A escritora argentina Beatriz Sarlo, no capítulo dois "O sonho acordado", do seu livro cenas da vida pos-moderna, aborda a questão da imagem desde o zapping, a televisão interativa



Baixar 24.32 Kb.
Encontro05.10.2019
Tamanho24.32 Kb.

Resenha do capítulo dois: O sonho acordado e capítulo três: Culturas populares velhas e novas, “do livro “CENAS DA VIDA PÓS-MODERNA: INTELECTUAIS, ARTE E VIDEOCULTURA NA ARGENTINA,” de Beatriz Sarlo.

Rafaela dos Santos Rigo1


CAPÍTULO DOIS: O SONHO ACORDADO
Em seu livro CENAS DA VIDA POS-MODERNA, no capítulo dois "O sonho acordado", a escritora argentina Beatriz Sarlo2 aborda a questão da imagem desde o zapping (mudanças rápidas de um canal para outro, por meio de controle remoto, e que, geralmente, são feitas para evitar os intervalos comerciais), a televisão interativa, os programas "ao vivo" até a dimensão política presente no veículo televisivo. Ela afirma que só há uma maneira de aprender a ver televisão: vendo-a. E não se pode deixar de reconhecer que esse aprendizado é barato, antielitista e nivelador.

O zapping demonstra que a montagem caseira conhece uma única autoridade: o desejo à frente da mão que faz pulsar o controle remoto. (SARLO,1991, pag. 59). O uso estrutural do zapping está em transmitir ao espectador o poder de cortar, montar e embaralhar imagens incompletas, produzidas pelas mais diversas câmaras e nos mais variados lugares.

Beatriz Sarlo (1997, pag. 63) diz que na televisão a repetição é uma máquina de produzir uma suave felicidade, na qual a desordem semântica, ideológica ou experiencial do mundo encontra um reordenamento final e remansos de restauração parcial da ordem. Malena Contreta3 (1996) afirma que “vários fenômenos da mídia constroem-se sobre uma matriz basicamente binária.”

O termo televisibilidade pode ser entendido como a construção de um certo estilo-padrão de se fazer televisão, uma determinada maneira de usar gestos e palavras, é o fluido que dá consistência à televisão e assegura um reconhecimento imediato por parte de seu público (SARLO, 1991, pag. 67), fazendo com que o telespectador reconheça aquilo que está sendo mostrado, isto significa que ele possa reconhecer aquilo efetivamente como televisão.

A autora nos diz que diante da aridez de um mundo desencantado a televisão traz uma fantasia sob medida para a vida cotidiana (SARLO, 1991, pag. 83), e que os programas ao vivo proporcionam aos telespectadores, não a idéia de que seja apenas semelhante à verdade, mas de que a vida está ali.

Concorda-se com Sarlo quando ela não se ilude com a idéia de que a partilha de aparelhos de televisão resulta no ato de estabelecer novos laços entre os indivíduos. Para a autora esta representação da família não tem conformidade com o real, pois se sabe do enfraquecimento das relações familiares na atualidade. Sabe-se que a televisão necessita de uma sociedade com laços fracos para que ocorra um mimetismo entre a televisão e telespectador.

Outro ponto a destacar é que a televisão nos quer do seu lado ao contrário do cinema que precisa do escuro, da distância, do silêncio e da atenção. A televisão não requer nenhuma dessas condições (SARLO, 1991, pag. 91). Dentro dessa visão podemos asseverar que a auto reflexividade na literatura é um sinal de distância e que na televisão é um sinal de aproximação. Gerando assim um sentimento de cumplicidade entre o público e a televisão e fazendo-os ver que o discurso televisivo não vive da distância e sim de mitos cotidianos que penetram na cultura diariamente, levando aos telespectadores uma diversidade de dramas, piadas e clichês.

Contudo vê-se saídas para a construção de uma televisão de boa qualidade, mesmo com os executivos dos meios de comunicação de massa e agências publicitária fazendo leis para pregar a maneira de se fazer televisão. Como exemplo, cita-se aqui, os programas feitos por canais como Discovery Channel, National Geografy, History Channel, Canal Futura, entre outros, que não seguem tal e qual as leis e formas que são propostas pelos donos da mídia. Devemos levar em conta que a televisão é um instrumento utilizado de acordo com os interesses dos que a detém, assim como todos os outros meios de comunicação atendem os interesses de seus detentores.


CAPÍTULO TRÊS: CULTURAS POPULARES VELHAS E NOVAS.


Neste capítulo, "Culturas populares, velhas e novas", a pesquisadora mostra um discurso um tanto politizando onde aponta as alternativas para a preservação e acesso às expressões culturais populares, onde papel da economia não é tão predominante. Ao falar de “hibridização”, “mestiçagem” e “reciclagem” como termos-chave para observar as culturas urbanas na contemporaneidade ela interage com autores da contemporaneidade como Hall (1997) e Dussel (2002), quando ressalta o poder, a velocidade e o uso desenfreado de imagens que embotam a nossa capacidade de reter conteúdos. (SARLO, 1991, pag.101).

As chamadas culturas populares: artefatos que não existem em estado puro. (SARLO, 1991, pag.101). Vive-se atualmente numa sociedade em que o papel da escola encontra-se fragilizado e a cultura letrada já não hierarquiza as culturas. É prioridade que a escola possa utilizar de modo eficaz as habilidades que seus alunos obtiveram em outros espaços, seja através dos videogames ou dos conteúdos proporcionados pela mídia.

Sendo assim, são colocados à escola novos desafios que perfazem a necessidade de se construir uma educação para a diversidade, o educador deverá promover o entendimento com os diferentes e o ambiente escolar deverá ser o local de convivência. Penso que a cultura juvenil é uma dimensão dinâmica das culturas populares e não populares (SARLO, 1991, pag.107). Mesmo quando a juventude demonstra fina capacidade de diferenciar matizes, a cultura juvenil tende a ser universal e de fato, atravessa as barreiras entre classes e nações.

Os valores liberados num processo de transformação das identidades populares ficaram soltos e suas fisionomias já tinham sido desbastadas pelos processos de modernização (SARLO, 1991, pag. 104 ). O que percebemos é que a cultura da mídia converte todos a membros de uma sociedade eletrônica , que se intitula imaginariamente como a sociedade dos iguais. Ao interrogar-se sobre o lugar da arte na cultura globalizada contemporânea, Beatriz Sarlo nos indica uma possível solução, focando no desenvolvimento de condições para a livre manifestação dos diferentes níveis de cultura da sociedade apostando numa forte escolaridade e amplas possibilidades de opção de diferentes ofertas audiovisuais que concorram com a repetida oferta dos meios capitalistas, tão iguais a si próprios quanto às mercadorias que produzem. Como vimos, tudo é sujeito de ser visto e estudado como documento condutor de um determinado sentido cultural.

Concordamos com afirmativa da autora quando ela diz que a escola não estava preparada para o advento da cultura audiovisual. Nem os programas, nem as burocracias educacionais foram modificadas com velocidade comparável à das transformações ocorridas nos últimos trinta anos (SARLO, 1991, pag. 113), pois a deficiência de equipamento técnico nas escolas é imensa e a mutação cultural que se processa exige constante especialização por parte dos educadores.

Não se trata apenas de utilizar a qualquer custo as tecnologias e sim, ao exercício do dever que cabe à escola que é preparar cidadãos para a "leitura" e "escrita" dos elementos que constituem a linguagem audiovisual, não só numa perspectiva técnica, como também em seu aspecto ético de divulgação de mensagens. É preciso educar para uma interação crítica com a mídia audiovisual, onde se desmistifique e se relativize sua estética ilusionistas (Pinto, 1996) 4.

Desejam-se criar condições para a livre manifestação dos diferentes níveis culturais de uma sociedade, a primeira dessas condições deve ser o acesso democrático aos armazéns onde estão guardadas as ferramentas; forte escolaridade e amplas possibilidades de opção de diferentes ofertas audiovisuais que concorram com a repetida oferta dos meios capitalistas (SARLO, 1991, pag. 121) , então o que está em jogo são as condições em que se dá a mescla ou hibridização cultural.

E para finalizar devemos dizer que a cultura não pode mais ser interpretada como um acréscimo de saberes ou processo estético, intelectual ou espiritual. A cultura precisa ser vista e entendida levando-se em conta a imensa expansão de tudo que está ligado a ela, e o papel essencial que a mesma possui em todos os aspectos da vida social.




1 RAFAELA DOS SANTOS RIGO, acadêmica do 5º semestre de Relações Públicas - UNISC.

2 Escritora Argentina, autora do livro “Cenas da vida pós-moderna: intelectuais, arte e videocultura na Argentina”, Rio de Janeiro, UFRJ, 1991. p 53-122.

3 Autora do livro “O mito na mídia: a presença de conteúdos arcaicos nos meios de comunicação.” Editora Annablume, 1996.

4 Mônica Rodrigues Dias Pinto é autora da obra “Escola e Linguagens Contemporâneas: um desafio.” Rio de Janeiro: Mimeo, 1996.



Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande