1- elementos para pré-dimensionamento das vazões de projeto



Baixar 7.39 Kb.
Encontro08.01.2018
Tamanho7.39 Kb.

AUT178 – ESTRUTURA FUNCIONAL. Redes de esgoto.
Tipos de sistema de esgotamento sanitário


  • Unitário – captação e tratamento conjunto de águas residuárias de esgoto e pluviais.

  • Separador absoluto – captação e tratamento separado dos efluentes de esgoto.

Elementos de um sistema de esgotamento sanitário




  • Coleta – subsistema que recebe contribuições diretas das instalações prediais.

  • Transporte e afastamento – transporta efluentes sem receber novas contribuições prediais.

  • Tratamento – restaura qualidade das águas servidas (diferentes níveis cfr. condições corpo receptor).

  • Disposição final – pós-tratamento / deságüe no corpo receptor.

Hierarquia dos condutos em uma rede convencional separadora




  • Coletor predial ou ramal predial – reúne esgotos de cada edificação / ligação.

  • Coletor público – recebe conexões de ramais prediais.

  • Coletor tronco – recebe conexões de coletores públicos e de ramais prediais.

  • Interceptor – tipo particular de coletor tronco, que intercepta contribuições da rede coletora aos cursos d’água.

  • Emissário – conduto que apenas transporta o esgoto coletado em uma rede em direção ao tratamento ou à disposição final, sem receber contribuições adicionais no percurso.

Elementos auxiliares da rede coletora




  • Poços de visita – câmaras de inspeção e manutenção da rede coletora, localizada em entroncamentos mudanças de direção, declividade ou diâmetro, ou a cada 100 m de rede, nos sistemas convencionais.

  • Estações elevatórias – dispositivos de bombeamento, para transposição ou para restabelecer condições de escoamento livre no caso de aprofundamento excessivo da rede.

Princípios de projeto e dimensionamento de condutos livres




  • Diâmetro mínimo = 100mm

  • Velocidades de escoamento  mínima = 0,60 m/s; máxima = 5,0 m/s, para a maioria dos materiais, considerando esgoto bruto.

  • Estudos comparativos de percurso e conexão com tratamento, dependendo da configuração topográfica da área a esgotar, procurando minimizar transposições e situações onde se faça necessária a implantação de PV.

  • Alternativas de rede condominial (fundos de lote) e rede exclusiva de efluentes líquidos (pequenas declividade e diâmetro).

Esquema típico de uma rede coletora convencional.



Fonte: Barros, R.T. de V. et allii (1995)




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal