2a edição com encarte colorido, 205 figuras no



Baixar 461.73 Kb.
Encontro18.09.2019
Tamanho461.73 Kb.

Athanase Billis

PATOLOGIA CIRÚRGICA

DA

PRÓSTATA


2a edição
com encarte colorido, 205 figuras no

texto, 1047 imagens em CD-ROM, capa dura e papel cuchê
SUMÁRIO
Capítulo 1. ANATOMIA, HISTOLOGIA E IMUNOISTOQUÍMICA. Peso. Divisão em lobos. Divisão em glândulas internas e externas. Divisão em zonas. Cápsula e tecido adiposo. Ducto ejaculador. Glândulas: células tronco, basais, secretoras e neuroendócrinas. Estroma. Imunoistoquímica. Referências.

Capítulo 2. PROSTATITES. Agudas.Crônicas. Inespecíficas. Granulomatosas infecciosas. Granulomatosas iatrogênicas: BCG, pós-RTU, Teflon. Idiopáticas. O laudo de biópsias de agulha com infiltrado inflamatório. Malacoplaquia. Referências.

Capítulo3. HIPERPLASIA NODULAR. Sinonímia.Definição.Freqüência. Epidemiologia. Hiperplasia nodular em animais. Local de origem. Etiopatogênese. Manifestações clínicas. Macroscopia. Processamento de espécimes cirúrgicos. Microscopia. Critérios diagnósticos. Variantes histológicas. Outros achados. Laudo anatomopatológico. Complicações e evolução. Tratamento. Referências.

Capítulo 4. NEOPLASIA INTRAEPITELIAL PROSTÁTICA (NIP). Histórico. Sinonímia. Morfologia. Grau histológico. Tipos arquiteturais. Tipos não usuais. Diagnóstico diferencial. Significado biológico. Freqüência. PSA e ultra-som. Conduta prática ao se encontrar NIP em material de patologia cirúrgica. Freqüência de carcinoma numa segunda biópsia. Referências.

Capítulo 5. CARCINOMA. Definição. Classificação quanto ao comportamento biológico. Freqüência. Epidemiologia. As bases moleculares da carcinogênese prostática. Etiologia. Carcinoma prostático em animais. Local de origem. Manifestações clínicas. Diagnóstico clínico, laboratorial e por imagem. Antígeno específico da próstata (PSA). Macroscopia. Microscopia. Critérios diagnósticos microscópicos. Disseminação. Neoplasias secundárias da próstata. Prognóstico. Tratamento. Alterações microscópicas pós-tratamento hormonal ou radioterápico. Referências.

Capítulo 6. CARCINOMA: GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA E ESTADIAMENTO. Graduação histológica. Sistema Gleason. Sistema OMS. Estadiamento. Referências.

Capítulo 7. CARCINOMA: TIPOS HISTOLÓGICOS MAIS RAROS. Carcinoma urotelial. Adenocarcinoma ductal. Adenocarcinoma mucoso. Carcinoma de células em sinete. Carcinoma de pequenas células. Carcinoma sarcomatóide. Carcinoma epidermóide. Carcinoma adenoescamoso. Adenoma. Carcinoma adenóide cístico (basalóide). Carcinoma linfoepitelioma-símile. Carcinoma pleomórfico de céls. gigantes. Referências.

Capítulo 8. CARCINOMA: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL MICROSCÓPICO. Atrofia. Adenoma nefrogênico. Adenose. Adenose esclerosante. Artefatos secundários ao efeito de cauterização. Artefatos simulando carcinoma de células em sinete. Infiltrado inflamatório. Carcinoma indiferenciado vesical. Ducto ejaculador. Glândulas de Cowper. Glândulas normais ao redor de nervos. Glândulas normais de permeio a tecido muscular esquelético. Glândulas normais sob efeito radioterápico e/ou medicamentoso. Hiperplasia cribriforme. Hiperplasia de células basais. Hiperplasia de glândulas do verumontanum. Hiperplasia de restos mesonéfricos. Malocoplaquia. Metaplasia escamosa. Metaplasia mucinosa. Metaplasia urotelial. Neoplasia intraepitelial prostática (NIP). Prostatite xantogranulomatosa. Tecido paraganglionar. Xantoma. Referências.

Capítulo 9. INTERPRETAÇÃO DOS ACHADOS EM BIÓPSIAS DE AGULHA. Obtenção e envio do material. Representatividade do material e informações clínicas. Rebiópsia. Parênquima prostático normal vs. hiperplasia nodular da próstata (HNP). O diagnóstico de prostatite. Presença de neoplasia intraepitelial prostática (NIP). O diagnóstico de adenocarcinoma. O laudo "suspeito mas não diagnóstico de adenocarcinoma". Existe contagem final de Gleason 2-4 em biópsia de agulha da zona periférica? Invasão perineural. Extensão extraprostática. Estádio T1c com pequenos focos de adenocarcinoma. Elaboração do laudo anatomopatológico. Referências.

Capítulo 10. Processamento dO espécime de prostatectomia radical. Indicações de prostatectomia radical. Processamento do espécime cirúrgico. Fragmentos para microscopia. Avaliação de margens cirúrgicas comprometidas, extensão extraprostática e invasão das vesículas seminais. Avaliação da extensão tumoral. Desenho esquemático. Fatores que influem na progressão da moléstia pós-prostatectomia radical. Ausência de neoplasia no espécime cirúrgico:fatores envolvidos. Referências.

Capítulo 11. LESÕES E TUMORES DIVERSOS. Cistos. Pólipos de uretra prostática. Amiloidose. Melanose. Metaplasia. Sarcomas. Tumores estromatosos de potencial maligno incerto (STUMP). Tumor miofibroblástico inflamatório. Neoplasias secundárias da próstata. Referências.

ÍNDICE ALFABÉTICO
FICHA PARA AQUISIÇÃO DO LIVRO
NOME_____________________________________________________________

ENDEREÇO________________________________________________________

CEP___________CIDADE________________________ESTADO_____________

TELFONE (____) ___________________FAX (____)_______________________

E-MAIL____________________________________________________________
Cheque nominal cruzado a ATHANASE BILLIS enviado para:

Dr. Athanase Billis, Dep. de Anatomia Patológica,FCM-Unicamp, Caixa Postal 6111, CEP 13084-971, Campinas,SP


CHEQUE NO________________BANCO___________________VALOR R$ 220,00
: casosdeuro
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha
casosdeuro -> Caso 1: Paciente de 64 anos de idade submetido a biópsia prostática de agulha




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal