0047. Dcos. Ccs. Mt. 10. R. P. 19 Enxerto ósseo de tórus palatino em região anterior de maxila – relato de caso



Baixar 6.53 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho6.53 Kb.

UFPB-PRG XIII Encontro de Iniciação à Docência

0047.DCOS.CCS.MT.10.R.P.19
ENXERTO ÓSSEO DE TÓRUS PALATINO EM REGIÃO ANTERIOR DE MAXILA – RELATO DE CASO

Felipe Ramalho de Morais¹; Rafael José Andrade Nunes¹; Fabiano Gonzaga Rodrigues²; Danilo Batista Martins Barbosa²; Tânia Lemos Coelho Rodrigues3;



Centro de Ciências da Saúde – CCS; Odontologia – DCOS - MONITORIA

Introdução: O osso alveolar, após extrações, sofre um processo fisiológico de reabsorção que, muitas vezes, limita a quantidade de osso impossibilitando a reabilitação por meio de implantes dentários. Contudo, graças à enxertia óssea, torna-se possível reconstruir a anatomia perdida devolvendo ao paciente a possibilidade de reabilitação bucal por meio da implantodontia. Nesse contexto, o enxerto ósseo autógeno é o que apresenta maior e melhor previsibilidade de sucesso em termos de qualidade e quantidade, segundo a literatura. Dentre as fontes de osso autógeno, as que raramente são mencionadas são os torus mandibulares, palatinos e exostoses ósseas. Como possuem prevalência marcante na população, representam uma importante solução, com a vantagem de não renderem defeitos anatômicos estéticos, apresentarem fácil acesso, ausência de distúrbios sensoriais e uma leve morbidade pós-operatória comparada com enxertos obtidos da região de mento e área retro-molar. Objetivo: O objetivo do presente trabalho é descrever a técnica de remoção de tórus palatino com posterior utilização como enxerto autógeno em região anterior de maxila. Relato de Caso: Paciente do sexo feminino, 33 anos, leucoderma, compareceu ao serviço apresentando perda dos elementos 11, 12, 21 e 22, desejando reabilitá-los por meio de implantes dentários. Ao exame clínico e imaginológico, constatou-se pouca quantidade óssea no rebordo alveolar em questão, necessitando da realização de enxerto ósseo para possibilitar o tratamento. Como foi verificada a presença de tórus palatino, sugeriu-se a sua utilização como enxerto autógeno. Após remoção do osso e remodelação de acordo com a conformação do defeito ósseo do sítio receptor, os blocos foram fixados e o retalho foi suturado. No pós-operatório, observou-se adequado ganho ósseo, permitindo o tratamento reabilitador através da implantodontia. Conclusão: A ocorrência relativamente comum de tórus na população associada ao extenso número de pacientes que necessitam de correção de rebordo alveolar revela que o enxerto de tórus pode ser freqüentemente indicado e constitui uma opção de tratamento segura, efetiva e vantajosa. No caso em questão, o tratamento realizado apresentou uma excelente opção para correção do defeito ósseo, portanto, o profissional deve investigar a presença dessas alterações durante o exame intraoral e incluí-los no plano de tratamento, permitindo uma cirurgia com menor morbidade ao paciente.
Descritores: Enxerto ósseo; Tórus palatino; Implantes dentários
: anais -> XIIENEX XIIIENID -> ENID -> MONITORIA -> TRABALHOS
TRABALHOS -> 0037. Dmf. Ccs. Mt. 10. R. O. 11 VariaçÕes anatômicas da porçÃo terminal da veia retromandibular em humanos
TRABALHOS -> 0047. Dcos. Ccs. Mt. 10. R. P. 13 Aspectos tomográficos das anquiloses da atm
TRABALHOS -> Escultura dental na reconstruçÃo de dentes anteriores fraturados
TRABALHOS -> Monitoria de odontologia em saúde coletiva: relato de experiência
TRABALHOS -> 0037. Dmf. Ccs. Mt. 10. R. P. 10 Uma abordagem histológica sobre o que é LÍngua pilosa
TRABALHOS -> Variações Anatômicas de Origem das Artérias Facial e Lingual
TRABALHOS -> Neurofibroma de nervo laringeo superior
TRABALHOS -> Implantação de um Banco de Dentes Humanos: Importância para as disciplinas pré-clínicas do Departamento de Odontologia Restauradora
TRABALHOS -> Protocolo de escultura dental em resina e amálgama para dentes posteriores
TRABALHOS -> Monitoria da disciplina de dentística clínica II: experiência e prática




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal