infectado, o paciente é transmissor do Bacilo de Hansen através de secreções respiratórias. Apesar do avanço das investigações, a origem da Hanseníase é, ainda, um ponto obscuro para os pesquisadores. Existem poucos registros, referências e discussões sobre o aparecimento da doença, o que torna difícil uma abordagem mais precisa sobre o tema. (CUNHA, 2002) Devido a falta de conhecimento sobre a doença os hansenianos, além de sofrerem com as consequências da infecção, sofriam principalmente com as conseqüências sociais, com o medo da população que acabava por desencadear o preconceito diante dos leprosos, ou hansenianos. Esses ao transitarem pelas cidades deveriam estar devidamente vestidos para que pudessem ser identificados. Se era determinado o uso de roupas que os identificassem, como o uso de mantas, chapeis de abas largas, bermudas de cor escura, bordados de São Lazaro nas túnicas e ainda luva e junto ao corpo ou na mão uma matraca de madeira. Cunha (apud Frohn, 1933) As lesões cutâneas em indivíduos acometidos contêm o M. leprae, porém a transmissão propriamente dita não ocorre pelo contato com a lesão e sim por via respiratória, através de aerossóis. (ROBBIN & COTRAN, 2005) A classificação das formas da doença de Hansen se da de acordo com a carga bacilar, que depende diretamente de fatores imunológicos e genéticos do hospedeiro. As formas de manifestação da hanseníase dependem da resposta imune e fatores genéticos do hospedeiro ao bacilo causador da doença. Com base nos tipos de lesão e na carga de bacilos, a doença é classificada. Quando a infecção ocorre, o organismo do hospedeiro pode se utilizar de resposta imune inata ou adaptativa para se defender, o que determina a classificação polar da doença. Os pólos são compreendidos em: virchowiano (VV) – quando existem muitos bacilos nas lesões cutâneas (multibacilar), e tuberculóide (TT) – quando existem poucos bacilos nas lesões cutâneas (paucibacilar) (PREVEDELLO e MIRA, 2007). Segundo o Ministério da Saúde (2002), a hanseníase manifesta-se através de lesões de pele que se apresentam com diminuição ou ausência de sensibilidade. Essas lesões são decorrentes de processos inflamatórios dos nervos periféricos (neurites) e podem ser causados tanto pela ação do bacilo nos nervos como pela reação do organismo ao bacilo ou por ambas. O roteiro de diagnóstico clínico constitui-se de uma obtenção histórica clínica e epidemiológica, incluindo o relato com informações sobre a evolução da doença, seguido de uma avaliação dermatológica - identificação de lesões de pele com alteração de sensibilidade, e uma avaliação neurológica - identificação de neurites, incapacidades e deformidades, classificando o grau de incapacidade física. O tratamento integral de um caso de hanseníase compreende o tratamento quimioterápico constituído por rifampicina, dapsona e clofazimina. (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002) A Hanseníase é ainda por muitas pessoas uma doença temida, não compreendida e mal interpretada. Os preconceitos contra a doença resultam do medo do contágio e das deformidades atribuídas á doença, e por isso os hansenianos eram até recentemente isolados. A patologia foi por séculos confundida, devido aos seus sintomas semelhantes, a outras dermatites possuindo um difícil diagnóstico sem meio de prevenção, pois além disso sua forma de contágio também era desconhecida. A evolução da medicina e o avanço de pesquisas proporcionaram a descoberta do tratamento com o estudo direcionado ao seu agente etiológico Mycobacterium Leprae, que por conseqüência possibilitou a cura. Porém poucas pesquisas são direcionadas a essa patologia, pois sua maior incidência ocorre em países mais pobres (devido à falta de informação disponibilizada), o que dificulta investimentos. Entretanto ainda encontra-se em livros e é comum se escutar o termo lepra para designação da doença, refletindo a negligência da ciência e da população em geral em relação á Hanseníase. O ponto estratégico para o controle da endemia é justamente o tratamento do paciente junto à conscientização de um diagnóstico precoce e campanhas que atinjam todas as classes sociais. Esse tema foi escolhido para que a população compreenda as formas de manifestação clínica da patologia, por uma interpretação de sua classificação, chegando a uma possível erradicação desta moléstia. Tem como objetivo geral promover a integração entre todas as disciplinas do período a partir do tópico “vulnerabilidades”, seguido do conhecimento do impacto social e biológico da Hanseníase. Este trabalho é caracterizado por uma pesquisa bibliográfica, de cunho exploratório, realizada por meio de vários livros, baseados em diversos autores, e também em diferentes sites, que abordam o tema Hanseníase, no período de 1997 a 2010.

Referências
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
CUNHA, A. Z. S. Hanseníase: a história de um problema de saúde pública. Santa Cruz do Sul, 1997. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) - Universidade de Santa Cruz do Sul.
CUNHA, Ana Zoé Schilling da. Hanseníase: aspectos da evolução do diagnóstico, tratamento e controle. Ciência & Saúde Coletiva, 7(2):235-242, 2002.
MINISTÉRIO DA SAUDE (2010). Informações gerais sobre a doença: o que todos devem saber. Disponível em: Acesso em 17 out. 2010.
PREVEDELLO, Flávia Costa, MIRA, Marcelo Távora. Hanseníase, uma doença genética? Anais Brasileiros de Dermatologia. 2007;82(5):451-9.

ROBBINS & COTRAN. Bases patológicas das doenças. 7 ed. Rio de Janeiro: Saunders Elsevier, 2005.





1 Acadêmicas do 2º período do curso Biomedicina, Faculdades Pequeno Príncipe, Curitiba (Pr).

2 Professora de Momento Integrador do curso de Biomedicina, Faculdades Pequeno Príncipe, Curitiba (Pr). Email para contato leidesanches@hotmail.com





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal